Marcos Coimbra: Aécio perde no 2º turno, mas sai fortalecido para 2018

Jornal GGN – Em entrevista exclusiva ao GGN na tarde deste domingo (5), o economista e fundador do instituto Vox Populi Marcos Coimbra avaliou que o cenário de segundo turno da eleição presidencial deve ser entre Aécio Neves (PSDB) e Dilma Rousseff (PT). Na visão de Coimbra, Aécio arremeterá mais de 40% dos votos válidos nessa segunda rodada nas urnas, mas assistirá à reeleição da candidata petista. Em contrapartida, Aécio fertilizará terreno para se apresentar mais forte na eleição de 2018.

A tese de Coimbra leva em conta uma pesquisa feita pelo Vox Populi em meados de setembro. Nela, a população brasileira aparece dividida entre simpatizantes do PT e um bloco anti-PT um pouco menor que o primeiro grupo, mas bastante consolidado.

Na visão de Coimbra, a sociedade assimila como portador oficial do discurso anti-petista o PSDB. Logo, Marina Silva não tem muito espaço nesse nicho. “Quem pega essa bandeira [de oposição oficial ao PT] é o PSDB. É um partido estruturado e reconhecido pela sociedade, que vem fazendo oposição ao PT desde que existe. Nós fizemos uma pesquisa qualitativa agora em setembro e as pessoas diziam nela que a oposição ao PT é o PSDB, não Marina Silva. A opinião pública percebe que existe PT e anti-PT, e esse anti-PT tem a corporificação no PSDB”, enfatizou.

Segundo ele, Aécio ainda tem uma vantagem sobre seu antecessor na disputa presidencial, José Serra (PSDB). “Serra atua na política na lógica da terra arrasada. Ou ganha ou nada resta no território no qual ele avançou. Ele vai destruindo tudo no seu percurso. Aécio não. Acho que, para 2018, Aécio sai muito fortalecido dessa eleição.”

Onda marinista

Segundo Marcos Coimbra, a queda de Marina nas pesquisas de opinião se deve à fragilidade da estratégia adotada pela própria pessebista. “A Marina está pagando, ao que tudo indica, o ônus do que era seu grande trunfo, que era ser uma pessoa reconhecida como de bem. Quanto mais ela se expôs e quis se apresentar como pessoa de bem, mais ela abriu para críticas no plano pessoal, onde é mais fácil de se criticar e desconstruir.”

A entrevista foi cedida ao jornalista Luis Nassif e está disponível abaixo, na íntegra.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

28 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Lucas Tomasi

- 2014-10-07 19:47:48

Porque a nossa dilma deveria ser reeleita neste segundo turno?

Voce que tanto fala da presidente DIlma, voce que nao sei porque tem tanta raiva do PT,voce sabe qual a presidente que mais mudou o Brasil?Isso mesmo é  a presidente DIlma Rousseff.#MAISMUDANÇAMAISFUTURO

Quem olha pro governo da presidenta vê que ela faz diferente, porque ela governa pra todo mundo. Junto com o presidente Lula, ela tirou mais de 36 milhões de pessoas da pobreza extrema.

Tem muito programa do governo mudando a vida do povo. É Bolsa FamíliaProUniMais Médicos,Pronatec... Uma revolução na distribuição de renda, acesso à educação e promoção da justiça sociaL.

Diante de tudo isso, a oposição já nem sabe o que faz, né? Fica perdida aí, querendo copiar todas as coisas boas que o governo petista fez.Quem olha pro governo vê que é diferente, viu

quem faz esse governo faz pra toda gente, viu

Com a Dilma Rousseff o Brasil ganha mais
Eu vou votar nela pra ela mudar mais 

Pré-salPronatecProUni e ProJovem
Mais MédicosBolsa Família e Fundeb
 

A oposição já não sabe o que faz
Com Dilma Rousseff o Brasil ganha mais
A oposição já não sabe o que faz
Eu vou votar nela pra ela mudar mais

O povo tem casa, estudo e trabalho
E hoje viaja pra cima e pra baixo
 

Minha Casa Minha VidaInfraestruturaBrasil Sem Miséria e Vale Cultura
Dilma presidenta da nossa nação, eu vou votar nela nessa eleição..

MUDA MAIS DILMA 13

NESTE SEGUNDO TURNO REFLEITA MUITO BEM SOBRE TUDO QUE DILMA FEZ PARA O BRASIL, PESQUSE E VOCE QUE TANTO CRITICA ESTA MULHER DE CORAÇAO VALENTE VAI VER QUE ELA E A MELHOR ESCOLHA PARA O BRASIL

#MAISMUDANÇAMAISFUTOS

#DILMA PRESIDENTA, MICHEL TEMER VICE...

VAMOS LA POVO BRASILEIRO DIA 26/10/2014 VOTE 13  PARA CONTINUAR E AVANÇAR , POIS O BRASIL ESTA NO RUMO CERTO.

"COM A FORÇA DO POVO"

Danilo pro

- 2014-10-06 21:33:14

Agora é tarde. O cavalo já

Agora é tarde. O cavalo já passou para o PT.

Lucas A.

- 2014-10-06 16:54:15

São totalmente parciais. São

São totalmente parciais. São líderes de torcida tentando motivar o time que já se sabe, perderá. 

A FORÇA QUE O BRASIL PRECISA, CHEGOU.

 

ADIOS COMPAÑEROS!

Flaviano Alves

- 2014-10-06 10:26:18

Concordo plenamente com você

Concordo plenamente com você Darcy, esta política de despolitização da sociedade levada adiante principalmente pela mídia em conjunto com os demais setores conservadores e reacinários da sociedade são um campo fértil para o golpismo. Vencendo ou não a eleição para presidente, o PT precisa mesmo se reinventar, o Lula tem que abandonar de vez a imagem do 'Lulinha Paz e Amor" para ser o guerreiro que sempre foi e a Dilma tem que se reconciliar que a jovem que resistiu àprisão e a tortura durante a ditadura.

 

Umberto Cerasoli Jr

- 2014-10-06 06:35:47

Balanço da Eleição

Análise pessoal dessa eleição. Sobre a ascensão do Aécio, que bateu nos inesperados 33,5% (quando as últimas pesquisas estimavam um desempenho de 27%), a matemática parece indicar que esse crescimento se deu por dois fatores: transferência de votos marinistas para o tucano já no primeiro turno (algo em torno de 3 a 4%) e atração de parte dos votos dos indecisos (algo também em torno de 3%) - somado esses dois movimentos a conta fecha, sendo que a tendência de atração de parte dos indecisos também explica a diferença de votos, para menos, que a candidatura Dilma apresentou nas urnas em relação a intenção de votos nas pesquisas. 
Agora, o que explica esse "fenômeno"??? Minha opinião é que esses dois movimentos se devem principalmente a onda pró-Aécio que a grande mídia criou nos últimos dias de campanha ressaltando de forma acintosa a "virada azul" nos gráficos das pesquisas eleitorais que deram credibilidade ao discurso marketeiro sobre a "fantástica" recuperação de Aécio Neves e o "abandono" da candidatura de Marina Silva, "ultrapassada" de forma "impressionante" no último instante da corrida! Sobre isso, é sabido que quando há dois candidatos disputando o mesmo eleitorado, na hora do vamos ver a população busca identificar quem está ascendendo na curva para melhor representá-la (afinal ninguém quer votar em quem vai perder). Em outras palavras, a mídia conseguiu vender para o eleitor marinista e para o eleitor pouco convicto a ideia de que a candidatura psdbista melhor representaria o anti-petismo nessas eleições. E isso colou, tanto que, sem esse jogo psicológico, acredito que teríamos hoje Marina Silva no segundo turno e não Aécio (sim, a mídia ainda faz muitas cabeças nesse país).
Essa minha teoria do Aécio ter sido reconhecido como o candidato "anti-petista" se apóia também na constatação de que foi justamente nos estados do Sudeste, reduto do movimento anti-petista, que o candidato mais cresceu na reta final do primeiro turno, notadamente em São Paulo a onde saiu de 22% das intenções de voto em 26 de setembro para conquistar 44% dos votos válidos. E, como SP sozinho representa 25% do eleitorado nacional, é possível afirmar também que foi o voto conservador e elitista paulista que derrubou Marina e levou Aécio para o segundo turno. 
Sobre o segundo turno, a sensação é que a disputa vai ser mais apertada do que se imaginava, voto a voto, já que uma parte do eleitorado indeciso se inclinou pró-Aécio, mas sabendo, também, que esse último tem menos espaço pra crescer uma vez que uma parte dos votos marinistas já migrou para ele.
Fora isso, minha impressão é que a composição do Parlamento e das Assembléias Legislativas ficaram mais conservadoras - se o discurso em torno das "liberdades" LGBT trouxe à cena o debate mais progressista, talvez tenha também potencializado a ascensão de candidatos com discursos de extrema-direita no legislativo.
Analisando o jogo dos partidos no Congresso, no Senado pouca coisa mudou (o PT e o PMDB perderam um senador, mas continuam as duas maiores forças da casa, enquanto o PSDB perdeu dois senadores e o PSB passou de 4 para 7). Na Câmara o PT perdeu 18 cadeiras, enquanto o PSDB ganhou 10, mas manteve-se como maior partido da casa, ao lado do PMDB. O DEM seguiu encolhendo e o PSOL passou de 3 para 5 representantes. Assim, a taxa de renovação de 46,39% da Câmara, aparentemente alta, não mudou a correlaçào de forças dos partidos (aumentando apenas a pulverização das cadeiras entre os partidos). 
Quanto aos governos estaduais, o PT perdeu força, tendo como conquista de peso apenas MG, mas com chance de recuperar parcialmente sua influência se seus candidatos se confirmarem no segundo turno. Mas o PSDB também se enfraqueceu e pode terminar mais fraco do que 2010, tendo sua pior derrota em MG (terra de Aécio, mas que deu vitória a Dilma e ao PT no governdo do estado). A grande exceção nesse quadro foi SP, estado em que o PSDB se fortaleceu ainda mais com a eleição de Serra e Alkimin - não por acaso foi em SP também onde a população mais se mostrou ressentida com o governo federal, sentimento, aliás, que nunca esteve tão forte desde 32. O PSDB paulista e sua coligação conseguiram também eleger uma assembléia bastante favorável ao partido, o que garantirá a Alkimin folga para continuar fazendo o que quiser com o estado por mais 4 anos, com ou sem falta de água. Mesma sorte não teve o PT em MG, a onde o PSDB e sua coligação perderam o governo, mas elegeram um considerável número de deputados estaduais (além do senador), o que, com certeza, criará grande dificuldade para Fernando Pimentel (governador eleito pelo PT) despontar como figura nacional e como nome de peso do partido para a sucessão de Dilma em 2018.
Já o troféu avacalhação da eleição dessa vez não foi para os paulistas (que não elegeram Tiririca com a mesma votação de 2010), mas sim para os cariocas que tiveram a façanha de eleger para o senado, na melhor metáfora de que eleição é como campeonato de futebol, Rooo-maaaaá-riiii-oo (que ainda deu um fragoroso chapéu em nada menos que o Sr. César Maia). 
Daqui até o fim dessa eleição, sorte a todos! E preparem-se para as próximas pesquisas mostrando o crescimento (muito provavelmente fictício) da curva-onda pró-Aécio e a queda de Dilma, numa tentativa de repetir no segundo turno o mesmo golpe midiático do primeiro. Escrúpulos a mídia não tem, isso já se sabe. E como não conhecemos qual o limite de manipulação do eleitorado para se saber se a história se repetirá dessa vez como tragédia ou como farsa, o resultado só mesmo em 25 de outubro quando as urnas se abrirem. Haja coração!

  

 

Maria Rita

- 2014-10-06 05:36:53

Olha, Naldo, estou convencida

Olha, Naldo, estou convencida que Aécio não perdeu em MG, quem perdeu por lá foi sua irmã, uma espécie de ghost governor. E quem foi para o 2o. turno com a Dilma não foi Aécio, foi a mídia. Se Aécio conseguir chegar e o risco é grande por conta de  fatores que ultrapassam a simples disputa entre  2 candidatos, ele vai ser uma espécie de embaixador (menino-propaganda) nos mesmos moldes de FHC, o Viajandão. O Collor inaugurou essa modalidade de mister Brazil, garoto propaganda de nossas riquezas à disposição de qualquer freguez neoliberal. Já fomos o efeito Orloff da Argentina, vivemos na eminência constante de um golpe 'paraguaio', só falta virarmos a Europa combalida pela política de ajustes fiscais. Os fantasmas atuais da Grécia, da Espanha e Portugal estão rondando nosso continente...

Guilherme Silva (Guirma)

- 2014-10-06 05:18:03

É mesmo... Se ele contar de

É mesmo... Se ele contar de suas ligações tucanas, Aécio desaparece...

O doleiro poderia começar falando do aviãozinho que ele emprestou pro Álvaro Dias fazer sua campanha ao Senado na sua primeira eleição!!! A. Vargas, do PT, perdeu o mandato por usar o mesmo jatinho!

Já pensaram na ridícula situação de Alvaro Dias perder seu mandato antes de começar o novo!!

realista

- 2014-10-06 04:20:02

Dilma leva no segundo turno

Dilma leva no segundo turno

Calvin

- 2014-10-06 01:52:06

Opa, agora tenho certeza

Aécio ganha....

A análise tem a mesma qualidade de quem disse no blog que Serra estava acabado...

altamiro souza

- 2014-10-06 01:35:42

espero mesmo que

espero mesmo que coimbra

tenha razão e acerte esse prognóstico

sobre a derrota de aécio no segundo turno.

ele pelo menos tem experiencia com pesquisas eleitorais.

Eric Voegelin

- 2014-10-06 01:22:59

Antipetismo vai vencer esta

Antipetismo vai vencer esta eleição.

CB

- 2014-10-06 01:13:04

1-Pimentel implante em seu

1-Pimentel implante em seu primeiro mês de governo um orgão similar à CGM que Haddad implantou em Sampa e desbaratou em poucos meses a máfia do ISS que atuou livremente nas gestões anteriores.

2-Desde que Dilma se elegeu, muita gente gritou Ley de Medios! Nada foi feito e agora o que se vê é isto: a mídia golpista conseguiu disseminar um sentimento anti-petista e levou seu office boy a mais de 30% dos votos no primeiro turno. Agora não adianta chorar sobre o leite derramado.

3-Quanto a Maria Osmarina, pra onde ela vai agora? E o PSB, que vai fazer, apoiar Dilma, coisa lógica pela história do partido, ou converter-se em um sub PPS?

Maria Rita

- 2014-10-06 01:07:03

É uma nova eleição. Dilma e

É uma nova eleição. Dilma e sua equipe precisam encontrar uma estratégia que supere aquele mantra da corrupção. Falei em outro comentário que um fator que deve ter contribuído, além do discurso contra a corrupção e a  imposição de uma nova política que foram as duas tônicas que prevaleceram nos chatissimos debates televisivos, foi a promessa de tornar o caixa 2 crime grave. Claro que queremos isso numa sociedade justa, mas como se promete uma coisa dessas quando um juiz do supremo retira do plenário um projeto  já debatido e ganho na votação e não o devolve em tempo hábil para que valesse a partir desse ano? Ela pode afirmar com orgulho que seu governo investiga, mas seu ministro da justiça prevarica e não a defende em questões cruciais. Afinal, o cargo dele é político, não é uma simples nomeação. E, como estratégia, algumas coisas que fazem parte de uma tradição patrimonialista desde que Brasil é Brasil, não são assunto para campanha. A reforma política tem que vir antes disso. Nossos corruptores e corruptos gostam tanto, mas tanto da farra fácil que, juntos, corrompem mais rápido e melhor. Basta olhar para nossa mídia com seu lobby organizado e entranhado em tudo que é instituição e em governos da oposição. Não é a oposição que é forte, é o crime organizado do colarinho branco. Desde sempre. O mensalão do PT é fichinha perto dessa meleca, para evitar outra palavra bem mais adequada. Olha, não quero ser pessimista, mas a única renovação de verdade  que estou assistindo está no Maranhão. Por favor, PT, não cai em provocações, nisso eles são bambas já que são covarde mas tem a publicidade e a mídia que estão longe do interesse público. Negócios são negócios, daí que nossa política tem que ser mais política ainda. Ah, e se precisar, levantamos fundos para a campanha, cada um com o que puder. A campanha do 2o. turno começou ontem, devia ter começado em 2012.

Crisitano

- 2014-10-06 00:34:14

Como uma pessoa que diz que

Como uma pessoa que diz que Dilma venceria no 1.o turno pode ter alguma credibilidade?!!!!!!!!!!!

Zanchetta

- 2014-10-06 00:12:07

Sim e também temos toda a

Sim e também temos toda a delação premiada do Youssef pela frente...

JigSawJr

- 2014-10-06 00:07:58

Isso se não der uma surra na

Isso se não der uma surra na Dilma antes né?

 

Pega lá o controle remoto Vladimir, antes que a irmã do Aécio apareça e não dê mais tempo!

Maurilo

- 2014-10-05 23:54:12

O pt auditará governos passados de Minas?

Pimentel vai auditar? Eu duvido. O PT em nível nacional nao teve peito pra auditar a roubalheira dos governos do PSDB nos 8 anos de FHC e sua privataria tucana. A verdade que o PT paga caro ate hoje por nao mostrar a currupçao do PSDB; e com isso a midiatucana pintou o PT como os maiores ladroes  do Brasil.

DARCY BRASIL R DA SILVA

- 2014-10-05 23:42:25

Os números nem sempre traduzem processos sociais.

Marcio Coimbra , como cientista político, é um excelente economista. Aliás, a sociologia estatística, muito influente nos EUA, toma de lavada da sociologia e ciências políticas marxistas. Uma análise fundada no marxismo refutaria o maniqueísmo que divide a sociedade em "petista" e "anti-petistas". A sociedade continuaria sendo divida entre burguesia e proletariado, em última análise. E mais: do ponto de vista do quadro eleitoral, o que permanece como dado incoerente e absurdo é o fato de o PT não ter aproveitado os 12 anos de governo, em que promoveu algumas melhorias incontestáveis no âmbito das políticas sociais , para se firmar como um partido das grandes maiorias, das grandes massas trabalhadoras, em suma, de um percentual que corresponderia a , no mínimo, uns 70 % da sociedade que, em última análise, só teria a ganhar com o projeto de sociedade que o PT afirma defender ( somente a miopia de esquerdistas como a Luciana Genro ou de puristas comunistas, como o Mauro Iasi, não consegue entender que essas políticas , em vez de corromper a consciência do povo, como eles pressupõem, torna o nosso povo suscetível a processos de politização , de mobilização e organização, a serem levados a cabo por organizações políticas que lutam pela edificação de uma sociedade socialista). A grande verdade é que é impossível projetar o ano de 2018 com base em uma análise mecanicista inspirada nos dados das eleições de 2014, assim como teria sido impossível fazê-lo em 2010 , projetando o ano de 2014: quem é que poderia imaginar, em 2010, as manifestações de 2013 nestas projeções? Entretanto foram essas manifestações que condicionaram , sem sombra de dúvidas, o quadro eleitoral deste ano, apesar da enganosa aparência de perpetuação da divisão PT x PSDB, sendo a grande intenção de votos iniciais em Marina Silva uma demonstração de que um grande desejo de mudança está fermentando no seio de nossa sociedade sem que encontre expressão partidária. Lênin e Gramsci reconheceriam, assim interpreto, um processo espontaneísta em curso na sociedade brasileira, que deseja algo de diferente deste Brasil em que vivemos e que não parece reconhecer no PT um operador destas mudanças ( ao contrário, em sua relação com o PT, o quadro que vê pintado por esse partido é o de um paraíso que não acredita, que não combina com as horas perdidas para ir da casa para o trabalho ou do trabalho para casa, que destoa do sentimento de que não é mais possível continuar convivendo com os números da violência cotidiana que nos afronta,e que mata impunemente milhares de brasileiros todos os dias, como se entre nós prevalecesse o incivilizado direito de matar, com baixíssimo índice de punição dos crimes comuns, que não é mais possível também continuar levando essa vida sem graça, sem cultura, sem lazer, sem diversão ( "a gente não quer só comida...") . Nesse desejo de mudança, a questão da mobilização urbana, da fruição do lazer nos espaços urbanos, da liberdade de ir e vir, do direito à vida, do medo da violência que nos neurotiza cotidianamente, tanto a criminal como a do Estado, são catalisadores ainda não sistematizados, posto que esta sistematização não pode ser feita por movimentos espontâneos, como afirmou Lênin e confirmou Gramsci, na medida que recomenda tratamento das ciências sociais, que só podem ser dominadas por organizações políticas revolucionárias ( no sentido de que lutam por mudanças das estruturas da sociedade). O PSDB, por sua vez, jamais seria capaz de capitalizar esse sentimento de mudanças. Nesse sentido, pode até expressar um sentimento "anti-petista", mas não um sentimento mudancista a que me refiro. Eu, que estou lutando para reeleger Dilma, projeto 2018 e os anos subsequentes para além desta ciranda eleitoral despolitizadora. O PT precisa urgentemente se reinventar como partido de massas, como partido de organização , mobilização e conscientização dos trabalhadores. A sua relação economicista com os seus eleitores, como as massas populares para as quais jura governar ( e eu entendo que ele ,PT, deseja ,de fato, governar para essas massas), precisa urgentemente ser abandonada para ceder lugar a uma relação de reconhecimento dessas massas como sendo as verdadeiras protagonistas destas mudanças. Esse é o ponto fulcral que projeta os próximos anos: a maneira economicista de governar que tem prevalecido de 2002 para cá deve ser substituída por uma maneira voltada para a politização permanente da sociedade. É em nome dessa politização que devemos defender as reformas, é na discussão destas reformas, no esforço em debatê-as com o povo, que reside a possibilidade de sistematizar o sentimento de mudança , convertendo-o em movimento de luta de massas por essas mudanças. A consecução destas reformas ( refiro-me sobretudo à política, à dos meios de comunicação,à tributária e à agrária) dependerá da capacidade de o governo, e sobretudo do PT, que é ainda o grande partido de esquerda de nosso país, fazer o povo entendê-las como questões que lhes dizem respeito e que devem ser por ele, povo, defendidas. Não basta tirar o povo da pobreza material é preciso , igualmente, tirá-lo da miséria espiritual, da alienação em que viceja. O perigo que ameaça o projeto político do PT se situa principalmente na frente ideológica. Nesta frente, a direita tem sistematicamente derrotado a esquerda. A reinvenção da Igreja como "ópio do povo" é um fato na sociedade brasileira. Os movimentos pentecostais e neo-pentecostais são instrumentos de manipulação política a serviço de inconfessáveis interesses tão ou mais perigosos que o monopólio dos meios de comunicação em mãos de 9 famílias , com os quais , inclusive, têm se articulado cada vez mais, influenciando desde a composição do Congresso Nacional, até mesmo o sistema de valores da nossa sociedade, ultimamente bastante afetado pela chamada "teologia da prosperidade" , que nada mais é do que a sublimação no plano religioso dos ideais da sociedade de consumo capitalista. Esses processos políticos de despolitização da política ( desculpem-me a frase aparentemente confusa e pretensiosa) deveriam preocupar muito mais o PT, do que o percentual de votos dados a Aécio Neves. Não é a possibilidade de retorno do PSDB e de vitória de um candidato como Aécio Neves que nos ameaça. A meu ver, a ameça reside no crescimento do desencanto com a política que poderá , no futuro, abrir o caminho para aventuras de direita golpistas.

Morvan

- 2014-10-05 23:28:12

Meu Maior Respeito Por Marcos Coimbra

Boa noite.
... O qual tem se mostrado um cientista político, não se deixando contaminar pelo Wishful Thinking, como a maioria dos proprietários dos Institutos de Pesquisa.
Mas, ao tópico! Tem uma variável a colocar no sistema: todos fogem de 2018. É Lula. Para Aécio é agora, assim como o era para Eduardo Campos, se a Providência, com ou sem caixa de voz, não o tivesse tirado da disputa. Ninguém, em sã consciência, quer enfrentar Lula. Fato. Em 2018, tanto Lula pode lançar novo "poste", como pode, segundo o próprio, se lançar, "para não deixar o Brasil cair nas mãos do PSDB". E a direita, com PIG e tudo, não dispõe de cacife desta magnitude. Por isso o interesse tão grande da mídia rentista, daqui e d´alhures.

maria rodrigues

- 2014-10-05 23:23:33

Queria ter essa certeza. Pra

Queria ter essa certeza. Pra mim, com Aécio tão próximo de Dilma já no prmeiro turno, pode significar a vitória dele no segundo, porque os anti-petistas votantes em Marina, com certeza não votarão jamais em Dilma. O fato é que Dilma ainda vai penar um bocado daqui pra frente. Aliás, se eleita, também não será menor sua luta, pois agora teremos mais tucanos no Congresso. 

Otaviani

- 2014-10-05 23:05:21

Credibilidade ZERO

Ah,e o que fizeram com o Padilha em SP,é criminoso(era considerado nanico).Com isto prejudicou o PT,e interferiu sim na votação final,talvez nem tivessemos seugundo turno pois é o maior colegio eleitoral do pais,e ainda poderia haver um segundo turno,alem do que aconteceu na Bahia e no RS.O Pt tem que tomar ações contra o Ibope e datafolha,até proibir que façam pesquisas no segundo turno,pois agora ficou evidente,credibilidade zero.

naldo

- 2014-10-05 23:01:12

O Brasil não merece um

O Brasil não merece um presidente como o aecio, que colocou uma coleira em todos de MG, tomara que o Pimentel não amenize e mostre a todos a verdadeira administração do aecio, a primeira batalha dele será a midiatica.

Otaviani

- 2014-10-05 22:31:39

Tem outra ,se Dilma cumprir o

Tem outra ,se Dilma cumprir o que foi dito na entrevista aos "blogueiros sujos" que vai partir para o enfrentemento,e que vai regularizar a mídia,no tocante a propriedade cruzada,vai-se mais da metade da oposição.Sem o Pig não existe oposição no Brasil,a direita e a extrema esquerda estão acéfalas,completamente destoados da realidade.Se o PT conseguir transformar em ações os novos anseios da sociedade brasileira,obrigara ao surgimento de uma nova oposição,e esta não será com estas estrututras e nem com estas lideranças,até seu eleitorado tera que se reciclar.2018 sera uma eleição completamente diferente,Aécio talvez nem consiga ser candidato,mesmo se as coisa continuaseem como estão.Ele não tem a menor tarimba,carisma,nada que o mantebnha na crista para ser ja pleiteado para 2018.Discordo totalmente desta análise do Coimbra,muito cedo,tem muita água para rolar debaixo desta ponte.

Luis Sifer

- 2014-10-05 22:27:13

É melhor a pitonisa aí

É melhor a pitonisa aí esperar o resultado.

 

ROSALVO

- 2014-10-05 22:26:00

INFELIZMENTE ALGUNS SETORES

INFELIZMENTE ALGUNS SETORES SOCIAIS AINDA FORMAM OPINIÃO E VOTAM SOB INFLUÊNCIA DO DISCURSO MORALISTA E DA GRANDE MÍDIA. O PT TEM QUE DISPUTAR A CLASSE MÉDIA  SEMPRE MAIS SUJEITA A ESTE DISCURSO.

ROSALVO

- 2014-10-05 22:21:14

ISTO MOSTRA A FORÇA DA VELHA 

ISTO MOSTRA A FORÇA DA VELHA  MÍDIA EM DIRECIONAR O VOTO. O PT NÃO PODE ESQUECER A CLASSE MÉDIA.

ljunior

- 2014-10-05 22:01:28

O anti-PT vai fracassar!

Se teve uma mensagem nessa eleição é que o discurso anti-PT não cola mais.

Ou eles param com essa conversa de "PT corrupto e o resto santo" ou vão levar outra surra em 2018.

#MarinaCensura ficou desconcertada quando a Dilma falou do acessor dela no MMA no debate.

Vladimir

- 2014-10-05 21:59:49

É muito cedo para dizer se o

É muito cedo para dizer se o candidato tucano-midiático sairá fortalecido. Se os resultados em Minas vierem a se confirmar,com a vitória do candidato do PT,Fernando Pimentel,no primeiro turno,será a primeira vez desde o restabelecimento das eleições diretas para governador que o governo do estado de Minas Gerais poderá ser realmente auditado e,se forem confirmadas as denúncias nunca publicadas na imprensa,o moço das Minas Gerais encerrará sua carreira vendendo côco em alguma praia do Rio.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador