A urna, o papel e a garantia, por MSV

Foto Divulgação

A urna, o papel e a garantia

por MSV – Movimento dos Sem Voto

Comentário à matéria Dodge entrega no STF ação contra voto impresso

Caros, há mais fraudes entre o céu e a Terra do que supõe nossa filosofia, já dizia Xêikispier.

Antes de mais nada eu suspeito que a fraude maior é a programada para jogar seu voto em outros candidatos pré-programados. Como a contagem é destes votos, não havendo contra-prova é moleza, já que não se pode conferir todos os programas baixados na memória de todas as urnas. Basta trabalhar com um número de urnas e desvios de programa baseados nas diferenças das pesquisas que devem ser buscadas e superadas.

Vou mais longe: isso já deve ter ocorrido em 2010, à favor de Aécio e houve algum “acidente de RioCentro” (calcularam mal o percentual), pois a “surpresa” com a vitória não muito folgada de Dilma foi grande, beirando o “inaceitável” (para eles).

Esta suspeita de fraude no código pode ter sido aperfeiçoada na vitória de, por exemplo Dória no primeiro turno, já que também suspeito que se houvesse segundo ele tomaria uma surra nos debates com Haddad. 

Suspeito ainda que a quadrilha secular que (re)tomou o poder absoluto neste pobre país (via um inacreditável golpe liderado por um hoje detento penitenciário), agora tendo a faca e o queijo na mão podem fazer muito mais e melhor em termos de fraude.

Portanto, é evidente para a manutenção de uma eleição minimamente decente:

1) O voto tem que ter contraprova em papel

Leia também:  Planalto abandona aproximação com Russomanno em SP

2) A cédula em PAPEL, para não ser enfeite deve conter (apenas):

2.1) O nome e número legível de quem foi votado, para conferência visual durante a votação e posterior em contagem

2.2) Um número aleatório e único por seção que faça par com o mesmo número aleatório do voto na memória. Isto para assegurar que votos falsos em papel sejam adicionados nas urnas físicas, pois teriam este numero inválido

2.3) Um código para leitura ótica que reflita o voto legível e seu par eletrônico, tanto para conferência quanto para contagem. Este código, derivado da combinação dos candidatos votados na cédula, além de permitir a contagem em alta velocidade também pode ser auditado (conferido com o voto visual).

3) O voto deve ser operado como hoje, com os seguintes adicionais para o papel:

3.1) Ao confirmar o voto, a impressora avança o papel com o “espelho do voto” para uma janela de visualização do papel, ainda na bobina.

3.2) Se o voto no papel reflete o voto dado na tela, o eleitor finaliza e a cédula é cortada da bobina e cai numa urna física.

3.3) Se o voto não conferir, a cédula pode ser picotada, desviada e/ou impressa como “invalidada” e o eleitor refaz o voto.

3.4) No encerramento da votação, o sistema indicará quantas cédulas devem existir em cada urna, para evitar adições e desaparecimentos.

Tal processo visa proteger tanto fraudes de programação quanto fraudes de contagem física de cédulas (que pode existir em qualquer votação pelo mundo).

Leia também:  Quilombolas acionam Bolsonaro no STF para garantir atendimento emergencial em pandemia

A votação pode ser anunciada (mas não homologada) assim que terminar a apuração eletrônica.

A conferência com os votos de papel poderá tanto ser usada como mera auditoria ou como contagem oficial (homologatória) alguns dias depois. Ignorar-se-ão eventuais diferenças que NÃO alterem o resultado. 

Aí (sempre podendo ser aperfeiçoado) podemos começar a pensar de verdade que teríamos um sistema mundialmente avançado, rápido e duplamente conferido e auditado.

O resto… Bem é o resto, pois estamos num país (?) onde qualsquer juros de mora são confundidos com juros de crédito e podem derrubar um presidente eleito por pedidos feito por um gagá, um incompetente e uma doida sem sequer OAB

Aí, troquemos eleições por orações…

Ja´que somos um povo de bundões;

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

6 comentários

  1. A urna…..

    Somos a Terra da Aberração. Nosso Quintomundismo só é comparável ao fatalismo e ao Cabresto. Nem uma única linha sobre a excrecência do Voto Obrigatório. Imposição Ditatorial conseguido com a Esquerdopatia mancomunada com um Caudilho. E falam em Democracia? E esperam outro resultado? Loucura é fazer as mesmas coisas de forma igual e esperar por resultados diferentes. Elite é elite. Ditadura é ditadura. Mesmo rotulada de Socialista ou Progressista. Eleições Obrigatórias com Biometria em Urnas Eletrônicas, enquanto o Mundo, principalmente desenvolvido e industrial, usa urnas de plástico reciclável com cédulas de papel em dia útil. De Israel a Noruega. De Irã a França. De Alemanha a Inglaterra.R$ 1.700.000.000,00 mais R$ 880.000.000,00 de Fundo Partidário. R$ 550.000.000,00 por Eleição. R$ 30.000.000.000,00 de Orçamento a Justiça Eleitoral. E estamos tentando explicar a Latrina Brasileira? É surreal. 

  2. idéia

    Eu gostaria que a máquina de votar permitisse a gravação em pen drive ou cd dos votos concedidos.

    Apenas as totalizações. Para o presidente da mesa e primeiro secretário. Quando fossem divulgados os totais por urna, como sempre é feito, eles poderiam de suas casas conferir nos seus próprios computadores o resultado apresentado.

    Tenho a impressão que na apuração a possibilidade de fraude é maior.

  3. O tse se apropriou da

    O tse se apropriou da eleição,

     que é um DIREITO do eleitor e exercício da cidadania, querem decidir como e agora em quem votar, em vez de gastar montanhas de dinheiro com propagandas nonsense devereiam orientar o eleitor em como poderá votar, houve eleições em que vi pessoas pegando papéis no chão e votando em qualquer por desconhecimento de que poderiam votar na legenda, até o PT comete esse erro. Agora querem adotar essa biometria, se o eleitor não precisa nem do titulo para votar por que diabos necessita de biometria??? 

    • A urna pode dar ares de legitimidade ao golpe

      Vc até pode ter razão. Mas isto é uma aceitação reducionista.

      Acabar com golpes, reduzir a criminalidade (política também) e manter a democracia dá trabalho mesmo.

  4. Além do fato

    Além do fato de que a urna eletrnica poderia ter seu codigo aberto a todos, assim  qualquer dúvida de qualquer partido seria muito simples conferir o codigo fonte.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome