A nova fake news de Bolsonaro: queima de arquivo na pensão do esfaqueador

Jornal GGN – Jair Bolsonaro publicou nesta quarta (17), no Facebook, mais uma nota digna de fake news. Na mensagem, ele dá munição para que seus seguidores acreditem na hipótese de queima de arquivo no hotel em que Adélio Bispo Oliveira esteve hospedado, em Minas Gerais, na semana em que houve o atentado a faca que levou Bolsonaro a passar por cirurgias de reparação e colostomia. 

Bolsonaro compartilhou uma matéria do portal O Antagonista, que noticia a morte de um homem na pensão em que esteve Adélio. A mensagem do deputado diz: “Registrada a segunda morte na pensão que estava hospedado ex-integrante do PSOL após tentativa de me assassinar! Pode ser que seja muita coincidência, pode ser um novo Caso Celso Daniel a caminho! Que a verdade apareça!”

Mas, ao clicar no texto original, o internauta tem acesso a informações que desmontam a teoria da conspiração e fake news de Bolsonaro:

– A primeira pessoa que morreu nas últimas semanas, na pensão, era uma das sócias proprietárias que sofria de câncer.

– A segunda morte, anunciada nesta quarta (17), foi de um homem que estava hospedado há 3 meses no local, e era usuário de drogas, segundo confirmado pela família. O Boletim de Ocorrência diz ainda que ele tinha problemas cardíacos e esteve internado recentemente por causa de pneumonia. Além disso, a polícia afirma que não havia lesões aparentes no corpo, descartando morte por violência física.

Hipoteticamente, a segunda vítima poderia ter falecido de um infarto ou overdose, mas Bolsonaro apressou-se em capitalizar a ocorrência lançando suspeitas infundadas sobre as duas mortes.

Nos comentários da postagem, os seguidores de Bolsonaro dizem que não há “coincidência”, que a segurança do candidato está em risco e ele não deveria ficar em casa, e que a notícia é uma evidência de “queima de arquivo”.

O nome do homem encontrado morto é Rogério Inácio Villas, nascido em 1970 em Juiz de Fora (MG). O laudo abaixo diz que o médico legista encontrou “rigidez cadavérica” e nenhum sinal de violência.

Imagem do Boletim de Ocorrência divulgado em O Antagonista

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

4 comentários

  1. Por que divulgar a notícia dessa morte, num de extrema direita?

    Já está mais do que claro que TODO esse processo eleitoral é um FARSA, uma FRAUDE escandalosa. Sem as chamadas “fake news”, que em português claro tem pelo menos 4 sinônimos (notícias falsas, injúrias, difamações, calúnias – com as devidas nuances semântico-distintivas reconhecidas), a candidatura de Jair Bolsonaro não prosperaria. Os setores de inteligência das FFAA – que seguem o receituário do Deep Ste estadunidense, de Steve Bannon et caterva – assim como o sistema judiciário brasileiro municiaram e facilitaram o trabalho de difusão das notícias falsas por meio das redes sociais. O “terreno” já havia sido preparado, com a disseminação do ódio e do anti-petismo patolígico, pelos veículos do PIG/PPV e por essas mesmas redes sociais (Whatsapp, Twiter, Facebook, Youtube, etc.), além de blogs e portais de extrema direira, como este citado na nota.

    Não é simples acaso o fato das polícias divulgarem esse laudo por meio de um site de extrema direita; isso faz parte da estratégia de campanha do candidato que representa o sub-fascismo vira-lata e entreguista

  2. O PROBLEMA É A ESQUERDA FICAR

    O PROBLEMA É A ESQUERDA FICAR FALANDO DO A, B, C, D e ETC. Está exatamente como o coiso quer e parece que vai ficar. Isto tem que aparecer na propaganda eleitoral e em todas as midias do HADDAD. Alguém deve dizer quer que eu desenhe….

  3. O PROBLEMA É A ESQUERDA FICAR

    O PROBLEMA É A ESQUERDA FICAR FALANDO DO A, B, C, D e ETC. Está exatamente como o coiso quer e parece que vai ficar. Isto tem que aparecer na propaganda eleitoral e em todas as midias do HADDAD. Alguém deve dizer “quer que eu desenhe”….

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome