Coronavírus: Inglaterra decreta seu terceiro bloqueio nacional

Ao anunciar as medidas, Boris Johnson alertou que as próximas semanas serão as “mais difíceis até agora”.

Foto: Reuters

Jornal GGN – O terceiro bloqueio nacional imposto na Inglaterra para tentar lidar com o enorme aumento de casos da Covid-19 deve permanecer em vigor pelo menos até março, com algumas medidas durando ainda mais, indicou o governo.

O ministro do Gabinete, Michael Gove, disse esperar que o levantamento gradual das restrições pudesse começar em meados de fevereiro, mas que o tempo que leva para as vacinas fazerem efeito significa que, provavelmente, demorará pelo menos mais algumas semanas antes que as medidas possam ser facilitadas.

“Não podemos prever com certeza que conseguiremos suspender as restrições na semana que começa de 15 a 22 [de fevereiro], o que faremos é tudo que pudermos para garantir que o maior número possível de pessoas seja vacinado para que podemos começar a suspender progressivamente as restrições”, disse Gove à Sky News na terça-feira.

“Acho que é certo dizer que, ao entrarmos em março, devemos ser capazes de retirar algumas dessas restrições – mas não necessariamente todas.”

A Inglaterra foi colocada sob um novo bloqueio nacional – com as restrições mais severas desde março passado – na segunda-feira. Ao anunciar as medidas, Boris Johnson alertou que as próximas semanas serão as “mais difíceis até agora”.

O primeiro-ministro disse que fechar escolas e negócios não essenciais e mandar as pessoas ficarem em casa é necessário para lidar com a nova variante do vírus.

Mas os ministros não conseguiram explicar por que esperaram até que algumas crianças já estivessem de volta à sala de aula para fazer o anúncio, tendo insistido apenas algumas horas antes que era seguro para eles estarem lá.

E, falando na manhã desta terça-feira, Gove admitiu que os ministros esperaram até o último momento, apenas impondo as restrições quando não tiveram outra escolha. Ele disse à Sky News: “Fechar escolas é realmente o último recurso. Nenhum de nós queria fazer isso. Todos nós sabemos por que é tão importante que as crianças recebam a melhor educação possível.”

“Mas os diretores médicos de todas as partes do Reino Unido julgaram ontem que precisávamos passar para o nível cinco – o nível de alerta mais grave contra essa infecção. E, diante dessa notícia ontem, não nos restou outra alternativa a não ser dar todos os passos que pudéssemos”, continuou ele.

Keir Starmer disse que apoiaria o novo bloqueio nacional da Inglaterra. Na terça-feira, o líder trabalhista disse à BBC Breakfast: “Era inevitável que precisássemos de um conjunto nacional de restrições. Foi por isso que pedi”.

Ele pediu um retorno ao espírito de março passado, dizendo que agora era uma corrida contra o tempo para aumentar o programa nacional de vacinação. “Temos um contrato com o povo britânico para dizer que essas restrições são duras. Em troca disso, o governo precisa implantar o programa de vacinação com rapidez e acelerá-lo. Este é um grande desafio e acho que precisamos trabalhar juntos”.

Falando ao programa Today da BBC Radio 4, ele disse que queria ver um “centro de vacinação em todas as ruas”, acrescentando: “O primeiro-ministro disse sete semanas – isso é para permitir que o programa de vacinação seja implementado para 13 a 14 milhões de pessoas … Espero que ele não esteja prometendo demais”.

Gove admitiu que era improvável que todos os 14 milhões recebessem a vacina a tempo, embora sugerisse que as restrições permaneceriam em vigor até que o fizessem.

Com informações do The Guardian.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome