Xadrez de Carmen Lúcia, agente da remilitarização do país

Há tempos venho juntando um conjunto de indícios que apontam para um aumento da interferência militar nas políticas internas do país. O ápice foi a atitude da nova presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Carmen Lúcia, de convocar as Forças Armadas (FFAAs) para discutir segurança interna.

A respeito do “Xadrez das Vivandeiras dos Quarteis” (http://migre.me/vgKxM), recebo o seguinte e-mail do jornalista O, que recebeu de L., brasileiro que mora na Argentina. Ambos pediram sigilo de fonte.

De L. para O.

Prezado amigo,

li o artigo de hoje do Nassif sobre a aproximação perigosa do governo golpista com os militares. Por uma feliz coincidência, o Página 12 publicou hoje uma matéria intitulada “Jugar con el fuego” na qual faz um resumo de um painel ocorrido recentemente aqui em Buenos Aires.

O evento reuniu acadêmicos e jornalistas para apresentar o documento “La riesgosa política del gobierno para las Fuerzas Armadas”.

O texto foi publicado pelo Centro de Estudios Legales y Sociales (CELS), conhecida organização de direitos humanos aqui na Argentina, e trata, adivinha do quê?, de uma paulada na clara intenção do governo Macri de acabar com a saudável e histórica distinção entre Defesa e Segurança Interna.

Os argentinos conhecem bem a merda que é, para o conjunto da sociedade, colocar as Forças Armadas para fazer papel de polícia. Com a redemocratização, eles conseguiram separar bem os papéis institucionais dos militares e da polícia, estabelecendo claramente, do ponto de vista legal e administrativo, os limites das Forças Armadas.

Agora, estão muito receosos das intenções do governo Macri de acabar com essa conquista histórica. E, claro, com o que isso pode representar: uma porta escancarada para a repressão política, para a violação dos direitos individuais, sobretudo das populações menos favorecidas.

Veja você que, por razões semelhantes, o que se vive aqui na Argentina é parecido com o que está ocorrendo no Brasil. A diferença é que aqui há mais vozes que gritam.

No Brasil, há pouquíssimas. Nassif é um dos únicos a chamar a atenção para isso. De modo que te envio abaixo os links para a matéria e para o documento do CELS. Acho que o Nassif vai adorar receber os dois.

 

Vamos a um breve apanhado do que ocorre na Argentina, para avaliar melhor o papel da Ministra Carmen Lúcia.

A reportagem do Página 12 é sobre encontro realizado na Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (FLACSO) sobre o tema. No encerramento do painel, Horácio Verbitsky, presidente do Centro de Estudos Jurídicos e Sociais (CELS)  denunciou documento do governo Macri, procurando militarizar a polícia de segurança. Os demais especialistas presentes alertaram para o “enfraquecimento do princípio da demarcação entre os conceitos de segurança e defesa”.

Os argumentos invocados por Macri para envolver as Forças Armadas nas questões internas foram o da prevenção do terrorismo e do tráfico de drogas e a contenção da agitação social e dos protestos.

Vamos ver como fica o nosso Xadrez com essas novas movimentações.

Peça 1 – a desmilitarização na Argentina

A Argentina foi vítima de uma ditadura militar trágica, que deixou milhares de vítimas e protagonizou a guerra das Malvinas e a derrota ampla para a Inglaterra.

De lá para cá, houve um gradativo processo de reinstitucionalização das Forças Armadas promovido desde 1983 pelo presidente Raul Alfonsin.

O principal ponto acertado foi o da clara demarcação entre os conceitos de segurança e de defesa. Segurança é trabalho para a polícia; defesa, para as Forças Armadas. Segurança trata de crimes; defesa trata de inimigos externos.

A estratégia argentina consistiu, de um lado, na subordinação constitucional dos militares ao poder civil. Foram punidos os crimes contra a humanidade ocorridos na ditadura e desmilitarizados todos os cargos do Ministério da Defesa.

Peça 2 – porque não envolver FFAA com repressão interna

O trabalho apresentado no seminário lista inúmeros argumentos para não se envolver as FFAAs com repressão interna.

A primeira razão é que as Forças Armadas atuam dentro do conceito de guerra, na qual a lógica é do extermínio do inimigo. Os militares não estão treinados para o uso gradual das forças, o que explica por que suas intervenções sempre têm nível maior de letalidade.

A formação do militar é mais demorada que a do policial. Por isso mesmo, não se resolve a adaptação com re-treinamento ou com mudança de equipamentos, diz o estudo.

Em 2006, o governo do México envolveu as Forcas Armadas na luta contra o crime organizado.  Segundo informe de janeiro de 2013 da Comissão Nacional de Direitos Humanos (CNDH) as denúncias por torturas, assassinatos e desaparecimento de presos aumentaram em 1.000% no período de seis anos. E não houve nenhuma redução no tráfico.

O mesmo ocorreu na Colômbia, com seguidas denúncias de violação de direitos humanos chegando à prática de assassinatos como indicador de eficácia.

Em vários países as próprias Forças Armadas se deram conta dos riscos de entrarem na luta contra o narcotráfico.

Os riscos para as Forças Armadas estão no envolvimento de oficiais e soldados com a corrupção. No México, as Forças Armadas foram infiltradas por redes criminosas que acabaram controlando boa parte de sua estrutura e adotando suas técnicas nas disputas com outras quadrilhas. O mesmo ocorreu na Colômbia, com integrantes das Forças Armadas envolvidas em redes de narcotráficos e de armamentos.

Peça 3 – o Comando Sul e a luta contra o narcoterrorismo

No seminário foram levantados um acerto e um erro da política argentina pós-ditadura. O acerto foi a subordinação dos militares às lideranças políticas, inclusive com a punição dos que foram responsáveis por crimes contra a humanidade.

O erro foi não ter reconhecido a fundo o novo papel das forças armadas como última linha de defesa nacional contra a agressão externa.

Ao permitir o financiamento externo através do Comando Sul – uma tropa multinacional coordenada pelo Departamento de Operações de Manutenção da Paz das Nações Unidas -, mas na prática comandada pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (http://migre.me/vgGi3 e http://migre.me/vgGiD).

Originalmente, o Comando Sul foi criado para combater o narcotráfico. Mas, segundo denunciou Horácio Verbitsky, já incluiu catástrofes naturais e indigenismo como temas de preocupação. (http://migre.me/vgVn5).

Sediado em Miami, Flórida, o Comando Sul dos Estados Unidos é uma organização militar regional unificada, ligada ao Departamento de Defesa dos EUA. Seu papel é o de organizar a cooperação com forças de segurança da América do Sul, Central e Caribe, somando mais de 30 países da região. É comandado por um general 4 estrelas e organizado em diretorias, comandos e forças tarefas militares.

Em 2011, em entrevista à Folha (http://migre.me/vgGGh), o ex-embaixador do Brasil nos EUA no governo FHC, Rubens Barbosa, já denunciava as interferências indevidas do Comando Sul nos assuntos internos dos países. Acusava-o de alimentar a imprensa com boatos sobre terrorismo na Tríplice Fronteira (Brasil, Argentina e Paraguai), afim de valorizar sua atuação. Sediado em Miami, o comando treinava militares paraguaios, acenando com a ameaça dos “brasiguaios”.

O chefe da Força, general James Hill, equiparava as drogas a armas de destruição em massa e defendia o fim das restrições legais à interferiria dos militares em assuntos internos.

Na Argentina, diz o trabalho, nenhum estudo sério comprovou que o narcotráfico é o maior problema para a segurança interna. Mas é o álibi para a ampliação das intervenções das Forças Armadas e da militarização da estratégia de intervenção policial.

Nenhuma coincidência, portanto, nas atuações recentes do Ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, montando um carnaval em torno da suposta rede terrorista brasileira, e da nova presidente do STF, Carmen Lúcia, convocando as FFAAs para discutir a segurança interna.

Continuando nesse ritmo, em breve será uma ameaça à democracia brasileira maior que o próprio Gilmar Mendes. Gilmar é partidário, vale-se de todos os instrumentos legais em defesa dos seus, mas tem conhecimento suficiente sobre os riscos do excesso de poder de corporações do Estado, do Ministério Público Federal às Forças Armadas. Carmen Lúcia parece ser uma completa sem-noção.

Aliás, o assessor de imprensa de Alexandre Moraes é um militar. E o chefe de gabinete do Ministro-Chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, é um general.

Peça 4 – os sinais da militarização na Argentina

A lógica da Argentina de Macri é similar àquela desenhada nas primeiras medidas do Brasil de Michel Temer. Trata-se de envolver as Forças Armadas nas disputas internas, a pretexto de combater o narcotráfico, o terrorismo e as agitações populares. Dali para a repressão política seria um pulo.

O seminário anotou os seguintes indícios:

·       Em 19 de janeiro de 2016, através do Decreto 228/16, o governo declarou estado de emergência na segurança pública. Definiu um protocolo permitindo às Forças Armadas derrubarem aeronaves “hostis”, algo não previsto em nenhuma norma de direito internacional. E abriu a possibilidade de enfrentar “novas ameaças”, caminho aberto para que seja envolvida no combate ao narcotráfico. O governo Temer vem ensaiando medidas nessa direção, agora com o apoio de Carmen Lúcia.

·       Operação Fronteira, através do decreto 152/16, permitindo recursos militares tecnológicos e humanos para a Operação Escudo Norte, que atua nas fronteiras. No Sistema de Defesa Nacional não há nenhum tipo de atividade de fronteira que se enquadre em ameaça à integridade nacional. O novo Plano Nacional de Segurança, semi-divulgado por Alexandre de Moraes avança nessa direção.

·       Instruções ao Ministério da Defesa para recolher informações sobre narcotráfico e terrorismo nos seus países de origem. No Brasil, o GSI (Gabinete de Segurança Institucional), ligado à presidência da República, já articular os serviços de informações das Forças Armadas no monitoramento de movimentos sociais.

·       Designação de militares como funcionários do Ministério de Defesa. Desde Raul Alfonsin vinha-se desmilitarizando cada vez mais os cargos no Ministério da Defesa, entregando-os a civis. Nos últimos meses os militares voltaram a ocupar o Ministério da Defesa. No Brasil, esse movimento foi iniciado por Aldo Rebelo, ainda como Ministro da Defesa do governo Dilma Rousseff. E está sendo radicalmente ampliado pelo novo Ministro, Raul Jungman.

Peça 5 – a caixa de Pandora da remilitarização

A ideia básica desse modelo é ajudar a fortalecer governos de direita, contra movimentos populares e partidos de esquerda. Imagina-se que conferindo uma missão específica às Forças Armadas – a luta contra o narcotráfico e os “subversivos” – ela vá se ater a esses campos, sendo comandada por políticos para lá de suspeitos.

Com a desmoralização crescente do poder civil, o resultado óbvio será o de, em algum ponto do futuro, as FFAAs abolirem os intermediários.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

99 comentários

  1. O que é ruim pode

    O que é ruim pode piorar,

     

    quando o “festejado” (qua qua qua) saiu ja sabia que não poderia esperar nada da proxima administração, não me recordo de uma que tenha feito alguma diferença, é sempre uma pior que a outra, aumentando o caos e o abismo que os separam da população: enquanto não começarem do zero vai ser isso aí, de poucos para poucos……..

  2. Eita,

    Só uma pergunta:  que papel essas vivandeiras de quartel darão à Força Nacional criada no Governo Lula? Acabarão com ela? É mais “um desmonte”?

    Não estão preocupados com a “segurança externa” do Brasil porque voltamos a ser colônia dos americanos do norte?

    Ao dizer que eles tem espírito de vira lata, ( tadinho desses caninos)   brasileiros dessa extirpe se sentem “elogiados”, com certeza.

  3. Imagine-se

    Um general nacionalista e patriota (eles existem), 4 estrelas, comandante de tropa, assistindo o desmonte do Estado Nacional por um bando de meliantes, angustiado por ver o futuro dos filhos e netos destruídos, e não enxergar horizonte a curto ou médio prazo. Imagine-se ainda que esse mesmo general está mantendo contato com outros generais, todos com a mesma preocupação. E, suprema humilhação para uma Nação, um governante de terceira linha, ilegítimo, que não é reconhecido em lugar nenhum do mundo, escanteado em todas as viagens mundo afora. E a cereja do bolo: Serra, no MRE, o chanceler que representa esta Nação perante o mundo. Convenhamos, é muita angústia. 

    A sutileza, nem tão sutil assim: “Com a desmoralização crescente do poder civil, o resultado óbvio será o de, em algum ponto do futuro, as FFAAs abolirem os intermediários.”

     

    • Fernando

      Fernando, não havia lido ainda os 2 textos. Acho que o JF na Folha tb mencionara a ministra perigosa. Acho que a sua narrativa  reproduz exatamente as conversas na caserna. Mas te falo, a direita que tomou o poder é tão canalha que qualquer intervenção militar estaria à esquerda deles, ainda que centímetros.

    • Se essas figuras existem, é

      Se essas figuras existem, é bom que hajam logo… sinceramente, eu prefiro ser governado por um Médici ou Costa e Silva do que por Temer ou um Tucano.

      Bem ou mal, eles não vão deixar o país em terra arrasada como essa direita. Se  esquerda algum dia voltar, pelo menos tem um Brasil para governar ainda. Se o país ficar nas mãos desse povo até 2022, quem vier depois simplesmente administrará terra arrasada por décadas. 

    • Fernando quem é este lobo solitário???

      MInhas lombrigas secretas me disseram que na caserna a ala “moderna ”  e neo liberal e globalizante  já venceu, e os nacionalistas  ainda estão divididos entre a velha oligarquia  e o estado. Um general nacionalista democrático  é salvo erro meu, um verdadeiro lobo solitário. Mas  supondo a sua existência,  seria  apenas um homem com idéias interessantes. Que ao final seria contrário a qualquer intervenção contra a democracia. O golpe militar não foi jamais apenas militar, e os de hoje, estiveram de mãos dadas ontem e hoje. . FIguras como Carmem Lucia demonstram apenas a sua incompreensão de uma democracia. Cada instituição tem o seu papel, que se mantenham dentro do seu papel.   Porque esta conversa agora? Porque acreditar no poder de um lobo solitário ? Porque este retrocesso. Espero que os militares sejam bons militares, e apenas isto. Se quiserem devem ser bem vindos na discussão sobre o país, mas não na intervenção. Estamos aqui falando de uma nação sem grupos de poder salvadores.

  4. A pergunta é simples: quanto

    A pergunta é simples: quanto tempo seria necessário para que essas mudanças que ocorrem sejam sentidas no circuito do poder ? Ou seja, quanto tempo os militares ainda vão se fingirem de mortos até que decidam eliminar os intermediários ?

  5. Opa, opa, opa…

    Tem alguma coisa errada aqui, ou melhor, o que estava errado, finalmente começa a ser consertado…

    Quando o Alemão foi invadido, no ápice espetaculoso da implantação das legiões estrangeiras nos morros cariocas, eufemisticamente chamadas de UPP, houve gente por aqui, inclusive o editor do blog, a comemorar a retomada dos territórios perdidos.

    Já atravessaram o Rubicão faz tempo, senhores e senhoras.

    E não falo do fato de que dos 127 anos de República 70 e poucos terem sido tutelados diretamente por militares…

    Falo de agora, nos tempos da chamada redemocratização, quando importamos o modelo militarizado dos EUA, na chamada War on Drugs…

    Erram aqueles que imaginam que a militarização da segurança ocorre apenas a formalização dos convites, os afagos institucionais, ou mesmo o apoio logístico perene que temos assistido, desde a ECO-92, com uso regular das FAA como força de segurança interna (até nas eleições).

    É a formação de esquadrões militares como BOPE, CORE, e outras siglas de intervenções táticas, as chamadas forças especiais, que expressa no dia a dia a tragédia brasileira e o arbítrio.

    Qualquer guarda municipal mequetrefe tem seu grupamento tático especial (risos)…até os “guardas de trânsito federais” (prf) têm essas porcarias tipo SWAT (nos EUA, entre 80 e 2000, os grupos táticos cresceram de 83 para 847 no país todo).

    A juíza presidente (como ela gosta de ser chamada) do circo de horrores supremo é só uma oportunista.

    O estrago já foi feito, e vai demorar a desconstruir…e tenho um temor ainda maior:

    Quando o esforço dos partidos do judiciário e do parquet se juntarem ao esquema militar, aí sim, vamos ver a porca torcer o rabo…

  6. “A ideia básica desse modelo é ajudar a fortalecer governos de

    direita (…)” Certo, mas o problema é que a realidade das politicas anti-povo teimam em enfraquecer estes mesmos governos mequetrefes. Repressão e manipulação não amenizam a realidade brutal e o desespero da pobreza, miséria e injustiça social.

    Podem colocar o Exu-Caveira como ministro da justiça, podem impedir a palavra golpe, podem chamar golpe de democracia, podem pintar o temer de Brad Pitt… Mesmo assim uma hora a corda arrebenta pois nada disso impede a realidade de bater na nossa porta: transformaram o brasil num puteiro e agora nos passam a conta exigindo nosso futuro como pagamento. Vai faltar soldado na hora em que o povo reagir…

     

     

     

    • O problema é que o povo é

      O problema é que o povo é acomodado. Quer ver o povo reagir ??? É só se o Flamengo e o Corinthians foram rebaixados no mesmo ano. Só assim mesmo para o povo acordar.

      Um povo que aceitou a ditadura militar, que nas eleições pós-golpe fez a festa de PSDB e PMDB.

      O lugar onde o povo é mais combativo no Brasil, o RS, temos um segundo turno PSDB x PMDB. Só daí a gente vê que se esses são os mais combativos, imagine os menos ??

       

  7.  
    Nassif, PARA, PARA PARA

     

    Nassif, PARA, PARA PARA PARA!

    Sair gritando por aí MILITARES, SOCORRO, MILITARES! só assusta MST, CUT e petistas.

    Se toca.

    Quer fazer uma oposição responsável, comece a pensar no Brasil com LULA preso, Sem o PT. Ajudando com idéias a reerger a oposição, repensando o Brasil. Como acabar com os 20 milhões de desempregados. Como lançar o Brasil para a frente.

    Olhe para frente Nassif.

    Pare de olhar pra trás, golpe, militares, pre-sal, yankees go home, etc.

    Você viu a Alemanha? Ela quer proibir a venda de carros com motor a explosão até 2035 e a circulação de veiculos com motor a explosão até 2050.

    E o povo aqui gritando PRÉ SAL, PRE SAL!

    Vire a página, está cansativo e repetitivo o seu blog.

     

     

    • ô, bené!?

      heita….benedito. sua mensagem, pelo lido, é “jornalista: pare! fale sobre prender o lula e fim do pt”

      rapaz, jornlaismo  se trata de relatar fatos acontecidos, contextualizando-os. nçao se faz “jornalismo do futuro” noticiando oq ainda não aconteceu. assim fica tácuit suas expectativas e isso não é trabalho de jornalista.

      pelo seu pequeno texto, fica a inpressão de és um dos meninos do kataGURI, aqueles bancados e comprados pelo PSDB, Leia mais. entendera mais e se asustará menos. e vc pare de pedir q qq jornlaista pare. temos poucos. eles devem continuar e propagar seu trabalho fomentando novos corações e mentes.

      recomento toda série xadrez do nassif. tente entender q são fatos sendo relatados e o contexto sempre é apresentado pelas peças pra q vc entenda melhor o jogo e quem joga.

      desejo melhoras, bj!

    • Mas será o Benedito?

      O petróleo de fato é muito precioso pra ser queimado.

      É só olhar à sua volta e ver onde ele  pode ser encontrado…

      Esta é só mais uma razão para ter o pressal como estratégico.

      Quanto a ter medo dos militares… bem, não vou nem falar nada.

      #Foravocêsabequem

    • O blog esta cansativo? Vai

      O blog esta cansativo? Vai ler os capos da imprensa. Eles sabem porque e tem motivo para destruir o Brasil. Você é massa de manobra.

      Bobão. Sabe o computador que você está escrevendo? É petróleo. Sabe o asfalto que você pisa? É petróleo. Sabe os alimentos que você come. Os insumos usados são derivados do petróleo. O tênis que você usa? Petróleo. As roupas de fios sintéticos? Petróleo. O plástico do carro? Petróleo. No mundo moderno tudo é plástico.

      Acorda idiota. Que o pré-sal não é gasolina. É o petróleo, estúpido!

      • Sabichona, os petroquímicos

        Sabichona, os petroquímicos que vc cita acima consome em torno de 5% do petróleo produzido no mundo, é o subproduto do refino para combustíveis, o resto, o grosso da produção, é utilizada para combustíveis e aditivos de combunstíveis, ou seja, queimar para atender aos sistemas de transportes.

        • E daí? Fabrique um carro sem

          E daí? Fabrique um carro sem petróleo, ache produtos de beleza e de limpeza sem petróleo, tome um remédio sem petróleo, ande num carro sem pneus de borracha sintética, ou viva num país frio sem o gás do petróleo e faça uma compra num supermercado sem produtos derivados do petróleo. Você, com toda a sua sabedoria, deve acreditar que as guerras no Oriente Médio e na África foram feitas para levar a democracia nos países destruidos. Ou que o processo de fracking, que está destruindo os reservatórios de água potável nos Estados Unidos, é só por causa da gasolina e do diesel.

          E que o golpe no Brasil foi causado pela corrupção no governo.

    • ENTÃO É ASSIM, SABOTAM E DEPOIS QUEREM PAZ DOS CÉUS.

      Você é do tipo entregador de pizza atrasa 2 horas a entrega, acorda o comprador e ainda quer receber, é tipos como você que o Brasil nunca desenvolveu, entregando de bandeja. Provavelmente toma bomba na escola, e toma bomba na academia para ficar saradão olhando o retrato de Shuasneguer para impressionar o amigo de infância que brincava com você com soldadinhos de chumbo e troca troca figurinhas. Vai catar cavaco ô mané. Tudo tem que haver legalidade, sem legalidade não há paz.

    • PARA DE LER o BLOG

      Ô Benedito, você está lendo o blog do Nassif por que? Ele vai continuar a escrever a verdade sim, precisamos da verdade. Se você não gosta, não visita o blog, não o lê, simples assim, esquece o blog. Não leio a Janaina, a Andrea Sadi, os demais blogs golpistas….. os leia você, são sua praia com certeza.

  8. E por que agora?

    Quem é essa Carmen Lúcia? Qual a sua história, posicionamentos, escritos? Eu não sei. Nunca me interessaria por uma senhora com aquele topete. Mas alguém deve saber. Sempre foi uma reacionária? Em que grau? Vivandeira de quartéis? Com quem conversa? Com quem abre ou fecha? Qual seu comportamento com Lula e Dilma. Como votou no Mensalão. A Globo News já a entrevistou? Há que se saber a história jurídica e política dessa senhora. Como escrevi para o amigo Juncal, qualquer movimento que interrompa o projeto da camarilha canalha que tomou o poder estará à esquerda, mesmo que em centímetros. Não, não contem que uma intervenção militar depois vire ditadura nos moldes de 1964. Outro mundo, outra América Latina, apesar dos temores da esquerda, sempre prontas a reeditar como farsas antigas tragédias.

    Pesquisem a essência de Carmen Lúcia. Ela deve ter uma.

    • Respondo a Rui

      Respondo a Rui Daher,18/10/2016 – 13:22.Estou em quarentena,viu Rui.Mas seus questionamentos singelos,não suportei.Que tal você os dirigisse a quem indicou ela para o STF?Ficaria tudo certinho,bonitinho,como manda o figurino.Apesar da quarentena,minha memoria continua mais viva que nunca.Uma dica para você.Depois que a maior cabeça pensante que esse País já deve,Darcy Ribeiro,saiu de Montes Claros,o que lá restou foram infelicidades como esta Ministra Carmen Lucia,a normalista.Outra dica para você,só para avivar a memoria.A Deputada Federal Raquel Muniz,esposa do Prefeito de lá,deblaterou no dia da votação do impechemant da Presidenta Dilma: “pelo meu marido,pelos meus filhos,pelos meus netos,por um Brasil honesto,serio e sem corrupção,voto SIM.O marido dela,seu xará,Rui Muniz,no outro dia foi preso pela Policia Federal,acusado de corrupção.Por essas e outras,entrei em quarentena,e danei-me a falar sobre minha estada no Sul do Pará,onde galinha cisca para frente,e não tenho data certa para retornar.

    • Respondo a Rui

      Respondo a Rui Daher,18/10/2016 – 13:22.Estou em quarentena,viu Rui.Mas seus questionamentos singelos,não suportei.Que tal você os dirigisse a quem indicou ela para o STF?Ficaria tudo certinho,bonitinho,como manda o figurino.Apesar da quarentena,minha memoria continua mais viva que nunca.Uma dica para você.Depois que a maior cabeça pensante que esse País já deve,Darcy Ribeiro,saiu de Montes Claros,o que lá restou foram infelicidades como esta Ministra Carmen Lucia,a normalista.Outra dica para você,só para avivar a memoria.A Deputada Federal Raquel Muniz,esposa do Prefeito de lá,deblaterou no dia da votação do impechemant da Presidenta Dilma: “pelo meu marido,pelos meus filhos,pelos meus netos,por um Brasil honesto,serio e sem corrupção,voto SIM.O marido dela,seu xará,Rui Muniz,no outro dia foi preso pela Policia Federal,acusado de corrupção.Por essas e outras,entrei em quarentena,e danei-me a falar sobre minha estada no Sul do Pará,onde galinha cisca para frente,e não tenho data certa para retornar.

    • Essência

      Rui,

      sobre a essência da ministra Carmen Lucia tenho a impressão, quando a vejo em fotos ou no plenario do STF, que sua essência é triste. Parece murcha demais, vazia. Sinto um traço de amargura no seu sorriso, talvez muita frustração… O sofrimento emocional ou fisico pode tornar as pessoas mais duras, mais fechadas em si mesmas, psico-rigidas.

      O que se sabe da Ministra (sera que ela não prefereria ser chamada de ministro? Talvez pareça mais eficiente a seus olhos), é que teve educação em escola interna catolica, de rigida formação moral, como podemos intuir. Mas é sempre bom não confundir moral, que tem origem religiosa, com ética de cunho filosofico….Talvez venha dessa educação o espirito marcial da ministra? De toda forma, causa espécie que um Presidente do STF, em momento tão delicado no Pais, queira uma aproximação com as FFAA. Sera que, sabendo tudo que sabe sobre Temer e a camarilha, prefira os militares no poder?

      Ou então, a quem esta servindo Carmen Lucia? Ela sabe que esta sendo manipulada ou é uma inocente util ?

      De minha parte, não acho que haja muita diferença entre os militares linha dura tipo o chefe de gabinete de Segurança Institucional, Etchegoyen. Como ele, tem muito militar babando de odio com o fato de Dilma ter ousado instalar as Comissões da Verdade. São perigosos sim e não poderão governar o Brasil sem estarem aliados aos Estados Unidos, ainda que os tempos sejam outros. E os Estados Unidos de Trump ou de Hillary….

      • Respondo a Maria

        Respondo a Maria Luisa,18/10/2016 -18:06.Querida,a senhora de forma prolixa escreveu exatas 16 linhas para informar ao destinto publico,que a normalista esta acometida de TPM continuada.Outra.Deixe pelo amor de Deus a Presidenta Dilma fora disso,ela vai lhe agradecer de joelhos.Nassif e Da.Lourdes rezam para que eu retorne.Nem a pau Juvenal.

  9. Não acho que Carmem Lúcia

    Não acho que Carmem Lúcia seja uma tonta, ela sabe muito bem o que faz no fortalecimento dos interesses do conservadorismo nativo, o pacote apresentado pelo governo ilegítimo: privatizações, entrega do patrimônio nacional e incremento dos mecanismos de repressão aos descontentes é um clássico latino-americano de todos os tempos e conta com a simpatia sim dos togados.

    Muita gente ainda não percebeu a dimensão da participação efetiva e entusiasmada do poder judiciário no atual momento político do país: ajudou na aplicação do golpe de estado, ajudou na criminalização da política, está (não oficialmente) no grupo político que administra o país na condição de conselheiro ou por intermédio de decisões judiciais de interesse dos golpistas.

    Lembrem-se sem a anuência do poder judiciário não teria golpe… nem em 64 tampouco em 2016.

     

  10. http://www.southcom.mil/Pages

    http://www.southcom.mil/Pages/Default.aspx

    Pequenos reparos:

    1. O SOUTHCOM, Comando do Sul das Forças Armadas Americanas não é sediado em Miami e sim na Base Naval de Mayport bem no norte da Florida, a 600 quilometros de Miami.

    2.O Comandante é o Almirante Kurt Tidd e o Subcomandante é o Tenente General Joseph DiSalvo.

    3.A estrutura do Comando do Sul não é especial, é o modelo padrão da divisão geografica de todos os comandos taticos das Forças Armadas americanas. Em Stuttgart, na Aleamnha fica o  AFRICOM,  Camdo  Africa das F.A. americanas,

    assim eles dividem o globo em areas de projeção de poder e não de jurisdição territorial.

    4.O Comando do Sul é o menor e mais fraco das FA americanas, a força nava (4ª Frota) l é de patrulha e incorpora porta aviões apenas em manobras bi-anuais, de resto são barcos de 2ª linha. As bases fisicas hoje se limitam à Colombia.

     

     

    • Andre: bateu-me umas

      Andre: bateu-me umas curiosidades. Independente dessa suposta irrisoriedade bélica, se (e somente se) eles resolvensem tomar o pré sal, nossa marinha aguentaria responder? Em quanto tempo a Armada dos gringos, a mais próxima, responderia, complementarmente, a um ousado enfrentamento brasileiro? Num confronto direto, aguentariamos mais que o Iraque, na guerra do Golfo?

    • 3 “transportes”

        O ultimo deslocamento de unidades navais da 4a Frota, ainda operativo, suspendeu de Mayport em 05/10, a TF esta composta de 3 navios de transporte( LHD7 “Iwo Jima”, LSD 43 ” Mc Henry ” e LPD “New York “) em apoio a calamidades resultantes do recente furacão ocorrido no Caribe, estas unidades estão reforçadas por 2 cruzadores e 2 destroieres, e na reserva fundeados em Mayport, mais 1 LCS Milwakee .

          Em sua composição normal, Mayport/Jacksonville, “residente” , a 4a não tem unidades acima dos patrulheiros da classe Cyclone, compartilhados com a USCG. 

    • “Bases”

          Não existe mais nenhuma “base” na Colombia, o que pode existir são CSLs ( Cooperative Security Locations ) operadas em conjunto com o estado colombiano, com forte presença do DEA , empresas terceirizadas, mas raramente oficiais militares norte-americanos e sempre em missões de treinamento – como ocorre aqui, em SP d’Aldeia., a Naval Station de Cartagena trata-se somente de um ponto de apoio, sem pessoal residente.

           “Bases” americanas, após 2004, são classificadas em tipos: MOB (main operation base ) que fora dos USA/Europa somam 05 ( todas no Afeganistão), as FOB ( Foward Operation Base ), FOS ( Forward Operating Sites ), que no caso exsitem em 2 locais da América Latina, 2 FOS nas Antilhas Holandesas, e 1 em Honduras a Soto Cano AB.

  11. Ditadura do caos, o México como exemplo.

    O México é um excelente exemplo do que pode vir a acontecer por aqui se houver uma remilitarização do país – e lá o governo continua sendo ‘civil’ como também no outro exemplo do texto, a Argentina. Outro exemplo pode ser visto aqui mesmo: o que aconteceu com as PMs que atuam na ‘segurança interna’, especialmente nas UPPs do Rio. Em todos esses casos as força de repressão com a justificativa de combater o tráfico se envolveram com ele: corrupção, falta de disciplina, a desagregação das próprias forças de repressão, crescimento de grupos paramilitares. As FA não são imunes a isso e além do mais acrescenta um outro ingrediente a receita do caos: uma possível divisão entre os próprios militares das FA. Também no México o tráfico se imiscuiu diretamente na politica institucional. Eles querem jogar gasolina em incêndio, vão implementar a ditadura do caos.

    A guerra contra o tráfico e o terrorismo, o ‘inimigo interno’, é uma cortina de fumaça para a verdadeira guerra que eles estão travando. Nos países da periferia eles provocam uma guerra entre ‘tráfico’ e o Estado policial, nos países centrais entre ‘terrorismo’ e o Estado Policial. Em todos os casos os trabalhadores que não são nem terroristas nem traficantes e nem parte do Estado policial ficam paralisados no meio do fogo cruzado. Em meio ao caos e medo provocado pela guerra contra o ‘inimigo interno’ as medidas econômicas que favorecem o grande capital passam desapercebidas ou com uma resistência minima. Antigamente eles inventavam e estimulavam guerras entre países para dividir, paralisar e fazer recurar os trabalhadores, hoje inventam guerras internas. O México militarizado e ultraliberal é, novamente, um paradigma do que pode acontecer por aqui.

  12. Mano caetano vai cantart

    Mano caetano vai cantart assim prá ela:

    “Nós somos da pátria guarda, fiés soldados , por ela manada….”

    Não sei porque, essa coisa me veio a cabeça e não sai…

    • O problema é que nossos

      O problema é que nossos generais nacionalistas são que nem a oposiçã moderada na Síria. Não existem.

      Todos sã fieis a pátria do Norte.

       

  13. Rio de Janeiro, 17/10/2016

    PM carioca dispara bombas e agride pessoas dentro do Amarelinho logo após o término do ato contra a PEC 241 no Rio de Janeiro na noite dessa segunda. Vídeo: Claudia Ferreira

    [video:https://www.youtube.com/watch?v=ZnZZI-KIpiQ%5D

    Mais: Tropa de choque ataca com truculência manifestantes do ato contra a PEC 241 na Cinelândia, no Rio de Janeiro.

    Vídeo: https://www.facebook.com/midiaNINJA/videos/741922125965935/

    PS: Nassif, tem como incorporar vídeos do facebook por aqui? Já vi em posts de autoria do Nassif ou de alguém da equipe GGN. Então deve haver como fazer isso. Mistérios…

  14. Sim Nassif
    Outro dia vc recomendou Lula a pensar sua segurança.

    Digo o mesmo a vc! Se vc tiver que sair do país….já pensou nisso?
    Acho que a hora é essa! De pensar!

  15. Não seria surpresa mesmo

    Os militares estarem aguardando a deixa para entrar no golpe, que pode ser para “apaziguar ” os protestos que ocorrerão conforme o arrocho aumentar, ou debelar os tumultos com a prisão de Lula ou mesmo para emplacar uma caçada contra a criminalidade – lembrem-se que arrumar um inimigo em comum é ótimo para justificar métodos violentos e arbitrariedades.

    Temos ainda aquele episódio do milico infiltrado nas manifestações e a certeza de que os golpistas não seguiriam em frente sem a anuência dos militares. As manifestações que pediam a volta dos militares já foi um balão de ensaio, um teste da receptividade, um insight no inconsciente coletivo para que não haja surpresa.

    Os militares estão sim bem na fita. Aqui no Rio são vistos com simpatia quando ocupam as ruas nos grandes eventos. Só que este amor todo irá para o ralo quando eles partirem pra cima dos secundaristas das ocupações. O mesmo povo que aplaude Carandiru não irá tolerar ver seus filhos massacrados.

  16. Não seria mesmo surpresa

    Os militares estarem aguardando a deixa para entrar no golpe, que pode ser para “apaziguar ” os protestos que ocorrerão conforme o arrocho aumentar, ou debelar os tumultos com a prisão de Lula ou mesmo para emplacar uma caçada contra a criminalidade – lembrem-se que arrumar um inimigo em comum é ótimo para justificar métodos violentos e arbitrariedades. Temos ainda aquele episódio do milico infiltrado nas manifestações e a certeza de que os golpistas não seguiriam em frente sem a anuência dos militares. As manifestações que pediam a volta dos militares já foi um balão de ensaio, um teste da receptividade, um insight no inconsciente coletivo para que não haja surpresa. Os militares estão sim bem na fita. Aqui no Rio são vistos com simpatia quando ocupam as ruas nos grandes eventos. Só que este amor todo irá para o ralo quando eles partirem pra cima dos secundaristas das ocupações. O mesmo povo que aplaude Carandiru não irá tolerar ver seus filhos massacrados.

  17. Até 2018 não sobrará nada do

    Até 2018 não sobrará nada do Brasil, é golpe em cima de golpe. Tá igual as CPIs, tem para todo gosto e as prisões cheias de negros, pobres e agora petistas. CabaNãoMundão!!

  18. No mundo inteiro os militares

    No mundo inteiro os militares são nacionalistas. Iraque, Líbia, Afeganistão, Siria  precisaram de guerras para entrega das suas riquezas e do seu território. No Brasil os militares se aliam aos corruptos que vão receber comissão sobre a venda do pré-sal. E aceitaram docemente o desmonte do Programa Nuclear e a prisão do maior cientista das Forças Armadas.

    Será que sustentamos o exército somente  para nos reprimir? Será que estão juntos com os corruptos nas propinas da venda do pré-sal?

    eu tenho vergonha desse país.

    A PRESIDENTA do STF Carmén Lucia é uma pretenciosa estúpida. Está deslumbrada com o poder. Sua indignação moral é dirigida  somente a um grupo político pois se senta a mesa com o presidente Temer, sócio do Eduardo Cunha na falcatrua dos portos e é denunciado, mas não apurado, na Lava Jato. Se acha moderna e feminista  porque foi conversar com o Henrique Meirelles para manisfestar apoio a PEC 241 que vai destruir a economia do país e condenar a morte milhares de brasileiros. É moderna e feminista porque tomou iniciativa de chamar os militares para a repressão e morte de brasileiros. 

    É tão despreparada que não sabe que ser feminista no poder é exercer esse poder com sensibilidade e afeto, não se colocando em condição superior ao resto da nação brasileira porque essa é uma característica dos machistas. Não causa surpresa  que essa “feminista” tenha livrado a juiza que prendeu uma garota de 16 anos com 20 homens numa cela de prisão. E que tenha ofendido a presidenta Dilma, essa sim uma feminista autêntica,  gratuitamente chamando-a de analfabeta quando é ela a desinformada sobre a língua portuguesa.

    E é uma mulher feia porque sua feiura vem da alma, não dos traços fisionômicos.

    • Programas no Roda Viva: a arte imita a “vida fácil”!

      A TV Cultura não me “decepciona”, afinal uma instituição comandada por um conselho curador, constituído principalmente de conselheiros e secretários do estado, governado desde 1995 pelos mesmos, tornou-se previsível na escolha dos “entrevistadores” do programa que emprestou o nome de uma peça de teatro que fez resistência à ditadura civil/militar, mas agora faz ironia contra a democracia tal o grau de histrionismo ante a atual ditadura midiático/judicial que relativiza cláusulas pétreas da Constituição na maior cara de pau. Por causa da falta crônica de estrutura no judiciário – reflexo de super salários e hierarquização de casta – os magistrados tem uma disciplina de ofício tão obsessiva/compulsiva (tanto que uma monacal carmem, trajando um modelito “hábito” negro, confidenciou ter dois mil processos pendentes) que tais magistrados acabam retornando ao modo “nerd-coerente” default, mesmo quando se permitem ser  incoerentes em alguma licença “não tão poética”. É o que acabei de constatar ao ver a “presidentE” carmem lúcia na sinistra roda viva que divertiria, pelo nível de cinismo, algum torturador da Dilma da época em que os atores da peça, referenciada pala TV Tucano em seu programa, foram espancados pelo Comando de Caça aos Comunistas. Questionada por um envergonhado e contido repórter da Veja sobre o vazamento criminoso pelo moro de uma escuta ilegal sobre a família de Lula (caso não pertencesse à casta dos togados, tal funcionário público responderia por: prevaricação, abuso de autoridade, quebra de sigilo funcional e o “escambau”), carmem escorregou mineiramente: “não vou me pronunciar, porque ainda está em julgamento”. Ela me passou a impressão de usar métricas diferentes ao reconhecer como soberania popular certas leis pegarem, enquanto outras não (pensou no TRF do Sul que liberou pra Lava Jato prender e arrebentar os empregos e a tecnologia de algum país vizinho?); além desse tipo de soberania ser expresso na “liberdade de imprensa” que retroalimentaria essa mesma soberania num círculo virtuoso produtor de uma mercadoria com selo de garantia final ao consumidor, dada pela justiça, através da cômoda fiscalização da… “forma”! Contudo, nada comentando sobre o espinhoso mérito que eles, coerentemente com o discurso da carmem lúcia durante o programa, abdicaram de fiscalizar, produzindo meia cidadania para o “jurisdicionado”; até porque a Constituição não é hinário no bolso de freirinha fetichista. Termino, pedindo vênia aos profissionais do sexo por eu usar a palavra “programa” no título de forma tão desprestigiada, porque, durante a entrevista, houve inserções da Bolsa Mídia que mais lembravam um michê, tentando ganhar a audiência para a necessidade do congelamento dos direitos sociais por 20 anos da maneira a mais revoltante possível, uma vez que iniciavam tal inserção com o Lula e a Dilma na posição de réus por incompetência, quando, na verdade, a presidenta eleita teve seu governo sabotado pela trupe do eduardo cunha e os empresários que o apoiaram e apoiam o Temer contra os direitos do povo, essa a verdadeira âncora anticíclica; por isso, Dilma não pode aprovar nenhuma iniciativa contra a crise no Congresso, com os golpistas atiçando as labaredas que nos consomem e inspiram canções nos Neros piromaníacos que devaneiam estar em Miami.

    • É bem isso, não dá para

      É bem isso, não dá para aceitar que os militares brasileiros sejam tão lambe botas e entreguistas assim. Quanto a Carmen Lúcia, sua atuação a frente do STF é um desastre ferroviário anunciado.

    • O comentário da Venturini é ótimo

      Somente uma observação: não se envergonhe do Brasil. Pelo contrário.

      Voce, o Nassif, eu e tantissimos outros, somos testemunhas da pior geração de brasileiros, dos últimos sessenta anos.

  19. Por essas e outras é que não considero o golpe sofisticado

    Prezados,

    Nos últimos dias me empenhei na elaboração de um ensaio sobre o golpe, chamando a atenção para a lógica e as forças externas que participam do processo. Embora mais complexo que os anteriores, que se valeram da força bruta e do uso de tanques e canhões, para intimidar os que se opunham, o golpe de agora não é tão sosfisticado como alguns teóricos, analistas e estudiosos tentam nos fazer crer.

    Não vejo a mínima sutilileza ou sofisticação na conduta e atuação de um alexandre de moraes, de uma cármen lúcia, de um eliseu padilha, de um geddel vieira lima, de um romero jucá, de um moreira franco, de um michel golpista temer ou de qualquer minsitro ou funcionário de segundo escaão do governo golpista.

    Desde 2005, com a farsa do que ficou conhecido como “mensalão do PT”, que terminou em 2012 com aquela aberração jurídica que foi o julgamento da AP-470, percebi as tentativas de golpe e os atores envolvidos. Já em 2004, na edição 283, com data de capa de 24 de março de 2004, a revista CartaCapital trazia na capa uma denúncia e uma entrevista provando que a PF brasileira tinha sido comprada pelos EUA. Quem acompanhou o julgamento da AP-470, o caso Banestado e como atuou o PJ brasileiro na privataria tucana já sabia de que lado sempre esteve  está, quais interesses defende e quem representam a maioria dos doutos magistrados. sérgio moro já havia se revelado em trabalho publicado em 2004, sobre a operção mani pulite, e na atuação no caso Banestado, que não puniu nenhum tucano graúdo ou político de partidos que apoiavam o governo FHC, assim como grandes empresários – alguns das mesmas empresas enolvidas na Fraude a Jato; apenas peixes miúdos foram pegos na rede de moro, naquela ocasião.

    O apelo de governos golpistas às forças armadas, para combater um suposto “inimigo interno” é prática mais do que manjada na quase totalidade dos golpes de Estado vistos no continente latino-americano; a conivência, cumplicidade e/ou participaçao de côrtes supremas, chancelando e coonestando Estados de Exceção, torcendo, retorcendo e manipulando as leis,  na tentativa de lar legalidade, legitimidade e institucionalidade aos golpes também não é novidade; o STF brasieliro sempre cconestou os golpes de Estado, inclusive o de 1964 e o deste ano. A formação dos militares brasileiros em nada mudou nos últimos 30 anos; portanto os militares de hoje pensam quase da mesma forma que os que comandaram o Brasil  durante a ditadura militar-empresarial (1964-1989). Se em 1964 a desculpa para o golpe era “livrar o brasil do perigo vermelho”, hoje o propósito claro é implantar o ultra-neoliberalismo, visando ‘salvar’  da criseos países centrais do mundocapitalista, garantir aos EUA o controle e influência na América Latina, principalmente sobe as imensas reservas do Pré-Sal. Há grande interesse também no nióbio, metal de que o Brasil possui as maiores jazidas mundiais. Com o golpe e imposição do ultra-neoliberalismo, todos os setores estratégicos, como o nuclear, o de Defesa Soberana, o de desenvolvimento soberano e sustendo de médio e longo prazo, devem ser demontados, assim como todo o estado de bem-estar social. O projeto do golpe visa transformar o Brasil em país fornecedor de matérias-pprimas, produtos primários (minerais e agrícolas), portanto periférico e subdesenvolvido por pelo menos meio século.

    A remilitarização vai cumprir papel tão ignóbil quanto no passado; imiscuir as FFAA em assuntos de segurança e interna e combate ao crime gera muito mais crime e corrupção, como mostrado na matéria.

    Com tudo isso será que podemos chamar de sofisticados os golpes na Argentina, em Honduras, no Paraguai e no Brasil?

    • Desmantelamento do Estado Brasileiro

      Perfeito João sua análise é latente pra quem quer ver, o golpe é pra subjugar o povo brasileiro ao terceiro mundo, uma classe média que aumentou durante o governo Lula, como dizem, o ciclo de crescimento da classe média se dá nos governos de esquerda e a mesma classe média por complexo de inferioridade ajuda derrubar os governos que promoveram seus ganhos, principalmente materiais, já que a maioria da classe média só busca, pois diferentemente foge do aumento do conhecimento intelectual, haja visto taxados de “coxinhas”. A destruição das grandes empresas brasileiras que estavam se tornando transnacionais foram alvo do agente da NSA, o tal de Moro, prova da destruição das conquistas tecnológicas do país foi a criminalização do Vice-Almirante Othon, conhecedor profundo do nosso projeto nuclear. A perseguição incansável ao maior líder político da América do Sul neste século, para destruir não só sua imagem, mas um projeto de pais onde os próprios brasileiros têm dificuldade em reconhecer devido a massificação que o PIG principalmente pelo sistema globo dissemina na mente dos incautos.

  20. Não aos intermediarios

    Que eu me lembre os militares no Brasil nunca gostaram de intermediarios nem ser massa de manobra de civis como  os citados . Eles sabem do que são feitos esses golpistas.

    Portanto é mais uma razão ne não os envolver na politica.

  21. Mudanças

    Fica evidente qual o papel jogado por Obama nesta narrativa.

    Dentro de dois anos, tanto no Brasil quanto na Argentina, o povo expulsará, via eleições, os vendilhões das pátrias, brasileira e argentina.

    Até lá o exército estará confortavelmente instalado no poder e teremos uma nova intervenção (?) militar para colocar a baderna que os civis provocaram em ordem.

    É lógico que estarão participando dos futuros governos os Macris e Temers atuais.

    Muda tudo sem mudar nada, com os estados unidos sendo o detentor real do poder.

  22. Eu esperava mais da Ministra

    Eu esperava mais da Ministra Carmen Lúcia. Acho que ela está metendo os pés pelas mãos na questão da segurança pública, sendo que essa não deveria ser sua maior preocupação.

  23. Chato começar uma opinião chamando uma pessoa de imbecil!!!

    Será que a ilustre ministra dentro de sua área o judiciário, nunca se perguntou porque a POLÍCIA MILITAR  é um fracasso na segurança pública??? Porque não há segurança e a violência é grande ? E que a maior parte dessa violência bem dos PM que nem deveriam existir no meu entender pois a cultura militar foi feita pra matar o que quer que seja que eles considerem inimigos.

    O Ministra presidentO do STF ( nunca esquecerei a desnecessária aula de português dela), que tal chamar então pessoas ligadas aos direitos humanos pra lhe explicar um pouco do genocidio que sofrem os homens jovens, pobres e pretos no Brasil?

  24. Questão de Óptica?

    Nassif: fixei apenas sua Peça 3, o penúltimo e o último parágrafo.

    Invertendo a ordem, eu acrescentaria no “rol da caserna palaciana” o ministro chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general (“do” e “de”) exército Westphalen Etchegoyen, do Assessor-Chefe da Assessoria Especial da Secretaria-Executiva do Conselho de Defesa Nacional, Contra-Almirante Noriaki Wada, do Secretário de Coordenação e Assessoramento Militar (SCAM), Brigadeiro do Ar Dilton José Schuck, e do Secretário de Segurança Presidencial (SPR), General de Brigada Nilton José Batista Moreno Junior. Dos outros, nada sei, mas do todo poderoso do GSI é hereditária sua atuação extrema de política ideológica. Lembra da sua atitude desrespeitosa, como um militar ao seu superior, à Presidenta Dilma?

    No penúltimo, sobre militares sendo chamados à cena do crime, você sabe muito bem que o ato (e o fato) não é da lavra da Soror Presidenta. Convenhamos, é muita gente para caber num Ford bigode 1929. O calhambeque não aguenta tanta súcia de uma só vez, ladeira acima.

    Porém, não podemos esquecer pode ser apenas uma questão de estilo. Não acredito.

    Gilberto Freire tinha uma visão exata da escravidão na óptica de quem está no alto da varanda da Casa Grande.

    Os nazistas enxergavam o mundo felicíssimo sem judeus, negros, ciganos, maçons, comunistas, gays e outras etnias incômodas.

    Então, qual o mal da Plenipotenciária do STF descortinar o horizonte a partir de uma óptica panorâmica a partir do Outeiro da Glória? Prá que pobres? Os que não gostarem, reclamem ao Papa…

  25. Um País cada dia mais fraco

    Pode-se então dizer esta assunção de funções de polícia pelas FAs seria na verdade uma expressão de sua (e nossa, de todo o País) debilidade internacional? “… seria possível dizer que, quanto mais forte é o aparelho policial, tanto mais fraco é o exército e que, quanto mais fraca (isto é, relativamente inútil) é a polícia, tanto mais forte é o exército (diante da perspectiva de uma luta internacional)” (Gramsci, Maquiavel, notas sobre o Estado e a Política, ed. bras. 2002, p. 34)

  26. O golpe é sofisticado e inteligente

    Esse golpe foi bem desenhado, destrói qualquer chance de se sair do estado mínimo. Petro, BB, Caixa e Correios serão privatizados e rapidamente… no máximo em 5 anos tudo estará resolvido. a PEC engessa a economia e a esquerda jamais terá 2/3 do congresso para mudar a constituição. O controle da inflação com medidas recessivas(austeridade) somados a juros altos levará o desemprego para 15-20% ano que vem como resultado conseguirão facilmente acabar com a CLT e mudar o artigo 7 por completo da CF/88 e o povo desesperado com uma massa de 30 milhões de desempregados vai aceitar qualquer coisa.

    Tudo vai acontecer rapidamente, todas as reformas passarão facilmente e com apoio da população desesperada. O triste vai ser daqui uns 5-8 anos quando a população acordar e ver que nada deu certo e terminamos com um estado falido e minusculo e com sub empregos quase escravos a la India, China e México. isso é o futuro do Brasil e nada para esse trem mais.

  27. quase acertou

    Prezado Nassif,

    sou conhecido seu dos primeiros leitores que por motivos óbvios me ausentei, mas estou voltando

    Vc atirou no que viu e acertou no que não viu.

    conheço profundamente este assunto.

     

    Sim os militares estão por trás do que vcs chamam de golpe (desculpa sou de direita), eles estão por trás de gente que vc nem imagina, posso te descrever  por links publicos, mas leva tempo.

     

    Vou longo ao fim da questão

     

    O dito “golpe” ainda não terminou, a estratégia seria pressionar o Temer e seus aliados desde Renã e Aécio usando as delações para eles irem ganhando espaço. Num cenário otimista eles conseguiriam derrubar a Chapa, Dilma seria presa, temer seria caçado, lula iria mofar, daí com a queda do segundo lugar, cairíamos numa eleição indireta provisória até 2018, o país entraria em completo caos social e o povo na rua iria clamar pela intervenção militar.

    Com a máquina nas mãoes e o prestígio nacional, eles iriam emplacar algum imbecil criado tipo o capitão babão, mandar lula pra prisão perpétua, fechar os partidos adversários, um saco de maldades (nem entro se é justo ou não)

    Isso num cenário perfeito

     

    Num cenário pessimista:, eles ganham cargos, pixulecos, prestígios, favores, aumentos reais e são poupados das reformas tipo a pec do teto e a previdenciária.

     

    Isso aí em resumo grosseiro é o mapa de guerra.

    Agora vem a parte interessante, os instrumentos que eles estão usando para tal:

    – apoiar o foraTemer, do que se conclui que cair nessa vcs estão fazendo o jogo do inimigo

    – apoiar os riots: repara nos videos como tem militar infiltrado em black block, para um especialista é mais do que óbvio perceber que muitos ali tem treinamento militar

    – criar um clima de guerra às drogas, sobre isso vc já escreveu

     

    Pois bem, tudo se encaixa né.

    Agora o STF: eles estão sendo corajosos de segurar os caras, a Carmem é sua aliada.

    Minha sugestão: se livrem o quanto antes da banda podre e se aglutinem no centrão, caso contrário vcs serão tratorados, por essa frase já fui expulso de 3 blogs esquerdistas

     

    Ah, e por fim, meu interesse pessoal: vivi o regime militar e vi com meus próprios olhos roubalheira, corrupção, buroicracia, privilégio, ineficiencia e dizem até assassinatos de quem denunciava, procure por itaipu, ponte rio-niteroi, joão jobim, o mesmo modus operandi das empreiteiras

     

    Ah, uma ultima, porra nassif, vc joga muito mal xadrez, esta na cara meu filho!

  28. Parece que, em pleno golpe

    Parece que, em pleno golpe Norteado da direita 100% aplicado, acreditar numa militarização por questões relacionadas aos partido de esquerda é um tanto deslocado, Se alguem disser que é por causa do pré sal, é bem mais crivel.   

  29. Dúvida

    Provavelmente, exceto no período da Guerra do Paraguai, ninguém fez mais investimentos, para fortalecer e modernizar as Forças Armadas Brasileiras do que Lula. Em 2010 a Jane’s (publicação britânica dedicada a assuntos militares) incluía as forças armadas brasileiras entre as 15 mais fortes do planeta e avaliava que o Brasil seria a 5ª maior potencia militar do mundo, até o final da década de 2030. Nesta rota está o Plano Nacional de Defesa, a profissionalização das três forças e a capacidade de produção autocne de equipamentos no estado da arte, como submarinos (inclusive nucleares), aeronaves, blindados, misseis, armas leves, munições, capacidade de guerra cibernética, etc., etc. 

    Sendo uma força dedicada à segurança interna, as forças militares brasileiras não necessitam desses equipamentos, sendo que a pesquisa e produção de inúmeros itens estão sendo ser desacelerada ou foi interrompida. A Lavajato afetou duramente um importante ator nesse processo, que é a Odebrecht, que participava do controle do estaleiro onde deveriam ser construídos os submarinos e é a controladora da principal fabricante de mísseis do hemisfério sul do planeta.

    Os militares brasileiros vão concordar em deixar uma missão ilustre, assim como a possibilidade de ser uma das mais poderosas forças do planeta, para se reduzirem à função menor e sem qualquer nobreza de se transformarem em uma medíocre força policial? Beira até a covardia, visto que enfrentar eventuais inimigos externos exige coragem, coisa que não será necessário para deter mequetrefes quadrilhas ou tribos desarmadas.

    • Meu caro a unica coisa que

      Meu caro a unica coisa que importa aos militares eh garantir a pensao de suas filhas e que a PEC nao atinja seus futuros aumentos, isso acordado topam qualquer parada.

      • Credibilidade
        As Forcas Armadas tem a credibilidade e o respeito de 80% da população brasileira. Claro que não e unanimidade, mas isso faz parte da democracia.As Forcas Armadas não irão sujar as mãos nesse mar de lama politico que estamos vivenciando. Todos os ex-ministros da Defesa e o atual,, nutem profundo respeito e admiração pelo profissionalismo e patriotismo das Forcas Armadas porque estão  conhecendo “in loco” e não apenas no “ouvi dizer”.As Forcas Armadas tem um projeto de Brasil e não um projeto poder. Para se ter uma ideia a Forca Aérea, por exemplo, publicou um documento detalhado (passo-a-passo) de como a Forca pretende ser em 2041. O Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA) acaba de fazer uma parceria com o Hospital Albert Einstein para criar materiais para a Saúde (biotecnologia). As melhores escolas de ensino (ITA, IME, COLEGIOS MILITARES, Escola Rego Barros no Para, etc) estão sempre entre as melhores Instituições de ensino. São exemplos para qualquer governo que queira um pais melhor e na vanguarda do mundo. 

        • 80% de credibilidade da população?

          Jóca, onde foi que vc leu que as FFAA no Brasil contam com 80% de credibilidade da população?

          Voce deve saber que o Alto Comando das FFAA nunca perdeu o poder mas dorme com um olho aberto e outro fechado e montou um aparato de controle interno muito, muito, muito eficiente. E’ questão de vida ou de morte, Jóca. Formatam as mentes dos novos oficiais com uma história continuamente reescrita; revezam-se no comando contando com a desinformação e o desinteresse da população.
           
          Lembra do Brillhante Ustra, o marginal torturador, um maníaco psicopata com patente de oficial do Exército? Ele estava emboscado como adido militar no Uruguai e lá foi reconhecido por uma deputada brasileira; ”dr. Tibiriçá!!” O milicanalha foi processado perante o juízo cível, com fim meramente declaratório, em razão de estar protegido pela Lei da Anistia. O Dr. José Carlos Dias (advogado criminalista), declarou inconformado: ”Afirmo em plena consciência, sob a fé do meu grau, como cidadão, como cristão, que me sinto no dever de testemunhar publicamente que o coronel Ustra, vulgo dr. Tibiriçá, terá sido dos mais violentos repressores do regime militar imposto ao país, responsável pelas torturas e mortes no calabouço do DOI-Codi durante os quatro ou cinco anos em que foi lá comandante. Guardo em minha memória e em meu  arquivo capítulos terríveis de tortura e de morte por mim testemunhados no compulsar de autos, nos relatos de detestemunhas e de vítimas de violência.”  Enviaram carta ao Sarney solicitando a remoção daquele aborto da natureza. O general Lêonidas Pires Gonçalves, ministro do Exército de Sarney, não só manteve Ustra como avisou que não demitiria nenhum outro militar acusado de tortura. Logo depois, os três clubes militares ofereceram um jantar ao delinquente com mais de 200 talheres, presentes 200 militares de alta patente da reserva (70 generais)!

          Esse jantar foi uma típica demonstração de auto defesa e de força mafiosa. Aqueles fascistas nunca foram chamados para defender os interesses do Povo brasileiro e nem saberiam como fazê-lo. Como é possível que corporações militares fascistas possam contar com a credibilidade popular?  O fascista ao agir não conhece outro modo que não seja o do terror e o da violȇncia. Ele transforma o dissenso político no conflito armado para compensar o seu natural handicap (estreiteza de mente, inferioridade moral e intelectual) com ações de grupo, na mais absoluta covardia.

    • Pela ação conjunta de Macri e

      Pela ação conjunta de Macri e de Temer, e os dois governos alinhados aos EUA, isto pode ser sinal de que retornará a imposição da ALCA ode os EUA vão garantir segurança externa do Alasca a Terra do Fogo e as FAA destes paises se incumbirão da segurança externa. 

      Este era o projeto antes de Lula e os Kircheners.

      Tudo de volta. Os entreguistas e lambe botas não desistem. Só matando mesmo.

    • Eles não se interessam por quadrilhas mequetrefes

      São valentes para perseguir nacionalistas (comunistas) e trabalhadores.

      A corrente militar golpista de 1964 é a mesma convocada pela atual Presidente do Supremo de Frango Federal. O que estes militares sabem fazer é espionar, prender, torturar e dar sumiço em camponeses, estudantes, jornalistas, professores, advogados, donas de casa, aposentados, operários, etc.  —   (VOLTA REDONDA, dia 9 de novembro de 1988. O presidente Sarney, o governador do Rio, Moreira Franco (o mesmo que hoje é acusado de receber R$ 3 milhões de propina) e o general José Luís Lopes da Silva  —  William Fernandes Leite de 22 anos levou um tiro de metralhadora no pescoço; Valmir Freitas Monteiro de 27 anos levou um tiro de metralhadora nas costas; Carlos Augusto Barroso de 19 anos, teve o crânio  esmagado. Eram três operários entre os grevistas da Companhia Siderúrgica Nacional que reivindicavam a implantação do turno de 6 horas, reposição de salários usurpados por planos econômicos e reintegração dos demitidos por atuação sindical).

      A ”Cruzada Democrática” anticomunista de 1964 constituira-se para abater o governo constitucional brasileiro e ao mesmo tempo aniquilar quem oussse contestar a subordinação do Brasil ao ”colosso do Norte” (fórmula reverencial predileta dos covardes antinacionalistas, até hoje).  Infelizmente, com o apoio dos EUA os covardes levaram a melhor e procederam a expurgos de grandes proporções na oficialidade das três armas: 122 oficiais foram expulsos das FFAA. Os ”comunistas” (nacionalistas) não foram os únicos atingidos. Os oficiais ”legalistas”, que não tinham opiniões de esquerda mas não aderiram à vergonha, foram passados para a reserva.    —   Garanto que hoje a grande maioria desses coxinhas de merda, aprovaria a prisão de militares brasileiros, no Brasil, escoltados com a partecipação de militares estadunidenses como realmente aconteceu antes e durante o golpe de 1964. Ninguém, nem mesmo aquele Super-Babaca de Batman em Copacabana, desfilando contra o PT, pode imaginar um oficial (ou mesmo soldado raso) estadunidense sendo preso e escoltado por militares brasileiros, nos Estados Unidos !!
      O que chamam de anticomunismo dos militares não passa de acanalhamento imposto pelo capital transnacional. Essa corrente militar ainda segue à risca as instruções deixadas pelo secretário de Estado, George Kennan: ”Combater a perigosa heresia que está se espalhando pela América Latina: “A idéia de que o governo tem responsabilidade direta pelo bem do povo.”

      Os Presidentes Lula e Dilma vivenciaram abertos desacatos por parte do alto comando militar. Em 2013, Peri, Moura Neto e Saito desafiaram a presidenta Dilma e parlamentares, ostentando desprezo durante a cerimônia que restituiu simbolicamente o cargo ao ex-mandatário João Goulart, derrubado pela camarilha cívico-militar-eclesiástica.  O boçal general Carlos B. Goellner, que usava calça curta em 1964, declarou à imprensa durante o enterro definitivo do presidente Goulart, em São Borja: “Não há nada de que retratar-se, não há nenhum erro histórico, a história não comete erros, a história é a história”.
      Peri, Moura Neto e Saito, comandantes desde o governo do Lula (contra quem também montaram gesto de insubordinação quando se tocou a agenda de direitos humanos), repetiram no palácio do Poder Legislativo de Brasília a mesma hostilidade de 2011, permanecendo ostentadamente de braços cruzados enquanto Dilma, dezenas de familiares de desaparecidos e uma delegação argentina aplaudiam a criação da Comissão da Verdade. Não posso esquecer do então ministro da Defesa, Celso Amorim, calado, diante daquela insubordinação (tempos depois o mesmo ex-Chanceler, interpelado pela Comissão da Verdade, enviava nota de resposta informando que os quartéis não foram usados para tortura! Logo ele, gaio e altaneiro, que num gesto de valentia não tirou os sapatos pro Bush! Deve ter sido por causa do chulé.

      Mauro Santayana, entre outros, faz saber que o PT atuou pela reconquista da dignidade brasileira prestigiando as FFAA, ”lançando e bancando o maior programa de rearmamento na história brasileira, que nem nos governos militares ousara-se investir, ao mesmo tempo, em tantos projetos estratégicos”. Mesmo assim, o ”Estadão” e a ”Folha” publicam artigos provenientes dos ambientes golpistas e antinacionalistas da ”Cruzada democrática”.

      Exemplos recentes   —   7 de março de 2015: Vamos à Guerra! –, editorial do general Rômulo Bini Pereira, ironizando e desqualificando Lula, ameaçando por as tropas na avenida para competir com o ”exército do Stedile”. Subversão comunista? Não, o ex-presidente Lula apenas usara a expressão “vamos à guerra” para conclamar a militância a defender a Petrobras contra os interesses estrangeiros!!  —  Outras pérolas do general Bini: ”As FFAA fazem parte da sociedade brasileira, que lhes concedeu o maior índice de credibilidade entre as nossas instituições, superior até ao das religiosas”. A comparação com o divino é sintomática (o subversivo e subdesenvolvido general Carlos Guedes, declarava em 1964: todos devem temer à Deus, até mesmo os que não acreditam nele; da mesma forma, todos devem temer a ditadura militar, mesmo sem aceitá-la). Seguro da impunidade, o cínico general Bini, no mesmo editorial, chamou os crimes de Estado cometidos na ditadura de “lutas fratricidas das décadas de 1960 e 1970”.

      Em outubro de 2015, o general Antonio Hamilton Martins Mourão, o troglodita que comandava o Exército na região sul, clamou pelo “despertar para a luta patriótica” em nome de “bons costumes”; criticou a maioria dos políticos que “vendem grandes ilusões” e sentenciou: “mudar é preciso” (Dilma): a vantagem da mudança seria o descarte da incompetência, má gestão e corrupção”. Quanta falta de originalidade! Duas notícias publicadas no ”O Estado de São Paulo” na edição de 18 março de 1964 (dias antes do golpe):  “A Petrobras é uma entidade famosa por sua ineficácia, por sua corrupção e pela grande infiltração de comunistas, os quais controlam o monopólio petrolífero por todos os meios”  —  “A ideia do impeachment do presidente [Jango] vale por uma frente legítima de combate […] o chefe da Nação não se encontra à altura do cargo, independente até da cogitação de crime de responsabilidade. O caso é de impeachment, julgamento político através do qual o Parlamento deverá concluir que o presidente não pode continuar na chefia do governo, em benefício da tranquilidade da família brasileira e da prosperidade do país.”

      Conclusão: Não houve depuração ideológica entre os quadros militares unidos na reivindicação do terrorismo de Estado e contra as tentativas de reconstruir a memória. A ministra Carmen Lucia, presidente do Supremo de Frango Federal, sabe disso.

    • Missão ilustre? Dizimar indios desarmados, também

      Os indignos militares do golpe de 1964 são covardes, sim e aceitaram missões de exterminios de inteiras tribos indefesas e desarmadas.   —   Agosto de 2012  –  ”Começamos a pesquisar o assunto a partir da demanda de um blog indígena, o ”Resistência Indígena Continental”, que perguntou por que só tratávamos de mortos e desaparecidos não índios. Foi uma surpresa. “Desculpa aí, mas do que vocês estão falando?”, questionamos. Começamos a trocar e-mails, documentos, e iniciou-se o processo de conversar com outras entidades”. […]

      O chamado ”Relatório Figueredo” é fundamental para a discussão sobre violações de direitos humanos dos indígenas do Brasil, porque demarca um momento em que as denúncias de genocídio estavam correndo mundo, pouco antes do AI-5. Foi produzido pelo procurador-geral da República da época, Jader Figueiredo de Correa. Com 5.115 páginas, apresentava denúncias sobre desvios de dinheiro público dentro do SPI, sobre a corrupção que se instalou com relação à exploração das riquezas indígenas e de seus territórios, bem como sobre as graves violações de direitos humanos perpetradas contra aldeias inteiras e contra indivíduos de forma seletiva, especialmente caciques e lideranças. No documento, o procurador mostrava o envolvimento dos agentes de estado, muitos deles militares, nas práticas desses crimes. Mas, pelo que descobrimos até o momento, o que sobrou desse relatório são matérias de jornais, feitas pelos jornalistas que estiveram presentes na coletiva de imprensa realizada pelo procurador-geral em março de 1968. 



      […] Não conseguimos acesso direto ao relatório. Matérias de jornais apontam que o relatório, e os inquéritos dele decorrentes, foram todos queimados pelos militares. Mas a CNV terá que saber o que aconteceu com essa documentação e com essas pessoas. São várias as matérias de jornal sobre a coletiva, que nós tivemos acesso por meio do acervo do Museu do Índio, no Rio. E não foi só a imprensa internacional que cobriu, o que desmonta a tese levantada pelos militares na época de que essas denúncias eram coisa vinda de fora para desmoralizar o regime.

      As matérias denunciam os genocídios apontados pelo procurador-geral no relatório como, por exemplo, as aldeias que foram exterminadas com bananas de dinamite jogadas de aviões e de fuzilamentos de índios que se opunham as ações do estado. São inúmeros casos, em várias partes do país, nos quais viam-se estas práticas.  Outro exemplo foi a inoculação de doenças nos indígenas, tanto por roupa quanto por comida contaminada. São práticas que o procurador denunciou de público.

      Já na justificativa da Resolução 65 da Câmara, que criou a CPI do Índio de 1968, encerrada pelo o AI-5, os deputados citavam que o major Luiz Vinhas exterminou duas tribos pataxós inteiras, inoculando varíola na população, para tomar suas terras. Esse major, meses depois, foi processado pelo procurador-geral e perdeu o cargo de diretor do SPI – Serviço de Proteção ao Indio, onde chegou por ordens do ditador Castelo Branco. Ele foi processado na Polícia Federal, junto com outras 23 pessoas que também trabalhavam no SPI. Não temos notícia do que aconteceu com eles. Notícias publicadas dão conta de que fugiram, deram um jeito de não responder por seus crimes, mas vamos ter que apurar isso melhor.

      13/08/2012  –  Najla Passos
      http://cartamaior.com.br/?/Editoria/Direitos-Humanos/Entidades-de-direitos-humanos-investigam-genocidio-indigena-na-ditadura/5/25650

  30. Só faltava mais essa para

    Só faltava mais essa para complicar o já ultra complicado contexto do país. Crise econômica, política, moral e agora uma provável instabilidade numa esfera, as Forças Armadas,  que desde a redemocratização tem se destacado em colaborar para a consolidação da hegemonia do  Poder Civil, portanto da Ordem Democrática. 

    Seria de um anacronismo e de uma irresponsabilidade ímpar deixar florescer essa possibilidade dos militares extrapolarem das suas responsabilidades constitucionais. As questões de segurança interna tanto podem, como devem, ser da órbita exclusiva das instituições afim. O que não implica, é claro, que em situações extremas não se possa arrolar o Poder Militar para colaborar nesse mister. Mas sempre à guisa de excepcionalidade. 

    O que se observa, infelizmente, é que uma parte da opinião pública, seja por desinformação, seja por questões políticas-ideológicas, se deixa enganar por esse canto de sereia. Com a irrupção desse governo parido do ventre da ilegitimidade, cuja base de apoio está exatamente nesse nicho retro mencionado, a tendência é de se criar uma ambiência na qual surjam vácuos que justificarão uma rentrée do pessoal fardado.

    Caso se materialize essa projeção de cenário teremos desperdiçada, mais uma vez, a chance de nos firmamos como uma nação madura e respeitável perante o mundo dito civilizado. 

    PS: o ânimo desse comentário não é desmerecer nossas Forças Armadas. Ao contrário: é reafirmar a necessidade e a importância da mesma para o país ENQUANTO circunscrita a seu papel constitucional que é a defesa do país e das instituições quando para isso conclamadas. São elas, em última(no sentido forte do termo) instância, as reais guardiães do sistema democrático. 
     

     

  31. Tive uma leve impressão q
    Tive uma leve impressão q Carmen Lúcia está sendo levada no “bico” não é possível ela ser tão inocente assim,já vimos esse
    filme com uma PRESIDENTA(presidenta sim dona Carmen,o
    comentário é meu e vc é PRESIDENTA do stf) e deu no q deu !!
    Obs:Deixa militarizar,se Lula ou Ciro ganhar fica mais fácil organizar
    “as coisas” no Brasil,deixa gente,se quiserem não vai ter jeito mesmo,são míopes e irresponsáveis essa gente,aí sobra para o
    Nassif e blogs sujos ficarem dando a cara ao tapa,terceiro mundo!!

  32. Gostaria muitissimo de

    Gostaria muitissimo de relembrar aos brasileiros que em TODOS os paises que os militares invadiram e infestaram como gambahs o governo nacional, os pobres se fuderam e os militares fediam.  Como gambahs.

    Deve ser novidade planetaria…

  33. Uma observação: na Argentina,

    Uma observação: na Argentina, a subordinação dos militares ao poder político (uma questão que parece que nunca se encerra)  até o presente,foi produto mais do que nada de uma luta perseverante da sociedade civil, especialmente organismos de direitos humanos.Houve sim, decisões políticas que prestaram seu impulso ao processo, mas poderia até se julgar que o enquadramento das forças armadas se consiguiu, na prática, a despeito de instancias institucionais, denunciando e  arrancando as medidas necessárias.  Para abreviar, a movilização da sociedade é  o cerne da questão

     

  34. POTI – CECOPAC – OCHA – BCS .

       Acho que poucos sabem o que estas siglas significam, pois militares, de qualquer país, adoram falar em acronimos e siglas, somente intelegiveis diretamente para o “publico interno”, então traduzindo :

        POTI : Peace Operations Training Institute ( orgão da UN )

        CECOPAC : Centro Conjunto para Operações de Paz DE Chile ( o “de” em destaque é importante )

        OCHA : Office of Coordenation of Humanitarian Affairs – UN ( em nosso caso “Américas”, no Panamá )

        BCS : Brigada Cruz del Sur :  Uma GU – C ( Grande Unidade Conjunta ), profissional, especializada em operações de Paz, formada por argentinos e chilenos.

         Toda operação de Paz demandada pela UN, tem nela carater humanitário como uma função central, as subsidiarias, como segurança de instalações, apoio logistico, suporte de vida, até mesmo a reação da tropa, são referentes ao objetivo primário, e para tal mister – completamente diferente do treinamento normal de militares profissionais – a UN centraliza determinações de treinamento no POTI e na OCHA, que fornecem subsidios educacionais e parametriza locais de treinamento, como o que temos, no Brasil ( Sérgio Vieira de Melo ) e na Argentina, aliás o nosso no RJ é o melhor avaliado pela UN, na AL.

          Mas foi no minimo estranho que recentemente, de 2 anos para cá , concentrou-se o ensino das “operações de paz” no CECOPAC , cuja construção foi financiada pelos Estados Unidos, cursos e seminários começaram e estão até hoje, com muito foco em “narcotrafico” e “terrorismo”, o que fica patente quando varios destes “professores/instrutores” são relacionados como da ” JITFS ” – mais um acronimo – Joint Interagency Task Force South, que é subordinada ao SouthCom, estas unidade JITF são especilizadas em trafico de drogas (DEA, FBI, CIA., ICE….. ) e terrorismo. 

           A BCS esta sendo treinada para combate ao narcotrafico na outra “triplice fronteira” da AmSul, a Argentina – Chile – Bolivia ( Escudo Norte ).

  35. As FFAA não são treinadas

    As FFAA não são treinadas para segurança pública.

    Relato aqui, brevemente,um episódio ocorrido há mais de 50 anos atrás, em Niterói, cidade que fica do outro lado da Baía de Guanabara.

    O tráfego entre Rio e Niterói era feito, na época, exclusivamente por barcas, as famosas Barcas da Cantareira. Não havia sido construída ainda a Ponte que une as duas cidades.

    O serviço de barcas era operado pela família Carreteiro, famosa na cidade. Um belo dia, resolveram aumentar o preço da passagem sem prévio aviso, e o povo, furioso, começou um quebra-quebra enorme, que destruiu completamente a estação das barcas.

    Não me lembro agora quem era o governador do Estado do Rio – ainda separado do Estado da Guanabara – mas o fato é que ele caiu na besteira de chamar o Exército para conter os protestos. Os soldados chegaram e simplesmente passaram fogo nos manifestantes, produzindo mortos e feridos em profusão. Eu mesma perdi um tio, no episódio, com 22 perfurações no intestino. Ele descia do ônibus para pegar a barca, e foi simplesmente fusilado.

    Por isso que, toda vez que vejo soldados aqui  em Copacabana, onde moro,  me pergunto o que eles fariam no caso de um tumulto do tipo que narrei. 

    E quando penso que podem ser acionados para fazer segurança pública gelo de medo.

  36. Informação grave dada por um General

    A parte mais preocupante da fala do General:

    “o Exército tem sido demandado para o cumprimento de várias missões fora da nossa esfera de responsabilidade primordial, vamos dizer assim”.

    Se é fora da esfera legalmente prevista para atuação, é ilegal. O Estado só pode fazer o que é expressamente permitido pela lei, ao contrário do particular, que pode fazer o que quiser exceto o que a lei proíbe.

    E pelo jeito, estão atuando “fora da esfera”, vamos dizer assim, muitas vezes. Vão alegar excepcionalidade da situação, como o STF disse em relação ao juiz Moro?

    É assim que a exceção vira regra, e a democracia vira exceção.

     

    O link para a matéria: http://nao.usem.xyz/99ih

     

    [O “não usem” é um encurtador de endereço de internet que evita o aumento no número de cliques em sites perigosos como o do Estadão, d’O Globl, Veja e congêneres. Você visita uma cópia da página e não a própria. Assim, os caras não ganham $$$ nem moral (número de cliques).]

    Então, vão compartilhar algo que está numa página de onde escorre chorume, usem o encurtador higiênico no link http://nao.usem.xyz/

     

  37. Militares

    Sempre achei submisso  Brasil enviar oficiais das forças armadas para cursinhos nos estados unidos.  Eles sempre retornam deslumbrados, aliás , como todos os boçais que vão passear no parquinho do pluto e do mickeyyyy… Deprimente!

    As empresas internacionais, estadunidense especialmente, já mandam nos supermercados de desodorantes a suco e água mineral. Então nada mais natural que acabemos com o nossas forças armadas que virarão a polícia militar. Os gringos farão o “favor” de nos proteger do inimigos internos e externos … Rarrararra

    Parabéns FFAA, não impediram que os ricos fizessem o golpe em Dilma, que é prus estados unidos, agora vão fazer vigia nas esquinas do país. Uma vergonha!

  38. 228/16 anexo I e os T-6 C +

       Sem circo, o decreto argentino referente a Regras de Proteção Aeroespacial, é igual a nossa “Lei de Abate” ( 9614/98), a qual somente foi regulamentada em 2004, pelo Decreto 5144/04 assinado por Luis Inacio da Silva, e neste decreto o termo “aeronave hostil ” se faz presente.

        Os termos de ambos, operacionais, são identicos e de acordo com a legislação internacional (OACI – UN ): contato radio 121,5 – interceptação luminosa – posicionamento em ala com o hostil ( “asada” pode ) – sinalização radio e manual a direita do “hostil” – tiro de traçantes em paralelo – disparos singulares no “hostil” ( fuselagem traseira ).

         Após 9 anos de “congeladas”, Macri conseguiu junto aos Estados Unidos, colocar um contrato DSCA/FMS para 24 aeronaves Beechcraft T-6 II C + , que na midia geral, não especializada, foram classifcados de “aeronaves de treinamento”, um tremendo papo-furado, uma “barriga”, pois é só ler a exposição de motivos da DSCA para o Congresso, e lá está escrito, com todas as letras : ” The proposed sale will revitalize Argentina’s capability to train its pilots and fullfil border control missions, especially along the porous northern border, and deterrent to illicit activity “

          Mais claro que isto, só traduzindo, quem quiser faze-lo : http://www.dsca.mil/major-arms-sales/argentina-t-6-c-texan-aircraft

  39. ESSA COISA DOS MILITARES ME PIRA TAMBÉM!!!

    Diz Vera L. Venturini: “No mundo inteiro os militares são nacionalistas. Iraque, Líbia, Afeganistão, Siria  precisaram de guerras para entrega das suas riquezas e do seu território”. Vera… confesso que essa contradição tb me pira! Putz os militares deveriam estar vigiando o Pré Sal …Estão se aliando ao que existe de mais fétido da política! Será que até no Brasil militar é diferente??? Aqui não defendem a riqueza do país, ao contrário, ajudam a vender?  Olha, que triste viu … Justiça que não funciona e deixa as coisas rolarem como se “fossem normais” (é o caso da ausência do STF). É esse Tribunal montado em Curitiba. Coisa super estranha… 

    Aí leio isso hoje: “Na tentativa de destruir uma corrente de pensamento, estão destruindo os fundamentos da democracia no Brasil”, é como classifica o advogado Luiz Fernando Pacheco sobre a caçada ao ex-presidente Lula

    Olha gente, para um advogado se expor desse jeito é pq o negócio tá fudido! Desculpem o termo, mas é o que expressa esse momento difícil do país. 

    • Eles deveriam defender o pré-sal! Entendo a sua perplexidade

      A ideia de Estado e o desprezo da soberania popular por parte desses militares tem muito a ver com os regimes da Cortina de Ferro que eles diziam combater, em 1964: os militares que hoje defendem a ditadura não querem admitir oficialmente que as FFAA legalizaram o crime, a corrupção, o arbítrio, que assaltaram o nosso patrimônio, que violentaram o povo brasileiro; para isso precisam continuar livres sob os auspícios de um eterno presente, com a midia, o show business e até a internet deformando o nosso legame com o passado, sobretudo com o passado político.

      Entre os anos 50 e 60 o Brasil perdeu grande parte dos seus filhos melhores, militares e civis, afastados ou exterminados por militares e policiais brasileiros. Rebelaram-se. Não aceitavam a subordinação que cancelava o nosso desenvolvimento social e politico. A ideia dessa subordinação existe desde 1952, quando o general Golbery da Costa e Silva escreveu numa monografia para uso da Escola Superior de Guerra que o Brasil só teria futuro ancorado aos países desenvolvidos (ancorado aos EUA). Golbery foi um dos principais teóricos do golpe de 1964 que levou o Brasil à ditadura militar, da qual ainda subsiste os merdas autoritários. Também, claro, está por trás do golpe atentado pelo Michel Temer. [ http://www.conferenciapoliticaexterna.org.br/index.php/todas-as-noticias/13-internacional/43-brasil-cada-vez-maior-das-dificuldades-da-solidariedade-internacional-no-mundo-do-capital-global – leitura aconselhada.]

      René Armand Dreifuss escreveu sua tese de doutorado com o título: 1964: A conquista do Estado, ação política, poder e golpe de classe (Vozes 1981). A partir dos anos 60 do século passado, se formou o complexo IPES/IBAD/GLC – o Instituto de Pesquisas e Estudos Sociais (IPES), o Instituto Brasileiro de Ação Democrática (IBAD) e o Grupo de Levantamento de Conjuntura (GLC). Compunham uma rede nacional que disseminava ideias eversivas, composta por grandes empresários multinacionais, nacionais, generais, banqueiros, órgãos de imprensa, intelectuais, a maioria listados no livro de Dreifuss. O que os unificava, diz o autor eram suas relações econômicas multinacionais e associadas, o acanalhamento (anticomunismo) e a ambição de readequar e reformular o Estado para que fosse funcional a seus interesses corporativos. O inspirador deste grupo foi o Golbery que entre 1952 e 1962 preparou a estrategia do assalto ao poder. Esse grupo voltou e assumiu visibilidade.

  40. Prezado Luis Nassif,

    a frase:

    (…). O ápice foi a atitude da nova presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Carmen Lúcia, de convocar as Forças Armadas (FFAAs) para discutir segurança interna.

    (…)

    me deixou reflexões:

    – essa “atitude’ não caberia ao Presidente da República? (pela CF é o “comandante supremo” das forças armadas)

    – ou esse comandante não possui “cacife” para promover essa convocação ou a ministra “confundiu” o termo supremo com o tribunal dela?

  41. Yes, nós temos (somos) bananas ?
    1 – A cooperação estreita, ou seria parceria “público na privada”, ou ainda parceria interinstitucional/intestinal golpista, entre o judiciário e o desgoverno, capitaneada agora pelos insípidos (ou melhor, indigestos) Temer e Carminha, é a busca de legitimação recíproca, e holofote, pra pessoas e poderes em descrédito social indisfarçável e irrecuperável, em que o ocupante provisório da presidência, seu usurpador, ganha o aval (ou seria véu?) de uma duvidosa legalidade pra seus descalabros e o STF e seus minúsculos ministros têm o prazer de sentir que participam do comando do país: esta senhora não apenas se presta ao lamentável papel de interlocutora/fiadora… entre militares e “civis” (quem ousará duvidar que, com o STF em campo, não estamos mais no estado – imaginário/utópico/delirante/masoquista/”esquerdopata” – democrático de direito? Virada à direita, Estado de exceção… à vista ou a prazo?) em momento de caos provocado intencionalmente na segurança pública (coincidência a ruptura entre facções criminosas com crise no sistema carcerário que periga sair pra rua, uma das quais tem ligação com o MiniMi da Injustiça, quando movimentos sociais ensaiam intensificar mobilização, um oportuno pretexto pra recorrer às Forças Armadas?), apoia uma PEC estúpida e criminosa, demonstra interesse – qual seria? – em rever a separação da votação do impeachment (e sobre o mérito, “não vem ao caso”?), numa nítida obediência aos preceitos de subordinação à autoridade tornada arbítrio e ao uso ritualístico do poder como instrumento de repressão e “mantenedor da ordem”, pútrida, ops, não somente pública, que deve ter aprendido em seus tempos de estudante interna em colégio de freiras – nada contra as freiras, com as quais mui simpatizo, muito contra a organização de certas ordens religiosas despóticas, não por acaso, militarescas, e não apenas católicas ou cristãs.
    E pensar que é só o começo…: o que serão os próximos dois anos de sua presidência no STF, tendo como vice, quem? Toffoli… E durante definição do arranjo político atual (manutenção do mordomo, eleições diretas já, eleições indiretas de novo) com vistas em 2018. Pra piorar, o que esperar de Fux, Barroso, Gilmar, Facchin, Celso de Melo, Weber, TSE, STJ, CNJ, TRFs… A disputa pelos prêmios Framboesa, ops, Jabuticaba de Ouro e igNobel da magistratura (não existem ainda?, olha aí, Calero, um bom uso pra lei Rouanet) seria concorrida, o Inovare e os Profissionais do Ano patrocinados pela Globotomia ficaram pequenos demais pra tanto talento!

    2 – Desculpem porque insisto: que tipo de sociedade permitiu a elevação a postos chave do poder de pessoas como as da “camarilha dos seis” (Nassif, 2016), o congresso dos hipócritas e discípulos/concorrentes de Ali Babá, e os atuais componentes do STF (e aqui me refiro estritamente aos luminares e operadores do Direito, o meio jurídico no geral, que não produziram gente e ambiente qualificados o suficiente que permitissem melhores opções, já que o acesso daqueles ao poder é indireto, corporativo e não popularmente referendado, ainda que, sim, a esquerda progressista precise aprender, e muito, a escolher aliados, vices, ministros do supremo, tesoureiros de campanha, estratégias de comunicação social, forma e fonte de financiamento, a lista é infinita, afinal, a esquerda tem que ser perfeita, quanto pior for a sociedade!). Acho que não é só o PT que precisa de autocrítica e regeneração, reflexão sobre erros e novos rumos.
    3 – O cerco se fecha (desemprego e crise econômica recrudescentes, tomada golpista das instituições, saqueamento instantâneo a toque de caixa (plimplim) das riquezas, ativos e patrimônio públicos, legitimação legislativa e judicial dos disparates, apatia e omissão deliberada da população em geral, mobilizações sociais localizadas, isoladas, em lenta expansão e de difícil contágio, letargia, cansaço e desesperança que retardam (re)ações significativas) e os elementos pra uma instabilidade civil sobejam combinados com a inédita, que eu saiba, apelação ao crime organizado como fermento de desordem social: “que país é este?” Terrorismo de estado como estratégia de governo chancelado pelas cortes máxima e inferiores de justiça e aliado do submundo do crime, país do futuro no precipício.

    Fico com Torquato Neto, em letra da música “Marginália 2”, parceria com Gilberto Gil.

    “ Eu, brasileiro, confesso
    Minha culpa, meu pecado
    Meu sonho desesperado
    Meu bem guardado segredo
    Minha aflição

    Eu, brasileiro, confesso
    Minha culpa, meu degredo
    Pão seco de cada dia
    Tropical melancolia
    Negra solidão

    Aqui é o fim do mundo
    Aqui é o fim do mundo
    Aqui é o fim do mundo

    Aqui, o Terceiro Mundo
    Pede a bênção e vai dormir
    Entre cascatas, palmeiras
    Araçás e bananeiras
    Ao canto da juriti

    Aqui, meu pânico e glória
    Aqui, meu laço e cadeia
    Conheço bem minha história
    Começa na lua cheia
    E termina antes do fim

    Aqui é o fim do mundo
    Aqui é o fim do mundo
    Aqui é o fim do mundo

    Minha terra tem palmeiras
    Onde sopra o vento forte
    Da fome, do medo e muito
    Principalmente da morte
    Olelê, lalá

    A bomba explode lá fora
    E agora, o que vou temer?
    Oh, yes, nós temos banana
    Até pra dar e vender
    Olelê, lalá

    Aqui é o fim do mundo
    Aqui é o fim do mundo
    Aqui é o fim do mundo “

    SP, 19/10/2016 – 03:25

  42. Yes, nós temos (somos) bananas ??
    1 – A cooperação estreita, ou seria parceria “público na privada”, ou ainda parceria interinstitucional/intestinal golpista, entre o judiciário e o desgoverno, capitaneada agora pelos insípidos (ou melhor, indigestos) Temer e Carminha, é a busca de legitimação recíproca, e holofote, pra pessoas e poderes em descrédito social indisfarçável e irrecuperável, em que o ocupante provisório da presidência, seu usurpador, ganha o aval (ou seria véu?) de uma duvidosa legalidade pra seus descalabros e o STF e seus minúsculos ministros têm o prazer de sentir que participam do comando do país: esta senhora não apenas se presta ao lamentável papel de interlocutora/fiadora… entre militares e “civis” (quem ousará duvidar que, com o STF em campo, não estamos mais no estado – imaginário/utópico/delirante/masoquista/”esquerdopata” – democrático de direito? Virada à direita, Estado de exceção… à vista ou a prazo?) em momento de caos provocado intencionalmente na segurança pública (coincidência a ruptura entre facções criminosas com crise no sistema carcerário que periga sair pra rua, uma das quais tem ligação com o MiniMi da Injustiça, quando movimentos sociais ensaiam intensificar mobilização, um oportuno pretexto pra recorrer às Forças Armadas?), apoia uma PEC estúpida e criminosa, demonstra interesse – qual seria? – em rever a separação da votação do impeachment (e sobre o mérito, “não vem ao caso”?), numa nítida obediência aos preceitos de subordinação à autoridade tornada arbítrio e ao uso ritualístico do poder como instrumento de repressão e “mantenedor da ordem”, pútrida, ops, não somente pública, que deve ter aprendido em seus tempos de estudante interna em colégio de freiras – nada contra as freiras, com as quais mui simpatizo, muito contra a organização de certas ordens religiosas despóticas, não por acaso, militarescas, e não apenas católicas ou cristãs.
    E pensar que é só o começo…: o que serão os próximos dois anos de sua presidência no STF, tendo como vice, quem? Toffoli… E durante definição do arranjo político atual (manutenção do mordomo, eleições diretas já, eleições indiretas de novo) com vistas em 2018. Pra piorar, o que esperar de Fux, Barroso, Gilmar, Facchin, Celso de Melo, Weber, TSE, STJ, CNJ, TRFs… A disputa pelos prêmios Framboesa, ops, Jabuticaba de Ouro e igNobel da magistratura (não existem ainda?, olha aí, Calero, um bom uso pra lei Rouanet) seria concorrida, o Inovare e os Profissionais do Ano patrocinados pela Globotomia ficaram pequenos demais pra tanto talento!

    2 – Desculpem porque insisto: que tipo de sociedade permitiu a elevação a postos chave do poder de pessoas como as da “camarilha dos seis” (Nassif, 2016), o congresso dos hipócritas e discípulos/concorrentes de Ali Babá, e os atuais componentes do STF (e aqui me refiro estritamente aos luminares e operadores do Direito, o meio jurídico no geral, que não produziram gente e ambiente qualificados o suficiente que permitissem melhores opções, já que o acesso daqueles ao poder é indireto, corporativo e não popularmente referendado, ainda que, sim, a esquerda progressista precise aprender, e muito, a escolher aliados, vices, ministros do supremo, tesoureiros de campanha, estratégias de comunicação social, forma e fonte de financiamento, a lista é infinita, afinal, a esquerda tem que ser perfeita, quanto pior for a sociedade!). Acho que não é só o PT que precisa de autocrítica e regeneração, reflexão sobre erros e novos rumos.
    3 – O cerco se fecha (desemprego e crise econômica recrudescentes, tomada golpista das instituições, saqueamento instantâneo a toque de caixa (plimplim) das riquezas, ativos e patrimônio públicos, legitimação legislativa e judicial dos disparates, apatia e omissão deliberada da população em geral, mobilizações sociais localizadas, isoladas, em lenta expansão e de difícil contágio, letargia, cansaço e desesperança que retardam (re)ações significativas) e os elementos pra uma instabilidade civil sobejam combinados com a inédita, que eu saiba, apelação ao crime organizado como fermento de desordem social: “que país é este?” Terrorismo de estado como estratégia de governo chancelado pelas cortes máxima e inferiores de justiça e aliado do submundo do crime, país do futuro no precipício.

    Fico com Torquato Neto, em letra da música “Marginália 2”, parceria com Gilberto Gil.

    “ Eu, brasileiro, confesso
    Minha culpa, meu pecado
    Meu sonho desesperado
    Meu bem guardado segredo
    Minha aflição

    Eu, brasileiro, confesso
    Minha culpa, meu degredo
    Pão seco de cada dia
    Tropical melancolia
    Negra solidão

    Aqui é o fim do mundo
    Aqui é o fim do mundo
    Aqui é o fim do mundo

    Aqui, o Terceiro Mundo
    Pede a bênção e vai dormir
    Entre cascatas, palmeiras
    Araçás e bananeiras
    Ao canto da juriti

    Aqui, meu pânico e glória
    Aqui, meu laço e cadeia
    Conheço bem minha história
    Começa na lua cheia
    E termina antes do fim

    Aqui é o fim do mundo
    Aqui é o fim do mundo
    Aqui é o fim do mundo

    Minha terra tem palmeiras
    Onde sopra o vento forte
    Da fome, do medo e muito
    Principalmente da morte
    Olelê, lalá

    A bomba explode lá fora
    E agora, o que vou temer?
    Oh, yes, nós temos banana
    Até pra dar e vender
    Olelê, lalá

    Aqui é o fim do mundo
    Aqui é o fim do mundo
    Aqui é o fim do mundo “

    SP, 19/10/2016 – 03:25

  43. Por um Brasil forte, justo e soberano

    …”A lógica da Argentina de Macri é similar àquela desenhada nas primeiras medidas do Brasil de Michel Temer. Trata-se de envolver as Forças Armadas nas disputas internas, a pretexto de combater o narcotráfico, o terrorismo e as agitações populares. Dali para a repressão política seria um pulo.”….

    …”A ideia básica desse modelo é ajudar a fortalecer governos de direita, contra movimentos populares e partidos de esquerda. Imagina-se que conferindo uma missão específica às Forças Armadas – a luta contra o narcotráfico e os “subversivos” – ela vá se ater a esses campos, sendo comandada por políticos para lá de suspeitos.

    Com a desmoralização crescente do poder civil, o resultado óbvio será o de, em algum ponto do futuro, as FFAAs abolirem os intermediários.”

     

    Entregar o papel de polícia para as Forças Armadas não é solução alguma. É só problemas. Perigosos problemas. As Forças Armadas não possuem treinamento nem preparo algum para sair por aí correndo atrás de bandidos, de traficantes, imaginários terroristas e outros bichos mais – pior ainda – de opositores políticos. É assunto fechado que não deveria mais carecer explicações alguma sobre a insanidade do envolvimento das Forças Armadas em semelhantes questões internas. Sua inviabilidade já foi demonstrada a exaustão pela nata do jornalismo e da intelectualidade, inclusive, pelo Jornalista Luis Nassif. Além do que, não podemos esquecer das sangrentas ditaduras militares implantadas pelos EUA na América Latina.

    Por conta dos tenebrosos e inseguros tempos atuais, das Forças Armadas, precisaríamos de um general padrão Henrique Teixeira Lott, de forte liderança e grande força moral, para:

    1)     Semelhante a 1955, quando garantiu a posse do presidente eleito Juscelino Kubitschek e do vice João Goulart (vencedores da eleição de outubro de 1955) que desta vez, fosse capaz de devolver a presidência da República a Dilma/PT, legítima governante, eleita pelo povo, deposta por um golpe contra a democracia;

    2)     Desmontar a vergonhosa, cínica e escancarada perseguição judicial, congressual e midiática, contra Lula/PT;

    3)     Adotar necessárias providências para fortalecer o desenvolvimento de estratégicas tecnologias bélicas, independente dos paladares dos EUA. Inclusive, a pronta conclusão de nosso submarino nuclear, que nunca termina;

    4)     Adotar medidas inquestionáveis, junto com o Congresso, para eficaz identificação e sumário combate a qualquer tipo de traição a Pátria. Inclusive, dentro do Congresso e das Forças Armadas.

     

  44. São valentes para conter o inimigo interno

    .. e não se interessam por quadrilhas mequetrefes.

    A corrente militar golpista de 1964 é a mesma convocada pela atual Presidente do Supremo de Frango Federal. O que estes militares sabem fazer é perseguir o inimigo interno, isto é, espionar, prender, torturar e sumir com camponeses, estudantes, jornalistas, professores, advogados, donas de casa, aposentados, operários, etc.  —   VOLTA REDONDA, dia 9 de novembro de 1988. Presidente Sarney, governador do Rio Moreira Franco (o mesmo que hoje é acusado de receber R$ 3 milhões de propina) e o general José Luís Lopes da Silva: William Fernandes Leite de 22 anos levou um tiro de metralhadora no pescoço; Valmir Freitas Monteiro de 27 anos levou um tiro de metralhadora nas costas; Carlos Augusto Barroso de 19 anos, teve o crânio  esmagado. Eram três operários entre os grevistas da Companhia Siderúrgica Nacional que reivindicavam a implantação do turno de 6 horas, reposição de salários usurpados por planos econômicos e reintegração dos demitidos por atuação sindical.

    A ”Cruzada Democrática” anticomunista de 1964 constituira-se para abater o governo constitucional brasileiro e ao mesmo tempo aniquilar quem oussse contestar a subordinação do Brasil ao ”colosso do Norte” (fórmula reverencial predileta dos covardes antinacionalistas, até hoje).  Infelizmente, com o apoio dos EUA os covardes levaram a melhor e procederam a expurgos de grandes proporções na oficialidade das três armas: 122 oficiais foram expulsos das FFAA. Os ”comunistas” (nacionalistas) não foram os únicos atingidos. Os oficiais ”legalistas”, que não tinham opiniões de esquerda mas não aderiram à vergonha, foram passados para a reserva.    —   Garanto que hoje a grande maioria desses coxinhas de merda, aprovaria a prisão de militares brasileiros, no Brasil, escoltados com a partecipação de militares estadunidenses como realmente aconteceu antes e durante o golpe de 1964. Ninguém, nem mesmo aquele Super-Babaca de Batman em Copacabana, desfilando contra o PT, pode imaginar um oficial (ou mesmo soldado raso) estadunidense sendo preso e escoltado por militares brasileiros, nos Estados Unidos !!
    O que chamam de anticomunismo dos militares não passa de acanalhamento imposto pelo capital transnacional. Essa corrente militar ainda segue à risca as instruções deixadas pelo secretário de Estado, George Kennan: ”Combater a perigosa heresia que está se espalhando pela América Latina: “A idéia de que o governo tem responsabilidade direta pelo bem do povo.”

    Os Presidentes Lula e Dilma vivenciaram abertos desacatos por parte do alto comando militar. Em 2013, Peri, Moura Neto e Saito desafiaram a presidenta Dilma e parlamentares, ostentando desprezo durante a cerimônia que restituiu simbolicamente o cargo ao ex-mandatário João Goulart, derrubado pela camarilha cívico-militar-eclesiástica.  O boçal general Carlos B. Goellner, que usava calça curta em 1964, declarou à imprensa durante o enterro definitivo do presidente Goulart, em São Borja: “Não há nada de que retratar-se, não há nenhum erro histórico, a história não comete erros, a história é a história”.
    Peri, Moura Neto e Saito, comandantes desde o governo do Lula (contra quem também montaram gesto de insubordinação quando se tocou a agenda de direitos humanos), repetiram no palácio do Poder Legislativo de Brasília a mesma hostilidade de 2011, permanecendo ostentadamente de braços cruzados enquanto Dilma, dezenas de familiares de desaparecidos e uma delegação argentina aplaudiam a criação da Comissão da Verdade. Não posso esquecer do então ministro da Defesa, Celso Amorim, calado, diante daquela insubordinação (tempos depois o mesmo ex-Chanceler, interpelado pela Comissão da Verdade, enviava nota de resposta informando que os quartéis não foram usados para tortura! Logo ele, gaio e altaneiro, que num gesto de valentia não tirou os sapatos pro Bush! Deve ter sido por causa do chulé.

    Mauro Santayana, entre outros, faz saber que o PT atuou pela reconquista da dignidade brasileira prestigiando as FFAA, ”lançando e bancando o maior programa de rearmamento na história brasileira, que nem nos governos militares ousara-se investir, ao mesmo tempo, em tantos projetos estratégicos”. Mesmo assim, o ”Estadão” e a ”Folha” publicam artigos provenientes dos ambientes golpistas e antinacionalistas da ”Cruzada democrática”.

    Exemplos recentes   —   7 de março de 2015: Vamos à Guerra! –, editorial do general Rômulo Bini Pereira, ironizando e desqualificando Lula, ameaçando por as tropas na avenida para competir com o ”exército do Stedile”. Subversão comunista? Não, o ex-presidente Lula apenas usara a expressão “vamos à guerra” para conclamar a militância a defender a Petrobras contra os interesses estrangeiros!!  —  Outras pérolas do general Bini: ”As FFAA fazem parte da sociedade brasileira, que lhes concedeu o maior índice de credibilidade entre as nossas instituições, superior até ao das religiosas”. A comparação com o divino é sintomática (o subversivo e subdesenvolvido general Carlos Guedes, declarava em 1964: todos devem temer à Deus, até mesmo os que não acreditam nele; da mesma forma, todos devem temer a ditadura militar, mesmo sem aceitá-la). Seguro da impunidade, o cínico general Bini, no mesmo editorial, chamou os crimes de Estado cometidos na ditadura de “lutas fratricidas das décadas de 1960 e 1970”.

    Em outubro de 2015, o general Antonio Hamilton Martins Mourão, o troglodita que comandava o Exército na região sul, clamou pelo “despertar para a luta patriótica” em nome de “bons costumes”; criticou a maioria dos políticos que “vendem grandes ilusões” e sentenciou: “mudar é preciso” (Dilma): a vantagem da mudança seria o descarte da incompetência, má gestão e corrupção”. Quanta falta de originalidade do Martins Mourão! Ele repete o que foi publicado no ”O Estado de São Paulo” na edição de 18 março de 1964 (dias antes do golpe):  “A Petrobras é uma entidade famosa por sua ineficácia, por sua corrupção e pela grande infiltração de comunistas, os quais controlam o monopólio petrolífero por todos os meios”  —  “A ideia do impeachment do presidente [Jango] vale por uma frente legítima de combate […] o chefe da Nação não se encontra à altura do cargo, independente até da cogitação de crime de responsabilidade. O caso é de impeachment, julgamento político através do qual o Parlamento deverá concluir que o presidente não pode continuar na chefia do governo, em benefício da tranquilidade da família brasileira e da prosperidade do país.”

    Outro exemplo de ação implacavel contra o inimigo interno (dos EUA)

    O general A. Levi, ex-presidente da Petrobrás, na qualidade de Chefe de Gabinete
    e por ordem do general O. Mourão Filho, presidente nomeado, disse ao Correio da Manhã
    que continuam as prisões de todos os dirigentes e empregados da estatal que parteciparam
    das campanhas de nacionalização do petroleo e da encampação das refinerias particulares.
    ”Serão entregues ao DOPS como comunistas”

    Conclusão: Não houve depuração ideológica entre os quadros militares unidos na reivindicação e defesa do terrorismo de Estado e contra as tentativas de reconstruir a memória. A ministra Carmen Lucia, presidente do Supremo de Frango Federal, sabe disso e não daria algum passo se fosse ”arriscado”. A ”Cruzada Democrática” é o problema.

  45. Militarização da política

    Alguém precisa ensinar para essa senhora quais são os papéis das FFAA segundo a Constituição da República Federativa do Brasil.

     

  46. RETROCESSO
    O GOLPE e A LAVA JATO encerram o ciclo daquilo que de pior legou o regime militar e contaminou toda a redemocratização do país : a política predatória dos coronéis políticos de um lado e a Rede Globo de outro – todos crias dos militares : Sarney , ACM , Collor , Renan , Maluf , Jader , Bornhausen e a GLOBO também .
    Não significa que teremos algo melhor do que tivemos nos últimos 30 anos, nem menos corrupção. Mas certamente daqui pra frente será algo diferente. Os sobreviventes entrarão em luta para ver o que conseguem salvar. O ponto inicial disso tudo é a destruição do PT . Todos os demais saem extremamente combalidos. É nessas horas que azarões conseguem ganhar o poder – como Collor no início da redemocratização. Bolsonaro agora ?
    Talvez algo até pior sobrevenha , pois o próximo presidente legitimamente eleito – se isso ocorrer , pois hoje a supressão de eleições diretas pode parecer impossivel mas até ontem o impeachment também parecia – herdará um camisa de força estruturada pelos golpistas atuais . Demos alguns passos a frente , e muitos atrás .

  47. Continuamos a ler as várias

    Continuamos a ler as várias opiniões dos colegas comentaristas e parece que a presidenta do stf não tem nada a ver com militarização. Ela é apenas uma regina duarte que estudou.

  48. “Com a desmoralização

    “Com a desmoralização crescente do poder civil, o resultado óbvio será o de, em algum ponto do futuro, as FFAAs abolirem os intermediários.”

    A questão é, QUANDO; mas vão, sim, abolirem os intermediários.

    E no nosso caso em particular, há um crescente na participação militar, desde que que as corporações se viram traídas pelos ideais republicanos, fatos que já aparecem nas revoltas da década de 1910 e 1920, culminando com o apoio à Revolução de 1930. Mas o protagonismo não para por aí, vindo 1945 e finalmente 1964. Em 1930, chamaram civis para atividades políticas; em 1964 já usaram largamente militares para atividades políticas. Na nova aventura, a coisa virá ainda mais séria.

    E ela, a aventura, haverá. A última linha de defesa teria sido a sucessão natural do PT, que não ocorreu.

    As FFAA serão arrastadas ao meio do torvelinho.

  49. FMI e TV estatal francesa desmascaram Gilmar Mendes

    >>FMI e TV estatal francesa desmascaram Gilmar Mendes, por Romulus<<
     

     

    ROMULUS
     DOM, 23/10/2016 – 02:57
     ATUALIZADO EM 23/10/2016 – 03:34

    FMI e TV estatal francesa desmascaram Gilmar Mendes

    Por Romulus

    Gilmar Mendes parece ter tirado a semana para testar os (novos) limites deste Brasil pós-democrático (apud Wanderley Guilherme dos Santos).

    Num dia ataca juízes e procuradores, taxando-os de chantagistas – no que não discordo de todo!

    LEIA MAIS »

     

    Vídeos

     

     

     

     (i) 20-10-16 – FMI e TV estatal francesa desmascaram ataque vil do Min. Gilmar Mendes ao programa de transferência direta de renda Bolsa-Família; (ii) Chico Buarque – “Apesar de  

     

    • O STF do(s) Golpe(s): Vol. 2 – vamos ao cinema hoje?

      >>O STF do(s) Golpe(s): Vol. 2 – vamos ao cinema hoje?, por Romulus<<
       

       

       ROMULUS
       DOM, 23/10/2016 – 01:29
       ATUALIZADO EM 23/10/2016 – 03:32

      O STF do(s) Golpe(s): Vol. 2 – vamos ao cinema hoje?
      (série em 3 posts)

      Por Romulus

      – Quem poderia supor que o Pleno do STF era tão parecido com o clichê de uma escola secundária norte-americana, tantas vezes retratado no Cinema?

      Aquele mesmo: o high school arquetípico retratado naqueles filmes interminavelmente reprisados na Sessão da Tarde.

      – E, no final, uma pequena redenção. Porque sonhar – ainda – é permitido.
      E que não se condene de todo esse “ópio do povo”, o sonho. É, muitas vezes, a anestesia (relativa) que nos permite aguentar as chicotadas que tomamos sem enlouquecer. Se não chegar a dopar, provocando a inação, que mal tem?
       

      LEIA MAIS »

      • O STF do(s) Golpe(s): Vol. 1 – que fazer com ele?

        O STF do(s) Golpe(s): Vol. 1 – que fazer com ele?, por Romulus
         

         

         ROMULUS
         SEX, 21/10/2016 – 12:29

        O STF do(s) Golpe(s): Vol. 1 – que fazer com ele?
        (série em 3 posts)

        Por Romulus

        – Mais do mesmo?
        Não… pior: menos ainda “do mesmo” – o inédito grau de genuflexão do Supremo diante das pressões externas.
        Pressões que sempre houve e que sempre haverá!

        – Chegar a Ministro do STF é, muitas vezes, a ambição de toda uma vida. Mas que tipo de ambição?
        Para que serve a cadeira aos olhos do ocupante?

        – Novos critérios de seleção para o cargo de Ministro: é hora de pensarmos em outros requisitos.
        Senão formais, ao menos para a fase discricionária de seleção de nomes para indicação pelo Executivo.

        LEIA MAIS »

  50. O golpe de estado é paulista

    O GOLPE É PAULISTA – o golpe de estado é paulista com ramal em Curitiba…o resultado: o Brasil está sendo destruido por Instituições convertidas em organizações criminosas, que vão de pf a mpf passando por stf, legislativo, judiciario, executivo, tribunais de contas que não respeitaram a CF e as leis para golpear a democracia e o futuro de nosso pais…isso é ciclico porque temos uma elite bizarra que não aceita que o pais siga em frente, o % tem o DNA da escravatura no sangue e o pior, a classe média se acha burguesa e age como burguesia mesmo não tendo em mãos os meios de produção, ou seja, pensa que é rica só porque vai a Miami quando quer….o que temos no momento: não sobra nada que se possa dizer pró-povo, o estado social está sendo desmontado por uma gangue que tomou de assalto o poder…as forças armadas ainda estão fora do esquema golpista mas já estão sendo assediadas para que façam parte do conluio, a “presidento” do STF já fez o convite…agregados à gangue está a midia criminosa, o mercado sanguinário e lideres religiosos que usam a biblia para matar, roubar e estuprar. Como o crime organizado saiu-se vitorioso no golpe, tal qual ocorreu no rastro da primavera do mercado sanguinario na Libia, agora é hora deles(mafiosos) abocanharem o pre-sal e tudo mais, nem a saúde e a educação restam em pé, pois a grana tem que sobrar para a panelinha golpista….as Organizações Globo e seus veículos já receberam sua propina das mãos do governo usurpador em forma de polpudas verbas publicitárias,,..a grana tem que sobrar para quem investiu no golpe, os patinhos da Fiesp devem estar felizes e (im)plantados na Avenida Paulista, espaço do: MBL , Vem Pra Rua, Revoltados Online e demais cooptados pelos mercenários do mercado demoníaco e Departamento de Estado Americano da Hillary, ….o povo que se dane,…aliás, fico me perguntando porque em paises subdesenvolvidos as áreas ricas terminam sendo um entrave ao desenvolvimento nacional, ou seja, terminam se tornando inimigas do povo quando deveriam caminhar juntos com o povo para que o pais se torne um pais justo para todos mas na verdade não é o que ocorre, pois a cabeça dessa gente foi preparada pela engrenagem que cuida da subjetividade do povo para imaginar-se parte da Casa Grande, o que não é o caso…,a propósito, este artigo desenha bem a situação em SP, e não se trata aqui de manifestação anti-SP, até porque, como sabemos, SP tem sua história de luta progressista, foi ali que aconteceu a Semana de Arte de 22…..mas ali há algo que vem do DNA cleptocrata que resultou por exemplo no movimento separatista de 32..,pela volta da democracia…não à volta da ditadura……..enfim: Venha ser assaltado em SP

    http://port.pravda.ru/sociedade/curiosas/14-10-2016/41925-sao_paulo-0/

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome