Trump e as crises de insanidades nos Estados Unidos, por Andre Motta Araujo

A eleição de Trump é apontada por historiadores como prova da decadência dos EUA, mas os EUA tem recorrência de crises de irracionalidade, quando parece que o País perdeu o juízo.

Trump e as crises de insanidades nos Estados Unidos

por Andre Motta Araujo

Aos que se chocam com a figura grotesca de Donald Trump presidindo os Estados Unidos registro que a democracia norte-americana teve, na sua história de 243 anos, crises temporárias de insanidade corrigidas na sequência histórica. Trump não é, portanto, a primeira e nem será a última crise desse tipo.

  1. GUERRA CIVIL DE 1865 – Os Estados do Sul, chamados Estados Confederados pretendiam continuar a escravidão negra, algo que estava contrário ao tempo histórico. A Inglaterra tinha abolido a escravidão em 1807 e, sendo a maior potência global de então, nada indicava que qualquer outro País pudesse manter o regime escravocrata. Os confederados do Sul não achavam isso e acreditavam ser possível continuar com esse regime odioso. Abstraindo as considerações morais, é evidente que os Estados do Sul não teriam como ganhar a guerra e manter a escravidão, parando a História.

2. NÃO APROVAÇÃO PELO CONGRESSO DO TRATADO DE VERSALHES – O Tratado que pôs fim à Grande Guerra de 1914 foi de inspiração americana, obra intelectual do Presidente Woodrow Wilson, que dispendeu grandes e exaustivos esforços na sua elaboração, sua ideia de Liga das Nações, primeiro organismo multilateral geopolítico foi uma revolução histórica. Tratado e Liga NÃO foram aprovados pelo Congresso dos EUA, um vexame inédito, o Presidente americano ganhou o mundo e perdeu em casa, uma insanidade inexplicável para os europeus, uma crise de insanidade.

3. LEI SECA – A 18ª Emenda à Constituição americana estabeleceu a proibição de fabricação e consumo de bebidas alcoólicas, vigorou entre 1920 e 1933, foi de uma estupidez unida pela sua inviabilidade óbvia. O pano de fundo foram as seitas evangélicas que dominavam o centro dos EUA, a Lei Seca produziu como resultado permanente a criação de grandes grupos de crime organizado no País, notadamente a Máfia siciliana, um desastre histórico.

4. MACARTISMO – Alucinação anticomunista propagada por um Senador de baixo clero, oportunista, populista e canalha, Joseph Mc Carthy, que por uma cruzada moralista sacrificou a vida de milhares de alvos de investigação, especialmente artistas, escritores, diplomatas, líderes sindicais. A onda macartista, que mobilizava o apoio popular, terminou quando o Senador quis investigar o Exército e aí foi barrado e desmascarado. Durou de 1950 a 1957 e constituiu uma nuvem de chumbo sobre a política americana. Mc Carthy morreu em 1957, de doença relacionada com o alcoolismo, desmoralizado e em desgraça, grande parte de suas alegações eram falsas, um de seus alvos foi Charles Chaplin, que teve que fugir dos EUA para não ser preso.

TRUMP, UM PONTO FORA DA CURVA – A Presidência dos EUA desde o pós-guerra foi ocupada por políticos de primeira ordem como o General Dwight Eisenhower, John Kennedy, Richard Nixon, George Bush, Bill Clinton, Barak Obama. Trump foi inesperado. Empresário de carreira sempre duvidosa, especializado em operações imobiliárias com empreendimentos que causaram grandes prejuízos a compradores e credores, no mundo inteiro há espanto e incredulidade que tal personagem pôde atingir a presidência americana, sob a legenda de um partido de elite ao qual ele nunca pertenceu antes e com a possibilidade de ser reeleito, mesmo rejeitado pelos Estados das duas costas, especialmente os dois maiores Estados, Nova York e Califórnia, mas com apoio nos Estados centrais.

A eleição de Trump é apontada por historiadores como prova da decadência dos EUA mas, como apontamos acima, os EUA tem recorrência de crises de irracionalidade, quando parece que o País perdeu o juízo. Salva seu poder político o sólido arcabouço institucional que se mantém indestrutível desde a Guerra Civil. Os estragos geopolíticos de Trump serão, contudo, de difícil reparo, quebrou todas as alianças estratégicas e comerciais construídas pelo País desde 1945, agrediu os melhores amigos dos EUA e alisa os piores inimigos autoritários.

O resumo acima é superficial, a história dos EUA é complexa, extensa e rica e para sua compreensão é necessário mergulhar nos livros.

Para conhecer o pano de fundo social que afeta a política do século XX é fundamental um mergulho na DRAMATURGIA SOCIAL AMERICANA, que vai de 1920 a 1940, especialmente com os autores clássicos Clifford Odetts, Arthur Miller, Tennessee Williams, Wiliiam Faulkner, Ernest Hemingway, Eugene O´Neill, Theodore Dreiser, F. Scott Fitzgerald, que pintaram um fascinante panorama da sociedade americana, especialmente na Grande Depressão e nos anos de Guerra. Já escrevi alguns artigos aqui sobre esses autores e sobre sua época, talvez a mais interessante dos últimos 100 anos na história americana.

AMA

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

13 comentários

  1. Em som e fúria do Faulkner há um personagem que é um dos personagens mais canalhas que li – Jason compson . Trump é uma forma caricata dessa cria genial de Faulkner. Recomendo que leiam esse livro. Uma dica: a parte 1 e 2 é bem árida de atravessar. Se começar a dar vontade de parar comece a leitura pela parte 3 indo até o fim e depois voltando pra parte 1.

  2. Prezado André
    Já li que você tem parentes norte-americanos, e conhece bem a História dos EUA (sua erudição é prova disso); mas sempre tive idéias bem ruins a respeito dos EUA: não gosto dos EUA (o mundo seria bem melhor sem eles, que se metem em tudo e geralmente transformam em merda onde põem a mão). O que me espanta é que um país fundado sobre ideais iluministas se transformou numa metástase que ameaça o planeta. Não terão um defeito de origem (afinal, os primeiros colonos não foram puritanos, com seu fanatismo e dogmatismo – hã outra loucura coletiva, antes da independência, as BRUXAS DE SALEM) que de tempos em tempos emerge?
    E, sempre digo: é um prazer ler seus posts

    • Agradeço o comentario. Há grande diferença entre americanos cultos e civilizados geralmente encontrados nas duas costas e o “americano médio”dos Estados centrais, tosco e desconhecedor de tudo o que está fora dos EUA e que são a maioria do Pais, esses são os eleitores do Trump, voce os encontra especialmente no Texas, entram em restaurantes de chapeu de cowboy, arma na cintura
      e com certeza absoluta não sabem a capital do Brasil ou de qualquer Pais da America do Sul.
      Vejo com preocupação o destino dos EUA se Trump for reeleito, o que é uma possibilidade.

  3. Trump é decadência ou acomodação? Até porque o Mundo evoluirá para onde? A História é maravilhosa. Os Britânicos que praticamente monopolizaram a Escravidão, quando perceberam com os resultados da Revolução Industrial, que era mais lucrativo e vantajoso ter Assalariados à Escravidão, aboliram tal prática. E proibiram tal Prática Comercial em ‘ seus mares ‘. Ainda posaram de “Libertadores”. ” A História é uma mentira contada pelos Vencedores?abs.

  4. Pequeno detalhe tragicômico…..

    A lavajato(e agregados), em nome do combate à corrupção e de uma pseudo superioridade moral/juridica anglo-saxônica, partiu em guerra de extermínio contra as empreiteiras e os empreiteiros “picaretas” nacionais……Como se mundo afora,empreiteiras que realizam os grades projetos dos respectivos governos, não procurassem por todos os meios, ter influencia política para manter e conseguir novos contratos…..Nos países ditos civilizados e nos ditos menos civilizados…..Depois de alguns anos nessa desvairada espiral, nos encontramos numa posição de semi-pária internacional, alinhado, subalterno e subserviente a política e interesses do EUA…..E chego ao detalhe (tragi)cômico, a ironia do destino….EUA que tem como supremo mandatário um empreiteiro “picareta”……

  5. Eu entendo que, de tempos em tempos, devemos renovar os conceitos.
    DONALD TRUMP é uma necessidade politica fundamental a esta renovação.
    BARACK OBAMA foi um politico moderador e humanitario, mas a economia americana encaminhava-se a uma profunda recessão.
    A austeridade imposta por TRUMP é necessaria, embora, muitas vezes pareça agressiva

  6. A insanidade Trump é singular pois ocorre no momento em que os EEUU estão mais voltados, por assim dizer, “para fora”, não só do ponto de vista econômico, da movimentação de capitais, mas também do imaginário social (sobretudo a partir de 2001).

    Boas pistas se encontram em Claus Offe: Três Europeus Nos Estados Unidos Da América, Tocqueville, Weber e Adorno, escrito em 2004.

  7. Dizer que o Presidente Obama deixou o país em recessão é não saber o que está falando, ele tirou os EUA de uma tremenda crise e entregou tudo de mão beijada para o Trump que deu sequência.

  8. A revista Foreign Affairs acaba de tirar do formo a sua edição Julho/Agosto em que disseca em 6 artigos e 1 ensaio o degradê do alcance da hegemonia do poder dos Estados Unidos – instituições, política externa e economia. Desato o artigo de Fareed Zakaria.

    • Zakaria é um experiente jornalista da CNN e tem um visão ampla de relações internacionais. O estrago que Trump fez no sistema de alianças estrategicas dos EUA é impressionante, indispôs o Pais contra todos seus aliados e se esfrega de forma rastejante nos piores elementos do mundo de hoje.
      Nada disse surpreende considerando a biografia anterior de Trump mas o que é fantastico é o apoio que o outrora poderoso e sofisticado Partido Republicano dá a essas politicas suicidas.

  9. Creio que o presidente Nixon poderia figurar, com brilhantismo, também no item 4, sobre o Macartismo. Pois, enquanto Joseph McCarthy, que deu nome ao período de perseguições, era a figura de proa e a mais pitoresca das perseguições no Senado, era o deputado Richard Nixon que realizava, na mesma época, uma atividade persecutória ainda mais severa no Comitê de Atividades Antiamericanas da Câmara.

    • Voce tem razão, Nixon participou como o lado juridico da Comissão de Atividades Anti-Americanas
      mas na sua fase de Presidente ele foi um personagem equilibrado, abriu a China Comunista, até então Taiwan tinha a cadeira da China no Conselho de Segurança, na politica existem essas transmutações de careira, o mau de ontem pode ser o bom de hoje e viceversa, um personagem com varias faces e fases, Vargas ditador e Vargas democrata são um exemplo.

  10. Cara a recuperação economica gradativa é insano valorizaçao é insano vcs avaliam por suas oticas ideologicas.Agora escreva sobre seu sistema ideologico russo chines coreano nortista venezuelista …deixem de opinar sempre negativamente.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome