RJ: Painel das Favelas registra 56% mais casos de covid do que dados da Prefeitura

As 16 favelas do Complexo da Maré registraram maior concentração, com 2449 casos; prefeitura contabiliza apenas 1063

Número de mortes em favelas fluminenses ultrapassa o de alguns países, aponta pesquisadora - Favela do Morro Azul, Rio de Janeiro / The Tricontinental

do Brasil de Fato

RJ: Painel das Favelas registra 56% mais casos de covid do que dados da Prefeitura

Eduardo Miranda
Brasil de Fato | Rio de Janeiro (RJ) |

O Complexo da Maré, na zona norte da capital, é a região com mais casos e óbitos provocados pela covid-19. Nesta quinta-feira (10), porém, durante coletiva do Painel Unificador Covid-19 nas Favelas, dados apresentados sobre a região mostraram que a situação é bem mais grave que os números oficiais da Prefeitura do Rio.

Coletas de dados que vêm sendo realizadas desde março pela Redes da Maré e por iniciativa de outros coletivos, entidades de saúde e movimentos populares, condensadas no Painel, mostram que as 16 favelas que compõem o complexo registraram 2449 casos e 158 óbitos. Já os números da Prefeitura do Rio somam 1063 casos – ou seja, 56,59% menos casos – e 137 óbitos.

Em meio a uma política pública que não privilegia o monitoramento mais rigoroso em comunidades, a iniciativa conduzida por moradores e lideranças populares, por outro lado, vêm conseguindo acompanhar a situação nos 24.016 domicílios da Maré. As medidas são preventivas, como a testagem gratuita para moradores, mas incluem também o cuidado com infectados e familiares.

O Painel Unificador, que entra em seu sexto mês de funcionamento, reporta hoje 25.552 casos e 2873 mortes nas favelas da região metropolitana, sendo 20.716 casos e 1967 óbitos em favelas dentro do município do Rio. Atualmente, o Painel representa 64,6% dos domicílios das favelas do Rio de Janeiro e já abrange 228 favelas, sendo seis em municípios vizinhos.

Representante do Comunidades Catalisadoras, Elisa Campos apresentou dados comparativos do Painel em relação a outros países e a algumas catástrofes da história da humanidade. Ela também alertou para a alta no número de casos e disse que, por experiência pessoal, poderia citar mais de 10 pessoas no seu entorno que perderam a vida.

“Temos quase 179 mil mortos, mais mortos que a bomba de Hiroshima que matou cerca de 140 mil pessoas. É a maior tragédia sanitária do Brasil, e temos mais mortes nas favelas do Rio do que em 121 países, são 2.901 vidas enquanto temos países como Venezuela com 924 óbitos, Tailândia com 60, Congo 344, Irlanda 299, entre outros”, comparou.

Números do Painel Unificador nas Favelas:

● As fontes de dados se dividiram em: 97 provenientes da Voz das Comunidades, 74 através do mapeamento por áreas de influência dos CEPs, 30 pela relatoria local, 22 foram obtidas com números da prefeitura, 4 através da combinação entre Voz das Comunidades e relatoria local e 1 através da união entre Prefeitura e Voz das Comunidades.

● O total de favelas com informações de casos e óbitos por covid-19 do município do Rio de Janeiro são 222, que representa 21,20% do total de favelas da cidade, e em termos de proporção de domicílios em favela correspondem a 64,6% dos domicílios.

● Até o presente momento das 74 favelas com levantamento de dados por CEP 58% apresentaram ausência de informação de CEPs nos segmentos de ruas dos limites de favela e suas áreas de influência identificadas pelo mapeamento.

● As duas favelas/complexos que apresentaram maior número de casos e óbitos foram o Complexo da Maré e a Comunidade do Engenho em Itaguaí. Isso pode refletir o total da população, mas também retratam a organização local em prol da relatoria de casos. E devido
a esta informação e a organização local estão conseguindo apoio de instituições públicas e privadas no enfrentamento da pandemia.

● A partir do presente momento será possível fazer download dos dados levantados pelo grupo do Painel Unificador Covid-19 nas Favelas ao longo dos últimos meses a partir da página do Painel.

Fonte: BdF Rio de Janeiro

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora