Homens vão menos ao médico porque trabalham mais, diz ministro

Jornal GGN – O ministro interino da Saúde, Ricardo Barros, disse nessa quinta-feira (11) que os homens vão menos ao médico porque “trabalham mais do que as mulheres e são os provedores”.

Além do machismo, a declaração demonstra desconhecimento sobre a realidade do país. De acordo com o IBGE, as mulheres trabalham cinco horas a mais por semana, somando a ocupação remunerada e o serviço doméstico.

Barros disse que os homens “possuem menos tempo” do que as mulheres e fazem menos acompanhamento médico por uma questão de hábito e cultura.

As declarações foram dadas durante o lançamento do guia do Pré-Natal do Parceiro, uma publicação que quer incentivar o público masculino a fazer exames de prevenção e acompanhar as mulheres aos postos de atendimento durante a gravidez.

Do Estadão

Homens procuram menos médico por trabalharem mais, diz ministro

Por Julia Lidner

Ministério da Saúde lançou um guia do ‘Pré-Natal do Parceiro’ com o objetivo de incentivá-los a fazer exames de prevenção ao acompanhar mulheres grávidas

BRASÍLIA – O ministro da Saúde, Ricardo Barros, afirmou que os homens procuram menos o atendimento de saúde porque “trabalham mais do que as mulheres e são os provedores” das casas brasileiras. Além de acreditar que os homens “possuem menos tempo” do que as mulheres, o ministro considerou que os homens fazem menos acompanhamento médico por uma questão de hábito e de cultura.

Nesta quinta-feira, 11, o ministério lançou um guia do Pré-Natal do Parceiro, a fim de incentivar os homens a fazer exames de prevenção ao acompanhar as mulheres aos postos de atendimento durante a gravidez.  

Apesar da declaração do ministro, dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indicam que as mulheres trabalham mais do que os homens. Em 2004, elas trabalhavam quatro horas a mais que eles por semana, quando se soma a ocupação remunerada e o que é feito dentro de casa. Em um década, a diferença aumentou mais de uma hora. 

Em 2014, a dupla jornada feminina passou a ter cinco horas a mais, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad). Nestes dez anos, os homens viram sua jornada fora de casa cair de 44 horas semanais para 41 horas e 36 minutos. A jornada dentro de casa permaneceu em 10 horas semanais.

O programa do Ministério da Saúde do pré-natal para homens busca reduzir a diferença de sete anos entre a expectativa de vida entre homens e mulheres e aproximar os pais durante a gestação. Um projeto piloto da iniciativa já existe há um ano, com treinamentos para os chamados “multiplicadores” (que podem ser gestores, psicólogos, assistentes sociais, médicos ou enfermeiros). Eles recebem um treinamento para propagar o projeto em seus Estados.

Até dezembro deste ano, a expectativa do ministério é de que cerca de 800 multiplicadores tenham recebido os ensinamentos. Estados como Bahia, Rio de Janeiro, São Paulo e Paraná já deram início ao programa. 

“Nesse momento em que eles vão aos postos de saúde acompanhar as mulheres no pré-natal, nós queremos capturar os homens”, disse Barros. 

Segundo o ministro, os servidores vão estimular a presença dos homens, solicitar exames e isso vai criar um vínculo. “Normalmente, quando o atendimento familiar vai à casa das famílias, os homens estão fora trabalhando”, comentou.

Barros disse ainda que o programa não terá nenhum custo adicional ao sistema. “É apenas um comportamento das equipes, a estrutura do atendimento está pronta e está paga”, declarou. “Queremos atingir essa parte da população que não tem o hábito de frequentar postos de atenção (…)Esperamos com isso que os nossos trabalhadores tenham uma expectativa de vida melhor.”

Para Francisco Norberto, Coordenador Nacional da Saúde do Homem, a ideia é “ampliar a imagem do homem” entre os profissionais de saúde, fazendo-os pensar neles “dentro do seu território” e em como captá-los para a unidade básica de saúde. Dessa forma, o atendimento poderia acontecer na casa do homem, ou até mesmo em um bar ou em um jogo de futebol, de acordo com Norberto.

“Muitos alegam que não precisam e que a questão do trabalho é um dificultador”, avaliou o coordenador.

Segundo Norberto, uma opção para acolher os homens, que já foi implantada em algumas regiões, seria ampliar o horário de atendimento. Cada adequação deverá ser feita de acordo com as necessidades da região.

Outro ponto que poderá ser melhorado com a cartilha do Ministério da Saúde, acredita o coordenador, é incentivar a participação e a responsabilização dos homens durante a gravidez de suas parceiras.

“É importante que os pontos de atendimento vejam o homem não como visita, mas como parte da família, alguém que tem que ter acesso para acompanhar e aprender a cuidar da criança (…) A ideia é aprimorar esse vínculo para que haja também uma redução da violência doméstica, para que esse homem entenda que também é responsável pelo cuidado filho”, explicou o coordenador. “Esse é um processo contínuo de mudança de cultura.”

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

23 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

João de Paiva

- 2016-08-12 17:23:06

Discordo.

Caro Joel Lima.

Discordo de tua observação. Não temos de mudar de país. Temos de ir para as ruas e mudar o País. E isso, você, eu, todos nós brasileiros podemos.

João de Paiva

- 2016-08-12 17:16:45

Discordo.

Caro Joel Lima.

Discordo de tua observação. Não temos de muda de país. Temos de ir para as ruas e mudar o País. E isso, você, eu, todos náo brasileiros podemos.

Orlando Soares Varêda

- 2016-08-12 15:29:10

  Não estou entendendo a

 

Não estou entendendo a reação de surpresa ao comentário do imbecil e provisório membro da súcia golpista. Um sujeito como esse engenheiro, ou a merda que seja, que se dispõe a respaldar uma empreitada golpista e desonesta de um  bando liderado pelo cafajeste do Eduardo Cunha, não poderia oferecer o que definitivamente não tem. Desconheço, se o país tenha passado pelo domínio de gente tão desqualificada como os bandidos que nos assaltou neste golpe. Os bostas sabem apenas dar bom-dia a cavalo. Quem dirige de fato a republiqueta da Bananolândia, está a léguas daqui manejando tudo por Controle joystique. A tucanolândia deve está em festa, prestes a tornar o Brasil num enorme Drone made USA.

Orlando

 

 

Controle joystique

claus.casto

- 2016-08-12 13:12:39

Parece-me que ocorrem dois

Parece-me que ocorrem dois problemas.

Problema 1: os homens brasileiros, de fato, não trabalham mais que as mulheres. Eles não vão ao médico por entenderem que ir a consultas é coisa de mulher. Coisa de homem? Para muitos, ser super-homem: beber muito, fazer muito sexo (desprotegido, de preferência, e fora do casamento), comer muito (só coisa gordurosíssima e hiper-salubre, para acompanhar os tonéis de cerveja) etc. Academia, caminhada, corrida? Coisa de maricas. Exagero? Claro. Mas, em maior ou menor grau, cada um de nós, homens, tem algum traço disso que citei. O machismo ainda é extremo em nosso país.

Vamos à 2ª problemática: somos comandados por homens públicos que têm orgulho da própria ignorância, que acreditam nos poderes mágicos de seu senso prático, dos milagres que pode operar o seu tirocínio de "homem despachado". Reparemos: quando se coloca um quadro técnico numa pasta ministerial e esse quadro se põe a expôr mazelas claras como o azul do céu em um dia de sol em Fortaleza, o que ocorre: os homens práticos, feito esse ministro aí, põe-se a chamá-lo de "filósofo" - o que para homens como ministro é um xingamento de grosso calibre -, de absoluto desconhecedor das coisas práticas, de "professor" - xingamento ainda maior. Nada mais "maricas", afinal, do que humanidades, do que o saber, do que o conhecimento teórico, do que o estudo universitário de um docente de uma instituição superior (principalmente caso seja pública). Essa é a mente da turma que nos governa. A extremada ignorância caminha de mãos dadas com o machismo em último nível. Hoje e sempre, diga-se de passagem...

PS. Apareceu um 3º problema (o maior de todos): no início da Era Temer, muito se falou sobre a ausência de mulheres no ministério. Não sei exatamente a quantas andam as coisas hoje, mas me parece que ainda não há nenhuma mulher ministra de Temer. Qual o problema disso? Bom, no plano imediato, quando a gente ouve uma fala dessa, um poço profunda de vergonha alheia, vemos exatamente a dimensão da falta de mulheres no governo. Quando formos analisar o que essa fala do ministro representa em termo de política pública... Faz medo!

francisco niterói

- 2016-08-12 10:40:53

São muito "sem noção" e toscos
Há uma competição pra se ver quem é mais tosco. Agora essa: http://www.tijolaco.com.br/blog/os-pobres-porcos-do-mato/

joel lima

- 2016-08-12 10:33:06

O Blog deveria fazer um

O Blog deveria fazer um concurso, via voto popular e sem risco depois de o resultado ser anulado (rs) para ver qual o maior disparate vindo da equipe de Temer. Tenho até sugestão de um nome = Frase do Ânus rsss

Gente da laia desse senhor é o sonho de Cunha = alguém que quer, de verdade, é acabar com o SUS, ficar tudo na mão dos planos privados e blindá-los de qualquer ação judicial. Enfim, esse senhor deve achar que nem mesmo algo como o Obama Care ( um sus bem bem piorado )  tem que existir por aqui. 

Por isso digo = quem tiver condições, não fique em dúvida de sair daqui, mudar de país.. Infelizmente, eu não posso. 

JNA

- 2016-08-12 00:48:50

MINISTROS NOTÁVEIS SOFREM DE MICROENCEFALIA

Esse é um exemplo clássico da microencefalia que abate esses ministros notáveis do temeroso  presidente clandestino

Michel temer

Jofran Oliva

- 2016-08-12 00:24:00

Ricardo Barros, muito jovem ainda. . .

Ricardo Barros, muito jovem ainda na década de 80 e como azarão se elegeu prefeito da cidade de Maringá, daí em diante se elegeu deputado estadual, deputado federal e sempre esteve do lado do governo como líder, seja o governo de esquerda ou de direita, manda na política da cidade de Maringá e é um dos políticos mais influentes do estado do Paraná, mas nunca julguei que uma vez como Ministro tivesse a capacidade de falar tanta besteira,  cada vez que ele fala essas besteiras, nem parece o político tão competente que é, parece mais um fronteiriço.

Jair Fonseca

- 2016-08-11 23:50:40

E parar de falar merda!

E parar de falar merda!

peregrino

- 2016-08-11 22:59:39

veranis disse tudo...

declaração aponta para respectivas esposas como princesas e rainhas do lar ou da Disney

Emma

- 2016-08-11 22:48:43

Medalha de ouro

Em tempos de Olimpíada, o ministro é um exemplo de superação : quando a gente pensa que ele já disse a sua maior bobagem, ele bate o próprio recorde e fala outra ainda maior.

Marcos Antônio

- 2016-08-11 22:36:14

Por intensa atividade

Por intensa atividade cerebral como esta, é por isso que ele está ficando careca...

Poupe seus últimos cabelinhos...

Pense menos...

E principalmente, fale menos...

Adma Andrade Viegas

- 2016-08-11 22:12:10

FEBEAPÁ II Sérgio Porto
FEBEAPÁ II Sérgio Porto (Stanislaw Ponte Preta) teria muito material com essa turma.

Frederico69

- 2016-08-11 22:06:59

e fazer o toque
Com o dr motumbo

Luciana Mota

- 2016-08-11 21:27:16

Vania, esses homens cagam

Vania, esses homens cagam menos!

Fazem merda mesmo é no congresso!

Abs, Luciana.

anarquista sério

- 2016-08-11 21:25:22

Então ficamos assim : Daonde

Então ficamos assim :

Daonde ele tirou a ideia que homens trabalham mais que mulheres ?

O imbecil sabe que mulher tem dupla jornada de trabalho ? ---na rua e em casa.

  Mas o mais interessante é ver a cara dele,

Numa leitura fotográfica, é o tipico canastrão---sou do ramo com PHD.

Concluo :Esse cara é tão desentenado ou fora de ordem, que falou uma sonora mentira tão absurda ,na mais deslavada cara dura, que é completamente despreparado pro cargo que ocupa.

 Temer rifou o governo.

 

Celio Mendes

- 2016-08-11 21:18:19

Bateram panela para isso?

Bateram panela para isso?

Jorge Luis

- 2016-08-11 21:03:06

Na Olimpíada das Bobagens,

Na Olimpíada das Bobagens, esse ministro já quebrou o recorde mundial.

João de Paiva

- 2016-08-11 20:52:04

As mulheres é que devem avaliar e opinar

Não vou comentar, mas dar sugestões e conclamar as leitorsas a se manifestarem.

Peçam às ministras Cármen Lúcia (aquela mesma, que demonstrou cinismo e grosseria ao ser anunciada como a que vai presidir o STF, depois que Ricardo Lewandowski deixar a função, em setembro) e Rosa Weber, para opinarem sobre a fala de Ricardo Barros. Peçam também à Flávia Piovesan (que traiu seu passado e aceitou ser Secretária dos Direitos Humanos do governo golpista, subordinada ao ministério que tem como titular Alexandre de Moraes), para emitir a opinião dela sobre o que dise Ricardo Barros. Outra sugestão que lhes dou é SEMPRE se referir a Cármen Lúcia, depois que ela ssumir a presidência do STF, como "aquela que preside o STF"; é uma elegante e bem educada forma de protesto contra as grosserias dela, sobretudo porque feitas a outra mulher, a presidenta Dilma Rousseff, vítima de alguns dos piores tipos de violência: a traição e a injustiça.

Outra sugestão é pedirem a artistas como Susana Vieira e Luana Piovani (e outras que saem por aí, bajulando a direita reacionária e golpista) sobre o que acham da declaração de Ricardo Barros.

veranis

- 2016-08-11 20:47:02

rindo

rindo muito!!!!rsrsrsrsrsrsrsrs

Ivan de Union

- 2016-08-11 20:33:36

Quantas horas ele trabalha

Quantas horas ele trabalha por semana mesmo????

Vânia

- 2016-08-11 20:24:27

Prezado ministro,

quando o senhor tiver um tempinho...

VÁ CAGAR!

veranis

- 2016-08-11 20:22:16

EM 2013, 62% DAS MULHERES

EM 2013, 62% DAS MULHERES BRASILEIRAS TRABALHAVAM  FORA. 40% ERAM CHEFES DE SUA FAMÍLIA. ALÉM DISSO AO CHEGAR EM CASA LAVAM, LIMPAM, COZINHAM, CUIDAM DOS FILHOS. ESSE HOMEM VIVE NA IDADE DA PEDRA. TENHO CERTEZA  QUE SE BASEOU NAS MULHERES INÚTEIS DESSES BANDIDOS DO CONGRESSO, QUE GASTAM 2  MILHÕES DO CARTÃO DE CRÉDITO APRENDENDO A JOGAR TENIS. O CARA É UM PERFEITO IDIOTA A CADA VEZ QUE ABRE A BOCA.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador