Coronavírus: Após pressão da Alemanha, UE apresentará decisão sobre vacina da Covid

Agência reguladora da UE anunciou que se reunirá em 21 de dezembro, em vez de 29 de dezembro, para decidir se autoriza a vacina.

Jornal GGN – A agência reguladora de medicamentos da União Europeia, com sede em Amsterdã, anunciou que se reunirá em 21 de dezembro, em vez de 29 de dezembro, para decidir se autoriza a vacina. O anúncio se dá após pressão da Alemanha, que diz que a decisão tem que ser tomada logo, para que se possa começar os planos de vacinação no país.

O ministro da Saúde alemão, Jens Spahn, afirma que o objetivo é obter a aprovação antes do Natal e começar a vacinar antes do final do ano. O ministro de Saúde da Itália, Roberto Speranza, disse que espera que a EMA (agência reguladora da UE), seja capaz de aprovar a vacina Pfizer BioNTech antes do prazo.

Respondendo às críticas de que o Reino Unido, Canadá e EUA aprovaram vacinas antes da UE, Spahn disse que a decisão da EMA seria “a primeira aprovação regular do mundo” de uma vacina e envolveria a participação de especialistas de todos os 27 países membros da UE.

“Dissemos desde o início que faríamos isso em um nível europeu e não em um nível nacional… O ‘nós’ é mais forte do que o ‘eu’”, disse Spahn. “Esta é uma boa notícia para toda a UE.”

“Investigamos mais profundamente os dados e empreendemos uma investigação mais granular dos dados… portanto, levou mais tempo para avaliá-los.”

O anúncio da vacina foi bem recebido por políticos, equipes médicas e líderes empresariais. Os redatores das manchetes referem-se a ele como “o melhor presente de Natal”.

A Alemanha entra em um bloqueio estrito na quarta-feira que vai durar até pelo menos 10 de janeiro, enquanto luta para controlar a propagação do vírus. Escolas e jardins de infância fecharão, assim como lojas e serviços não essenciais.

Até o outono, a Alemanha tinha se saído melhor do que muitos outros países europeus, com taxas de infecção e mortalidade consideravelmente mais baixas. Mas os especialistas dizem que sua vantagem foi desperdiçada em parte devido à percepção generalizada de que o vírus estava tão sob controle que as pessoas podiam relaxar com segurança seu comportamento.

Spahn disse reconhecer que algumas pessoas têm dúvidas sobre as vacinas e que um programa de vacinação será debatido no parlamento na quarta e quinta-feira.

Os especialistas sugeriram que o governo alemão espera que a aprovação da vacina regular, em vez de emergencial, coloque a responsabilidade por sua segurança nos ombros dos fabricantes e não do governo.

Klaus-Dieter Zastrow, professor de saúde e higiene, disse à mídia alemã que não esperava que o programa de vacinas tivesse um impacto palpável na vida alemã até abril ou maio, pelo menos. Ele disse que até então “teremos que continuar usando máscaras e mantendo distância”. Ele acrescentou que não está claro se aqueles que foram vacinados ainda são capazes de espalhar o vírus.

Enquanto os países da Europa lutam para evitar um novo surto de infecções por coronavírus no Natal e no ano novo, o governo espanhol pediu às pessoas “que aumentem sua prudência” em meio a um pequeno aumento no número de novos casos.

Com informações do The Guardian.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome