Eleições 2020: partidos buscam candidatos evangélicos e policiais

Segmentos que aumentaram sua representação no Congresso Nacional viram alvo de legendas para as disputas municipais

Parlamentares da bancada evangélica em momento de oração na Câmara dos Deputados - SAULO CRUZ/AGÊNCIA CÂMARA

São Paulo – Surfando na onda que se fortaleceu em 2018, quando temas ligados à moral religiosa e à segurança pública foram muito explorados durante a campanha eleitoral, partidos políticos pretendem recrutar líderes evangélicos e policiais para disputar prefeituras em todo o Brasil.

“Com cerca de 20% do Congresso evangélico, será natural o crescimento dessas candidaturas majoritárias na eleição municipal”, afirma em entrevista ao jornal Valor Econômico o deputado Silas Câmara (Republicanos), presidente da Frente Parlamentar Evangélica e pré-candidato à prefeitura de Manaus.

A reportagem cita levantamento feito pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) apontando o crescimento das duas bancadas nas últimas eleições. A Frente Parlamentar Evangélica ganhou nove deputados em 2018, chegando a 84 representantes. Já a chamada bancada da bala teve um crescimento ainda maior, com 26 novos integrantes, chegando a 61 parlamentares.

Entre os nomes cogitados para as principais cidades figuram o deputado federal Marco Feliciano (sem partido), em São Paulo, e o também deputado Otoni de Paula (PSC), no Rio de Janeiro, que disputaria o eleitorado evangélico com o atual prefeito e bispo da Igreja Universal Marcelo Crivella. Os dois nomes teriam o apoio de Jair Bolsonaro, que ainda tenta viabilizar o seu Aliança pelo Brasil a tempo de disputar as eleições.

Em relação à nova legenda, o presidente conta com o apoio da bancada evangélica, que em dezembro prometeu se mobilizar para obter os 491.967 nomes necessários para a fundação do partido. De seu lado, Bolsonaro tem procurado manter mais estreitas as relações já próximas com os parlamentares. O governo estuda a concessão de subsídio para a conta de luz de grandes templos religiosos, que pagam tarifas mais altas nos horários de maior consumo do dia a exemplo de estabelecimentos como shopping centers.

Leia também:  Xadrez da defesa da democracia nas eleições da Grande Vitória (ES)

O PSL é um dos partidos que deve apostar em nomes ligados à área de segurança pública. Em Curitiba, o deputado estadual Delegado Francischini está em segundo lugar nas pesquisas. Já em Manaus, o deputado federal Delegado Pablo (PSL-AM) é o postulante à prefeitura local, enquanto em Florianópolis a legenda deve lançar o comandante-geral da Polícia Militar de Santa Catarina Araújo Gomes.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

4 comentários

  1. Tudo bem. Faz parte do jogo eleitoral, e tá na cara que pra chamar votos, mas achar que é esse tipo de gente, tosca, despreparada, inculta e ignorante que vai resolver alguma coisa é sinal da total falência da sociedade.
    Se bem que tem lógica. Não pode ter destino melhor um país que despreza os livros, humilha os professores, odeia a cultura e no lugar exalta BBB, futebol, jogadores semi-analfabetos e quejandos. O negócio é apelar pra fé mesmo, porque de outro jeito não vai…

  2. Os pentecostais brasileiros, filosoficamente prezam pela teoria da prosperidade agora, para já. Politicamente se comportam fisiologicamente e estão com e nos governos há décadas e usam direta e indiretamente das concessões públicas de rádio e tv para aumentar seus rebanhos. Agora ocorre é que nadam nas ondas da área onde foram especialistas: a das comunicações. Por favor, não nos esqueçamos de que governos nas últimas 5 décadas contribuíram para isto, sejam com os festivais de concessões de rádios e tvs, sejam com facilitações e isenções e até participações em cargos. Não se eximem ai nem centro, nem esquerda e nem direita.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome