Algumas considerações sobre a mais recente pesquisa nacional IBOPE, por Marcos Soares

Algumas considerações sobre a mais recente pesquisa nacional IBOPE

por Marcos Soares

Uma análise tardia, dado que os eventos ocorridos ontem com Bolsonaro devem impactar significativamente a opinião pública e dificultar ainda mais a projeção do cenário da disputa eleitoral para 07 de outubro.

De qualquer maneira, vamos aos destaques. Pela ordem:

– Em votos válidos, Ciro e Haddad são os únicos que sobem

Passados 15 dias, apenas os dois candidatos oscilaram positivamente na comparação das duas pesquisas mais recentes do instituto. Bolsonaro e Marina oscilaram negativamente e Alckmin manteve o mesmo patamar.

Pesquisa Ibope 01 a 03/set

 

Essa oscilação ocorre dentro da margem de erro, mas quando analisamos os resultados agregados de todas as pesquisas em uma mesma linha do tempo notamos que esse movimento de alta de Ciro e Haddad vem ocorrendo desde antes, ao mesmo tempo em que os demais candidatos permanecem nos mesmos patamares ou caem, como no caso de Marina Silva:

Fonte: Agregador de pesquisas Jota

 

– Lula ainda tem 22% na espontânea

O ex-presidente ainda conserva grande espaço na memória do eleitorado. 22% o citam espontaneamente quando perguntados em quem votariam para presidente se a eleição fosse hoje.

É fato também que esse patamar está em queda. A quinze dias, na pesquisa do mesmo instituto, esse patamar alcançava 28%. É sinal de que a notícia do impedimento de Lula começa a alcançar a maioria pouco informada e desinteressada do eleitorado, que ao saber da ausência do ex-presidente começa a considerar outros nomes e pode explicar também a discreta subida de Haddad e Ciro.

 

Leia também:  Bolsonaro, o agente do caos, por Henrique Matthiesen

– Bolsonaro tem a maior rejeição

O aumento da rejeição a Bolsonaro nos últimos 15 dias segundo o instituto foi de 7 pontos. Eram 37% em agosto e hoje são 44% a dizer que não votariam nele de jeito nenhum.

Esse aumento da rejeição pode ser resultado da maior exposição do candidato com o início da campanha eleitoral e também com a estratégia publicitária negativa direcionada pela campanha de Alckmin.

Pesquisa Ibope 01 a 03/set

 

– Alckmin estagnado e Marina em queda

A despeito da campanha negativa contra Bolsonaro e a quantidade maior de inserções e de tempo no programa eleitoral televisivo, o ex-governador de São Paulo não viu melhorar seu desempenho entre os eleitores.

O tucano manteve o patamar de 12% dos votos válidos da pesquisa anterior e quando olhamos os resultados agregados de todas as pesquisas percebe-se que essa estagnação se mantém desde antes do início da campanha. A dificuldade de Alckmin em desconstruir seu adversário à direita parece bem mais difícil do que se projetava.

Marina Silva parece destinada a não repetir o desempenho das disputas anteriores. Mesmo com a saída de Lula da disputa, percebe-se uma tendência de queda nas intenções de voto nessa pesquisa IBOPE e também nos resultados agregados de todas as pesquisas.

 

– No segundo turno Bolsonaro perde para qualquer um, exceto para Haddad

Nas simulações de segundo turno fica evidenciado o impacto do aumento da rejeição a Bolsonaro. Hoje, exceto se a disputa fosse contra Haddad, quando ambos aparecem empatados tecnicamente, o ex-militar perderia a disputa do segundo turno para qualquer dos principais oponentes.

Pesquisa Ibope 01 a 03/set

 

Leia também:  Governo Bolsonaro ajudou a transportar só 6% do oxigênio que Manaus precisa por dia

– Aumenta o potencial de transferência de votos de Lula para Haddad

Por último, o dado mais significativo dessa pesquisa: o potencial de transferência de votos do ex-presidente Lula para seu vice e provável substituto, Fernando Haddad.

Essa é a informação mais significativa porque, confirmada a tendência apontada pela pesquisa, a liderança de Bolsonaro com a saída de Lula da disputa poderia ser ocupada por seu oponente petista ainda no primeiro turno.

O instituto perguntou aos entrevistados se Lula, agora fora da disputa, declarando apoio a seu vice Fernando Haddad faria com que eles “com certeza” votassem em Haddad,  “poderiam votar” ou “não votariam de jeito nenhum”.

A parcela daqueles que “com certeza votariam” subiu de 13% para 20% e os que “poderiam votar” foi a 17% contra 14% na pesquisa anterior. Somados, hoje são 37% o número daqueles que admitem a possibilidade de votar em Haddad ante o apoio de Lula.

Ainda é majoritária a parcela daqueles que dizem que “não votariam nele de jeito nenhum”, 53%, mas está em queda, eram 60% a quinze dias.

Considerados esses resultados, é possível projetar um cenário onde a tendência seja que a maioria do eleitorado “lulista” se desloque ao longo dos próximos 30 dias para o seu substituto, o colocando num patamar próximo ao que teria o ex-presidente e próximo ou até mesmo a frente de Bolsonaro, que lidera a disputa com a ausência de Lula.

 

Escrevo isso tudo no momento em que o ataque a Bolsonaro monopoliza as atenções. O impacto desse episódio provavelmente terá grande dimensão e pode fazer com que essa análise já tenha nascido velha.

Marcos Soares é cientista social e especialista em Opinião Pública, Mídia e Estratégias de Comunicação Política na instituição de ensino IUPERJ

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

4 comentários

  1. Esquece !
    Quem é petralha não
    Esquece !
    Quem é petralha não muda o voto.

    É PT de cabo a rabo.

    Tem um bando de analista dizendo que o voto do PT vai se dispersar. Negativo !

    Os votos dos simpatizante talvez disperse alguns, agora, dos petralhas mortadelas de raiz, jamais.

    Não adianta, é Haddad no 2o turno .

  2. Esquece !
    Quem é petralha não
    Esquece !
    Quem é petralha não muda o voto.

    É PT de cabo a rabo.

    Tem um bando de analista dizendo que o voto do PT vai se dispersar. Negativo !

    Os votos dos simpatizante talvez disperse alguns, agora, dos petralhas mortadelas de raiz, jamais.

    Não adianta, é Haddad no 2o turno .

    • Em qual ponto o programa de
      Em qual ponto o programa de governo petista está mais a esquerda que o do Ciro, quando fingem que a dívida pública não existe? Em que ponto o Haddad é mais esquerda que o Ciro, chamando o golpe de crise institucional ou falando para a Miriam Leitão só tem UMA discordância com ela?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome