Sondagem dá vitória folgada a Putin

Por Paulo F.


Kremlin acusa revista “Time” de “putinofobia”


Por Ana Fonseca Pereira, do Público.pt


Vladimir Putin está a um passo de regressar à presidência da Rússia, mas os protestos dos últimos meses, ainda que limitados às grandes cidades, retiraram triunfalismo à sua campanha. O primeiro-ministro não esconde, por isso, a fúria quando a imprensa toca nesse ponto sensível – o seu porta-voz classificou de “russófoba” a revista “Time”, que pôs Putin em tamanho liliputiano na capa da sua última edição.


“O incrível encolhimento do primeiro-ministro da Rússia”, lê-se na capa da edição internacional da revista americana. Por baixo das letras garrafais, um pequeno texto antecipa o artigo assinado por Simon Shuster: “Putin vai conseguir um terceiro mandato, mas o seu controlo do poder é mais frágil do que nunca. E isso torna o mundo um lugar menos seguro”.



Foi quanto bastou o Kremlin reagir. “É com grande certeza que posso dizer que o autor destas palavras é um grande ‘russófobo’ ou ‘putinófobo’”, disse Dmitri Peskov à rádio Kommersant-FM, acrescentando que “esta fobia cega não lhe permite avaliar objectivamente a realidade”.

Mas a “Time” – que elegeu o então Presidente como a personalidade do ano de 2007 – não é a única a apontar para uma nova realidade na Rússia, onde após 12 anos de poder, Putin enfrenta pela primeira vez sinais de descontentamento popular, ainda assim insuficientes para pôr em causa o seu domínio político.

Numa sondagem divulgada nesta sexta-feira, o Centro Levada prevê que o primeiro-ministro vencerá as presidenciais de 4 de Março com dois terços dos votos (63 a 66%), a enorme distância do líder comunista, Gennadi Ziuganov. Um resultado aquém do conseguido pelo seu delfim, Dmitri Medvedev, em 2008 (70%), mas mais do que suficiente para poupar Putin à humilhação de uma segunda volta.

Contudo, o estudo revela que está a crescer o número de descontentes com o sistema político que ele moldou desde a sua chegada ao poder – mais de um terço dos inquiridos concorda com os protestos contra as alegadas fraudes nas legislativas que em Dezembro deram a maioria absoluta ao partido Rússia Unida. E apesar de 80% dos inquiridos acreditarem que Putin vencerá, são pouco mais de metade os que o vêem como “líder da nação”, o cognome preferido pelos seus apoiantes. “Vamos ter um líder autoritário enfraquecido”, disse Lev Gudkov, director do centro independentes de sondagens, prevendo um reinício da contestação após as eleições.


 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora