Home Destaque Secundário TSE afirma que voto impresso não terá vez nas eleições 2022

TSE afirma que voto impresso não terá vez nas eleições 2022

TSE afirma que voto impresso não terá vez nas eleições 2022
Foto: Reprodução

Jornal GGN – A adoção do voto impresso, defendida pelo presidente Jair Bolsonaro e boa parte de seus aliados, não deve ocorrer nas eleições de 2022 tanto por conta da tramitação no Congresso como por parte do próprio Tribunal Superior Eleitoral.

Os apoiadores de Bolsonaro tentam pela quarta vez emplacar a comprovação impressa do voto – nas outras três vezes, o Congresso chegou a aprovar a impressão, mas ou o próprio Legislativo a revogou (2002) ou o Supremo Tribunal Federal considerou a medida inconstitucional (2009 e 2015).

O debate sobre o voto impresso tem sido escorado em notícias jamais comprovadas sobre a suposta vulnerabilidade do atual sistema.

Em comunicado enviado ao jornal Folha de São Paulo, o TSE ressalta que atende a Constituição e a legislação “tal como interpretadas pelo Supremo Tribunal Federal”, e que o sistema de urnas eletrônicas é “confiável e auditável em todos seus passos”.

O TSE também apresentou os trâmites burocráticos necessários para o voto impresso ser adotado: o primeiro passo é realizar uma licitação “pautada por rígidos trâmites administrativos e burocráticos”, sem prazo de duração, por conta do tempo necessário para especificações técnicas e a margem de imprevisibilidade decorrente de qualificação e eventuais recursos judiciais e administrativos.

Também é necessário que existam fornecedores capazes de atender uma demanda de mais de 500 mil urnas em todo o país, além de todo o processo que engloba de produção e testes, passando pelo desenvolvimento de software e treinamento.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

7 COMMENTS

  1. Bozo sabe de tudo isso. É um preparo que ele faz para tentar manter-se/contestar o resultado pós-mandato que ele sabe muito bem qual é.

  2. Não sei que tipo de voto impresso o genocida tá pensando, provavelmente se trata do mais antigo, em cédulas de papel e dispensa do aparato eletrônico, o melhor dos mundos para ele e seus fiscais milicianos, militares e praças das FA, atuando como mesários e fiscais de urna pós votação, com uma arma na cintura, graças a vista grossa do juiz amigo ou da ameaça ao mesmo.

    Se já era difícil e dava até morte, sem esse aparato miliciano, iamginem agora. Melhor entregar a eleição.

    Participei de várias apurações naqueles tempos como fiscal do PT e sei a guerra que era, manter um voto mal escrito dado ao partido e seu candidato, assim como pedir a anulação do voto dado ao adversário nas mesmas condições.

  3. Voce ja produziu materias melhores a esse respeito Nassif.

    `O debate sobre o voto impresso tem sido escorado em notícias jamais comprovadas sobre a suposta vulnerabilidade do atual sistema`.

    Ja houve varias comprovacoes de fraude, simplesmente nao sao noticia, como voce esta cansado de saber. Confira em http://www.votoseguro.org.

    O TSE alardeia que as urnas sao `100% seguras`, o que e propaganda enganosa paga com dinheiro publico. Nao existem maquinas 100% eficientes, isso e uma impossibilidade fisica na natureza.

    Se a ciencia tem que ser respeitada para combater o virus, porque as urnas podem prescindir da ciencia? Existem centenas de estudos cientificos a esse respeito. O tal pai da urna, Giuseppe Janino, nunca publicou nenhum e impediu que fossem feitos.

    As urnas brasileiras sao antigas, o projeto e o mesmo ha decadas, enquanto os computadores mudam todo ano. O pior e a concentracao de poderes do TSE, que projeta, encomenda, fabrica, compra, instala, opera, recolhe e processa essas maquinas. Ou seja, e juiz de si mesmo, nao ha controle externo algum, vale o que eles dizem. Por isso nao ha denuncias comprovadas. Nao ha denuncia alguma porque nao ha o que comprovar.

    Voce faria deposito num caixa eletronico que nao da recibo?

    O maior problema das urnas brasileiras e que, alem de vulneraveis, nao ha o que conferir, elas sao inauditaveis. E a auditoria e a unica garantia de uma eleicao limpa.

    Se elas sao tao boas assim, por que nenhum pais do mundo quer? Na Europa o voto e comprovado fisicamente. Nos EUA, a Diebold, sucessora da Procomp brasileira saiu do negocio para nao ir a falencia de tanto processo que enfrentou na justica. Consulte `diebold voting machines` no Google.

    O voto eletronico brasileiro e tao confiavel quanto a cloroquina. Bolsonaro defende apenas a cloroquina. A eleicao dele ja foi uma fraude que Lula so denunciou depois que saiu da cadeia. Pra que arriscar mais uma?

  4. Dallagnol nunca imaginou que o Telegram poderia ser invadido por um estudante de Hararakwara!

    O que aconteceu, Nassif? A essa altura do campeonato voce resolve acreditar que a justica eleitoral e o Papai Noel???? Com Rosa Weber e Fux no comando?????

    Pelamor de Deus, para!

  5. No meu ponto de vista, o voto impresso poderia ser usado sim, mas apenas para auditar a urna eletronica.

    Imprime-se o voto do eleitos, apos a confirmação, o eleitor verifica se o voto impresso corresponde com o digitado, e deposita o voto impresso em uma urna, tal qual era feito antigamente.

    Apos o termino da votação e apuração, um numero de urnas seria sorteado para a aferição dos votos eletronicos e dos votos impressos, SEM EXISTIR A POSSIBILIDADE DE SE TIRAR O VOTO DA AREA DE VOTAÇÃO pelo eleitor na hora da votação.

  6. Bem, nos dias de hoje com tudo o que já sabemos, só não é a favor de urna eletrônica com voto impresso para eventual auditoria se houver dúvidas nos resultados, aqueles que ou tem segundas intenções com caráter duvidoso ou quem sofre da síndrome de déficit cognitivo. Qual será o caso ?

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

GGN
Sair da versão mobile