A União Africana pede que as farmacêuticas retirem patentes para acelerar o lançamento de vacinas

Nick Dearden, diretor da Global Justice Now, disse na semana passada que os líderes do G7 presidiam o “apartheid global de vacinas”.

Jornal GGN – A União Africana está apoiando os apelos para que os farmacêuticos abram mão de alguns direitos de propriedade intelectual sobre os medicamentos e vacinas da Covid-19 para acelerar sua distribuição para os países pobres.

John Nkengasong, diretor dos Centros Africanos para Controle e Prevenção de Doenças disse, em uma coletiva de imprensa, que a transferência de PI era uma “vitória para todos” que resolveria as enormes desigualdades na saúde pública global.

A Reuters relata que ele deu dois exemplos em que o mundo em desenvolvimento sofreu devido ao acesso restrito a medicamentos: a pandemia de gripe suína no final dos anos 2000 e o HIV/AIDS nos anos 1990.

Em 1996, os medicamentos para o HIV estavam disponíveis e vimos como a mortalidade no mundo desenvolvido diminuiu drasticamente. Mas levaria 10 anos antes que esses medicamentos estivessem acessíveis na África de forma significativa.

Nesse meio tempo, 12 milhões de africanos morreram, então eu só uso esses números para dizer:” qualquer transferência de PI será benéfica para todos, porque ninguém quer sentar e se orgulhar daquele triste acontecimento … Queremos estar do lado certo de história”.

A África do Sul e a Índia, que fabricam medicamentos e vacinas, fizeram a proposta na Organização Mundial do Comércio no ano passado, argumentando que as regras de PI estavam impedindo o aumento urgente da produção de vacinas e do fornecimento de produtos médicos a alguns pacientes.

Na terça-feira, o chefe da Federação Internacional de Fabricantes e Associações Farmacêuticas (IFPMA), Thomas Cueni , afirmou que isentar as vacinas Covid-19 dos direitos de PI não aceleraria a produção ou distribuição.

No entanto, há ceticismo em relação a essas sugestões, e Nick Dearden, diretor da Global Justice Now, disse na semana passada que os líderes do G7 presidiam o “apartheid global de vacinas”.

Com informações do The Guardian.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora