Privatizações estariam por trás da crise política, por Altamiro Borges

Enviado por Webster Franklin

Do blog do Altamiro Borges

O golpe é para “privatizar tudo”

Por Altamiro Borges

Animados com a possibilidade do impeachment da presidenta Dilma, alguns tucaninhos começam a abrir o bico e a revelar as verdadeiras razões deste golpe. Em artigo publicado na Folha desta quinta-feira (17), a economista Elena Landau, que foi apelidada de “musa das privatizações” durante o triste reinado de FHC, escancara os interesses que movem esta conspiração. Para ela, “é hora de privatizar” – de preferência, entregando o patrimônio público e as riquezas nacionais para o capital estrangeiro.
 
A entreguista Elena Landau, conhecida por seu doentio complexo de vira-lata, teve papel de destaque no criminoso processo da “privataria tucana” – tão bem descrito no livro do jornalista Amaury Ribeiro Jr.. Ela foi assessora da presidência do BNDES e diretora do “Programa Nacional de Desestatização” do governo FHC. Ela faz parte do grupo de economistas ultraneoliberais da PUC-RJ, que tem entre os seus expoentes figuras como Armínio Fraga, Pérsio Arida, Gustavo Franco e André Lara Resende. Ela também tem sólidas ligações com o império, tendo estudado no MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts), um antro mundial das teses destrutivas e regressivas do neoliberalismo.

 
Com este currículo, Elena Landau tornou-se a musa dos tucanos e porta-voz dos interesses de rapina das corporações estrangeiras. A partir da vitória de Lula, em outubro de 2002, a economista caiu no ostracismo e passou a cuidar dos seus negócios. Só voltava à tona nas campanhas eleitorais, ajudando na elaboração dos programas dos candidatos derrotados do PSDB – José Serra, Geraldo Alckmin e, no ano passado, do cambaleante Aécio Neves. A Folha tucana, sempre tão generosa, até garantiu um palanque para a economista neoliberal, mas sem maior repercussão. Agora, com a ofensiva golpista pelo impeachment de Dilma, Elena Landau adquire novamente “prestígio”.
 
No artigo intitulado “É hora de privatizar”, ela demonstra que mantém o bico tucano afiado. Do seu palanque, ela critica o pacote fiscal apresentado nesta semana pelo governo federal. Ele seria muito tímido. “Os ajustes propostos não atacam erros fundamentais que levaram ao descalabro nas contas, entre eles o gigantismo do Estado, e pouco avança neste campo. A privatização não foi mencionada uma vez sequer”. Para ela, “a privatização é parte da solução dessa crise. Ela não depende, na maioria dos casos, de apoio do Legislativo. Apenas da vontade política do Poder Executivo”.
 
Após passar um período de esquecimento, ela até tenta se jactar dos seus feitos no desastroso reinado de FHC. Vaidosa, ela se gaba do “sucesso” do Programa Nacional de Desestatização. Só não diz que parte do patrimônio público foi vendida a preço de banana – é só lembrar da entrega da Vale – e que, mesmo assim, o país ficou de joelhos por três vezes diante do FMI e quase quebrou totalmente. FHC e Landau, entre outros privatistas e entreguistas, foram escorraçados do governo pelo voto popular. Agora, eles desejam voltar ao poder através de um golpe para concluir o serviço sujo da privatização.
 
“A crise abre oportunidade para nova rodada de privatizações… A lista de ativos federais, estaduais e municipais a serem vendidos pode e deve ser ampliada. Há oportunidades na área de distribuição de gás, transportes e saneamento. A quantidade de empresas e o montante de recursos a serem arrecadados é grande. Some-se ainda o plano de desinvestimento da Petrobras e os valores duplicam. O PND (Plano Nacional de Desestatização) precisa sair de sua longa hibernação e o BNDES deve recuperar sua vocação para coordenar o projeto de desestatização nacional, com lei específica e regras claras. A gravidade da crise não permite tergiversação”, conclui a economista neoliberal.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

11 comentários

  1. BNDES coordenar privatização?

    KKK.

     

    O BNDES (do governo) entra com o dinheiro para a rapinagem comprar o patrimônio do …. Governo.

    E depois não pagar, como foi o caso da AES que “comprou” a Eletropaulo. E, ainda, “prestar” um serviço porco.

    Se o Judiciário do Brasil fosse pra valer, mesmo, essa senhora tinha passado uma temporada na cadeia.

  2. Aliás,

    A dita cuja é muito próxima da Associação Nacional das Concessionárias de Energia.

    Lembrando que a Eletropaulo já deixou o Embu das Artes, por exemplo,  sem energia durante uma semana.

  3. Os tucanos sofrem de síndrome de Estocolmo pelos países…

    Os tucanos sofrem de síndrome de Estocolmo pelos países desenvolvidos. Por isso, eles têm tanta obsessão em entregar nosso patrimônio às potências econômica do primeiro mundo.

    • O FHC

      principalmente nesta foto, não tem mesmo uma cara de bobo alegre? como diria minha mãe. As mãos de Clinton em seus ombros, deixou-o em  verdadeiro extase. QUÁ, QUÁ, QUÁ. Pobre de espírito !

       

  4. E enquanto Sérgio Moro é endeusado

    Fausto de Santis foi escrachado pela mídia e por Gilmar Mendes.

    Vamos começar logo este impeachment, ir para o confronto e promover o necessário enfrentamento entre classes que ainda não foi feito no país. Afinal, no Brasil, as empregadas domésticas são da família, não é mesmo?

  5. Pé atrás

    Sempre fiquei com um pé atrás , uma dúvida sobre saber o que é melhor para um estudante/país.  Meu ponto de vista sempre foi pensar que  os que estudam fora, tem  maior  tendência ao viralatismo, principalmente se for na américa do norte, embora concorde tb que é importante conhecer outras culturas. Mas tem de saber separar as coisas, ou teremos, como já anda acontecendo, a vontade de um mundo igual, globalizado, no qual ” tudo o que é bom p/ os americanos o será para nós” e p/ todo o mundo, como eles acham. Será que as religiões importadas de lá, melhoraram o país nos últimos tempos. Acredito piamente que não, dado o fundamentalismo delas e o comportamento hostil c/ outras, principalmente as de orígem africanas

    Creio ser mais viável que se faça a graduação no próprio país e após certo amadurecimento, procurar a complementação fora.

    Estarei errada ? Mas se não conhecer o seu próprio país, suas necessidades, sua cultura e hábitos, qual seria a régua p/ comparação. Fica somente o encantamento por vitrines maravilhosas, carrões de luxo, mansões, etc.?

    A mim fica a dúvida, se os privatistas não são, bem no fundinho, invadidos por uma vontade de que nos tornemos não só uma colônia, como sempre fomos, mas um anexo deles. E penso no México, pobre país.

  6. Como já viram que no voto não

    Como já viram que no voto não ganham, perderam a vergonha na cara e manifestam abertamente as suas intenções, propondo tudo aquilo que faz o governo Dilma impopular; achando pouco, propõem que as medidas sejam mais severas e que se tomem outras medidas, ainda mais draconianas.

    Esses tucanos não aprendem mesmo. Perdem desde 2002 justamente por causa do que propõem. Como não vai ter golpe, perderão pela quinta vez em 2018.

     

  7. E tem gente ai ainda querendo

    E tem gente ai ainda querendo tirar o podwer do povo com o parlamentarismo, que já foi rejeitado varias vezes mas que politico adora; parece que o povo esqueceu o que foi esse periodo negro da Historia desse país, é só olhar os indices economicos da época, e quando querem recordar vem a turma da igrejinha proibir.

  8. PetrobraX não, PetroOGX sim!

    Imaginem Vale, CSN e Embraer sob gestão de pixulecos?

    Privatização já! Que gerem riqueza para a sociedade, e não para alguns larápios!!!!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome