USP congela 20% dos gastos

Jornal GGN – A Universidade de São Paulo decidiu contingenciar 20% da verba de custeio e investimento para este ano devido a dificuldades financeiras. O principal problema é a queda na arrecadação do ICMS, que é a principal fonte de recursos da USP e teve queda de 3,9% entre janeiro e julho deste ano, comparado com 2014. A maior parte de verba da universidade vem de uma parcela de 5% do ICMS, repassada pelo governo estadual.

De acordo com a reitoria, a instituição deve economizar R$ 114 milhões com o congelamento, e o reitor, Marco Antonio Zago, disse que isso não afetará o cotidiando na universidade. Desde o ano passado, a USP tem feito cortes de despesas, como suspensão de grandes obras e programa de demissão voluntária. Mesmo assim, sua folha de pagamento consome 102% do Orçamento.

Da Folha

Crise financeira faz USP congelar 20% dos gastos

Em meio a dificuldades financeiras, a USP decidiu congelar (contingenciar) 20% da verba de custeio e investimento para este ano.

Segundo informe distribuído internamente, a principal fonte dos recursos da universidade (o ICMS) está 3,9% menor de janeiro a julho deste ano em relação a 2014, em termos reais (descontada a inflação).

A maior parte da verba da USP vem de uma parcela desse imposto (5% referente à cota estadual), repassada pelo governo do Estado.

A reitoria da instituição espera economizar R$ 114 milhões com esse congelamento. A escola deve receber R$ 4,6 bilhões neste ano.

O reitor da universidade, Marco Antonio Zago, afirmou que o congelamento de 20% dos recursos não terá impacto significativo no cotidiano da instituição. Segundo ele, as unidades possuem recursos não-utilizados de períodos anteriores, que podem suprir eventuais carências.

Leia também:  "Future-se" pretende transformar universidades públicas em "balcão de negócios"

Desde o ano passado, a instituição vem cortando despesas, após a folha de pagamento chegar a consumir 106% do seu Orçamento (fruto de aumentos salariais e contratações).

Grandes obras e contratações estão suspensas desde 2014. No começo deste ano, um plano de demissão voluntária abrangeu cerca de 5% dos técnicos-administrativos. Ainda assim, a universidade gasta mais do que recebe (102%) apenas com folha de pagamento.

As dificuldades financeiras, porém, não foram suficientes para tirar a hegemonia da USP nos rankings universitários. No RUF (Ranking Universitário Folha), por exemplo, ela chegou a ampliar seu domínio: foi a melhor em 29 dos cursos de graduação avaliados, ante 20 no ano anterior. 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

6 comentários

  1. A MALDIÇÃO DA AUTONOMIA, onde

    A MALDIÇÃO DA AUTONOMIA, onde se deu autonomia os salarios explodiram, mais de 2.000 na USP ganham acima do teto,

    “”Procuradores”” e são muitos, ganham em torno de 60 mil por mês (o que faz um “Procurador” de universidade?), simples técnicos com 40 mil por mês, todo esse pessoal se aposenta com 50 anos, vão mamar mais 40 e ainda depois deixam a pensão para a viuva alegre, QUEBRARAM A USP,  cuja folha é 105% do orçamento e não sobre nem um centavo para pesquisa, a culpa disso chama-se AUTONOMIA, que é autonomia para saquear o Tesouro, se repete na UNICAMP, a mesma farra de salarios e ainda elogiam a “democraci das diretás já”,  transformou-se em SAQUE AO TESOURO JÁ.

    • Não é só salário, existe corrupção em outro nível também

      Basta meia hora de conversa sincera com um chefe de departamento ou programa de pós-graduação da usp ou alguém próximo a esses cargos para você descobrir que muitas das compras de material de consumo tem cerca de 30% de propina. E não é só a usp, existe um sistema totalmente corrompido de empresas que fornecem materiais e participam das licitações para as universidades públicas. 

    • A USP, valha-me Deus

      Fui Pesquisador Titular Visitante da USP e fiquei chocado com o que vi. Técnicos e secretárias ganhavam muito mais do que eu. Uma dessas secretárias me dizia que sua filha nunca iria se casar, pois filhas solteiras de fiuncionários ou docentes da USP ganham pensão vitalícia dos pais falecidos. Com isso, ao contratar qualquer pessoa a USP arca com o ônus de sustentar duas gerações.

      A autonomia financeira é uma desgraça no Brasil. O maior escândalo ocorre no Judiciário e no Legislativo. Alegando independência dos poderes, essas instituições conseguiram autonomia para definir seus próprios planos de carreiras e salários, embora o executivo seja responsável pelas despesas. O disparate entre salários nos três poderes para funções equivalentes é conhecido por todos.

  2. Se a folha de salarios é 105%

    Se a folha de salarios é 105% do orçamento como é que vão CONGELAR 20% ? Vão deixar de pagar os salarios?

    Como se faz isso? É legalmente impossivel. Ou será que vão congelar os gastos de papel higienico, agua e giz?

    Parece que é jogo do cena, ou cortam a folha ou não se está “congelando” nada de importante.

  3. repensar a univiersidades publicas urgente!!!!

    Não sei de autonomia é o grande problema ou se existem outros que levaram a esta situação. Certamente há outros problemas. Já é altura a assembleia legislativa estudar este assunto e propor soluções Assim como a sociedade civil.

    A impressão que tenho é que a sociedade civil etc, etc, etc, as trata como não são nossas, mas são.

    Com a incompetência dos governos tucanos temo que que a minha querida USP( estudei lá com muito orgulho) se torne insignificante.

  4. Há tempos que os tucanos

    Há tempos que os tucanos querem fechar a USP ou livrar-se dela via privatização. Eis a “oportunidade de ouro”, ou da capacidade tucana de transformar tudo em merda num toque de Midas ao contrário!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome