Os erros sem conta das avaliações do governo Temer, por Janio de Freitas

temer_ministros_alan_santos_pr.jpg
 
Jornal GGN – Em sua coluna de hoje na Folha de S. Paulo, o jornalista Janio de Freitas fala sobre as revisões do governo em questões como a reforma da Previdência e a estimativa de deficit fiscal para 2018, que foi corrigido de R$ 79 bilhões para R$ 129 bilhões.
 
Em relação à reforma, o governo Temer decidiu rever a regra de transição de quem já paga para a Previdência, que seria uma maneira de corrigir erros de avaliação política e propostas técnicas que provocariam distorções na aplicação das regras. 
 
O Banco Central, por sua vez, também deve se apressar na correção progressiva da taxa de juros, “muito mais altos do que deviam por erro em projeções, até publicadas”, diz Janio.

 
Leia a coluna completa abaixo: 
 
Da Folha
 
 
Por Janio de Freitas
 
Apesar de tudo, ainda é do Congresso que vem alguma defesa do interesse público. A recusa à aprovação apressada e leviana da “reforma” da Previdência, como pretendida pelo governo, deparou-se com erros perturbadores no projeto comandado por Henrique Meirelles.
 
Fora do Congresso, mas também nele, outros erros foram identificados como comprometedores das previsões oficiais e das perspectivas econômicas apregoadas. Bem a propósito, fracassada a previsão de que o crescimento retornaria ainda em 2016, Meirelles anunciou-o para o final de março. Abril está aí, e nem parece que o ministro da Fazenda está.
 
O governo encerrou a semana corrigindo o rombo previsto para 2018: a estimativa de R$ 79 bilhões sobe, em um pulo só, para R$ 129 bilhões. Pouco antes, o governo decidira, em “atenção ao Congresso”, rever a regra de transição dos já pagadores de Previdência para novas e mais duras possibilidades de aposentadoria.
 
A regra inicial foi uma das cinco recusas do Congresso, sobre as quais o governo passou da exigência persistente à dócil reconsideração. O jornalista José Paulo Kupfer –presença constante no que de melhor se publica sobre economia brasileira– dá a explicação para a virada atribuída a negociações: “pelo menos em parte”, o recuo do governo tem como “objetivo corrigir erros de avaliação política” e “proposições técnicas mal costuradas, que levariam a distorções na aplicação das novas regras”.
 
Coisas assim: pessoas de mesma idade e mesmo tempo de contribuição, mas nascidas um pouco antes ou um pouco depois das novas regras, se aposentariam com menos cinco anos ou com mais 20 de contribuição, para receber o mesmo. Além de erro técnico, soma de doidice e violência. Mas Meirelles não erra sozinho.
 
Já nesta semana o Banco Central sai correndo para apressar a correção progressiva dos juros, muito mais altos do que deviam por erro em projeções, até publicadas. O governo pode comemorar, no entanto, a queda da inflação. Embora o feito seja obra do aumento do desemprego e da economia esmagada. Estes, sim, feitos do governo Meirelles/Temer.
 
Brasileirinhas
 
1- Como convém, Gilmar Mendes declarou-se impedido de julgar o caso, no Supremo, de uma empresa patrocinadora do seminário que Gilmar-empresário-de-ensino empreende em Portugal. Ainda que a declaração de impedimento só viesse depois de “O Estado de S.Paulo” publicar que Gilmar-ministro era relator do caso de sua patrocinadora.
 
Permanece, porém, um fato indelével: o acerto do patrocínio deu-se, por certo, quando o seminário em Portugal ainda se organizava. Logo, com Gilmar Mendes como relator do processo da então possível patrocinadora.
 
Original, essa relação no Supremo entre relatoria e patrocínio.
 
2- Roberto Freire explica por que nomeou, para os melhores postos no Ministério da Cultura, 18 filiados do seu PPS: “São pessoas da minha confiança”. Ah, os antecessores só nomeavam assessores de quem desconfiavam. E Roberto Freire só sabe de gente confiável no PPS. Não é o que pensam os seus ex-eleitores pernambucanos.
 
3- Ricardo Barros atacou nota da Fiocruz contra o corte de verbas: “Assim como não vou contra o ministro Henrique Meirelles para pedir mais verba, a Fiocruz também não pode fazer manifestação contra o governo do qual faz parte”. A Fiocruz, centro de excelência científica, não faz parte do governo: integra o Estado, a União, o serviço público. Quem faz parte do governo é Ricardo Barros –o que explica ambos.
 
4- Das 302 amostras colhidas em 21 frigoríficos, exames encontraram problemas em 39, ou 13%. É muito. Em 3% havia as perigosas toxinas salmonela e staphylococcus, os dois casos no Paraná. Em duas fábricas da BRF comprovou-se a vigarice de aumentar com água o peso da carne de frango. Seis frigoríficos foram interditados. Duas unidades dos frigoríficos Peccin e Central de Carnes Paranaenses perderam a autorização de atividade. Como se vê, a Operação Abafa funcionou, até para esse resultado.
 
Assine
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

8 comentários

  1. A Folha só não manda Jânio

    A Folha só não manda Jânio embora porque isso teria uma repercussão supernegativa. Pode-se até achar que não mandam embora pra não perder assinantes, mas não creio nisso. Afinal, papai Temer dá a mesada gorda pros meios de comunicação. E esse artigo, além de estar como sempre muito bom, ainda menciona o arqui-rival estadão – na reportagem de Gilmar Mendes e no Kupfer. 

    Otavinho deve estar coçando pra ligar pro RH da folha rssss 

     

     

    • Faz parte da estratégia

      Faz parte da estratégia mercadológica e política. Assim mantém os esquerdistas, entre enganados com a suposta isenção a viciados na colunas de Jânio; e, claro, sempre dando uma espiadinha no resta, que resto é o que interessa ao Otavinho.

      Não esqueça do Roberto Marinho e seus “comunistas” n’O Globo, em plena fase de chumbo do AI-5.

       

  2. ó vida!

    Quem com algum cuidado vê a foto desta matéria, de pronto conclui que ela representa o Mount Rushmore do pais do golpe canalha.

    Aonde esses reis Midas ao contrário puserem a porca mão, apodrece.

    Só um pais hipnotizado pela globo mantém esses tristes senhores.

    -Óh vida, òh azar! 

    [video:https://youtu.be/ps13Ezjp2bc%5D

       

  3. Não há erros!
    Está tudo

    Não há erros!

    Está tudo conforme o contrato: O “Governo Temer” é um governo terceirizado. Contratado pra destruir tudo até que só reste a feição de antes de 1930, que é o estado de coisas ótimo para a banca Wall Street-City londrina, e excelente para a plutocracia paulista que tem sua “Revolução de 1932” vitoriosa, enfim: o resto do país, todo ele de joelhos aos seus pés.

    • A ideologia da atual politica

      A ideologia da atual politica economica é a da turma do Plano Real cuja base está na Escola de Economia da PUC-Rio.

      Os “economistas de mercado” são essencialmente cariocas e é deles toda a base neoliberal do plano economico atual.

      MERCADO FINANCEIRO GLOBALIZADO tem sua matriz ideologica no Leblon e não na industria paulista.

      Eugenio Gudin é o profeta dessa ideologia e seu contraponto era Roberto Simonsen e a industria paulista.

      O setor economico mais prejudicado com o REAL SUPERVALORIZADO é a industria paulista.

  4. Governo Temer, aquele que não erra jamais

    Janio de Freitas esta correto em todos os pontos. Os inacreditavies Gilmar Mendes e o perdulario Temer, aquele que não erra! E também incluindo no pacote os problemas dos frigorificos que fazem magica com carnes e frangos. Nem tanto ao céu nem tanto ao mar.

  5. divulgue

    Divulgue em todas as suas redes sociais essa matéria.

    Se cada brasileiro anti kurrupto enviar para dez amigos,

    Em meia hora todo o sistema solar ficará sabendo!

    (e talvez fique menos burro)

    Seja rápido antes que a matéria seja escondida pela mídia favorável ao  PêTê !!!!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome