Coronavírus: Itália prepara-se para medidas mais duras depois de aumento de mortos

Como a abordagem alternativa para um bloqueio nacional teve pouco sucesso até agora, o número de infecções ultrapassou a marca de um milhão na semana passada e os casos subindo mais de 30.000 por dia.

Jornal GGN – A Itália registrou 731 mortes em 24 horas nesta terça-feira, dia 17. Este é o maior número de ondas diárias desde o início da segunda onda da pandemia. Números semelhantes não eram vistos desde 3 de abril, quando o país estava com bloqueio ativo.

Foram 32.191 testes positivos para Covid-19 nessas últimas 24 horas, informou o ministério da saúde, e agora há mais 120 pacientes em tratamento intensivo, elevando o total atual para 3.612.

A segunda onda já causou 9.000 mortes na Itália. Como a abordagem alternativa para um bloqueio nacional teve pouco sucesso até agora, o número de infecções ultrapassou a marca de um milhão na semana passada e os casos subindo mais de 30.000 por dia.

O médico italiano Andrea Crisanti disse na terça-feira que, em vez de amenizar as atuais restrições à Coid-19, o governo pode ter de torná-las mais rígidas.

“Na próxima semana saberemos se a curva (de contágio) se estabilizou ou começou a diminuir”, disse Crisanti à agência de notícias italiana ANSA. Crisanti  é diretora de microbiologia e virologia da Universidade de Pádua. “Se não descer, será necessário fazer outra coisa.

“O preço social e emocional é imenso – morreram 9.000 pessoas desde o início da segunda onda, não podemos esquecer isso”.

Na terça-feira, os médicos da UTI disseram que a pressão sobre as unidades de terapia intensiva (UTIs) durante esta segunda onda é quase insuportável nas zonas vermelhas de alto risco. Antonio Giarratano, chefe da associação de médicos de UTI SIAARTI, disse a Rai Tre que “afirma-se que a pressão sobre a terapia intensiva é sustentável, mas na verdade, nas regiões vermelhas a pressão é quase insustentável, e nas laranjas é muito, muito pesado”.

O surto de Covid-19 durante a segunda onda e as medidas de contenção associadas levaram a economia da Itália a uma contração profunda. A associação de varejistas italiana Confcommercio disse na terça-feira que os gastos do consumidor despencaram novamente em outubro, caindo 8,1% em comparação com o mesmo mês de 2019. Os negócios ligados ao turismo foram os mais atingidos, os “serviços de recreação caíram 73,2%, hotéis caíram 60% e bares e restaurantes caiu 38%”.

Com informações do The Guardian

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora