Com superlotação de salas de aula, governo Alckmin torce por evasão escolar

Jornal GGN – Na volta às aulas da rede estadual de São Paulo escolas registraram superlotação de salas. Classes que deveriam ter até 40 estudantes chegaram a receber 60, 85, até 95 matriculados.

Falta espaço e infraestrutura para comportar tanta gente e os professores não conseguem dar aulas. “Muitas vezes os alunos chegam na primeira aula e têm de ficar buscando as carteiras em outras salas. Não dá. Essa semana era de acolhimento, para conversar com os alunos, conhecê-los. A gente não tem condição com tanto aluno”, disse para a reportagem do iG o professor de história Silvio de Souza.

Em algumas escolas, a causa da superlotação foi o fechamento de algumas salas de aula. De acordo com levantamento do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo, cerca de  2.404 classes foram fechadas de 2014 para cá.

A Secretaria Estadual de Educação afirma, como se fosse um dado positivo, que o número de matrículas nas lista de chamada pode não se efetivar com estudantes que frequentam as aulas. É a evasão escolar como solução para a superlotação das salas de aula.

Escolas estaduais de São Paulo começam aulas com até 85 alunos por sala

Por Cristiane Capuchinho

Do iG

Para secretaria estadual paulista, rede de ensino está em período de adequação entre matrículas e alunos efetivos

Na volta às aulas da rede estadual de São Paulo, alunos e professores depararam-se com turmas mais cheias que o devido. Na rede, classes que deveriam ter até 40 estudantes têm 50, 55, 60 e até 85 matriculados.

Leia também:  Edgar Morin: Nunca houve tanta informação e nunca se soube tão pouco sobre o ser humano

As turmas de ensino médio para jovens e adultos da escola estadual Salim Farah Maluf, na zona leste de São Paulo, chegam a ter 85 alunos – o número considerado normal pela secretaria é de 40 por sala. A sala não é a única a ter excesso de estudantes. Durante o período vespertino, as classes de 1° ano regular do ensino médio têm até 60 matriculados, 20 mais do que o devido.

Com excesso de alunos, os professores dizem que não conseguem dar aulas adequadamente em salas em que falta espaço e infraestrutura.

“Muitas vezes os alunos chegam na primeira aula e têm de ficar buscando as carteiras em outras salas. Não dá. Essa semana era de acolhimento, para conversar com os alunos, conhecê-los. A gente não tem condição com tanto aluno”, afirma o professor de história Silvio de Souza.

Ainda na zona leste, a escola Professor Simão Mathias tinha classes de 1° ano do ensino médio regular com 55 matrículas. 

Na zona norte, as listas de chamada da escola Professora Veridiana Camacho apontavam no início da semana classes do noturno com 75 e 95 alunos. Na Gabriela Mistral, as salas de educação de jovens e adultos tinham entre 51 e 58 estudantes.

A superlotação de classes, de acordo com professores e funcionários das escolas, se deve ao fechamento de diversas salas nas escolas. “Por aqui chegaram muitos alunos da Vila Sabrina porque fecharam salas do noturno em escolas de lá”, contou uma professora do Tucuruvi que não quis se identificar. 

Leia também:  Edgar Morin: Nunca houve tanta informação e nunca se soube tão pouco sobre o ser humano

Segundo levantamento da Apeoesp, sindicato da categoria, ao menos 2.404 classes foram fechadas de 2014 para este ano. 

Cristiane Capuchinho/iG

Com salas cheias no EJA, escola estadual Veridiana Camacho ainda recebe matrículas de jovens e adultos

Redução de salas

Professor de filosofia e sociologia efetivo da rede, Marcio Barbio diz que com o fechamento de salas nas escolas teve de pegar aulas em mais unidades para completar sua grade. “Pela primeira vez, estou com aulas em três unidades. Antes sempre tinha a grade fechada com 24 turmas em duas escolas. Só que dessa vez, quando vi as listas, percebi que tinha salas com 75 alunos.”

De acordo com a Apeoesp (sindicato da categoria), desde o ano passado o governo estadual tem reduzido o número de classes e, assim, reduzido o número de professores necessários. 

“Só que não há condições de aula em uma sala com 60, 70 alunos. Qualidade de ensino tem a ver com a quantidade de alunos por sala de aula e a secretaria não está respeitando o módulo [limite] dado por ela mesma”, diz Maria Isabel Noronha, presidente da Apeoesp.

De acordo com a secretaria estadual de educação, no início do período letivo a rede passa por um período de readequação no número de matrículas feitas e alunos reais. Assim, o número de matrículas na lista de chamada pode não se efetivar com estudantes que frequentam as aulas.

A secretaria diz que isso acontece por conta de transferências de alunos e desistências. Na escola Gabriela Mistral, afirma a secretaria, dos 58 alunos previstos em uma das salas de educação de jovens e adultos apenas 37 foram às aulas na primeira semana.

Leia também:  Edgar Morin: Nunca houve tanta informação e nunca se soube tão pouco sobre o ser humano

Com o número efetivo de alunos frequentando as aulas, a secretaria afirma que novas classes podem ser abertas. Como exemplo, a secretaria afirma que duas salas novas já foram criadas na escola Professora Veridiana Camacho para dividir as salas de 75 e de 95 alunos e duas outras salas teriam sido criadas no noturno da escola Salim Farah Maluf. 

“A secretaria aposta na evasão dos alunos, o que é absurdo. Em uma sala superlotada, claro que os alunos não vão ficar, vão desistir”, considera Maria Isabel Noronha, presidente da Apeoesp (sindicato dos professores da rede estadual).

Salas desmembradas até o dia 19 

Sobre as outras salas com superlotação apontadas pela reportagem, a secretaria afirmou que ainda não houve desmembramento. 

De acordo com a secretaria, novas salas serão abertas em todas as unidades em que ainda houver número de alunos reais maior que o limite previsto pela rede até o fim da segunda semana de aulas – 30 alunos no ensino fundamental 1; 35 alunos no ensino fundamental 2; e 40 alunos no ensino médio. 

Até o dia 19, as novas classes já devem estar abertas e com professores atribuídos para todas as disciplinas. 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

12 comentários

  1. Falta de visão
    Se uma classe atingiu 40 alunos, cria-se mais uma para receber os demais. Esperar chegar a 60, 70, 85, 90… para desmembrar depois de dias/semanas de confusão, não faz o menor sentido.

  2. Governos do PSDB são bons gerentes.

    Não são bons políticos.Mas como gerentes estão perfeitos.

    Vejamos:

    caracterização do cliente: baixa renda e não formador de opinião.

    volume de procura pelos produtos oferecidos: alto.

    risco em relação à ações da concorrência: baixo – público cativo.

    riscos em relação à marca: baixo – ações de marketing normais podem reverter possíveis danos provocados por reclamações indivifuais.

    riscos jurídicos: baixo

    interesse despertado para fidelização: baixo.

    tratamento recomendado: produtos massivos e de baixo custo.

    Não me adimira que tenham optado pelo overbooking.

    Ou como diria Joaquim: who cares?

     

    • qualquer asno é sempre mais competente

      No estado do Paraná “sul maravilha” o gerente Richa perfeito como todos do psdb, conseguiu transmitir para a sua reeleição uma herança maldita, burrice inacreditável.

      O estado não tem caixa, não paga fornecedores, carros de todas as instituições parados nas oficinas, professores parados por falta de pagamentos, aumentos no calar da noite em todos os tributos o ipva com 45%, a lista é desabonadora por um emplumado tucano.

  3. Enquanto isso na republica

    Enquanto isso na republica das araucarias, servidores publicos invadiram a assembleia legistiva, que estava votando o pacotaço do governador Beto Richa PSDB, acabar com o Paranaprevidencia e conquistas dos servidores, para sanear finanças do estado que esta quebrado, e os deputados sairam em desabalada carreira.

  4. Não diferente

       Está explicado o veto ao projeto que limitava o número de alunos por sala de aula.Infelizmente o resultado está nas ruas com o aumento da criminalidade e na queda da qualidade de ensino comparado com outros estados. Esse tipo de violência não parece na nossa mídia vendida, mas acompanhar toda visita do governardor à Brasília para pedir andamento na sua cruzada na redução da maioridade penal eles sempre estão de prontidão. 

            Mas infelizmente isso não é uma realidade somente nas escolas públicas. Esse ano não consegui fazer a matrícula para minha filha em uma franquia aqui em SBC de uma escola particular que mais aprova nos vestibulares  do país. A justificativa era que além de ter atrasado na confirmação , as turmas já estavam completas. Pasmen, com incríveis 65 alunos por turma.Como alcançar os resultados por eles vendidos nas propagandas pós Enen e Fuvest?  Na verdade a unidade deles na paulista possuem nem um terço de alunos. A propaganda é feita para captar pais que desejam uma educação que possilite a entrada nas universidades públicas. Depois o resultado depende do aluno.

    • Tem noção da quantidade de

      Tem noção da quantidade de crimes que essa gente cometeu ao longo de 20 anos de governo, pinheirinho São José dos Campos, escolas que desrespeitam os direitos das pessoas, o direito a dignidade, o pior que ele é religioso da Canção nova, onde está a coerência dessa gente ?

  5. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK ….

    Acaba com a PROGRESSÂO CONTINUADA, que a evasão aumenta, ALCKMINTIROSO !!!

     

    “O BRASIL PARA TODOS não passa na REDE GLOBO DE SONEGAÇÂO & GOLPES – O que passa na REDE GLOBO DE SONEGAÇÂO & GOLPES é um braZil-ZIl-ZIL para TOLOS”

  6. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK ….

    Acaba com a PROGRESSÂO CONTINUADA, que a evasão aumenta, ALCKMINTIROSO !!!

     

    “O BRASIL PARA TODOS não passa na REDE GLOBO DE SONEGAÇÂO & GOLPES – O que passa na REDE GLOBO DE SONEGAÇÂO & GOLPES é um braZil-ZIl-ZIL para TOLOS”

  7. governo alckmin é o

    governo alckmin é o coroamento do descalabro e ruindade de gestão pública e planejamento isperto do cartel da dinastia tucana no governo paulista.

    deveria fazer dobradinha política com dilma na bola da vez do impeachment geral irrestrito paratodos, na ordem do dia D, pero si, com um agravante para doutor alckmin: água de canequinha e banho tomado! lá no seu ostracismo político, somente duas vezes por semana.

  8. Dizer que o governo torce por

    Dizer que o governo torce por evasão escolar não é uma hipérbole?( faz uns trocentos dias q quero  encaixar essa palavra num comentário)

                        Consegui!

  9. Educação pública

    Isso acontece todos os anos, salas de aulas super cheias, 45 alunos e mais como podemos ver, salas sem ventiladores, um calor dos infernos, quem consegue aprender com isso. Escola públicia sempre foi considerada um gasto para os governos que querem gastar com outras coisas, para eles mais importantes. Em um páis sério isso seira crime contra a pessoa, dano moral e material, no Brasil tratam gente como lixo, o público específico das escolas públicas, uma vez que as politicas para a educação forçam os pais fazer opção por escola particular, bem a ideia neoliberal tucana, ” privatizar o lucro e estatiza o prejuizo”.

     

  10. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome