Mortalidade infantil leva Brasil a ter meia década perdida

Dados do Ministério da Saúde apontam que país está estacionado no índice registrado em 2015; indicadores vinham em queda desde 1990

Foto: Arquivo/Agência Brasil

Jornal GGN – Os dados de mortalidade infantil estavam em queda no Brasil desde 1990, mas dados do Ministério da Saúde até 2019 (último dado disponível) mostram que a taxa regrediu e estacionou nos patamares de 2015.

Em 2019, foram 13,3 mortes por mil nascidos vivos no Brasil no ano de 2019, o que corresponde a um discreto aumento ante 2018, quando a taxa foi de 13,1 por mil nascidos vivos – a mesma taxa registrada quatro anos antes.

“No Brasil, vem-se observando um declínio na taxa de mortalidade nesse grupo, com uma diminuição de 5,5% ao ano nas décadas de 1980 e 1990, e 4,4% ao ano desde 2000”, diz o documento, ressaltando que os resultados levam o país a viver uma então inédita metade de década perdida.

Segundo o SIM (Sistema de Informações sobre Mortalidade), do Ministério da Saúde, em 2019 o Brasil registrou 35.293 mortes de bebês com menos de um ano em 2019, sendo que grande maioria poderia ter sido reduzida por medidas de ação pública.

Clique aqui e veja como colaborar com o jornalismo independente do GGN

Dentre essas iniciativas, estão a atenção à mulher na gestação e/ou no parto, ações de diagnóstico e tratamento adequado, imunização e promoção à saúde.

As principais causas de mortes infantis em 2019 listadas em reportagem do portal UOL foram septicemia (infecção generalizada) bacteriana do recém-nascido, problemas maternais que afetaram o bebê, desconforto respiratório, nascimento prematuro ou com gravidez alongada.

Leia Também

Abordagem de Saúde Única é chave para prevenir a “próxima pandemia”

Estudo aponta impacto da pandemia em crianças e bebês

Governo Bolsonaro desperdiça milhões em medicamentos

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome