A aposta de Aécio no antipetismo

Jornal GGN – A BBC Brasil ouviu especialistas a respeito da derrota de Aécio Neves por tão estreita margem na eleição para a presidência. Esse foi o melhor resultado do PSDB nos últimos 12 anos, mas não foi suficiente. Para os cientistas políticos, a aposta no antipetismo foi arriscada, pois não trazia votos exatamente nele, tanto quanto contra Dilma e o PT, e aumentava sua rejeição.

Aécio fez ‘aposta arriscada’ no antipetismo

Por Rafael Barrifouse e João Fellet

Da BBC Brasil

A derrota de Aécio Neves (PSDB) por uma estreita margem na eleição para presidente indica o fracasso de uma estratégia arriscada, em que o ex-governador de Minas Gerais construiu alianças e apostou no sentimento antipetista presente em vários setores da sociedade brasileira, dizem analistas ouvidos pela BBC Brasil.

Por outro lado, apesar da derrota, o resultado da eleição representa, ainda assim, um triunfo para os tucanos. Esse foi o melhor resultado do PSDB em eleições presidenciais desde a saída do presidente Fernando Henrique Cardoso (1995-2002).

A aposta de Aécio no antipetismo“Era uma aposta arriscada porque tinha que ver se o antipetismo ia crescer, já que, ao mesmo tempo, juntamente com esta aposta, crescia a rejeição a Aécio. Era tudo ou nada”, disse à BBC Brasil Wilson Gomes, cientista político da UFBA.

“A questão era saber se esta força era maior do que o petismo ou não. As pessoas não estão votando propriamente em Aécio, mas ele aceitou ser a referência deste sentimento”, opina.

Ricardo Ismael, cientista político da PUC do Rio de Janeiro, concorda: “Ele mobilizou o eleitorado que está cansado e tem uma grande rejeição ao PT, o que é natural pelo desgaste que traz todo governo. Ele capitalizou um pouco esse voto, um voto antipetista e antidilma”.

Articulação, economia e debates

Outro elemento destacado pelos analistas na estratégia aecista foi a capacidade de articulação política do ex-governador, que criou uma base ampla de apoio contra Dilma.

Aécio, que chegou a figurar em terceiro nas pesquisas durante o primeiro turno, conseguiu reverter a situação e no segundo turno passou a contar com apoios de peso, como o da ex-candidata Marina Silva – que chegou a ameaçar Dilma –, do PSB, o partido de Marina, e de políticos com destaque nos Estados.

“Ele fez uma situação de bastidores excelente. Construiu alianças excelentes, como no Rio, com o (governador eleito Luiz Fernando Pezão), que formalmente apoiava a Dilma, mas jogava pelo Aécio também. A sua articulação de bastidores foi muito forte”, diz Carlos Pereira, cientista político da FGV do Rio de Janeiro.

“Ele construiu um ótimo suporte político nacional, com palanques fortes. Ele também conseguiu unificar o partido em São Paulo, o que era raro. Ele mostrou resiliência, mesmo em situações em que ele era considerado carta fora do trabalho. Teve muita capacidade de acreditar em si mesmo.”

“Além disso, fez discurso muito forte no que diz respeito ao resgate do equilíbrio macroeconômico para colocar o Brasil na rota do crescimento e assumiu compromissos críveis de manutenção do pacote de proteção.”

Ricardo Ismael destaca que, no trabalho de articulação, Aécio foi beneficiado pela força da máquina partidária, que “lhe deu uma vantagem maior” para conseguir apoio dos eleitores no Sudeste, a fim de compensar uma derrota no Nordeste.

“Ele também se saiu bem nos debates, que é um momento de comparação e muita gente gosta de decidir por isso.”

Lulismo

Apesar de elogiada pelos analistas, a estratégia de Aécio não foi capaz de vencer a força do projeto político lançado pelo PT na chegada de Luiz Inácio da Silva ao governo, em 2003: o Lulismo.

A vitória de Dilma voltou a evidenciar as falhas tectônicas que já vem se tornando tradicionais na política brasileira. A petista ganhou no Nordeste e no Norte, onde as políticas sociais do governo garantem sua popularidade especialmente em meio à parcela mais pobre da população. Por outro lado, Aécio venceu no Sudeste e no Sul, e isso não foi suficiente para lhe garantir a Presidência.

Além disso, a petista voltou a vencer com folga entre a população com menor faixa de renda, mas a vantagem não foi suficiente para compensar a superioridade de Aécio nos demais grupos.

O Lulismo, segundo artigo do sociólogo da USP Fábio Cardoso Keinert, atualizou um modelo político em voga no Brasil desde o começo do século passado: a crença de que a mudança do país dependia da conciliação entre correntes ideológicas distintas e que caberia ao Estado agir com “benevolência” para sanar os problemas sociais.

A novidade do Lulismo em relação a correntes anteriores, diz Keinert, foi sustentar-se na massa de indivíduos que viram suas vidas melhorares com programas sociais de Lula, como o Bolsa Família. As reformas se deram, contudo, sem a mobilização dessa “vasta camada de subproletários”, baseada sobretudo no Nordeste, diz o sociólogo.

A adesão desses eleitores mais do que compensou a perda de apoiadores históricos do PT, em sua maioria grupos escolarizados do Sudeste, que abandonaram a sigla após sua guinada ao centro e aos escândalos de corrupção nas administrações petistas.

Em 2010, a vitória de Dilma Rousseff mostrou que, embora dependesse de Lula, o movimento poderia ganhar eleições sem que ele estivesse pessoalmente na chapa.

Dilma manteve os padrões de votação da reeleição de Lula, tendo contado com expressivo apoio entre os brasileiros mais pobres.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

33 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Luís Henrique Donadio

- 2014-10-30 14:38:24

E onde é que o André Singer

E onde é que o André Singer disse que o lulismo foi um "projeto político lançado pelo PT em 2003"?

Juçania Facchin

- 2014-10-28 04:50:27

Concordo. Desde que Lula

Concordo. Desde que Lula ganhou a eleição, e já se vão 12 anos, nossas vitórias são descritas  quase como uma derrota. E os perdedores(PSDB), são cantados pela imprensa sempre com o chavão: Perderam ganhando(onde será que eu ouvi isso?)A BBC fez uma análise positiva do Payboy Aécio neves, Só esqueceu de mostrar todos os seus podres. E esqueceu também de falar sobre as sacanagens feitas contra o PT, principalmente nos últimos dias da campanha. Foi, talvez, a nossa maior vitória. Ganhamos pela esquerda. Ganhamos com o povo na rua. E se alguns  apoiadores históricos se foram, ganhamos com a militância politizada e aguerrida, que levou desaforo na cara dos bem instruidos eleitores do PSDB.

Quer saber!!!! Tô dando de ombros para essas análises mais do mesmo. Hoje me sinto leve. Vitoriosa. E fico imaginando se a nossa imprensa fosse mais republicana, Dilma teria vencido ainda no 1 turno. Mas vamos que vamos. 2018 está logo ali. E novamente teremos que sair as ruas, enfrentando novamente uma guerra.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Anarquista Lúcida

- 2014-10-27 22:52:01

Mas o capriles tem o mesmo "histórico" q o Aécio?

Nao sei quase nada sobre o capriles. Nao sei se ele foi governador, e, portanto, se é possível questionar se ele fez aeroportos nas fazenda da família, empregou a irmã, despejou dinheiro em rádios dele, etc. Mas e as características pessoais? Tb tem fama de cheirar cocaína (a ponto de ser alvo de piadas em sites humorísticos dos EUA!!!)? Tb há jornalistas que declararam que ele deu um soco na namorada? Tb foi pego dirigindo bêbado (ou...) e se recusou a sopra o bafômetro, estando ainda por cima com a carteira vencida? Tb recebeu várias sinecuras de presente da família (cargo na Assembléia de MG enquanto estudava no Rio e aos 17 anos, diretoria na Caixa quando o tio era presidente, etc)? 

Porque mesmo do ponto de vista conservador Aécio é uma tragédia! Um playboy conhecido, que nem mesmo dá para simular um estadista. 

Maria Luisa

- 2014-10-27 20:30:36

Não deixara saudades

A imprensa e a representante mor do jornalismo neocon à brasileira, a inenarravel Veja, sairam realmente no chão dessas eleições. Outro que perdeu todo e qualquer simbolismo que ainda poderia ter, é o sr. Fernando Henrique Cardoso, responsavel por um dos momentos mais pobre e feio dessa campanha. A "resiliencia" de Aécio vinha dai, não de articulações com A ou B simplesmente, mas das armações para vencer o PT. Essa campanha não deixara saudades, mas muitas lições. 

E que o PT não se iluda. 2018 sera tão dificil quanto ou ainda mais dificil. 

altamiro souza

- 2014-10-27 19:02:27

aécio parece o capriles,

aécio parece o capriles, aquele eterno candidato anti-bolivariano  na venezuela.

mas que defende a elite contra a maioria.

Maria Silva

- 2014-10-27 18:46:25

Concordo com o (a) comentarista Lucinei

Alem do anti petismo, que mais o PSDB tem a oferecer?? Nada. O que o PSDB aprendeu nos ultimos 12 anos? Nada. O que o candidato ofereceu para tirar o pais da crise? Armínio Fraga e as políticas de 20 anos atras. Então só resta ao PSDB o antipetismo racista e homofóbico, elaborado em conluio com os grandes grupos de midia. Não me venham dizer que estou generalizando. Tô não. Alguém viu as analises daqueles 3 patetas do Manhatan Conexion?? Ora, para eles os eleitores do PT são todos com "baixa escolaridade"  e  presos ao "coronelismo, enxada e voto". Obviamente eles se referem ao nordeste.  As vezes eu chego a duvidar do nivel de escolaridade desses "analistas".

André LB

- 2014-10-27 18:32:35

  Costumo discordar de você -

  Costumo discordar de você - e do seu último parágrafo, haja vista a década de 90 e o seu surrado "não há alternativa". Ainda assim, belo texto. Meus parabéns.

jossimar

- 2014-10-27 18:00:44

Matou a charada.  

Matou a charada.

 

nem me diga

- 2014-10-27 17:53:12

os dilmista agora querem

os dilmista agora querem fazer de Lula uma insignificãncia, quando é do conhecimento até do reino mineral que Dilma sem esse teria perdido desde do primeiro turno. O único mais feliz do Lula pela vitóira tem sido FHC, são simplesmente imensas as chances  continuar  sendo o segundo melhor presidente da história.

Hansel

- 2014-10-27 17:52:26

Sugiro que o PT agradeça

Sugiro que o PT agradeça também aos jornalistas do PIG e ao Instituto Millenium que contribuiram grandemente para a vitória de Dilma ao exagerarem absurdamente nas críticas a todas as ações do governo sem jamais reconhecer qualquer acerto (enquanto o próprio Aécio jurava que ia dar prosseguimento a todos os programas do governo), deixando bem claro para a maioria que tudo o que falavam e escreviam era um grande e cínico embuste.

Lula acertou

- 2014-10-27 17:37:16

uma vez enquanto beijava mão

uma vez enquanto beijava mão de Jader Barbalho, ladeado por Sarney, Renan, Collor, Maluf..., Lula dizia que isso é que era aula de política e não os que um bando de diploma meia tigela ficavam teorizando em sala de aula e formando apenas uns trouxas que nunca ganharão eleição se forem aplicarem mesmo essas baboseira. Como esse que que Aécio para ganhar deveria ter investido nos que são petista até desesperadamente, quiçá ir atrás dos que nunca conseguiriam emprego na vida se o petismo não tivesse ganho e arranjado uma assessoria meia boca.

Lucinei

- 2014-10-27 17:08:10

É mais do que uma "aposta

É mais do que uma "aposta arriscada". É, simplesmente, a única coisa que eles têm a oferecer.  Estão nessa desde o primeiro dia que o pt assumiu o poder. Gastaram tempo e dinheiro com pesquisas sobre o "anti-lula" e não sairam do lugar de ódio ao pt.

O receituário econômico eles não podem explicitar. Eles simplesmente acham que são muito espertos em desconversar ("coisa do passado"). Querem de alguma maneira disputar o espaço socialdemocrata que acreditam um dia ter ocupado mas o pt já está lá. E isso eles não entendem porque se esforçam pra acreditar que o pt é um partido revolucionário bolchevique, coisa que ele nunca foi. Enquanto continuarem nessa o debate só vai fazer mais calor que luz e eles vão se afundar cada vez mais na lama lacerdista.

De resto sobra a arrogancia de dizer que vão melhorar, que vão melhorar sem sequer acharem necessário dizer o quê e como.

Zenaro

- 2014-10-27 16:45:42

O Andre Singer definiu muito

O Andre Singer definiu muito bem o que seria o "lulismo". Isto não é uma "invenção" da direita...

Isadora

- 2014-10-27 16:45:32

Não me canso de repetir, como

Não me canso de repetir, como um mantra, tucanos e anti Pt,10 milhões de paulistas não votaram no Aecio, destes, 8 milhões votaram em Dilma, querem separar separem, mas vão levar só 60% do estado.Eno

ricardo gonçalves

- 2014-10-27 16:38:15

Ô textinho vagabundo!!!! Quer

Ô textinho vagabundo!!!!

Quer dizer que o Aécio fez tudo certo: alianças, uniu o partido, apavorou no debate, mas... os pobres votaram na Dilma.

Vai chorar no Cantereira BBC!!!!!!

Arthemísia

- 2014-10-27 16:31:48

Deve ser muito difícil para a

Deve ser muito difícil para a direita aceitar o maior recado que as urnas vem dando: o projeto de sociedade e de governo do PSDB não serve para o Brasil. Isso foi dito por quatro vezes; quantas vezes mais serão necessárias? Ela muda os candidatos, mas como o projeto é o mesmo, o resultado também é o mesmo.

Moita

- 2014-10-27 16:24:58

    A adesão desses eleitores

 

 

A adesão desses eleitores mais do que compensou a perda de apoiadores históricos do PT, em sua maioria grupos escolarizados do Sudeste, que abandonaram a sigla após sua guinada ao centro e aos escândalos de corrupção nas administrações petistas.

 

Esta é uma afirmação bem comum, sobre uma suposta perda de apoiadores "históricos" em função de uma guinada para o centro e da corrupção. 

 

Mas para onde foram estes apoiadores? Para o PSDB, PSB e Rede não seria, já que o centro não agrada a eles. Idem para a corrupção.  Para o PSOL também não parecem ter ido já que este tem uma parcela bem pequena de votos majoritários e proporcionais.

 

Será então que este suposto apoiador histórico perdido não é apenas uma obra de propaganda para desqualificar o voto no PT? O Lacerdismo continua vivo, como se percebe facilmente pela imprensa e redes "sociais", e essa é uma de suas estratégias mais batidas.

 

 

 

 

Caetano.

- 2014-10-27 16:15:34

Discordo da jornalista. Lula,

Discordo da jornalista. Lula, espertalhão que é, sempre usou o "nós contra eles", para posar de defensor dos fracos. Vivia (e vive) falando mal de uma suposta elite, enquanto ele próprio, na verdade, faz parte da elite econômica e política do país.

O PT tenta fazer-nos passar por pascácios, ao dizer, ou insinuar, que políticas de inclusão são exclusividade sua. Ora, todos os partidos, em princípio, querem o bem do país e dos brasileiros. Essa conversa de que uma "elite" preconceituosa não quer que os menos favorecidos evoluam é uma infâmia. Preconceito contra qualquer coisa pode existir dentro da cabeça de pessoas, sejam petistas ou tucanos ou indígenas, o que não existe é preconceito institucional, que o PT tenta impingir a seus adversários.

Além disso, a jornalista é profundamente infeliz ao afirmar que Dilma foi reeleita também com votos de "brasileiros que não precisam de ajuda alguma, mas que não votam pensando só em si". Assim dizendo, ela qualifica os que "precisam de alguma ajuda" como meros interesseiros, e os demais como desprezíveis egoístas. Com certeza no Céu só restará Cynara para bater papo com São Pedro.

marcio valley

- 2014-10-27 16:00:19

Perfeito, Donadio. Estamos

Perfeito, Donadio. Estamos num ambiente intelectual de tal modo rasteiro que impregnou até os que deveriam ser os porta-vozes da sensatez. Toda discussão é ancorada em chavões e lugares-comum. De fato, cansa...

O Mar da Silvao

- 2014-10-27 15:58:09

Resumindo: Aécio foi um

Resumindo:

Aécio foi um sucesso. E Dilma foi um estrago.

A Europa é um sucesso e o Brasil é um fracasso.

O neoliberalismo é um sucesso. O arranjo petista é um fracasso.

A mídia é isenta e o povo desinformado.

O desemprego baixo é um perigo para qualquer país.

A valorização do salário mínimo, idem.

O lobo mau é uma ovelha.

 

Fábio de Oliveira Ribeiro

- 2014-10-27 15:55:12

O único partido ocidental que

O único partido ocidental que conseguiu chegar ao poder com um programa "anti-alguma-coisa" foi o Partido Nazista. Mas nós sabemos exatamente o que custou à Alemanha a vitória de Hitler e a subsequente execução de seu programa político. 

mcn

- 2014-10-27 15:52:15

Aécio acha que teve 51 mi de
Aécio acha que teve 51 mi de votos. Comete o mesmo erro de Heloísa Helena, Marina Silva ou de Serra, que acha que teve 40 mi de votos, quando candidato a presidente. Se os votos fossem para eles, seriam imbatíveis em qualquer eleição presidencial. Só que não.

wendel

- 2014-10-27 15:49:49

SENTA E CHORA ...................

Não adianta reclamar, chorar ou gemer !!!!!!!!!

 

 

P E R D E U !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Ninguém

- 2014-10-27 15:46:33

Dando uma passada de olhos...

Nos artigos da BBC sobre o Brasil, nota-se claramente uma carência de informações básicas sobre como funciona a grande mídia no país. Mas isso não é exclusividade da BBC. No Guardian, também se encontram informações equivocadas, como "Aécio é centrista", "veja, maior semanário brasileiro", etc. Quer dizer, os articulistas desconhecem o posicionamento de partidos e da grande mídia, mas deitam a falar sandices.

Donadio

- 2014-10-27 15:43:45

"Apesar de elogiada pelos

"Apesar de elogiada pelos analistas, a estratégia de Aécio não foi capaz de vencer a força do projeto político lançado pelo PT na chegada de Luiz Inácio da Silva ao governo, em 2003: o Lulismo."

Parei de ler aqui.

"Lulismo" é uma invenção da direita. O PT nunca lançou um "projeto político" chamado "lulismo"; isso é uma inverdade. E uma inverdade profundamente estúpida. A direita se auto-engana ao propalar e repetir, contra toda a evidência dos fatos, que a força eleitoral do PT se baseia no carisma pessoal de Lula. E perde eleições por se enganar assim. Fomenta, em desespero, falsos movimentos, para "demonstrar" que se trata de um mero projeto pessoal de Lula. Ecoaram à exaustão, a sua própria invencionice de um "terceiro mandato" para Lula em 2010. Exultaram quando Dilma foi lançada candidata: sem o carisma pessoal de Lula, não havia como Serra perder a eleição. Exultaram de novo quando Dilma adoeceu: "provava" que se tratava de uma manobra para, com base na emoção, viabilizar a volta de Lula como candidato.

Em 2014, fomentaram o que puderam o "volta Lula", que atribuíram, ao sabor do momento, a "correntes internas do PT" ou à vontade do próprio Lula, ou a "atritos" entre este e Dilma.

É tudo vento, tudo vazio, tudo besteira. Não dá para negar o fascínio pessoal de Lula, nem sua extraordinária oratória, nem o simbolismo da sua longa e sólida trajetória política. Mas o PT não é um partido "carismático": é uma máquina política sólida - às vezes sólida demais - e poderosa, capaz de façanhas como a eleição de Haddad ou Rui Costa; e muito menos sujeita a rivalidades regionais como as que prejudicam tão evidentemente o PSDB.

Ao se recusar a enxergar esses fatos, a direita brasileira erra grosseiramente, sujeitando-se a ser derrotada "por um poste", não uma, mas várias vezes, e, de forma absolutamente imbecil, promove ela mesma seus adversários, atribuindo-lhes virtudes e energias sobre-humanas.

E agora inventam, sem nenhum pudor, um movimento chamado "lulismo", que teria sido "lançado pelo PT em 2003". Cadê a convenção, ou reunião da Executiva ou Diretório Nacional do PT que lançou o "lulismo"? Simplesmente não existe.

Não sei se rio ou se choro, e não sei se torço para que a direita brasileira continue assim (é mais fácil ganhar desse jeito) ou se torço para que mude, em prol de um debate menos rastaquera e desqualificado.

Haja!

Avelino de Oliveira

- 2014-10-27 15:32:19

Caro Nassife  demais Aécio em

Caro Nassife  demais

Aécio em sua ânsia de poder, se apegou a determinados grupo,que vociferam contra o PT  e contra os nordestinos, trabalhado pela mídia, de forma consistente, nos 12 últimos anos.

Sabia ele sim, dessas forças, torná-lo inocente, é tripudiar na cabeças do povo.

Wall Street, e todas as forças reacionárias quinhentistas, usou ele, como usaria qualquer um outro.

Os mesmos que pregava no passado, o não fim da escravidão, hoje se urilizam desse recusro contra os nordestinos.Em ambos os casos predomina o setor financeiro de exploração.

O Brasil não está dividido por regiões, isso eles querem que acreditemos, o Brasil está dividido pela Casa Grande e o povo.

Saudações

 

 

Danilo pro

- 2014-10-27 15:25:49

Ué! Mas quem Ganhou a

Ué! Mas quem Ganhou a eleição? Não foi a Dilma? Pensei que tinha sido ela! Contra praticamente todos os outros podres poderes. Me enganei, desculpe.

marcos nunes

- 2014-10-27 15:25:17

Por Cynara Menezes
PT derrota a elite (e sua imprensa)Por Cynara Menezes, no blog Socialista Morena: O PT não é um partido perfeito, longe disso. O PT cometeu erros. Mas, se fosse derrotada hoje, Dilma Rousseff o seria pelos acertos do PT. Não pelos erros. A elite brasileira e a imprensa que a representa odeiam o PT não porque o partido esteve envolvido em denúncias de corrupção ou porque o Brasil “vai mal” economicamente. Eles odeiam o PT porque não concordam com seu projeto para o País. Querem outro, o seu. A elite brasileira e a imprensa que a representa odeiam, em primeiro lugar, Lula. Não porque Lula despreza as famílias que são donas dos meios de comunicação. É o contrário: Lula despreza as famílias que são donas dos meios de comunicação porque sempre foi maltratado por seus jornais, TVs e revistas, porque foi vítima de seu enorme preconceito de classe. A elite e a imprensa que a representa não suportam que não seja um dos seus que esteja à frente do poder no Brasil. Dilma achou que podia seduzir a imprensa, atraí-la para seu lado. Doce ilusão. Foi um dos maiores erros do primeiro mandato e espero que corrija no segundo. Dilma, a imprensa jamais a apoiará, simplesmente porque o projeto que você defende é considerado –pela elite e pela imprensa que ela representa– arcaico, anacrônico, ultrapassado. Presidenta, ouça o que eu digo: você só teria a mídia a seu favor se rompesse com Lula. Lembre-se das cizânias entre vocês que a imprensa semeou durante os últimos quatro anos. Você vai ver como será a partir de agora: mal foi consagrada sua vitória e já tem gente na mídia falando em impeachment. Os jornais brasileiros nunca trataram o sociólogo Fernando Henrique Cardoso, que fez um governo pífio, muito aquém do governo Lula em resultados sociais e, inclusive, econômicos, como tratam o ex-operário Lula. A revista Veja, braço armado da oposição no Brasil, usou a palavra “apedeuta” (analfabeto, ignorante) mais de 2 mil vezes para se referir ao ex-presidente em seu site nos últimos anos. Veja fez mais de uma dezena de capas contra Lula –a última delas esta semana, em mais uma acusação sem provas. O filho de Lula é alvo de boatos e notícias falsas desde que a revista Veja o colocou como destaque de uma de suas edições. Repare que nunca foi questionada pela revista, por exemplo, qual a fonte de renda do filho de FHC, Paulo Henrique. A Folha de S.Paulo, por sua vez, teve o desplante de publicar um artigo em que um ex-petista ressentido acusava Lula de nada mais nada menos que tentar estuprar um rapaz. A imprensa estrangeira, que pagou mico e fez mea culpa por ter copiado o terrorismo da mídia nativa em relação aos preparativos da Copa (em vez de praticar jornalismo), precisa saber dessas coisas, mostrar ao mundo que no Brasil a verdadeira oposição ao PT vem da imprensa. Não foi o PT quem jogou “pobres contra ricos”, “negros contra brancos”. É a imprensa quem tenta jogar pobres e ricos, negros e brancos contra o PT. Não foi Lula quem criou esta divisão no Brasil ou no mundo. Ela sempre existiu –e é alimentada pela elite e pela imprensa que a representa. O PT nada mais fez que mostrar que essas diferenças estão aí e estabelecer estratégias para diminui-las. Isto é uma qualidade do PT, mas, para a imprensa, é um defeito. O Brasil não está dividido, ele É dividido. Como disse uma leitora no Facebook: só que um dos lados também passou a ter voz. Hoje Dilma foi reeleita contra toda a mídia brasileira. Foi reeleita com o voto de gente sofrida, dos brasileiros de todas as regiões que mais precisam da ajuda do governo, e também com os votos de brasileiros que não precisam de ajuda alguma, mas que não votam pensando só em si. Votam pensando em um Brasil mais inclusivo e menos desigual. Votamos no PT porque o projeto do partido é o que mais contempla nossa sede de justiça social. Não nos sentimos representados pelo projeto de País que a imprensa brasileira tenta nos impingir, nos empurrar goela abaixo junto com o candidato da vez. A responsabilidade do PT e de Dilma é imensa agora. É preciso, como sempre, governar para todos, mas é preciso ter um olhar especial para os desejos dos que tornaram realidade esta reeleição. Vá em frente, Dilma. Vá em frente, PT. Pisem fundo. Seu projeto de Brasil é o que queremos. Não o da imprensa.  

marcio valley

- 2014-10-27 15:25:07

A análise do sociólogo da USP

A análise do sociólogo da USP Fábio Cardoso Keinert, quando tenta explicar o voto na continuidade, deixa de considerar um aspecto importantíssimo: ainda que o eleitorado maciço do PT esteja entre os pobres, que viram sua condição de vida melhorar a partir da assunção desse partido ao governo federal, há entre os eleitores de maior nível cultural uma parcela considerável que apoia o PT. Creio que essa parcela, embora minoria no aspecto sócio-econômico, é maioria quando considerada o nível de intelectualidade. Em outras palavras, o rico e o remediado sem refinamento cultural tendem a apoiar o antipetismo, enquanto o rico e o remediado que o possuem inclinam-se a apoiar o PT, mesmo com ressalvas, por compreender a importância social de atuação do partido. Por outro lado, ainda que minoria na classes mais altas, esse eleitorado mais intelectualizado é absolutamente mais militante do que os antipetistas e utiliza argumentos mais racionais, enquanto os demais apresentam um discurso divisionista e preconceituoso, mais esbravejador contra o PT do que propriamente a favor do lado que apoiam. Tal aspecto é visível inclusive em relação aos intelectuais e artistas que apoiaram um e outro. Chico Buarque de um lado, com Lobão do outro. Leonardo Boff aqui e Malafaia lá. Uma militância mais participativa e argumentativa em favor do PT foi capaz de agitar a rede e provocar mudanças inclusive no tom cauteloso adotado pelo Jornal Nacional um dia antes da eleição. Isso é algo que sempre deve ser considerado nas análises. O tom raivoso do antipetismo aparentemente despertou os militantes do PT de seu sono utópico, recolocando-os em sua trajetória histórica de frenética atuação.

alvaro marins

- 2014-10-27 15:20:30

Uma coisa fica clara: bastou

Uma coisa fica clara: bastou quinze minutos diários na televisão, por quinze dias, no primeiro turno, para desmontar a narrativa midiática de anos, 24h por dia. No segundo turno, a mesma coisa. Mostra a enorme fragilidade da narrativa midiática, quando testada em um confronto direto. Por isso, independentemente da aprovação de um necessário marco regulatório para a democratização da mídia, é preciso que o PT e o governo compreendam a importância de uma boa comunicação no debate político cotidiano.

Jorge Rebolla

- 2014-10-27 15:18:45

Minha opinião sobre o tucanato e seguidores

Após o Aécio se estrepar é fraude?

 

Estamos no Brasil e aqui o discurso liberal em economia enfraquece politicamente o seu autor. Não adianta dizer que o mercado é uma maravilha, que os problemas serão resolvidos pelos investidores, muito menos enfiar um especulador gaiato debaixo do braço como se fosse um compromisso com a modernização e o futuro.

Após a derrota não adianta chorar fraude quando o resultado não confirma a sua visão do mundo. Aconteceu porque você desconhece a sociedade onde vive. Parentes, amigos e vizinhos não são a totalidade dos votantes. A ignorância alimentando a incompetência é receita certa para o fracasso. O resultado depende de prévia combinação com a maioria dos eleitores! Enquanto o candidato não esquerdista, o que não é o caso do Aécio, não fizer isto não terá sucesso.

O discurso direcionado às classe alta e média tradicional, como se existisse o voto censitário, é coisa de quem ainda acredita nos formadores de opinião. Aqueles que por seus supostos níveis elevados induziriam os pobres que estão ao seu redor.

O único debate de idéias que pode se eleitoralmente válido é o dos valores culturais e morais. O econômico já foi decidido nos anos Vargas. 

gerson CT

- 2014-10-27 15:15:29

Pimenta (el)

Essa é de rolar de rir.

Lá na News chegaram cogitar que os mineiros podem ter confundido o Pimentel com o Pimenta.

rssrsrsrsrsrsrss...

ai num guento mais de tanto rir.

 

sergioa

- 2014-10-27 15:06:49

Agradecimentos

Agradecimentos necessários.....

Primeiramente a Dilma e o PT precisam fazer os sinceros agradecimentos aos maiores militantes e cabo-eleitorais desta disputa acirrada:

1 - Agradecer veemente a ajuda extraordinária de FHC, que prestou bom serviços à causa da esquerda, ao achincalhar com os eleitores da Dilma no primeiro turno, como se fosse privilégio dos PT (Paulistas Trouxas) de saberem votar. E nem se deu conta que paulista foram vitimas do maior estelionato eleitoral (prática comum do PSDB) repetido desta vez pelo governador de SP. Se tivesse seguido um velho dito popular (em boca fechada não entra mosquito) teria prestado o melhor serviço que poderia prestar a seu candidato, uma vez que carregá-lo para o palanque e para os programas de TV é um fardo muito grande para qualquer candidato (consulte o Serra, o Alckimin e novamente o Serra). Muito, mas muito obrigado mesmo. 

2- Agradecer em segundo lugar, mas não menos importante, ao governador de SP Geraldo Alckimin, que ao se apequenar diante da sua responsablidade e não agir de acordo com o que se espera de um governante e lider, resolveu, sabe-se lá por qual moitivo (além do evidente medo de perder a eleição), esconder a verdadeira situação da crise hidrica de SP, jogando todas as suas fichas na Fé e na crença que talvez chovesse suficientemente após o primeiro turno, de forma a não lhe atrapalhar nos seus planos de ser eleito e tão pouco o candidato que viesse a enfrentar Dilma no segunto turno (Marina ou Aécio). Sabe nada coitado ... se tivesse tido coragem de tomar as providências que precisava não só teria saído maior como teria ajudado seu correligionários. Muito, mas muito obrigado mesmo.

3 - Em terceiro lugar agradecer ao enorme telhado de vidro que Aécio tem. e  o enorme arsenal vazio de idéias que dispõe. Aécio era o candidato do argumento único: corrupção na petrobras, corrupção na petrobras, corrupção na petrobras, corrupção na petrobras, corrupção na petrobras, corrupção na petrobras, corrupção na petrobras, corrupção na petrobras, corrupção na petrobras, corrupção na petrobras, corrupção na petrobras, corrupção na petrobras ... mas fora isto não apresentou uma só idéia, um só projeto. Só sabia falar de corrupção (esquecendo todos os casos não esclarecidos, todos os casos não investigados, todo os casos varridos para debaixo do tapete, envolvendo seu nome, envolvendo outros caciques do PSDB, e todo o governo FHC) ou que iria continuar tudo o que DILMA e LULA construíram. Sinto muito playboy, é muito pouco para querer assumir cargo tão importante quanto o da presidência da República. Muito, mas muito obrigado mesmo.

assinado Um PETISTA FELIZ!!!!!!!

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador