Senado dos EUA intima chefes do Google, Facebook e Twitter

Isso significa que Sundar Pichai, Mark Zuckerberg e Jack Dorsey serão questionados por senadores sobre suas políticas sobre diferentes tipos de conteúdo

Jack Dorsey do Twitter, Mark Zuckerberg do Facebook e Sundar Pichai do Google foram instruídos a prestar depoimento. | Imagens: REUTERS

da BBC News

Senado dos EUA intima a chefes do Google, Facebook e Twitter

O Comitê de Comércio do Senado dos EUA votou para intimar os chefes do Google, Facebook e Twitter.

Isso significa que Sundar Pichai, Mark Zuckerberg e Jack Dorsey serão questionados por senadores sobre suas políticas sobre diferentes tipos de conteúdo.

Um dos focos serão as proteções legais de que desfrutam em relação ao que deixam e que derrubam em suas plataformas.

Também é provável que sejam questionados por controvérsias sobre privacidade e desinformação.

Republicanos e democratas no comitê votaram unanimemente pela convocação dos executivos-chefes.

No entanto, é provável que cada lado tenha prioridades diferentes – com alguns membros republicanos falando sobre a suposta censura de opiniões conservadoras online, enquanto os democratas se concentram na competição e na desinformação.

“Nunca houve tal agregação de poder na história da humanidade como a grande tecnologia desfruta hoje, com dinheiro e monopólio, poder e a arrogância que vem com o uso descontrolado do poder”, disse o senador republicano Ted Cruz após a votação.

As intimações seguem uma audiência anterior em julho, quando Amazon, Apple, Facebook e os chefes do Google testemunharam a um comitê da Câmara sobre questões de concorrência e alegações de parcialidade.

Status protegido

Atualmente, as plataformas de mídia social e outros sites são protegidos contra processos de acordo com a Seção 230 da Lei de Decência nas Comunicações.

Isso significa, com efeito, que as plataformas não são responsáveis ​​pelo que é postado por seus usuários se retirarem as coisas depois de notificados, ao contrário dos editores de jornais tradicionais.

Mas a proteção voltou aos holofotes este ano, depois que o presidente Trump argumentou que ela não deveria mais se aplicar se as redes sociais estivessem engajadas em “uma função editorial” – como quando o Twitter começou a adicionar avisos e rótulos a alguns dos tweets do presidente .

Os democratas no Comitê de Comércio inicialmente se opuseram ao uso do poder de intimação por seus colegas republicanos, mas mudaram de ideia para a votação na quinta-feira depois que o escopo da discussão foi ampliado.

O rival democrata de Trump nas próximas eleições, Joe Biden, já havia dito que a Seção 230 deveria ser revogada , mas por razões diferentes – o que ele chamou de “propagação de falsidades”.

Os três executivos-chefes foram inicialmente convidados a comparecer voluntariamente, mas recusaram.

Novo escrutínio

A nova convocação é a última dor de cabeça regulatória para os gigantes da tecnologia, que enfrentarão uma série de decisões críticas por parte das autoridades nas próximas semanas.

A audiência de julho no Congresso com as empresas, mais a Amazon, tratou de questões antitruste, incluindo alegações de que elas haviam deliberadamente eliminado rivais menores em uma busca pelo domínio do mercado.

O relatório do Congresso sobre o evento deve ser publicado na próxima semana.

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos está em discussões com procuradores-gerais estaduais sobre um possível caso antitruste contra o Google por suas práticas – uma ação legal que também pode começar na próxima semana.

E ações semelhantes estão sendo montadas no exterior.

A versão preliminar da União Europeia de uma lei iminente proíbe os gigantes da tecnologia de dar tratamento preferencial a seus próprios produtos.

O rascunho da Lei de Serviços Digitais, visto por vários meios de comunicação, diz que os “guardiões” das grandes tecnologias podem ter que compartilhar dados do usuário com rivais para criar um campo de jogo uniforme em algumas circunstâncias.

E na China, a agência de notícias Reuters relata que o país está preparando sua própria sondagem de competição no Google por meio do sistema operacional de telefone Android.

As sanções dos EUA contra a Huawei por motivos de segurança nacional criaram um desafio para a empresa – uma das maiores fabricantes de telefones do mundo – que afirma que começará a usar seu próprio sistema operacional não Android no próximo ano.

Essa decisão também é esperada para este mês.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora