Pesquisa do Datafolha “some” com eleitores pobres, revela blog

Sugestão de Flávio Luiz Sartori

Jornal GGN – Na base amostral da pesquisa do Datafolha, que apontou, recentemente, uma queda de 30% na aprovação da presidenta Dilma Rousseff, foi possível notar que a distribuição do eleitorado é totalmente diferente da distribuição do eleitorado brasileiro, segundo dados oficiais do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), revelou o blog Tijolaço na quarta-feira (3). 

A distribuição por amostragem usada pelo Datafolha – disponível no site do instituto – revela que foi entrevistado um eleitorado com um perfil de grau mais elevado de instrução do que o que existe de fato, reduzindo o nível de aprovação da presidenta que, como diversos institutos concordam, obtém melhores resultados entre pessoas mais pobres e com menor grau de instrução.

Segundo o TSE, os eleitores brasileiros com, no máximo, ensino fundamental, representam 57,8% do total. Já para o Datafolha, eles representam apenas 41% desse universo. Uma diferença de 16% dos 140 milhões de eleitores, equivalente a 23 milhões de brasileiros subitamente escolarizados pelo Datafolha.  

Os eleitores de ensino médio, completo ou incompleto, afirma o tribunal, são 34,7% do eleitorado. No Datafolha, 42%.

E os de ensino superior, completo ou incompleto, representam, nos números oficiais, 7,8% do total. Na base de dados do Datafolha, representam mais do que o dobro, ou 17%.

Isso na base total. Na ponderada, que é usada para fazer os cálculos percentuais, a distorção é ainda maior. Com essa base, chega-se a 38,4% dos eleitores de nível fundamental e 19,8%, de superior.

Leia também:  Sentenças de Sergio Moro na Lava Jato foram mais rápidas antes do impeachment de Dilma

A pesquisa anterior do instituto, que mostrava uma queda de 8 pontos, tinha 45% de eleitores com grau fundamental ou menor, 40% com ensino médio e 15% com ensino superior.

Como as informações do TSE podem ter algumas distorções, por conterem dados do momento do cadastro ou do recadastramento eleitoral – assim como as pesquisas de rua que tendem a apresentar a natural distorção da autodeclaração de escolaridade, os números não batem.

Segundo o Tijolaço, o TSE deveria esclarecer à opinião pública se é possível divulgar maciçamente pesquisas feitas com uma base de dados totalmente diferente daquela que o Tribunal considera correta.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. É fraude baseada em pesquisa no universo dos que estavam na rua

    Não é muito difícilo perceber que os supostos pesquisadores (se é que houve) foram seguir a multidão que saiu às ruas para protestar. Além disso, fica claro a fraude padrão Fifa. Com este tipo de pesquisa propaganda política ao agrado dos donos do Instituto, a pouca credibilidade das pesquisas do Datafolha vai para o beleleu!

  2. REALMENTE É FATO, QUANTO

    REALMENTE É FATO, QUANTO MAIOR A ESCOLARIDADE MAIOR A DESAPROVAÇÃO AO PT. POR ISSO O PT INVESTE NA NÃO-ESCOLARIDADE DO POVO!!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome