O SUS sem dívida e sem mercado: abrindo o debate, por Eleonor Minho Conill

do CEE-Fiocruz

O SUS sem dívida e sem mercado: abrindo o debate, por Eleonor Minho Conill

Quais as possibilidades de se contar com um orçamento generoso para o setor Saúde, de modo que o SUS cumpra seus objetivos constitucionais? Que fontes alternativas de financiamento de políticas públicas podem ser utilizadas? Que estratégias podem ser adotadas para que esses recursos se viabilizem? E que cara deveria ter esse SUS mais bem financiado?

Estas são as perguntas centrais que orientaram o seminário Saúde sem Dívida e sem Mercado, na construção de uma plataforma de ação diante da grave conjuntura política brasileira. A proposta é, ao mesmo tempo, empolgante e desafiadora. Empolgante porque, ao estabelecer uma ligação estreita com o Movimento pela Auditoria Cidadã da Dívida Pública, encerra uma perspectiva concreta de busca por recursos para as políticas sociais. Mas desafiadora porque exige priorizar e dar concretude financeira e orçamentária para bandeiras, às vezes muito gerais, no âmbito das políticas de saúde. Pretende-se com este texto abrir esse debate, circunscrevendo campos estratégicos de trabalho que devem ser foco de aprofundamento.

Leia o artigo completo.

              Assine

Leia também, na série Futuros do Brasil – Ideias para ação

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora