“Marina ganhou nossa admiração”, disse Gilmar Mendes ao aprovar a Rede

O partido da ex-senadora, Rede Sustentabilidade, teve o registro aprovado pelo Tribunal Superior Eleitoral
 
Jornal GGN – O partido de Marina Silva saiu do papel. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aprovou, em sessão na noite desta terça-feira (22) o registro da Rede Sustentabilidade. Durante seu voto, o ministro Gilmar Mendes disse que Marina “perdeu ganhando”, por ainda que perdido as eleições à presidência de 2014, ganhou a “admiração” de Gilmar. Marina Silva perdeu o lugar no segundo turno para o senador Aécio Neves que, por seu turno, foi derrotado pela presidente Dilma Rousseff.
 
Gilmar Mendes chegou a arrancar aplausos dos presentes, quando manifestou posicionamentos além do técnico-jurídico para proferir seu voto. Ele se referiu à ex-senadora como “uma candidata que teve, por duas vezes, mais de 20 milhões de votos em eleições presidenciais”, mas teve o seu registro negado, enquanto “legendas de aluguel logram receber esse registro, para constrangimento desse tribunal”.  A declaração, no entanto, foi mais cautelosa do que as proferidas por ocasião do seu voto a favor das doações de empresas aos candidatos e partidos, no STF.
 
Em outubro de 2013, o registro do partido de Marina Silva foi negado por não ter reunido o número mínimo de assinaturas exigido pela Justiça, que equivale a 484.169. Em maio, mais 56 mil assinaturas foram enviadas ao TSE, totalizando 498 mil, atendendo aos critérios estabelecidos. Ainda que sem a quantidade mínima, Gilmar criticou a decisão dos ministros do Tribunal Superior Eleitoral em 2013, sem citar nomes.
 
Na época, foram seis votos contra e apenas o seu a favor do partido. Laurita Vaz, João Otávio de Noronha, Henrique Neves, Luciana Lóssio, Marco Aurélio Mello e Cármen Lúcia decidiram pela irregularidade na quantidade mínima de signatários. Gilmar ainda relembrou a “dificuldade de Marina” se candidatar a presidente da República no último ano, sendo possível apenas após a morte de Eduardo Campos, de quem era candidata a vice.
 
“O partido sofrera um notório abuso e era preciso que nós reconhecêssemos e deferíssemos o registro naquelas circunstâncias. Tanto fizeram para evitar que essa mulher fosse candidata e ela acabou sendo candidata, em circunstâncias trágicas. Marina perdeu as eleições, mas ganhou a nossa admiração. Portanto, perdeu ganhando”, estusiasmou-se o ministro.
 
O ministro Dias Toffoli acompanhou a onda de críticas de Gilmar ao TSE e disse que se o sistema de criação de partidos no país não for rediscutido “cada deputado vai querer ser um partido político”, ao mencionar o total de 34 siglas com a de Marina. Toffoli também posicionou-se pela necessidade de debater o tempo televisivo. “Com a distribuição do tempo de TV dessa forma, cada deputado vai querer ser um partido político e de 34 passaremos a 500”, afirmou. 
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora