Ajuda americana ao Brasil? Só após a crise, diz Pompeo

Em conversa com jornalistas, secretário de Estado americano ressaltou que o povo brasileiro poderá contar com o país quando houver melhora do quadro

Mark Pompeo, secretário de Estado americano. Foto: Reprodução/Wikipedia

Jornal GGN – Com a guerra por mais recursos médicos no combate ao coronavírus, os Estados Unidos deram um recado claro ao Brasil: só vão ajudar o país com insumos quando a situação entre os americanos melhorar.

A declaração é do secretário de Estado americano, Mark Pompeo. “O povo brasileiro pode contar com os EUA quando ‘virarmos a esquina’ [‘turn the corner’, expressão usada para se referir à melhora do quadro após uma situação difícil] e aumentarmos a produção americana para todos os itens restritos, que vão de respiradores, testes, tudo o que é necessário”, disse.

“Quando chegarmos lá, o Brasil deveria saber que faremos tudo o que pudermos para ter certeza de que eles têm o que precisam”, afirmou Pompeo, segundo informações do jornal Folha de São Paulo.

Atualmente, os Estados Unidos registram mais de 583 mil casos e 23,6 mortes, e estão sendo acusados de interferir nas compras de respiradores e outros itens feitas por outros países (inclusive o Brasil) ao pagarem preços mais altos e desviarem as rotas de suprimentos.

Governadores da região Nordeste acusam os Estados Unidos de terem confiscado uma carga de 600 respiradores mecânicos comprada da China. O carregamento fazia conexão em Miami antes de vir ao país, mas ficou parado no aeroporto norte-americano.

Quando questionado sobre o possível confisco de carregamentos médicos destinados ao Brasil no início do mês, Pompeo negou que tenha ouvido qualquer esforço nesse sentido – mas não escondeu a prioridade dos Estados Unidos, que considera ser legítima.

Leia Também
3M fecha acordo com Trump que permite venda de N95 para Canadá e América Latina
Brasil, França e Canadá reclamam de compra de EPI desviada para EUA
Trump quer impedir 3M de vender máscaras para o exterior
Coronavírus: Os EUA jogam duro na corrida por respiradores

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora