Coronavírus – China, EEUU e Brasil, por Sonia Yessin Ramos

O mais relevante e que há algo sempre ausente em todas as reportagens e "análises" que nos chegam. Refiro-me ao seguinte: nenhuma é capaz de de comparar, nem muito menos explicar, a razão para os fatos aqui expostos.

Coronavírus – China, EEUU e Brasil

por Sonia Yessin Ramos

Comparação entre o desempenho dos Estado brasileiro, dos Estados Unidos e do Estado chinês no enfrentamento do coronavírus – uma análise  abstrata para iluminar o problema

Apresentação

Em 3 etapas vamos  comparar a questão relacionando CHINA/EEUU, relacionando EEUU/BRASIL, e relacionando CHINA/BRASIL. Nossa análise é matematicamente aferível por quem quer que seja, vez que os dados trabalhados são acessíveis por simples busca no Google, na rubrica “notícias países coronavírus mortos casos ranking” (https://news.google.com/covid19/map?hl=pt-BR&gl=BR&ceid=BR%3Apt-419) (para a data de 24/09/20) , de onde extraímos os dados que embasam nosso raciocínio, raciocínio este que, como se verá, é abstrato, mas perfeitamente útil para a análise do problema consoante o enfoque acima posto.

O raciocínio (observem bem) considera, como principal vetor na comparação pretendida, o quantitativo populacional de cada um desses países. Comentários de natureza política serão aqui, digamos, econômicos.  O objetivo é, repito, que os números falem por si mesmos, e propiciem a você  tirar suas conclusões. Tenham em conta que o vírus presente mundialmente é um só; que a vítima do vírus é uma só – a espécie humana; mas que diversos são os sistemas econômico-sociais e políticos presentes nos países mencionados, e diversas as qualidades (capacidades e incapacidades) dos dirigentes máximos que são seus condutores maiores, daqueles que estão, ou deveriam estar, no comando da luta contra o vírus, protegendo suas respectivas populações.

 

É bem curioso, seguidamente, encontrar, na imprensa hegemônica – a chamada grande imprensa, reportagens críticas em relação à China. Ora se dá destaque às afirmações de Trump, ora às afirmações de Bolsonaro, culpando aquele país pelo coronavírus.  É também comum que se destaquem notícias de enfermeiros e médicos chineses maltratados, estressados, suicidas etc. Difícil, senão impossível, é encontrar ali reportagens elogiosas à China, ou, por outro lado, críticas aos EEUU, mesmo, por exemplo, que seja notório que o Governo da China se dispõe a oferecer gratuitamente ao mundo – e a todos os países, mesmo os seus desfetos, e, em especial aos países mais pobres ou em desenvolvimento, as vacinas chinesas que estão na sua última fase de testes), porque as consideram “patrimônio da humanidade” a ser partilhado;  e mesmo, por outro lado, que seja notório que o Governo dos EEUU tenha, por exemplo (e aqui o que temos é um fato), recentemente, roubado (A palavra “roubado” é forte? OK. Usemos “desviado”) cargas de máscaras protetoras absolutamente escassas aqui àquela época, em aeroportos de passagem com destino ao Brasil, em trânsito, e, portanto, encomendadas e pagas pelo Brasil.

O mais relevante e que há algo sempre ausente em todas as reportagens e “análises” que nos chegam. Refiro-me ao seguinte: nenhuma é capaz de de comparar, nem muito menos explicar, a razão para os fatos adiante expostos.

 Relação mortos-China/mortos-EEUU

1.1.    Em 2020 a população estimada da China é de 1.402.509.324 (um bilhão, quatrocentos e dois milhões, quinhentos e nove mil, trezentos e vinte e quatro) habitantes, enquanto a população estimada nos EEUU é igual a 328.634.908 (trezentos e vinte e oito milhões, seiscentos e trinta e quatro mil, novecentos e oito habitantes).   Ou seja, a população chinesa é  4,26… vezes maior que a dos EEUU.

1.2.    Na China, um país em vias de se fazer poderoso, mas ainda “emergente”, o número de mortos pelo coronavírus foi de 4.665 (quatro mil, seiscentos e sessenta e cinco), sendo certo que lá o vírus se manifestou por primeira vez, quando nenhum acúmulo de prática e conhecimentos específicos havia para enfrentá-lo.  O resto do mundo teve um tempo maior para se preparar para o combate. Nos EEUU – o país mais rico e poderoso do mundo, o número de mortos é igual a 201.781 (duzentos e um mil, setecentos e oitenta e um). Com efeito, os EEUU são o campeão de mortos do coronavirus, mundialmente. É o que dizem os levantamentos até 24/09/2020, sempre que consideremos verdadeiros os dados fornecidos pelo Google.

1.3      Resumo das relações até aqui indicadas e conclusão: (a) –  A relação  entre a população chinesa e a população estadunidense (igual a   1.402.509.324/328.634.908), aponta para o fato de que população chinesa é 4,26… vezes maior que a estadunidense (b) –  A relação, em números absolutos, entre mortos estadunidenses e mortos chineses  (igual a 201.781/4.665) aponta que morreram 43,25… vezes mais estadunidenses que chineses por cornavírus, a despeito de que , repita-se, a população chinesa seja 4,26… vezes maior que a população estadunidense.

1.4     Dito por outra forma: este cálculo, que trabalha com números absolutos, aponta para o fato de que para cada chinês morto pelo coronavírus, morreram 43,25 estadunidenses (!!!), embora os EEUU sejam o país mais poderoso do mundo, país a respeito do qual havia a expectativa –  razoável, de que tivesse, mais do que qualquer outro país, capacidade absoluta e relativa superior de proteger seu povo. É o que dizem, repito, os levantamentos até 24/09/2020, sempre que consideremos verdadeiros, repito,  os dados fornecidos pelo Google.

1.5      Não podemos, entretanto, nos deter nestes cálculos que trabalham com números absolutos. Eles não são justos, como ficará adiante demonstrado. E se realizamos nossa operação matemática trabalhando com números relativos, dita comparação, naturalmente, apontará outros números, mais impactantes. Vamos dar maior precisão à nossa afirmação  …

1.6      Caso a população dos EEUU fosse igual à  da China (isto é, 4,26… maior do que é) o número de mortos nos EEUU seria (e isto é verossímil) 4,26… vezes maior (201.781 x 4,26…), ou seja, os EEUU teriam mortos em número igual a 859.587 (oitocentos e cinquenta e nove mil, quinhentos e oitenta e sete (!!!).

1.7      Assim, equalizadas as populações, vamos corrigir os números antes trazidos.  Fazemos isto dado que nossa finalidade é, como dito, (1) definir o desempenho comparativo de cada país na pandemia, e (2) efetuar comparação também sobre o desempenho dos dirigentes de um e outro país, desvelando suas capacidades e incapacidades neste importante e decisivo particular, à vista do resultado, objetivo, “mortes”, no quadro suposto de uma população estadunidense quantitativamente idêntica à chinesa (isto é 4,26… vezes maior, mantidas, na comparação, todas as demais variáveis do problema, vez que, afinal de contas,  é precisamente esta a natureza daquilo que se nomeia “raciocínio abstrato”. Somente operando essa equalização é possível comparar os fatos e questão.

1.8      Relativamente, a relação (mortos-EEUU/mortos-China) seria então igual a (201.781 x 4,26…)  857.587 para 4.665.    Com efeito, daí  emergem números verdadeiramente escandalosos, uma relação luminarmente chocante, que dispensa comentários, sobretudo se considerada a desproporção, ou melhor, a relação desproporcional de poderio entre os dois países. Já agora para cada chinês morto por coronavírus, corresponderiam mais de 184,26… estadunidenses mortos(!!!!!!!!!). Assim, e somente assim, ficaria guardada a mesma proporcionalidade de mortos em ambos os países.

1.9      Observem que esta forma de comparar – a comparação relativa, é a que, a partir dos dados de que selecionamos, mais nos aproxima de lições para a compreensão do fenômeno examinado, dado o escopo do artigo.  Sim, porque até crianças sabem que não se pode comparar laranjas com bananas. Só se pode comparar 2 seres diversos no que têm em comum. É imperativo existir um denominador comum, razão pela qual insisto em defender duplamente a valia do procedimento adotado neste artigo. Ele  é valioso, a despeito de sua abstratividade; o método de raciocínio abstrato é também necessariamente útil, a despeito de sua incompletude.

1.10   Nossa pretensão é contribuir, ao final, para que você possa comparar o desempenho dos Estados e dos Governos brasileiro, estadunidenses e chinês, no enfrentamento do coronavírus, focando, em especial, no aspecto populacional, à luz, é claro, da óbvia correlação de poder de forças entre os países em questão neste particular.  E nem se diga que este é um elemento desprezível para análise.  Ninguém intelectualmente honesto pode subestimar o fato de que na primeira destas formações sociais habita 1/5 da humanidade; outro dado da maior importância: é impossível esquecer que uma destas formações sociais – os EEUU, é o país mais poderoso do mundo – tudo implicando, evidentemente, e desde logo, que todas as possíveis conclusões que dessa análise abstrativa decorram, serão, todas, desfavoráveis (em proporções diversas, mas desfavoráveis) aos países emergentes (China e Brasil).  Por tudo isto, buscamos encontrar, para iluminar a questão proposta, justamente, definir o elemento populacional como este denominador comum.

  1. Relação mortos-EEUU/mortos-Brasil

2.1      Em 2020 a população estimada dos EEUU é de 328.634.908 (trezentos e vinte e oito milhões, seiscentos e trinta e quatro mil, novecentos e oito habitantes), enquanto a população estimada o Brasil é de  211.755.992 (duzentos e onze milhões, setecentos e cinquenta e cinco mil, novecentos e noventa e dois).   Ou seja, a população estadunidense é 1,55… vezes maior que a do Brasil (328.634.908 divididos por 211.755.992).

2.2      Nos EEUU, país mais poderoso do mundo, o número de mortos pelo coronavírus foi de 201.781 (duzentos e um mil, setecentos e oitenta e um. No Brasil, um país “emergente” (Ainda?), com recursos humanos e materiais bem inferiores, sob vários pontos de vista, o número de mortos é igual a 139.159 (cento e trinta e nove mil, cento e cinquenta e nove). Com efeito, os Brasil é o vice-campeão de mortos do coronavirus, mundialmente. É o que dizem os levantamentos até 25/09/2020, sempre que consideremos verdadeiros os dados fornecidos pelo Google.

2.3      Resumo das relações até aqui indicadas e conclusão: (a) –  A relação  entre a população estadunidense e a população brasileira (igual a   328.634.908/211.755.992), aponta para o fato de que população estadunidense é 1,55… vezes maior que a brasileira (ou, a contrario sensu, a população brasileira é 1,55… vezes menor que a população estadunidense). (b) – relação entre mortos estadunidenses e mortos brasileiros (igual a 201.781/139.159) demonstra que, em números absolutos, morreram 1,45… vezes mais estadunidenses que brasileiros por coronavírus.

2.4      Dito por outra forma: este cálculo, em números absolutos, aponta para o fato de que, para cada brasileiro morto pelo coronavírus, morreram 1,45… estadunidenses (!!!), embora os EEUU sejam  o país mais do mundo , país a respeito do qual havia a expectativa –  razoável, de que tivesse, mais do que qualquer outro país, capacidade absoluta e relativa superior, muito superior, no caso, de proteger seu povo. É o que dizem, repito, os levantamentos até 24/09/2020, sempre que consideremos verdadeiros, repito,  os dados fornecidos pelo Google.

2.5      Não podemos, entretanto, nos deter nestes cálculos que trabalham com números absolutos. Eles não são justos, como ficará adiante demonstrado. E se realizamos nossa operação matemática trabalhando com números relativos, dita comparação, naturalmente, apontará outros números

2.6      Caso a população do Brasil fosse igual à  dos EEUU (isto é, 1,55… vezes maior do que é) o número de mortos no Brasil seria (e isto é verossímil) 1,55… vezes maior  (139.065 mortos x 1,55…f), ou seja, os Brasil teria mortos em número igual a 215.550 (duzentos e quinze mil, quinhentos e cinquenta) mortos (!!!).

2.7      Assim, equalizadas as populações, vamos corrigir os números antes trazidos.  Fazemos isto dado que é nossa finalidade – já enunciada e defendida no item 1.7, anterior -, isto é, em suma, com o intuito de precisar o desempenho comparativo desses dois países (no caso EEUU e Brasil) no enfrentamento da pandemia, bem como as capacidades e incapacidades de seus dirigentes, no quadro  suposto de uma população brasileira quantitativamente idêntica à estadunidense (isto é 1,55… vezes maior), mantidas, na comparação, todas as demais variáveis do problema.

2.8      Relativamente, a relação (mortos-Brasil/mortos-EEUU) seria então igual a para 215.550 (1,55… x 139.065).  Com efeito, daí emergem números verdadeiramente preocupantes, muito preocupantes, para nós, os brasileiros, uma relação luminarmente chocante, que dispensa comentário, preocupante adicionalmente se considerada  a desproporção, ou melhor,  a relação desproporcional de poderio econômico, militar, etc., entre os dois países. Já agora, em oposição ao que apontava a conclusão quando se trabalhava com números absolutos, temos que a relação mortos-Brasil/mortos-EEUU é de 215.550/201.781.  Para cada  estadunidense morto, morreu 1,06 brasileiros, pelo que, os pólos se inverteram: o número de mortos brasileiros alcançou vantagem (pequena?) em relação aos EEUU. Isto é grave. Já não nos cabe o consolo trazido pelos número absolutos.   Já não nos consola supor: estamos mal mas no poderoso EEUU há mais mortes que aqui. O horror maior é aqui!!!!!   E somos mais frágeis, muito mais frágeis; e temos menos recursos que eles para superar este horror!

  1. Relação mortos-China/mortos-Brasil …

3.1      Em 2020 a população estimada da China é de 1.402.509.324 (um bilhão, quatrocentos e dois milhões, quinhentos e nove mil, trezentos e vinte e quatro) habitantes, enquanto a população estimada no Brasil é igual a 211.755.992 (duzentos e onze millhões, setecentos e cinquenta e cinco mil, novecentos e noventa e dois).   Ou seja, a população chinesa é  6,62… vezes maior que a do Brasil.

3.2      Na China, o número de mortos pelo coronavírus foi de 4.665 (quatro mil, seiscentos e sessenta e cinco). No Brasil o número de mortos é igual a 139.065 (cento e trinta e nove mil e sessenta e cinco). Com efeito, o Brasil, é, mundialmente, o vice-campeão do coronavírus. Entretanto, em números relativos é o campeão mundial. É o que dizem os levantamentos até 24/09/2020, e os cálculos com números relativos a que procedemos anteriormente (Vide item 2.8, supra).

3.3      Resumo das relações até aqui indicadas e conclusão: (a) –  A relação  entre a população chinesa e a população brasileira (igual a   1.402.509.324/211.755.992), aponta para o fato de que população chinesa é 6,62… vezes maior que a brasileira.  (b) –  A relação, em números absolutos, entre mortos brasileiros e mortos chineses  (igual a 139.065/4.665) aponta que morreram 29,81… vezes mais brasileiros que chineses por cornavírus, a despeito de que , repita-se, a população chinesa seja 6,62…  vezes maior que a população brasileira.

3.4     Dito por outra forma: este cálculo, que trabalha com números absolutos, aponta para o fato de que para cada chinês morto pelo coronavírus, morreram 29,81… brasileiros (!!!). A China, nesta relação, não decepcionou, pelo contrário. É o que dizem, repito, os levantamentos até 24/09/2020, sempre que consideremos verdadeiros, repito,  os dados fornecidos pelo Google.

3.5      Não podemos, entretanto, nos deter nestes cálculos que trabalham com números absolutos. Já vimos que eles não são justos. E nossa operação matemática comparativa com números relativos,  naturalmente, apontará outros números …

3.6      Caso a população dos Brasil fosse igual à  da China (isto é, 6,62… vezes maior do que é) o número de mortos no Brasil seria (e isto é verossímil) 6,62… vezes maior (139.065 x 6,62), ou seja,  Brasil teria mortos em número igual a 920.610 (novecentos e vinte mil, seiscentos e dez) habitantes.

3.7    Assim, equalizadas as populações, vamos corrigir os números antes trazidos.  Queremos definir o desempenho comparativo de cada país (no caso China e Brasil) e de seus respectivos dirigentes,  na pandemia, no quadro suposto de uma população brasileira quantitativamente idêntica à chinesa (isto é 6,62 vezes maior), mantidas, na comparação, todas as demais variáveis do problema. Somente operando essa equalização é possível comparar os fatos em questão.

3.8      Relativamente, a relação (mortos-Brasil/mortos-China) seria então igual a 920.610 (139.065 x 6,62)  para 4.665, guardando-se a proporcionalidade de mortos em ambos os países. Conclusão:   daí emergem números verdadeiramente escandalosos, uma relação luminarmente chocante, que dispensa comentários. Já agora para cada chinês morto por coronavírus, corresponderiam mais de 197 brasileiros.  Horror dos horrores !!!!!! (Observem que a relação e números relativos mortos-EEUU/mortos-China estadunidenses mortos, já absurda, indicava: 1 chinês/182 estadunidenses.  O número ora apontado (1 chinês/197 brasileiros) é maior, bem maior. Observem: os números são frios, mas não se pode esquecer que a cada um deles corresponde uma vida.

Sumarizando a comparação entre números relativos finais … 

                       População                                                               Mortos

China             1.402.509.324………………………………………….4.665

EEUU (1)       1.402.509.324 (328.634.908 x 4,26…)…………………… 859.587 (201.781 x 4,26…)

 

EEUU                328.634.908…………………………………201.781

Brasil                328.634.908  (211.755.992 x 1,55…)………….215.550 (139.065 x 1,55…)

 

China             1.402.509.324……………………………………   4.665

Brasil             1.402.509.324 (211.755.992 x 6,62…)……………920.610 (139.065 x 6,62…)

E aqui findamos essa abordagem abstrativa inicial da questão.  Deixo patente que os resultados a que fui chegando, na medida em que avançavam os cálculos, me surpreenderam, e muito!  Eu mesmo não supunha (mesmo eu, crítica que tento ser a todo tempo) que havíamos chegado tão longe nessa tragédia. Agora, deixo a vocês mesmos as conclusões finais, uma vez que os números trazidos são luminares, e, acredito, inquestionáveis.

Por último, encareço que esta análise numérica – fria, sim, mas necessária, não impeça, mas, pelo contrário, fortaleça, nosso pranto solidário em relação a todas as vítimas, fatais ou não, desta tragédia, e contribua para que se demonstre como é imperativo – na verdade uma questão de sobrevivência, alterar este estado de coisas, não só derrubando os irresponsáveis dirigentes que aqui nos trouxeram, como, sobretudo, refletindo e criticando o sistema sócio-humano que é seu pano de fundo, esse modo de viver que torna possível toda esta imensa infâmia, dentre outras, também relevantes. Este sistema  tem nome – chama-se Capitalismo. Em última instância, ele  é quem determina nosso trágico presente e, a se manter, nosso desesperançoso  futuro.  Cabe a nós todo o esforço pra indicar caminhos teóricos e  práticos para a superação dessa atroz realidade, antes que consigam destruir cada um de nós, a natureza e  a Humanidade.

Observação final –   Nas operações matemáticas efetuadas nos limitamos a trabalhar com números até a segunda casa decimal, razão pela qual haverá pequenas diferenças que não comprometem as conclusões adotadas.

__________________________________________

Sonia Yessin Ramos – pensadora marxista, influenciada pelo último Lukács, com formação acadêmica  em História e Direito, militante contra a Ditadura.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora