GGN

Bolsonaro anula decreto de privatização de UBS, mas defende modelo

Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Jornal GGN – Após a ampla repercussão de especialistas e entidades da saúde criticando as ameaças às Unidades Básicas de Saúde (UBS), com o decreto assinado pelo mandatário nesta terça (27) de estudar parcerias privadas para as atenções primárias do Sistema Único de Saúde (SUS), Jair Bolsonaro recuou e revogou o decreto.

Em publicação nas redes sociais nesta tarde, o mandatário falou que o decreto já estava revogado, mas mesmo assim saiu em defesa da medida, avalada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes: “O espírito do Decreto 10.530, já revogado, visava o término dessas obras, bem como permitir aos usuários buscar a rede privada com despesas pagas pela União”, escreveu.

Na mesma postagem nas redes, Bolsonaro falou que há mais de 4 mil UBS e 168 UPA (Unidades de Pronto Atendimento) inacabadas. “Faltam recursos financeiros para conclusão das obras, aquisição de equipamentos e contratação de pessoal”, insistiu, argumento a medida.

O decreto delegava a possiiblidade de que as UBS, que são responsáveis pelas atenções primárias do sistema público de saúde, assim como entrega de medicamentos de alto custo para brasileiros com doenças crônicas, vacinações, entre outras atenções, ao setor privado. Entenda mais aqui.

De acordo com a Secretaria-Geral da Presidência da República, a anulação do decreto será publicada no Diário Oficial da União ainda nesta quarta.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Sair da versão mobile