Recado do Nassif: Por que Doria finalmente agiu contra o massacre de Paraisópolis

É incompreensível que uma operação com mais de 30 PMs, sem um oficial comandando, tenha passado em branco.

O colega Fernando Britto já tinha me alertado que o massacre de Paraisopolis era fruto do bolsonarismo de Bolsonaro – não o de Joao Doria jr.

De fato, a morte do sargento Ronaldo Ruas ouriçou a tropa. Era tido como uma espécie de paizão da PM e morreu durante um pancadão no local. De lá para cá, o clima esquentou até chegar na tragédia dos 9 meninos mortos. Seu irmão é político ligado ao bolsonarismo.

Indaguei de um procurador, especializado em direitos humanos, o que poderia ter ocorrido. Segundo ele, foi uma tragédia em que a PM, tradicionalmente violenta, perde o controle.

Agora, a informação de que não havia nenhum oficial comandando a tropa, mas apenas um subtenente, reforça a ideia de uma represália dos bolsominios contra a favela. E foi coisa armada. É incompreensível que uma operação com mais de 30 PMs, sem um oficial comandando, tenha passado em branco.

As duas razoes para, finalmente, Doria demonstrar alguma empatia com a tragédia, se deve a dois fatores:

  1. A infiltração bolsonarista.
  2. A ampla votação que teve na favela, que só foi divulgada dias depois.
  3. A repercussão negativa de sua frieza inicial.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora