Dilma vai alterar modelo centralizador de governo no 2º mandato, avalia ministro

Em entrevista exclusiva ao GGN, Miguel Rossetto disse que a presidente entendeu o significado da vitória apertada contra o PSDB de Aécio Neves

Jornal GGN – Criticada pelo modelo centralizador de governo, a presidente Dilma Rousseff (PT), reeleita no dia 26 de outubro, deve corrigir esse hábito e ampliar o diálogo político e social na condução do segundo mandato, a partir de 2015. É essa a avaliação do ministro do Desenvolvimento Agrário Miguel Rossetto, que estava licenciado até o início de novembro para atuar na campanha petista.

Em entrevista exclusiva ao GGN, Rossetto afirmou que Dilma tem uma compreensão clara do que significou a vitória apertada contra o candidato do PSDB, Aécio Neves – o placar ficou em 51% a 48% – e também do desejo de mudança manifestado pela sociedade nas ruas, desde junho de 2013.

De acordo com o ministro, Dilma vai “Construir a agenda [de mudança] a partir de sua liderança, sua iniciativa, sua inteira responsabilidade, mas em um ambiente de amplo processo de diálogo político e social. É melhor quando governamos assim. É mais transparente e a possibilidade de acertar é maior.”

“A presidente fala nisso com muita força. Ela sai com enorme autoridade política do processo eleitoral. Me parece que fala com uma compreensão clara do que significou o processo para o País, e faz um chamamento forte em dois sentidos: primeiro, para a agenda de futuro claramente adotada pelo povo brasileiro, com mudanças a partir de valores que apareceram na campanha – emprego, salário, renda, igualdade, combate a qualquer tipo de violência, Brasil mais igual e solidário. É essa agenda que ela vai perseguir. A reforma política é outra, porque não é possível mais esse controle econômico da democracia, que exclui, assim como a pauta”, exemplificou. O “segundo sentido” é justamente a abertura de diálogo, prometido pela petista já no discurso de vitória.

Leia também:  Discurso de Dilma na Sorbonne, em Paris

Imediatamente após a reeleição, Dilma fez um chamamento à Nação pela união em torno da paz e das agendas progressistas. Segundo ela, não há motivos para perpetuar a polarização política e programática assistida durante a disputa eleitoral, uma das mais difíceis da história. E, na visão de Rossetto, a fala da presidente foi “extraordinária”. “As eleição acabaram, há um resultado claro e uma agenda nova foi aprovada e está em construção no nosso País.”

Ainda em sua avaliação, tende a refluir, com o tempo, os casos de intolerância e preconceitos, as manifestações de ódio e os pedidos separatistas, frutos dos pensamentos de direita radical, contrários à vitória de Dilma.

Ouça abaixo a entrevista completa, cedida ao jornalista Luis Nassif logo após o fim da eleição.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

22 comentários

  1. Diálogo político e social não basta

    Precisa delegar tarefas, descentralizar decisões e confiar na equipe! Presidente da República não é cargo técnico, como sempre quer fazer crer a Direita/Oposição, com seus discursos de “o mais preparado”, e sim político-representativo! 

  2. Meio tarde

    Agora, porque não fez isso antes? Vai para o segundo mandato com uma base parlamentar fragilizada, com respaldo bem menor da sociedade, em comparação aos quatro anos anteriores, com uma margem para erros administrativos quase inexistente.

    Dependendo de como se portar o PMDB, Dilma corre o risco de se tornar um Pato Manco, já no começo do próximo governo.

  3. Sargentão

    Dois primos da minha advogada na área imobiliária, que são funcionários concursados operando em Brasília, dizem que a Dona Dilma é “um osso duro de roer…”.

    Os dois espiões asseguram que, quando ela passa pelos corredores do Palácio do Governo, os apavorados serviçais “só faltam bater continência”.

    No problem: eu também bato continência prá ela (antes que me expulsem do blog).

    Fui!

  4. fla x flu também no andar de cima

    Nassif,

    Até este exato momento, o ministro apenas torce, faz do assunto um fla x flu, o que não deixa de ser uma burrice.

    Independentemente da opinião imprudente, todos os interessados na pauta política perceberão os movimentos de DRousseff neste segundo mandato- as indicações para a ocupação de ministérios, a decisão pela Lei dos Meios, as atitudes para botar na rua uma reforma política decente, as medidas e leis para enquadrar corrompidos e corruptores, as concessões para a infraestrutura, etc…

    O ministro deveria aproveitar o embalo e chutar um palpite para cada uma destas medidas acima.

  5. Implementar a PNPS

    Todos sabem (ou deveriam saber) que as manifestações de junho/julho do ano passado foram induzidas – primeiro por movimentos ligados a uma esquerda que também deseja chegar ao poder e utiliza métodos subterrâneos, depois pela própria direita e seus inúmeros veículos e meios. Essa esquerda não quer muito diálogo porque prefere se colocar como uma alternativa ao PT supostamente mais à esquerda (embora não explique como governaria e quais as propostas concretas) e a direita tampouco. Dilma tem que dialogar com os petistas e o centro que a apoiou mesmo não sendo petista e com os que ficaram indecisos a maior parte do tempo. Esses poderiam apoiar um governo participativo.

    Visitem o bloguinho: http://salafehrio.blogspot.com.br

  6. Uma coisa será se ela irá

    Uma coisa será se ela irá querer indicar o próximo, quiçá Merdadante, e portanto, deixar Lula de fora como já fez, ou o contrário.

  7. Repetindo…

    Usa as redes sociais e crie um blog do Planalto, com pessoas sendo cadastradas e identificadas com nome, CPF, RG e foto. Para assim prover a participação da população nas decisões do governo. Este blog será de acesso direto da presidenta e assessores, o segundo fazendo seleção das idéias e encaminhando a presidenta. Este blog pode criar fóruns, dar acesso as ações da presidenta em tempo real. 

    As interações nas redes sociais são infinitas…

  8. A presidenta Dilma deveria

    A presidenta Dilma deveria dar uma entrevista para o Nassif e nesta entrevista anunciar o novo ministério. É o mínimo que a presidenta deveria fazer em sinal de agradecimento ao blogueiro LN, um dos principais responsáveis pela sua vitória, não deixando de destacar os blogueiros Paulo Henrique Amorim, Azenha, Rodrigo Vianna, entre outros.

    • Menos

      O bandolineiro Nassa ainda não é um pequeno e nem um Grande Molusco

      Ervas, simpatias, banho de arruda, mandinga, patuás, despacho e catimbó

      Outros bolas-cheias, como o Paulo Henrique Amorim, o Azenha e o Rodrigo Vianna tão aí, na atividade, rezando a Missa para os padres sacibernéticos.

      Palmas prá eles, mas o novo Ministério Dilma deveria ser, antecipadamente, mostrado para todos os simpatizantes, militantes, delirantes e comediantes frustados, prá receber um caprichado banho de arruda e, deste modo, descarregar as energias maléficas e tirar a ziquizira braba que taí…

      SA = Força, Senhor

      RA = Reinar, Movimento

      VÁ = Natureza, Energia

  9. Horoscopo de Hoje:
    A

    Horoscopo de Hoje:

    A presidente escarlate tenderah a ser mais aberta nas suas relacoes e nas tomadas de decisao e, em futuro proximo, serah criticada por falta de personalidade, inclusive aqui neste espaco. Eh a natureza humana.

  10. o diálogo tende a resgatar a

    o diálogo tende a resgatar a esperança popular e

    afastar a intolerancia insensatra de alguns grupos elitistas do nosso país.

    excelente entrevista.

    só falta a dilma dar uma exclusiva para os blogueiros.

  11. Estou otimista quanto ao 2º governo da presidenta Dilma

    Estou otimista quanto ao 2º governo da presidenta Dilma. Caso ela consiga manter o entusiasmo dos seus eleitores que saíram às ruas pela sua reeleição, talvez consiga se impor diante do fisiológico Congresso Nacional. Tanto ela quanto Lula possuem um magnetismo suficiente para fazer com que o povo brasileiro saiam às ruas.

    Após o 2º turno dessas eleições, o nível de consciência política da população aumentou significativamente. Agora é preciso manter o ritmo desses debates em torno de pautas que mobilizem a sociedade. No caso da reforma política a contribuição que Dilma poderia oferecer é participar de eventos das entidades que lutam pela constituinte exclusiva da reforma política.

    Outro instrumento interessante são as conferências sobre temas sensíveis, que no governo Dilma perderam destaque. No caso do marco regulatório dos meios de comunicação as conferência são um instrumento importante para a sociedade e governo articular ações conjuntas.

  12. Vendo estas notícias, vem-me

    Vendo estas notícias, vem-me uma dúvida: caso Aécio vencesse com 1% de vantagem, alguém estaria dizendo que ele deveria governaro com o projeto da Dilma, pois a eleição foi apertada?

    Ou ele teria vencido e faria o governo dele e do partido dele?

    Esta conversa está chata.

  13. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome