Postura de Bolsonaro deixa Arthur Lira sob pressão

Presidente manteve discurso contra urna eletrônica; para aliados, dar sobrevida à questão do voto impresso pode ter sido ‘um tiro no pé’

O deputado Federal Arthur Lira (PP-AL) em selfie com Bolsonaro - Foto: Reprodução/Redes

Jornal GGN – O posicionamento do presidente Jair Bolsonaro em torno das urnas eletrônicas acabou colocando o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP), em uma saia justa após a rejeição da PEC do voto impresso.

O tema foi colocado em votação na última terça-feira, por conta do compromisso mantido por Bolsonaro de que a decisão tomada na Câmara seria respeitada.

Clique aqui e veja como apoiar o jornalismo independente do GGN

A PEC foi derrotada ao obter 229 votos favoráveis e 218 contrários, além de uma abstenção. Contudo, o presidente manteve a retórica golpista, seguiu colocando em dúvida a confiabilidade das eleições e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o que acabou gerando cobranças de parlamentares a respeito da conduta de Lira.

Segundo o jornal Folha de São Paulo, Lira foi questionado por aliados sobre o risco de confiar em Bolsonaro, e acreditam que a votação em plenário pode ter sido um tiro no pé por expor deputados que contrariaram suas bases eleitorais, mesmo sem garantia que o presidente Bolsonaro encerrasse sua narrativa.

Leia Também

Bolsonaro quebra promessa feita a Lira e critica derrota do voto impresso

Deputados fecham acordo e retiram distritão da reforma eleitoral

Ministro do TCU rebate argumentos de Bolsonaro contra urna eletrônica

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

2 comentários

  1. O centrão não pode entregar tudo, se fizer ficará refém do governo, e não o contrário como deseja.

    Nesta questão do voto por exemplo, talvez com algum esforço poderia aprovar, mas entregaria um enorme poder ao governo, principalmente considerando a influência do governo eleito sobre as polícias.

    Com o resultado da votação conseguiu também reafirmar que se espremer pode votar o impeachment, o recado está dado.

    São movimentos constantes de demonstrações de poder, o governo com as nomeações e exonerações, o congresso com as votações e a CPI.

    Todos de olho no movimento das forças armadas, mas até agora, tudo indica que não passa de fumaça.

    Mas a atual conjuntura internacional internacional não favorece o golpe militar, além da derrota dos Republicanos nos EUA, ocorreu uma derrota da direita na América do Sul, Bolívia e Peru, a manutenção de Chaves na Venezuela, e a vitória de um governo de centro na Argentina.

    Talvez com o golpe na Bolívia, antes da eleição no Peru, na Argentina e no EUA, as condições para o golpe eram mais favoráveis, mas o tempo passou e o golpe não foi dado, talvez por excesso de confiança em uma vitória dos republicanos em 2020 nos EUA.

    Mas a pandemia atropelou tudo e todos, agora acho que é tarde, vai depender do centrão e o centrão do governo.

    E que venha as eleições.

  2. Caso a pec fosse aprovada na câmara, a matéria seguiria para o senado, onde o governo precisaria negociar, e certamente haveria perdas de cargos do centrão, uma significativa perda de espaço.

    e falta pouco tempo para aproveitar os cargos, daqui a pouco vai inciar o processo eleitoral, ai o centrão vai ter que voltar para as disputas regionais, uma parte terá de deixar os cargos, pois estarão em campos opostos nas disputas estaduais.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome