Não é machismo, é “constatação”, diz Mourão sobre polêmica com mães e avós

 
Jornal GGN – O General Hamilton Mourão, vice de Jair Bolsonaro, voltou à baila nesta terça (18) com a polêmica envolvendo mães e avós. Segundo relatos de O Globo, após a repercussão, Mourão disse que se trata de “constatação”, e não de machismo ou “críticas às mulheres”, a ideia de que crianças criadas na ausência de figuras masculinas são facilmente aliciadas pelo crime organizado.
 
“Não estou criticando as mulheres, estou fazendo uma constatação de algo que ocorre notadamente nas nossas comunidades carentes”, disse.
 
Na segunda (17), Mourão disse precisamente que lares sem avôs e pais, com apenas “mãe e avó”, são uma espécie de “fábrica de elementos desajustados”.
 
Durante palestra na Associação Comercial de São Paulo, nesta terça, o militar da reserva afirmou que essa realidade da qual ele trata se reproduz principalmente nas comunidades carentes, porque as mães e avós são obrigadas a deixar o lar para trabalhar e, sem acesso à creche e escola em tempo integral, as crianças ficam sujeitas à cooptação pelo tráfico.
 
“Essas mães e essas avós saem para trabalhar, e a grande maioria são cozinheiras, são faxineiras, vivem uma dureza de vida o tempo todo. Elas não têm com quem deixar os filhos porque o Estado não está presente para dar creche, uma escola de tempo integral, onde essa criança possa permanecer, e essa criança vira presa fácil do narcotráfico.”
 
PASSE LIVRE 
 
Mourão ainda disse que nas comunidades carentes “a população masculina, em grande parte, está toda presa, ou está ligada à criminalidade, ou já morreu, o que deixa a grande responsabilidade de levar a família à frente nas mãos de mães e avós.”
 
A frase de Mourão lembra a proposta de Bolsonaro para combater o narcotráfico no Rio de Janeiro. O candidato já disse em entrevistas que daria um ultimato para as “pessoas de bem” sairem do morro e, depois disso, com passe livre, policiais e militares invadiriam as comunidades e atirariam nos “criminosos”. Questionado sobre os inocentes que morreria nesta guerra, Bolsonaro tratou como danos colaterias.
 
à opinião de Mourão sobre as famílias – especialmente com mães solos – que vivem nas comunidades causou repúdio nas redes sociais.
 
A jornalista Raquel Sherazade, que costuma alimentar o discurso contrário aos direitos humanos, endossou o movimento de mulheres contra Bolsonaro, afirmando que é mãe solo de dois filhos, e que mães e avós deveriam ser tratadas como “heroínas”, e não responsáveis pela criminalidade. Atacada pelos seus seguidores, ela respondeu que não está “defendendo comunismo”, mas “repudiando facismo”.
 
Também no Twitter, o escritor Marcelo Rubens Paiva filho de deputado Rubens Paiva, torturado e morto pela ditadura militar, reagiu: “Fui criado pela minha mãe e irmãs porque a ditadura militar matou meu pai”, escreveu.
 

17 comentários

    • Pensei a mesma coisa.
      Por
      Pensei a mesma coisa.

      Por outro lado, é alarmante o tamanho da boçalidade nos meios militares. A coisa não para no capitao, nao: um general de quatro estrelas que é um tolo completo, um ribombante idiota! Tanto dinheiro de imposto pra criar isso aí? Vai pintar calçada, meio fio, rodapé de árvore, nao é?!

      Pelo amor de deus! É uma em cima da outra….

  1. Tá valendo?

    MILICOS BRASILEIROS SÃO TRAIDORES DA PÁTRIAE RETARDADOS MENTAIS

     

    Não é preconceito, é constatação.

    Veja as declarações dos milicos nativos nos últimos 4 anos e chegará na mesma constatação.

    • Lado errado

      Se as FFAA estivessem com o povo ao invés de estar com as elites teriam muito a fazer: construir uma nação.

      Hoje são um exército sem pátria alguma para defender, apenas um guardião dos privilégios coloniais

  2. Esta parece ser a derradeira derrocada desta dupla fascista

    .Mas, pelos antecedentes criminais de ambos, pode aparecer mais vômitos desta ordem.

    Imperdoável que um candidato à vice presidência de uma nação, tenha dito o que disse. Não há desculpa.

  3. Ao ponto que chegamos…

    O Executivo e o legislativo brasileiro estão tão por baixo que qualquer um aparece com declarações desse tipo, dando uma de estadista. O Mourão parece com torcedor que acha entender muito de futebol.

    Que enorme vácuo de poder criou-se em Brasília

  4. sei lá

    Adolfinho, adolfinho depois de eliminar os órfãos desajustados, os petralhas, aqueles que pensam diferente, sem falar dos gays lesbicas simpatizantes, vai sobrar algo para governar?

  5. FURO N’ÁGUA?

    Me desculpem todos. Mas, quando eu vi a manchete do que disse Mourão sobre a questão das mulheres que criam filhos sozinhas, nem me interessei em ler o que o dito cujo disse. Achei de antemão que fosse mais um coice dado por este mourão de cerca. Imaginei exatamente que ele teria dito que mulher é ncompetente pra criar filho.

    Depois que li esta matéria, no entanto, percebi que a argumentação do general é a mesma que se usa pra se exigir com toda propriedade que homens assumam seu papel na criação dos filhos e que o Estado ampare estas famílias lideradas por mulheres que heroicamente assumem jornada tripla ou quádrupla para prover seus filhos de educação, necessidades básicas, amor e segurança familiar. De repente, me dei conta que algo com o qual concordo – a situação de risco a que se encontram as famílias cujos pais são ausentes – assume uma aura de machismo e até mesmo fascismo, porque veio da boca de veio.

    Se puxarmos pela memória poderemos lembrar de pesquisas feitas em famílias da periferia que constatam a situação de risco a que estão submetidos os jovens cujas famílias são lideradas por mães e avós em situação financeira ruim. Nunca imaginei que esta constatação pudesse ter um caráter machista, misógeno ou desqualificador da figura da mãe solteira (espero que o termo não seja ofensivo também).

    Da forma como foi apresentada a fala do candidato a vice de Bolsonaro, não consegui perceber que foi realmente uma bola fora. Ele já disse muitas, normalmente só fala besteira mesmo, mas, será que desta vez ele errou em colocar a questão? Sua explicação me pareceu correta: a ausência da figura paterna realmente dificulta a vida da criança e da mãe. É crime dizer isto? E qual a ligação entre o que ele disse sobre a população masculina nas áreas carentes e a bobagem do Bolsonaro. É fato: o homem, jovem, pouco instruído, morador da periferia tem sido alvo principal do assédio do crime organizado. Isto sim, é uma fábrica de mães solteiras.

    A crítica que deve ser feita, no entanto, vai ao encontro do que disse Rubens Paiva. O Estado matou seu pai e sua mãe teve de criá-lo sozinha. Esta é uma responsabilidade que o general jamais irá asumir. Muito menos o fato de que a polícia é truculenta e que os excessos são proporcionais ao grau de corrupção de seus agentes. Ou seja, quem sofre com a violência policial é quem não pode pagar. A simbiose entre estado e crime organizado produz a população carcerária e a rede de cemitérios clandestinos espalhados por todo o Estado, algo que poderia ser considerado um verdadeiro crime contra a humanidade, embora nem a esquerda se lembre de levantar dados ou apontar evidências que comprovem aquilo que toda a poulação periférica sabe que existe. Infelizmente, os que morrem são Silvas, não são Herzogs ou Rubens Paiva, ou qualquer nome que dê notoriedade ao fato de que a ditadura nunca acabou nas periferias.

  6. Adeus, Lata Velha

    Azar do Galvão Bueno. Já em fim de carreira, ganhou um concorrente de peso no falatório desastrado: o General Mourão. Depois da derrota nas urnas, quem sabe o ex-futuro vice não ganha um programa na telinha: Mulambada de Sábado. Aliás, não duvido que a Globo trocasse o velho Caldeirão do seu Luciano pelo Sabadão de Mourão&Galvão.

  7. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome