Education Hackathon SP cresce e assume novos desafios

Por Renan Veronesi, colaborador do Centro de Referências em Educação Integral

Depois de três meses o Education Hackathon voltou, em junho, com novos desafios e novas cidades participantes. Parecia difícil, mas na 2ª edição conseguimos atingir mais de 20 cidades ao redor do mundo. Estamos tentando movimentar o mundo em direção a uma diferente realidade educacional!

eduhack

Leia também: Education Hackathon – Por uma nova educação

Esta segunda edição contou com diversos desafios, não só localmente mas também para a plataforma internacional. Como tornar o evento sustentável na prática e financeiramente? Como expandir? Como explicar a proposta de uma maneira fácil e intuitiva? Como manter-se atualizado sobre todos os EduHacks ao redor do mundo? Como incluir mais pessoas no processo organizacional, para que seja o mais democrático possível, e não dispersar o foco? Estas foram algumas das perguntas que surgiram ao longo do caminho e que estamos tentando responder via experimentação e diálogos.

Apesar dos desafios, conseguimos nos organizar melhor e preparar uma estrutura de apoio para novos indivíduos que desejam organizar Hackathons em novas localidades. Isto foi conquistado por meio de uma comunidade internacional que reúne, aproximadamente, 1.500 pessoas, uma melhor estrutura de nosso website e um manual com dicas e um “passo-a-passo” de como organizar um Education Hackathon.

O desafio

Depois do primeiro Education Hackathon um pensamento estava presente em nossas mentes. Existem muitos projetos educacionais inovadores, com grande potencial de mudança, com um propósito holístico e procurando envolver todos os atores no processo educacional. Então, como podemos ajudar tais projetos a se desenvolver e deslanchar, ao invés de tentar produzir ideias similares?

Pensando nisto, procuramos nos aproximar de mais projetos educacionais inovadores. Após conversarmos com diversas iniciativas incríveis, quatro delas compareceram ao Education Hackathon São Paulo:

Polifonia Escola Livre: Uma escola livre orientada para a criação colaborativa e a transformação social, que para alcançar tais objetivos, conecta e hospeda diversas iniciativas de educação e cultura, além de projetos de coletivos, ONGs, instituições, empresas e governos. Com isto, busca introduzir um grande diálogo sobre a aprendizagem por meio da experimentação e da intervenção direta no mundo.

Leia também:  Com apoio de irmão de Bolsonaro, ruralistas tentam impedir demarcação de terras indígenas em SP

Escola Oficina Pindorama – Localizada em Vargem Grande Paulista (SP), a instituição possui uma proposta pedagógica ímpar que pretende valorizar as competências individuais dos alunos e, sobretudo, a interação social. O processo educacional da escola é desenvolvido dentro de uma visão holística da educação, trabalhando de forma integral e integrada a relação do ser humano em harmonia com o mundo, com o outro e consigo mesmo.

Edukatu – O Edukatu é a primeira rede de aprendizagem para o consumo consciente e a sustentabilidade, reunindo no mesmo ambiente professores e alunos de do ensino fundamental I e II, além de outros interessados para a troca de informações e práticas sobre o tema. Assim, pretende contribuir para a inserção da abordagem do consumo consciente e de temáticas relacionadas nos currículos e planejamentos das escolas.

Aporé – O Aporé busca novas formas de ensinar, aprender e experimentar em conjunto com escolas e universidades partindo de necessidades reais observadas e interpretadas de forma profunda. A iniciativa auxilia as pessoas a encontrarem seu propósito de vida, talentos e sonhos e também a colocá-los em prática, em uma estrutura de trabalho colaborativa, por meio de uma rede de apoiadores e parceiros.

Dentre os projetos apresentados, a Polifonia, Edukatu e Aporé abriram seus desafios para que pudéssemos criar coletivamente novas soluções. A Escola Oficina Pindorama compareceu para relatar suas experiências e ser um participante de honra dentro dos processos de cocriação.

O dia

Nossos amigos do Polifonia Escola Livre nos concederam o espaço de seu escritório para a realização das atividades do Education Hackathon. Uma agradável casa, com espaços de coworking, lousas e um salão de eventos cercado por um jardim: o espaço perfeito para nossa maratona de cocriação que contou com estudantes, educadores, curiosos, ativistas e empreendedores.

Antes do início das atividades, convidamos as pessoas a construir o evento coletivamente, debatendo o formato do dia a partir de uma sugestão de cronograma de atividades, que poderia ser modificado. Isso fez com que o sucesso do evento fosse de responsabilidade não só dos organizadores mas de todos presentes. As atividades tiveram início com uma seção de apresentações, na qual o Polifonia, Edukatu e Aporé apresentaram seus projetos e desafios. As iniciativas apresentaram também como potenciais voluntários poderiam se engajar nos projetos.

Leia também:  Omissão de Bolsonaro pode deixar periferia de São Paulo sem médicos

Durante esse primeiro estágio, a Escola Oficina Pindorama, que está vivendo intensamente o processo de transição de uma pedagogia tradicional para uma pedagogia democrática, apresentou todas suas transformações e desafios. Entretanto, não o fizeram de uma maneira convencional. Os estudantes, adolescentes e pré-adolescentes, dominaram o espaço e falaram sobre suas experiências dentro dessa transição e como isso vem influenciando de maneira positiva suas vidas e processos de aprendizagem. A consequência para eles? A escola passou a ser um ambiente dinâmico, empoderador e muito mais divertido!

Depois das boas surpresas proporcionadas pelas apresentações, nós prosseguimos com as sessões de cocriação. Os participantes se dividiram em três círculos: Edukatu, Polifonia e Aporé. Alguns permaneceram durante toda a sessão no mesmo grupo e outros foram os “polinizadores”, pulando de grupo em grupo, compartilhando as diversas ideias desenvolvidas. Os grupos planejaram como eles prosseguiriam com as ideias que foram desenvolvidas durante o evento. Após algumas longas horas, fizemos uma pausa para um jantar coletivo, quando os participantes tiveram mais oportunidades de se conectarem.

Após o jantar, os grupos apresentaram as discussões, novas ideias e soluções criadas. A Polifonia discutiu como transformar a escola em um espaço para encontros envolvendo as pessoas que desejam promover novas formas de aprendizagem. Já o Edukatu criou estratégias para melhorar a comunicação e mobilização das escolas, assim como para aproximar toda a comunidade com o intuito de introduzir a discussão sobre o consumo consciente. O Aporé trouxe uma solução inovadora convidando multiplicadores inseridos em outras redes capazes de levar a agenda da inovação a outras partes do mundo.

Leia também:  Entre poemas e melodias, Lari Finocchiaro lança seu primeiro álbum

Próximos passos

Ainda no mesmo dia debatemos como continuar desenvolvendo o que foi idealizado e como os interessados poderiam seguir engajados. Já nos dias seguintes ao Hackathon, enviamos a todos os participantes um questionário de avaliação do evento. Adicionalmente, procuramos identificar o interesse de cada participante em continuar engajado no processo de desenvolvimento dos projetos e em fazer do Education Hackathon uma atividade que traga efeitos práticos mais significativos do que um evento de um dia.

Felizmente, muitos participantes desejam continuar engajados nos próximos passos. Os grupos já criaram reuniões pós-hackathon para melhorar e implementar o que foi discutido.

Dessa forma, podemos dizer que tivemos muita sorte em ter novamente um grupo preocupado com a causa e que realmente deseja trabalhar, criar, aprender e ensinar em um ambiente dinâmico e divertido, como o proporcionado pelo Education Hackathon.

Quem quiser participar ou organizar um Education Hackathon é só entrar em contato conosco em nosso site, no grupo de discussão do Hackathon São Paulo ou no grupo de discussão internacional do Hackaton de Educação.

A próxima edição está sendo desenvolvida e acontecerá em meados de setembro. Fiquem ligados!

 

Sobre o autor

Formado em economia pela FGV de São Paulo, Renan Veronesi atuou durante 3 anos na área financeira empresarial e em captação de recursos. Era participante ativo, como voluntário, em projetos sociais desde 2010. Em Agosto de 2012 foi participar de um programa de empreendedorismo social e formação holística no Youth Initiative Program (YIP) localizado em Järna, Suécia, que tem duração de 1 ano. Desde setembro de 2013 vem participando como articular e organizador ativista de projetos educacionais, entre eles, o Education Hackathon.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome