Home A Grande Crise Em abril, urubus no Equador mostravam cena de guerra do coronavírus na América Latina

Em abril, urubus no Equador mostravam cena de guerra do coronavírus na América Latina

Em abril, urubus no Equador mostravam cena de guerra do coronavírus na América Latina
Com falta de caixão, funcionários retiram um cadáver da calçada de Hospital em Guayaquil, Equador - Foto: REUTERS, STRINGER

Jornal GGN – O Equador foi o primeiro país da América Latina a vivenciar verdadeiras cenas de guerra com o coronavírus na região. Logo no início de abril, tornou-se o epicentro do horror e do medo da pandemia. Com hospitais e cemitérios saturados, cadáveres repousavam nas ruas e urubus nos céus do país.

As imagens foram registradas por equatorianos nas redes sociais e o GGN foi o primeiro jornal brasileiro a revelar as imagens, em uma das matérias mais lidas do mês (aqui). Relembrar estas cenas é a retrospectiva como o vírus chegou ao continente e como os países latinoamericanos, sem estrutura, estiveram entre os mais afetados do mundo.

Urubus no Equador, epicentro do horror do coronavírus na América Latina

Por Patricia Faermann

“Vejo urubus no céu de Guayaquil (Equador) e à tarde a fumaça dos corpos sendo queimados em um dos cemitérios da cidade. Agora, estou vivendo em um filme de terror, apocalíptico.”

A fala é de um brasileiro, ao G1, que vive há anos na cidade equatoriana Guayaquil, que apesar dos esforços do presidente Lenín Moreno em abafar a repercussão do coronavírus no país, paralisou o mundo, tornando-se o palco mais drástico até agora do Covid-19 na América Latina.

O GGN foi o primeiro veículo brasileiro a estampar as imagens (aqui) de denúncias que percorreram as redes sociais, no início deste mês, e que impactaram a região. O Equador é hoje o quarto país da América Latina com mais casos de coronavírus, com 8.225 confirmações, e o terceiro no ranking de mortes, com 403, em números oficiais distantes da realidade.

Fica atrás do Brasil (30.425 casos), do Peru (12.491), que alavancou bruscamente o número de infectados nos últimos dias, e do Chile (8.807). Entre as vítimas fatais, a maior concentração da região está no Brasil, com 1.924 mortos, seguido do México, com 449 falecidos.

Mas o país de somente 17 milhões de habitantes viu seus sistemas de saúde e funerário colapsados, com centenas de cadáveres contagiados nas ruas, sem lugar em hospitais ou em cemitérios. “Não há espaço nem para vivos, nem para mortos”, resumiu a prefeita de Guayaquil, Cynthia Viteri, em uma de suas manifestações. A prefeita chegou a lançar uma campanha em memória aos mortos que continuavam aguardando ser retirados de suas casas:

Em meio à pressão da população, de governos locais e sob os olhos do mundo, ainda caíram dois ministros do governo de Lenín Moreno, a da Saúde e o do Trabalho, Catalina Andramuño e Andrés Madero, respectivamente. Nos últimos dias, a população narrava os impactos da devastadora crise sanitária também no abastecimento, gerando a falta de alimentos nas cidades, e obrigando ações emergenciais.

O impacto desta crise na popularidade do presidente do país o pressionou a anunciar a redução de seu próprio salário e do gabinete de governo, neste último domingo. No mesmo dia, Moreno anunciava a remoção de centenas de corpos das vítimas fatais do coronavírus, de suas casas em Guayaquil, aonde os familiares aguardavam por até uma semana para serem levadas.

Os números tratados por Lenín Moreno superam os 700 corpos retirados. Especificamente, 771 dentro de casas e 631 de hospitais. Com o colapso do sistema sanitário, o país perdeu as contas sobre quais destes cadáveres eram vítimas diretas do Covid-19. Sabe-se apenas que a província aonde está localizada a cidade de Guayaquil, Guayas, é o epicentro da pandemia no país, concentrando uma estimativa de 72% dos infectados no Equador.

Há relatos de famílias que não encontraram parentes que morreram em hospitais. E familiares tendo que incinerar os mortos pelo Covid-19 nas ruas de suas casas.

 

Os corpos nas ruas e casas provocaram outro fenômeno na cidade: urubus rodeando os céus de Guayalquil. As imagens que foram registradas por um brasileiro que vive no país e encaminhadas ao G1 também foram vistas e divulgadas pelos cidadãos nas redes sociais, conforme o GGN mostra abaixo:

https://twitter.com/Lenarest1975/status/1245572189216096261

Escancarando que os números oficiais não condizem com as cenas de guerra vividas no Equador, autoridades ainda esperam mais 3,5 mil mortes nas próximas semanas na província de Guayas.

Publicada originalmente em 16 de abril de 2020

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Sair da versão mobile