Datafolha: Lula lidera disputa, mas dificilmente ganha 2º turno

Petista tem vantagem no 1º turno, mas perde competitividade contra outros candidatos na 2ª fase eleitoral 

 
Jornal GGN – Em uma nova simulação de intensões de voto para presidente de 2018, realizado pelo Datafolha, o ex-presidente Lula lidera as pesquisas no 1º turno. Num cenário enfrentando Aécio Neves, o petista aparece com 22% nas intensões de voto, contra 17% para Marina Silva e 14% para o tucano.
 
Já num eventual 2º turno, Lula enfrentaria maior dificuldade, sobretudo contra Marina Silva que venceria por 44% a 32%. O Datafolha também calculou que o ex-presidente poderia ser derrotado se o oponente no segundo turno for José Serra, por 35% a 40%, Aécio Neves, por 38% a 36% e, até mesmo, Geraldo Alckmin, por 38% a 36%.
 
O instituto de pesquisa avaliou, no entanto, que ainda é cedo para determinar os contornos da corrida presidencial em 2018, isso porque um a cada quatro eleitores entrevistados não definiram seus candidatos sendo que boa parte afirmou que se as eleições fossem hoje votaria branco ou nulo.
 
 
 
FERNANDO CANZIAN
DE SÃO PAULO
 
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) lidera as pesquisas de intenção de voto do Datafolha para o primeiro turno da eleição presidencial de 2018.
 
O petista não garante, no entanto, a vitória em um eventual segundo turno e poderia ser derrotado pela ex-senadora Marina Silva (Rede) ou pelo ministro das Relações Exteriores, José Serra (PSDB).
 
Após dividir a preferência do eleitorado com Marina nos últimos levantamentos para o primeiro turno, Lula oscilou positivamente e abriu vantagem sobre a potencial adversária, que caiu.
 
Já os possíveis candidatos do PSDB consultados no levantamento (José Serra, Aécio Neves e Geraldo Alckmin ) oscilaram negativamente ou mantiveram patamares anteriores, o que favoreceu Lula.
 
Em um eventual segundo turno entre Lula e Marina, a ex-senadora venceria o petista por 44% a 32%. Lula também seria derrotado, por 35% a 40%, se o candidato no segundo turno fosse Serra, considerando a margem de erro do levantamento, de dois pontos percentuais para mais ou para menos.
 
No geral, porém, o quadro eleitoral para 2018 permanece muito indefinido: cerca de um quarto dos eleitores (independentemente do cenário) dizem que, no primeiro turno, votariam em branco ou nulo ou não quiseram opinar sobre suas preferências.
 
CENÁRIOS
 
No cenário de primeiro turno em que Aécio é testado como candidato do PSDB, Lula aparece com 22%, Marina com 17% e o tucano com 14%.
 
No mesmo cenário vêm depois Jair Bolsonaro (PSC) com 7%, Ciro Gomes (PDT) com 5%, Michel Temer (PMDB) com 5%, Luciana Genro (PSOL) com 2% e Ronaldo Caiado (DEM) empatado com Eduardo Jorge (PV) com 1%.
 
Nessa mesma simulação, brancos e nulos somam 18%, e 7% não opinaram. Nenhum dos candidatos supera, portanto, a soma de brancos, nulos e indecisos (25%).
 
Aécio Neves , que disputou a eleição presidencial de 2014 com Dilma Rousseff, tem hoje metade das intenções de voto que detinha em dezembro de 2015, quando aparecia com 27%.
 
Entre os demais tucanos, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, aparece hoje com 8% (tinha 14% em dezembro) e José Serra com 11% (detinha 15% em fevereiro).
 
Do final de 2015 para cá, Marina Silva perdeu mais pontos nos cenários em que os candidatos tucanos são Alckmin ou Serra. Com Aécio, ela se manteve praticamente no mesmo patamar.
 
A pesquisa mostra que Lula mantém um desempenho eleitoral acima da média entre os mais pobres e menos escolarizados, e que é ultrapassado pelos adversários conforme o avanço da renda e do nível de escolaridade.
 
Mas o petista, que é investigado pela Polícia Federal (assim como seu partido), segue como o candidato mais rejeitado entre os eleitores: 46% dizem que não votariam nele de jeito nenhum. Ele nega irregularidades.
 
Aécio, que na simulação de segundo turno está em situação de empate técnico com o Lula, é alvo de dois inquéritos no Supremo Tribunal Federal.
 
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Boulos diminui diferença de Covas em São Paulo, segundo Datafolha

29 comentários

  1. Pesquisa para enganar coxinhas e trouxinhas, é o que mostra FB

    Datafolha: sumiram os 60% que queriam novas eleições. E surge o “Fora Quem?”

    POR  · 17/07/2016, no Tijolaço

     

    O último parágrafo da matéria da Folha sobre a pesquisa de popularidade de Michel Temer é, para mim, o mais importante:

    Um dado que chama a atenção é que um em cada três brasileiros (33%) não sabe o nome do atual ocupante do cargo da Presidência da República. Questionados, 65% respondem corretamente que Michel Temer é o ocupante do cargo. Outros 2% citaram nomes errados.

    Dois meses no poder, mais ainda na mídia massacrante, só distribuindo “bondades” e, ainda por cima, sendo o portador da “recuperação da economia” que acontece – não vem ao caso – apenas nas páginas de jornal e um terço dos brasileiros não sabe quem é?

    Dou um doce para quem descobrir qual a renda e a localização deste terço que não sabe quem é Sua Excelência. Desconfio que sejam segmentos sociais e geográficos que tenham em boa conta um certo  senhor barbudo.

    Diante disso, como considerar avaliações do “Governo Temer” que somam 87% de opinantes?

    As respostas ruim/péssimo e ótimo/bom referem-se aos dois terços que sabem que ele é o presidente da República?

    Ou podemos imaginar que um terço dos brasileiros pudesse estar gritando “Fora, Fora, Fora Quem, mesmo?”

    E que fim levaram os 60% que em abril defendiam novas eleições? Foram abduzidos e só restaram 7%, soma dos 3% que as defendem e dos 4% de nenhum dos dois ?

    Legitimidade de governo não vem de pesquisas de opinião, mas de eleições. E das livres, onde possa haver discussão e identificação de quem é o quê.

    E a única eleição que Temer disputará para tornar-se presidente legal – mas não legítimo – do Brasil é a do final de agosto, no Senado, com apenas 81 eleitores.

    Aí, sim, começará seu governo real, e neste, não há Datafolha que segure os efeitos do pacote de maldades.

     

  2. rs…………..são como chiclete da folha

    Aécio, Serra e Marina………………………………….de novo estas merdas?

    mastigam, mastigam, mas eles não grudam de jeito nenhum onde é mais interessa, nas urnas

  3. Acredito que Lula venceria

    Acredito que Lula venceria com relativa facilidade. Ele só não está ainda melhor nas pesquisas porque ele não tem falado. Em 20 minutos de entrevista coletiva lá quando o Moro sequestrou-o, ele já tinha subido nas pesquisas, imagina falando diariamente e tendo espaço. E eu acho também que se iniciaria uma onda em favor a ele, pelo país todo, e essa onda seria difícil de refrear. 

    Que a elite brasileira não se engane. Lula não é a Dilma. Lula terminou o mandato com 80% de aprovação, fez mudanças importantes que estão na memória daqueles mais pobres e essa população está de olho nas injustiças que estão cometendo contra ele. O dado que eu considero mais positivo é o de que Lula cresceu bastante depois de ter apanhado muito, o que mostra uma adesão por conta de uma percepção de que isso é uma injustiça e perseguição. 

  4. Para a Veja, Lula está “acabado”

    O esforço da Folha em melhorar a situação de Temer e piorar a de Lula no último DataFolha. Por Paulo Nogueira

           Postado em 17 Jul 2016por :  no Diário do Centro do Mundol 

    No Nordeste, trabalhando, já em campanha

    É notável o contorcionismo da Folha para artificialmente piorar os resultados de Lula e Dilma no último Datafolha e melhorar os de Temer.

    É uma manobra clássica de engana-trouxas. Escrevi trouxas porque é assim que a Folha parece tratar seus leitores.

    Comecemos por Dilma e Temer.

    O título do texto que mede o atual governo é: 50% dos brasileiros querem Temer no lugar de Dilma.

    Ora, ora, ora.

    E os demais 50%? O título poderia ser: “Metade dos brasileiros não quer Temer”. Ou, num esforço de imparcialidade: “O Brasil dividido entre a permanência ou não de Temer”.

    Você tem que ter cuidado ao ler mesmo pesquisas na mídia. Os números são dispostos de forma a atender aos interesses dos donos, e os textos que os acompanham vão na mesma linha.

    Por exemplo: o artigo sobre o tema acima trazia também a avaliação de Temer. É um número tétrico para Temer: apenas 14% acham seu governo bom ou ótimo.

    A Folha escondeu isso no meio do texto. E ainda colocou o seguinte: era o mesmo resultado de Dilma em sua última avaliação como presidente.

    Mas um momento.

    Dilma vinha de um massacre cotidiano da imprensa, da oposição parlamentar liderada por Aécio e Cunha, da Lava Jato, de Moro — enfim, de todas as forças reacionárias e golpistas.

    Temer não: é protegido pela mídia, e preservado por Moro e pela Lava Jato. Mais que tudo: ele está no governo há pouco tempo, o que faz toda a diferença.

    O padrão é: altas avaliações populares no início das administrações e baixas avaliações no final. Temer conseguiu inverter o padrão consagrado. É rejeitado desde o ponto zero.

    Nada dessas ponderações a Folha fez. Mas o fato é que os 14% de aprovação enfraquecem substancialmente Temer. Numa palavra, ele não pegou. Não decolou. E nem vai melhorar: o tempo só piora as avaliações aos olhos da sociedade.

    O mesmo esforço da Folha para transformar dados se viu em relação a Lula.

    O extraordinário é: com toda a pancadaria que vem levando, Lula aparece na liderança isolada nas intenções de votos em todos os cenários.

    Outros dados notáveis: Aécio perdeu metade das intenções em menos de um ano. De 27% apurados em dezembro de 2015, caiu para 14% agora.

    Todos os líderes tucanos perderam consideravelmente terreno, o que mostra o desgaste que lhes vem custando a campanha golpista frenética. Os eleitores moderados do PSDB já perderam a paciência com a guinada à direita do partido.

    Mas como a Folha apresenta o desempenho de Lula? Com um “mas”, para desqualificar um desempenho impressionante. “Mas” no segundo turno — e lá vem. Não chegamos perto sequer do primeiro turno, e é no segundo que a Folha lança luzes para fingir que Lula não é o destaque absoluto deste último DataFolha.

    Faz-se barulho também com a rejeição de Lula: 46%. Mas atenção: no último DataFolha ela era de 57%. Isso quer dizer: mesmo com toda a perseguição da mídia e de Moro a rejeição de Lula baixou 11 pontos percentuais. Ou quase 20%.

    O que deve acontecer, caso Lula seja candidato, quando ele falar nos programas eleitorais e quando jornais e revistas tiverem que publicar não apenas acusações, como é hoje?

    Não é difícil imaginar.

    Mas a mídia parece viver num universo paralelo. Neste final de semana, ao mesmo tempo em que o DataFolha dava a ascensão de Lula, a Veja fazia uma reportagem especial que trazia uma ficção extremamente ao gosto da revista. Nela, Lula estaria abatido, sem força política, num terrível ocaso.

    Ora, ora, ora.

    O leitor inocente da Veja não conseguirá entender como alguém tão por baixo aparece em primeiro no DataFolha. E repito: sob ataque incessante.

    Ao mesmo tempo em que a Folha e a Veja armavam seus textos sobre o cenário político, Lula estava no Nordeste falando com gente, misturado ao povo, como gosta, em plena campanha.

    É assim que ele desde já é o franco favorito para 2018 — quer a Folha e a Veja, para não falar da Globo, queiram.

     

    • O portal mais coxinha do

      O portal mais coxinha do Brasil é o G1 e lá hoje o temer não estava ganhando não. Só fora temer prá todo lado.A história  do ministro dizendo que pobre  inventa doença para passear no SUS parece ter deixado o pessoal realmente bravo.

  5. A Grupo Folha já está em

    A Grupo Folha já está em campanha. Nada melhor que o de sempre:a instrumentalização de pesquisas para contar a verdade dizendo mentiras ou dizer mentiras com algumas verdades entremeadas. 

    No que se refere a Lula, é claro que na metáfora do copo cheio-vazio ela sempre optará por este ultimo. Que o ex-presidente terá dificuldades inauditas isso não será nenhuma novidade. Afinal, estamos nos referindo a figura política mais perseguida e vigiada da nossa história. 

    Assim, pelo lado do copo cheio o certo é que ainda é o candidato mais forte apesar dos pesares. Isso é que causa tanta desespero a seus adversários, a começar pelo consórcio midiático. 

  6. Lula ganha.
    Se não prenderem o Lula ele ganha em 2018. Perder pra Marina, pro Aécio, pro Serra no segundo turno. Duvido. Fala sério Lula é muito superior, até a Dilma travadona ganhou desses aí. A pesquisa prova que Lula é muito forte e favorito para 2018, é por isso a perseguição do judiciário tucano.

  7. acredito que 2018 terá um “vai que” trazendo enorme novidade…

    na base do deixar acontecer para que eleitores sérios vejam como e o que eles são realmente

    voltando de lá, passamos por melhores momentos para novidades

    é como já coloquei pro AA………………….não é por não ter acesso que o outro lado deixa de existir

    assim fosse, o que seria dos aventureiros e dos desbravadores dos mundos líquidos e sólidos

    não existiriam na História

    nem o mundo

    • e dos peregrinos também…

      o que seria deles, peregrino?

      pois é! qualquer corda seria de gelo

      qualquer abismo, a realidade…………………………pouco importa como se o outro lado está lá onde precisamos chegar

  8. Com a iminência da derrubada

    Com a iminência da derrubada do golpe no Senado com a promessa de Plebiscito a ser proposto por Dilma, nada mais normal para os golpistas que divulgar “pesquisas sérias” sobre o cenário eleitoral e com Lula “caindo”. Não existe coincidência nos golpistas, essa pesquisa serve de ração para os seus manipulados. Vamos à luta companheiros, fora Temer !!

  9. Para Requião, a Dilma volta

    Requião: Dilma com plebiscito tem 40 votos!

    Bye-bye, Traíra! ublicado 17/07/2016

    O Conversa Afiada reproduz post do Blog do Esmael:

    Requião assegura que “não vai ter golpe no Senado” e contabiliza 40 votos contrários ao impeachment

    O senador Roberto Requião (PMDB-PR), um dos coordenadores da vota de Dilma Rousseff, garante que já são 40 senadores contrários ao afastamento definitivo da presidente da República. A animação do parlamentar é procedida de uma sentença lacônica: “Já está resolvido: não vai ter golpe no Senado!”.

    Para arquivar o processo de impeachment no Senado são necessários apenas 27 votos, ou seja, um terço dos 81 senadores (para aprovar o golpe são necessários dois terços, ou 54 votos).

    A afirmação do senador peemedebista “coincide” com números desesperados do Datafolha, divulgados às pressas neste fim de semana, tentando salvar o interino Michel Temer (PMDB) e induzir senadores ao erro.

    A pesquisa em tela é tão tosca ao ponto de assegurar que os brasileiros são favoráveis à política econômica de Temer, isto é, do desemprego crescente e do possível aumento da jornada para 80 horas semanais aos trabalhadores (sic).

    Enfim, o Datafolha tortura os números para chegar a uma realidade que não existe no país.

    “A experiência interina foi ruim. Vamos recomeçar, Dilma volta, apoia plebiscito e a decisão será do povo brasileiro. Questão de dignidade!”, exemplificou Requião.

    Em seu Twitter, o senador do PMDB mostra o que podem ser os verdeiros números sobre a rejeição do interino Michel Temer. Nada mais nada menos que 87% responderam favoravelmente ao retorno da presidente eleita em enquete do parlamentar.

    “Não vai ter golpe no Senado por que não teve crime de responsabilidade da presidente Dilma, segundo o Ministério Público Federal. Portanto, prevalece o princípio da legalidade nullum crimen nulla poena sine lege, que é cláusula pétrea da Constituição Federal de 1988″, disse Requião.

     

  10. Um pouco de analise e menos

    Um pouco de analise e menos torcida, por favor. Não há hoje nenhuma condição de fazer previsões para 2018. O céu

    está escuro, não dá para ver nada, Lula está eleito? A partir de que? Nas eleições de 2002,2006, 2010 e 2014 havia uma aliança com o PMDB que não mais se reptiriá, um amplo apoio de grandes empresas que tampouco existirá, a campanha terá outro tom e enredo, mudaram completamente as coligações de forças politicas e economicas que antes existiram,

    a base economica de prosperidade que calçou a votação de 2006 e 2010 e com dificuldades a de 2014 tampouco terá repetição em 2018, a memoria do ultimo governo do PT, o de 2014, é de uma mega crise e recessão, com quais fatores positivas Lula vai alavancar sua candidatura?  De onde sairá seu vice?

    Um diagnostico realista é fundamental para traçar a estrategia de uma campanha, torcida só não basta.

    • Concordo com o que você disse, mas…

      Concordo com tudo  que você disse, principalmente que é fundamental um diagnóstico realista e que torcida só não basta, mas…

      Não tem como não notar que no meio do fogo cruzado violento, sem limites e sem trégua que estamos vivendo, Lula está na frente nas pesquisas, incluindo as de institutos partidários e fraudulentos como o DataFolha.

      É um erro o triunfalismo, mas erra ainda mais quem não considera esse fato contundente.

      Muita água vai passar embaixo da ponte até 2018, inclusive se o GOLPE realmente prosperar é muito provável que os GOLPISTAS tentem recrudescer a ditadura e cancelar as eleições. Assim como pode haver um desmoronamento espetacular do castelo de cartas golpista, com consequências funestas para a cambada de ladrões que se apossou do poder. Tudo pode acontecer.

      De FATO temos que apesar de estarem usando toda a artilharia de uma vez, madando às favas todos os escrúpulos e queimando os cartuchos todos como se não houvesse amanhã, LULA segue na frente nas pesquisas que eles mesmos fazem.

      Não é garantia de vitória, de jeito nenhum e é bom que se mantenha a cabeça no lugar com observações de bom senso como as que estão em seu comentário.  Mas também não é um fato insignificante, muito antes pelo contrário.

    • Nenhuma pesquisa elege candidato.
      Avaliação realista da pesquisa André Araújo. Essa pesquisa é foto do momento e encima dela eu digo que Lula ganha. Todas as dificuldades que coloca para Lula são corretas, só que os outros candidatos também as tem. Será uma eleição diferente. O país destroçado, crise. Quem pode tirar a nação do buraco? No voto Lula é favorito. Mas acho dificil deixarem ele sair candidato.

  11. Eu já escrevi aqui e em outros

    blogs que o PT viraria um partido nanico. Mas eu fui muito otmista. O PT vai é ser massacrado pela direita fascista. Quero ser mais do que claro: eu dou consultoria ao Lulinha paz e amor (o republicano) e ao PT de graça do que vai ser daqui para frente. Antes eu não tinha dito isso para passar uma impressão de esnobe, mas vejo que agora é preciso para que  fique registrado  tudo que eu escrevi até agora e podem fazer uma pesquisa do que escrevi até agora nos últimos anos.

     

  12. Nenhum representante da

    Nenhum representante da direita que estão aí ganham eleições, muitos perderam votos até entre os coxinhas, é o caso do Aécio.

    Se não prenderem o Lula ou inviabiliza-lo para 2018, não tenho dúvida que a direita vai lançar um candidato do meio jurídico.

    Já se falou em Janot, Moro e por último Deltan Dallagnol.

    Talvez com esses nomes o Lula tenha dificuldade porque esses candidatos representam o “novo”, representam o famoso caçador de marajá.

    Agora, quem acredita que a Marina tem condições de bater o Lula no 2° turno, acredita e jura que o Temer é honesto.

  13.  DAdo os ataques infames e


     DAdo os ataques infames e recorrentes que sofreu e ainda sofre diuturnamente,

    considero quase uim miçlagre o lula ainda aparrecer em qualquer pesquisa….

  14. Hoje e em 2018

    Hoje, ou melhor, há alguns anos, desde que saiu da Presidência, Lula vem sendo atacado 24 horas por dia e os sete dias da semana pela mídia oligopolizada. Representantes da plutocracia, em órgãos públicos que deveriam ser isentos, têm colaborado com a campanha difamatória, insistindo em ilações e na criação de factóides, visando a denegrir a imagem do ex-presidente. Lula, por seu turno, é totalmente censurado na mídia que o persegue, que não lhe dá oportunidade de se comunicar com o grande público. Daí, a meu ver, a “rejeição”, em maioria percentual composta de “midiotas”. Mesmo assim, é o único suposto candidato que cresce. Em campanha, quando não é possível a censura, não há quem o suplante. Pode, a meu ver, ganhar até no primeiro turno. Para isso, a condição sine qua non é que os tribunais cumpram a sua obrigação, ou seja, façam a lei ser respeitada, impedindo condenações sem prova, última tentativa da plutocracia.

  15. Quantos meses faltam para o gangster Aecio ser preso?
    Se estivéssemos em um país mais sério estaríamos pesquisando quantos meses faltam para o gangster criminoso Aecio ser preso.

  16. Não dá

    para acreditar na seriedade dessas pesquisas, pensar que Aécio e Serra conseguiriam ultrapassar o Lula é muito ácido para minha cabeça. Vá lá que com a Marina fique apertado mas mesmo assim tenho minhas dúvidas.

    É impressionante o quanto se tenta tirar a qualquer custo o Lula do jogo!!!!!! Realmente está ficando difícel sequer ler jornal pois é algo tão parcial que já nem considero mais nem os comentários de economia intenacional…. falta de credibilidade.

  17. Incrível!

    É incrível que depois de meses e meses de massacre midiático incessante – 24 horas por dia, sete dias por semana e sem direito de defesa, a não ser por meio de notas lidas parcialmente – Lula apareça EM PRIMEIRO LUGAR na pesquisa Datafolha.

    É incrível que, pro 2º turno, Lula EMPATE (tecnicamente) com Aécio e Alkmin, fique a apenas 5 pontos de Serra e perca tão somente pra Marina, a desaparecida, totalmente poupada no (já esquecido pela midia) escândalo da Operação Turbulência, que até suicídios suspeitos envolveu.

    E mesmo essa vantagem de Marina poderia ser revertida com o programa do horário eleitoral, debates etc. Porque o cara teria o direito de falar, de defender seu legado – e, convenhamos, o que Lula fez na presidência não foi pouco (coisa que André Araújo parece ignorar em seu comentário, quando pergunta “com quais fatores positivos Lula vai alavancar sua candidatura”). 

    Agora, o mais incrível de tudo é o GGN encampar a “análise” da Folha e desonestamente colocar como derrota o que é empate técnico: “O Datafolha também calculou que o ex-presidente poderia ser derrotado se o oponente no segundo turno for (…) Aécio Neves, por 38% a 36% e, até mesmo, Geraldo Alckmin, por 38% a 36%.”

    Umas aulinhas de análise dessa pesquisa pro GGN:

    http://www.viomundo.com.br/politica/jeferson-miola-crime-do-lula-e-liderar-pesquisas-eleitorais.html

    http://www.diariodocentrodomundo.com.br/o-esforco-da-folha-em-melhorar-a-situacao-de-temer-e-piorar-a-de-lula-no-ultimo-datafolha-por-paulo-nogueira/

    http://www.conversaafiada.com.br/politica/lava-jato-atica-a-tiragem-na-cacada-a-lula

    Não tô dizendo que vai ser fácil não. Mas encampar a tentativa da Folha de pintar como ruim a boa performance de Lula é burrice ou má-fé.

  18. Então, o que justifica o

    Então, o que justifica o PAVOR que ele desperta em seus adversários que, inclusive, cooptaram até o Judiciário para tentar impedi-lo de PERDER?

  19. Lula já ganhou

    Lula já ganhou, ele só perde se não houver debate eleitoral ou campanha midiática ou s efor preso

    Não há ninguém com um discurso melho que o Lula, a Dilma conseguiu aganhar só com a presença dele..

  20. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome