Como desmascarar mitos da vacina contra o Covid-19

Embora algumas pessoas que recebem a vacina possam desenvolver sintomas à medida que seu sistema imunológico responde, lembre-se de que isso é comum ao receber qualquer vacina e não é considerado grave ou potencialmente fatal.

Da MedicalXPress

por From Mayo Clinic News Network

Uma vacina para prevenir a doença coronavírus 2019 (COVID-19) é talvez a melhor esperança para acabar com a pandemia. Várias empresas biofarmacêuticas solicitaram autorização de uso emergencial da Food and Drug Administration (FDA) dos EUA para uma nova vacina COVID-19 e um número limitado de vacinas estará disponível antes do final do ano.

É provável que você tenha ouvido afirmações sobre a vacina COVID-19 nas redes sociais ou de pessoas em sua vida. O rápido desenvolvimento e aprovação de uma vacina podem aumentar sua hesitação sobre sua segurança ou eficácia. Vamos esclarecer os mitos que circulam sobre a vacina COVID-19.

Mito: A vacina COVID-19 não é segura porque foi desenvolvida e testada rapidamente.

Fato: Muitas empresas farmacêuticas investiram recursos significativos no desenvolvimento rápido de uma vacina para COVID-19 devido ao impacto mundial da pandemia. A situação de emergência justificou uma resposta de emergência, mas isso não significa que as empresas contornaram os protocolos de segurança ou realizaram testes adequados.

A Mayo Clinic irá recomendar o uso das vacinas que temos certeza que são seguras. Embora existam muitas vacinas candidatas COVID-19 em desenvolvimento, os primeiros dados provisórios são encorajadores para a vacina Pfizer, que provavelmente será a primeira autorizada para uso de emergência pelo FDA no final de dezembro / início de janeiro. Esta vacina foi criada usando uma nova tecnologia baseada na estrutura molecular do vírus. A nova metodologia para desenvolver uma vacina COVID-19 permite que ela seja isenta de materiais de origem animal e sintetizada por um processo eficiente, livre de células e sem conservantes. Esta vacina desenvolvida pela Pfizer / BioNTecH foi estudada em aproximadamente 43.000 pessoas.

Para receber a autorização de uso de emergência, o fabricante do biofármaco deve ter seguido pelo menos metade dos participantes do estudo por pelo menos dois meses após o término da série de vacinação, e a vacina deve ser comprovadamente segura e eficaz nessa população. Além da revisão de segurança pelo FDA, o Comitê Consultivo em Imunização convocou um painel de especialistas em segurança de vacinas para avaliar de forma independente os dados de segurança do ensaio clínico. Os especialistas em vacinas da Mayo Clinic também revisarão os dados disponíveis. A segurança da vacina COVID-19 continuará a ser monitorada de perto pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) e pelo FDA.

Mito: Eu já tinha COVID-19 e me recuperei, então não preciso tomar a vacina COVID-19 quando estiver disponível.

Fato: Não há informações suficientes atualmente disponíveis para dizer se ou por quanto tempo após a infecção alguém está protegido contra o COVID-19 novamente. Isso é chamado de imunidade natural. As evidências iniciais sugerem que a imunidade natural do COVID-19 pode não durar muito, mas são necessários mais estudos para melhor compreender isso. A Mayo Clinic recomenda receber a vacina COVID-19, mesmo se você já tomou COVID-19 anteriormente. No entanto, aqueles que receberam COVID-19 devem atrasar a vacinação até cerca de 90 dias a partir do diagnóstico. As pessoas não devem ser vacinadas se estiverem em quarentena após a exposição ou se apresentarem sintomas de COVID-19.

Mito: Existem efeitos colaterais graves das vacinas COVID-19.

Fato: Existem reações vacinais leves ou moderadas de curto prazo que se resolvem sem complicações ou lesões. Os estudos da fase inicial da vacina Pfizer mostram que ela é segura. Cerca de 15% das pessoas desenvolveram sintomas de curta duração no local da injeção. 50% desenvolveram reações sistêmicas principalmente cefaleia, calafrios, fadiga ou dores musculares ou febre com duração de um ou dois dias. Lembre-se de que esses efeitos colaterais são indicadores de que seu sistema imunológico está respondendo à vacina e são comuns ao recebê-las.

Mito: não vou precisar usar máscara depois de tomar a vacina COVID-19.

Fato: Pode levar algum tempo para que todos que desejam uma vacina com COVID-19 a recebam. Além disso, embora a vacina possa evitar que você adoeça, não se sabe no momento se você ainda pode carregar e transmitir o vírus a outras pessoas. Até que se compreenda melhor como a vacina funciona, continuar com precauções como usar máscara e distanciamento físico será importante.

Mito: Mais pessoas morrerão como resultado de um efeito colateral negativo da vacina COVID-19 do que morreriam realmente do vírus.

Fato: Circulando nas redes sociais está a afirmação de que a taxa de mortalidade do COVID-19 é de 1% -2% e que as pessoas não devem ser vacinadas contra um vírus com alta taxa de sobrevivência. No entanto, uma taxa de mortalidade de 1% é 10 vezes mais letal do que a gripe sazonal. Além disso, a taxa de mortalidade pode variar amplamente e é influenciada pela idade, sexo e condição de saúde subjacente.

Embora algumas pessoas que recebem a vacina possam desenvolver sintomas à medida que seu sistema imunológico responde, lembre-se de que isso é comum ao receber qualquer vacina e não é considerado grave ou potencialmente fatal. Você não pode pegar a infecção COVID-19 com as vacinas COVID-19; são vacinas inativadas e não vacinas vivas.

É importante reconhecer que receber a vacina não se trata apenas da sobrevivência do COVID-19. Trata-se de prevenir a propagação do vírus a outras pessoas e prevenir infecções que podem levar a efeitos negativos para a saúde a longo prazo. Embora nenhuma vacina seja 100% eficaz, eles são muito melhores do que não receber uma vacina. Os benefícios certamente superam os riscos em pessoas saudáveis.

Mito: A vacina COVID-19 foi desenvolvida como uma forma de controlar a população em geral por meio de rastreamento por microchip ou nanotransdutores em nossos cérebros.

Fato: Não existe um “microchip” de vacina e a vacina não rastreará pessoas ou coletará informações pessoais em um banco de dados. Esse mito começou após comentários feitos por Bill Gates, da The Gates Foundation, sobre um certificado digital de registros de vacinas. A tecnologia que ele estava se referindo não é um microchip, não foi implementada de forma alguma e não está vinculada ao desenvolvimento, teste ou distribuição da vacina COVID-19.

Mito: a vacina COVID-19 alterará meu DNA.

Fato: As primeiras vacinas COVID-19 a chegar ao mercado são provavelmente vacinas de RNA mensageiro (mRNA). De acordo com o CDC, as vacinas de mRNA funcionam instruindo as células do corpo como fazer uma proteína que desencadeia uma resposta imunológica. A injeção de mRNA em seu corpo não irá interagir ou fazer nada com o DNA de suas células. As células humanas se decompõem e se livram do mRNA logo após terminarem de seguir as instruções.

Mito: As vacinas COVID-19 foram desenvolvidas usando tecido fetal.

Fato: As vacinas de mRNA atuais COVID-19 não foram criadas com e não requerem o uso de culturas de células fetais no processo de produção.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora