Os três desafios de Dilma

Semanas atrás dizíamos aqui que havia duas saídas possíveis da crise: Dilma com Michel Temer; ou Michel Temer sem Dilma.
 
De lá para cá reduziu-se imensamente a alternativa Dilma com Temer, devido à insuperável incapacidade de Dilma de analisar a conjuntura política, assim como a conjuntura jurídica, assim como a conjuntura econômica.
 
Para qualquer observador minimamente antenado, as alternativas políticas seriam simples de entender:
 
1. A popularidade do presidente é um imã que atrai toda sorte de apoio político, porque será uma das âncoras para a reeleição dos parlamentares.
 
2. Quando o presidente perde a popularidade, perde influência na base de apoio. Tem que agir com presteza, então, para entregar os anéis, poupando os dedos.

 
3. Para recompor com o PMDB, Dilma tinha dois trunfos fortes. O primeiro, o ex-presidente Lula, que conta com a confiança dos caciques do partido. O segundo, o vice-presidente Michel Temer, que representa a face mais responsável do PMDB.
 
4. Chegando a esta conclusão, o próximo passo para remontar o pacto político é conferir poderes amplos a Temer, que passaria a ter linha direta com a presidente, aconselhando-a em todos seus passos e prestando contas e ela de todos seus atos.
 
Nada disso ocorreu. Não é momento para acusações. Mas é evidente que um dos principais componentes da crise atual foi a teimosia de Dilma em manter Aloisio Mercadante e José Eduardo Cardozo nas duas áreas mais críticas do jogo político: a interlocução com o Congresso e com o sistema judiciário.
 
Mercadante tem atributos para tocar qualquer área relevante. Mas Dilma manteve-o em uma área em que o desafio central é remontar a base de apoio com o PT e o PMDB. E os dois partidos não suportam Mercadante.
 
Dilma terá que administrar simultaneamente três desafios: ajuste econômico, recomposição da base e desalento dos empresários e dos movimentos sociais. Suas duas principais âncoras – Lula e Temer – não parecem mais acreditar  na sua capacidade de avaliar riscos.
 
Com o incêndio lavrando, a tática de colocar assessores e Ministros correndo atrás do baixo clero do Congresso, para um tete-a-tete, é tão improvisada quanto as cabeçadas em torno da CPMF.
 
E agora? Lá sei eu. Quem souber que conte outra.
 
É possível que do fundo do poço Dilma seja acometida por um estalo de Vieira. É possível que não.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora