Pesquisadores brasileiros fazem sequenciamento do genoma do coronavírus em 48 horas

O genoma identificado no Brasil, comparado com a referência de Wuhan, na China, difere-se por três mutações de cepa.

Jornal GGN – Pesquisadores do Instituto Adolfo Lutz, em parceria com o Instituto de Medicina Tropical da USP e Universidade de Oxford, identificaram o genoma do coronavírus na América Latina apenas 48 horas após a confirmação do primeiro caso de COVID em São Paulo.

O genoma identificado no Brasil, comparado com a referência de Wuhan, na China, difere-se por três mutações de cepa.

O genoma completo do vírus foi disponibilizado à comunidade científica internacional nesta sexta. Tais dados são essenciais para o desenvolvimento de vacinas e testes diagnósticos. ‘São importantes para a compreensão da dispersão do vírus e para detectar mutações que possam alterar a evolução da doença, explica o pesquisador Claudio Sacchi, do Instituto Adolfo Lutz.

Análises indicam que o genoma identificado no Brasil tem três mutações diferentes da cepa de referência de Wuhan, na China. Duas das mudanças se aproximam da cepa da Alemanha, diagnosticada em Munique. Portanto, a maior similaridade do vírus encontrado no Brasil é com a cepa europeia.

Os autores que contribuíram para a pesquisa científica são Jaqueline Goes de Jesus, Claudio Sacchi, Ingra Claro, Flávia Salles, Daniela da Silva, Terezinha Maria de Paiva, Margarete Pinho, Katia Correa de Oliveira Santos, Felipe Romero, Fabiana dos Santos, Claudia Gonçalves, Maria do Carmo Timenetsky, Joshua Quick, Nick Loman, Andrew Rambaut, Ester Cerdeira Sabino, Nuno Rodrigues Faria.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

3 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

C.Poivre

- 2020-03-01 12:22:46

A mídia ocidental xenofóbica, incluindo blogs supostamente independentes, cultiva o medo e o alarmismo em relação ao Covid-19 e se cala sobre seus próprios surtos epidêmicos de influenza (e outras viroses), que faz milhares de vítimas anualmente, pela incapacidade dos países ocidentais em enfrentá-los com a mesma competência que fazem os chineses. Os virólogos e epidemiologistas suspeitam que entre as milhares de vítimas do surto de influenza que devasta os EUA há 4 meses, muitos casos seriam de Covid-19 e não de influenza, mas o CDC estadunidense (que sabe disso) não consegue desenvolver um kit de diagnóstico, como os laboratórios da China consequiram, reduzindo a confirmação da presença ou não do vírus em apenas 15 minutos. Tudo leva a crer que uma vez superado o surto viral atual a China se tornará uma referência mundial no controle de surtos epidêmicos. Quanto aos competentes cientistas brasileiros universitários, eles têm conseguido muitos avanços em várias áreas do conhecimento mesmo pesquisando "pelados" e no meio da "balbúrdia" que são os seus ambientes de pesquisa nas Universidades Públicas, segundo o ignorante bolsomínion (pleonasmo) que atualmente ocupa o MEC: https://dinamicaglobal.wordpress.com/2020/03/01/coronavirus-a-pandemia-do-virus-do-medo/

Gilson Klein

- 2020-02-29 17:12:27

Estes bravos e ágeis pesquisadores são tudo parasitas.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador