Relatos da Pandemia: Em Milão, com Viviane, voluntária da Cruz Vermelha

A adesão ao isolamento se deu com atraso do prefeito de Milão, que após mais de 4 mil mortes pediu desculpas.

Jornal GGN – Viviane Felix do Prado vive em Milão, na Itália, onde os casos de coronavírus Covid-19 explodiram. Ela trabalha como voluntária da Cruz Vermelha Internacional em uma casa de longa permanência, de idosos. Nessas casas, o problema realmente foi sério, pois a demora em decretar o isolamento e, depois, o uso de EPIs no trato com os moradores, fez com que as infecções ocorressem forte e de forma devastadora. Nessas casas, cerca de 60% dos moradores foram atingidos pelo coronavírus de forma fatal.

A adesão ao isolamento se deu com atraso do prefeito de Milão, que após mais de 4 mil mortes pediu desculpas. O caso é que agora a Itália inteira está em isolamento, com início de abertura gradual da atividade econômica no mês de maio, em escalas.

Veja a entrevista a seguir.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora