Teich terá de manter isolamento social, diz Luiz Davidovich

Presidente da Academia Brasileira de Ciências diz que ministro deve se basear nas recomendações da OMS e na ciência para combater o vírus

Luiz Davidovich, presidente da Academia Brasileira de Ciências. Foto: Reprodução/Wikipedia

Jornal GGN – O novo ministro da Saúde, Nelson Teich, terá de seguir as políticas de isolamento social adotadas por Luiz Henrique Mandetta, com foco no isolamento horizontal, de acordo com o que é estabelecido pela Organização Mundial da Saúde (OMS), sob o risco de ter de arcar com o aumento do número de mortos no Brasil.

“Qualquer pessoa que viesse a substituí-lo, por melhor que seja, terá de necessariamente seguir a mesma política. É o que está sendo feito em outros países”, diz o físico Luiz Davidovich, presidente da Academia Brasileira de Ciências, em entrevista ao jornal O Estado de São Paulo. “É só olharmos para o que aconteceu com países que tinham uma visão diferente no começo e depois deram uma guinada, que são Inglaterra e Estados Unidos. Hoje a situação deles poderia ser melhor se eles tivessem tomado uma atitude mais rígida desde o começo.”

Davidoch ressalta que não faltam experiências internacionais e simulações que mostram o impacto de se abandonar o isolamento social feito de forma horizontal. “Não imagino um ministro da Saúde que não siga isso, que não siga a ciência. Se não fizer, será pesada sua responsabilidade quando ocorrer a saturação dos hospitais”.

Para Davidovich, a definição sobre se e quando começará a redução do isolamento também virá da ciência. “O novo ministro tem de ter como plano a testagem massiva. É isso que vai orientar como vamos sair dessa situação.”

 

Leia Também
Por que o Congresso Nacional não pode permitir a redução dos recursos do SUS para 2021
A dura verdade sobre o “modelo sueco”, por Hans Bergstrom

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

2 comentários

  1. Testagem: palavrinha caótica, não?
    Afinal, estamos na 2a. quinzena de abril e, até agora, não existem testes para serem utilizados de modo geral.
    Não compraram em tempo hábil.
    Não compraram depois do tempo hábil.
    Não comprarão, pois, para tanto, teriam de gastar dinheiro.
    E dinheiro é o que o bolsonazi nega sempre para a saúde.
    Então, essa tal de “testagem” está mais para o ministreco (o que saiu e o – ainda- atual) ficarem batendo a testa na parede durante o expediente.
    Ou o ministreco atual já não viajou para o uiquiendi em sumpaula?

  2. Eu presto atenção no que eles dizem mas eles não dizem nada

    Acabo de ver uma notícia segundo a qual 64% da população reprova o Bolsoburro em relação à demissão do Mandetta e que 36% afirma que sua atuação no combate ao coronavírus é boa ou ótima.

    Ora, se o Bolsa de Bosta foi eleito por cerca de 33% eleitorado e se pesquisa recente do Datafalha afirmou que 17% do seu eleitorado tá arrependido de ter votado nele, como pode 36% da população achar que esse nojento tem atuação boa ou ótima durante a pandemia?

    O resultado dessa pesquisa só teria sentido se os 36% de entrevistados que aprovam a atuação do Bolsa de Bosta fossem todas pessoas que não votam ou que, se votam, tivesse coincidido de entrevistarem apenas eleitores gado não arrependidos.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome