Quem decide a política no Brasil são atores externos, comentário de Rafael Viera

Agora, resta a nossas elites (militar, financeira, empresarial, burocrática estatal, midiática, política) seguir o caminho traçado por Washington, rumo ao fúnebre neoliberalismo. Quando mudar o cenário internacional, mudará o Brasil.

Por Rafael Viera
comentário no post Xadrez do pacto ultraliberal com um Bolsonaro domesticado

Parabéns pela análise, Nassif. Creio que você está certo, há um pacto pelo neoliberalismo.

Diante disso, porém, vem a pergunta: que lugar do mundo o neoliberalismo deu certo?

Em nenhum, né!?

Mas, se não deu certo em nenhum lugar do mundo, porque nossa elite (militar, financeira, empresarial, burocrática estatal, midiática, política) segue esse caminho?

Minha opinião.

Por que nossa elite, que evidentemente manda no Brasil, não escolhe seu destino.

Senão, vejamos.

– Quem decidiu que o Brasil seria independente foi Dom João VI.
– Quem decidiu que o Brasil libertaria seus escravos, tendo como consequência a derrubada da monarquia e a proclamação da República, foi a Inglaterra.
– Quem permitiu a Revolução de 30, fruto da instituição do livre mercado de trabalho em 1889, foi a I Guerra Mundial e o crash da bolsa de NY (que abalou a economia da oligarquia cafeeira no poder, permitindo a ascensão ao poder de novas forças urbanas e industriais).
– Quem derrubou Vargas em 1945 foi o fim da II Guerra ou, para ser mais exato, os EUA como potência vitoriosa.
– Quem o derrubou Vargas em 1954 foi a pressão dos EUA (o mesmo comandante, Gen. Eisenhower, das Forças Armadas brasileiras na Europa durante a II Guerra, era presidente dos EUA – 1953/1961).
– Quem forçou o Golpe de 1964 foram os EUA, com a ameaça de invadir e dividir o país em dois, como fizera na Guerra da Coreia (1950-1953).
– Quem pôs abaixo a ditadura no Brasil foi o fim da Guerra Fria (queda do muro de Berlim, fim da URSS).
– Nesse ínterim, quem permitiu o desenvolvimentismo brasileiro, entre 1930 e 1980, foi a crise econômica mundial (I Guerra, crise de 29, II Guerra) e a Guerra Fria (desenvolver o capitalismo nos países pobres para evitar que a pobreza disseminasse o comunismo, como ocorria na China, Cuba e Vietnã).
– Quem nos impôs o neoliberalismo no Brasil a partir de Collor, foi a política de Thatcher/Reagan apoiada por organismos multilaterais, Universidades americanas (Chicago), mercado financeiro e mídia globais.
– Quem permitiu a ascensão do Lula foi o rescaldo do fim da URSS e o fato da máquina de guerra americana estar direcionada para o petróleo do Oriente Médio. Mas, com o retorno da Rússia como potência militar e da China como potência econômica, a partir da segunda década do século XXI, isso muda de figura. O BRICS não poderia prosperar.
Logo, quem derrubou Dilma e prendeu Lula (como fizeram com Vargas e Goulart, através do Pentágono/CIA) foi os EUA que, com sua “guerra as drogas” a partir do Governo Reagan, construiram parcerias entre o DoJ (DEA/FBI) e a burocracia judiciária nacional (PF/MPF/Justiça), desde os Governos Sarney e FHC, para combater o “narcotráfico e lavagem de dinheiro”. Isso preparou terreno para a “primavera brasileira” e a Lava Jato.

Agora, resta a nossas elites (militar, financeira, empresarial, burocrática estatal, midiática, política) seguir o caminho traçado por Washington, rumo ao fúnebre neoliberalismo.
Quando mudar o cenário internacional, mudará o Brasil.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora