Carlos Wizard desiste de colaborar com o Ministério da Saúde

Wizard chegou a participar de reuniões com o ministro general Eduardo Pazuello e disse, em uma ocasião, que o ministério faria ‘recontagem’ de mortos.

Jornal GGN – Depois de uma série de declarações infelizes e levantando a voz das redes sociais contra si, Carlos Wizard desistiu de colaborar com o Ministério da Saúde na noite de hoje, 7. A decisão foi comunicada através de nota.

Wizard chegou a participar de reuniões com o ministro general Eduardo Pazuello e disse, em uma ocasião, que o ministério faria ‘recontagem’ de mortos. Agora, recusa o convite para ser ‘conselheiro’ do general da pasta.

Não foram poucas as reuniões em que ele participou na pasta sobre a pandemia de coronavírus. Ele não foi nomeado no Diário Oficial, por isso nada recebeu pelo ‘trabalho’.

Em nota, ele afirma que foi convidado para assumir a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, mas, segundo ele, recusou.

Wizard, na nota, agradece a confiança depositada nele pelo ministro general da Saúde, mas que decidiu não aceitar e continuar se dedicando de ‘forma solidária e independente’ em trabalhos sociais que diz fazer desde 2018, em Roraima.

Foi na sexta, dia 5, que Wizard disse que iria revisar os dados de contaminados e mortos pela pandemia de coronavírus, por suspeita de que os estados estariam ‘inflando’ os números. As reações não foram boas e houve muita grita nas redes sociais, inclusive com listagem de suas empresas para um boicote coletivo.

Wizard vinha sendo cotado para o cargo desde a saída de Nelson Teich do ministério. Ele é formado em estatística e ciência da computação, mas não tem qualquer formação em medicina ou em gestão pública. Sua atuação, como empresário, é no ramo de venda de produtos naturais e de sistema de pagamento virtual.

O Ministério da Saúde ainda não confirmou essa decisão de Wizard de recontagem de mortos e infectados nos estados. A declaração infeliz do empresário motivou o Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde), que reúne gestores de todo os estados e Distrito Federal, a divulgar nota de repúdio às afirmações de Wizard.

Os secretários estaduais, em nota, classificaram a acusação feita pelo empresário como uma ‘tentativa autoritária, insensível, desumana e anti-ética de dar invisibilidade aos mortos pela Covid-19’.

Leia a íntegra da nota de Carlos Wizard:

Informo que hoje (7/junho) deixo de atuar como Conselheiro do Ministério da Saúde, na condição pro bono. Além disso, recebi o convite para assumir a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos da pasta. Agradeço ao ministro Eduardo Pazuello pela confiança, porém decidi não aceitar para continuar me dedicando de forma solidária e independente aos trabalhos sociais que iniciei em 2018 em Roraima.

Peço desculpas por qualquer ato ou declaração de minha autoria que tenha sido interpretada como desrespeito aos familiares das vítimas da Covid-19 ou profissionais de saúde que assumiram a nobre missão de salvar vidas.

Carlos Wizard Martins

Com informações de O Globo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora