No segundo turno, 10 dos 13 governadores eleitos apoiaram Bolsonaro

Nordeste foi o único estado que manteve as preferências aos não apoiadores do agora eleito novo presidente do país
 

Foto: Reuters
 
Jornal GGN – Os candidatos que apoiaram Jair Bolsonaro foram eleitos nos três estados da região Sudeste e no Distrito Federal que foram ao segundo turno das eleições para governador. Santa Catarina trouxe a vitória em massa para o candidato do PSL e no Rio Grande do Sul venceu o PSDB por pequena diferença.
 
Os estados da região Norte, Rondônia e Roraima também levaram os candidatos do partido de Bolsonaro à vitória, e no Amazonas venceu o apoiador do novo presidente. O Nordeste foi o único estado que manteve as preferências aos não apoiadores do agora eleito novo presidente do país.
 
Em São Paulo, com 95,35% das urnas apuradas, João Doria (PSDB) obteve 51,73% dos votos contra 48,27% de Marcio França (PSB).
 
No Rio de Janeiro, com 98,20% das urnas fechadas, o ex-juiz Wilson Witzel garantiu vitória com 59,75% dos votos, contra 40,25% do ex-prefeito Eduardo Paes (DEM).
 
Em Minas Gerais, com 77,14% das urnas apuradas, o ex-governador e senador Antonio Anastasia (PSDB) ficou em segundo lugar, com 28,6% dos votos válidos, dando vitória ao empresário Romeu Zema.
 
No Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB) foi eleito com 69,79% contra 30,21% de Rodrigo Rollemberg (PSB).
 
No Rio Grande do Sul, foi eleito o candidato Eduardo Leite (PSDB) venceu com 53,49% dos votos contra 46,51% de José Ivo Sartori (MDB). 
 
Em Santa Catarina, o candidato de Bolsonaro, Comandante Moisés (PSL) venceu com grande maioria de 71,14% dos votos contra 28,86% de Gelson Merísio (PSD). 
 
No Sergipe, o atual governador Belivaldo Silva (PSD) foi reeleito, com 64,73% dos votos contra 35,27% de Valadares Filho (PSB). 
 
No Rio Grande do Norte, a candidata do PT, Fátima Bezerra, foi a única mulher a vencer um mandato a governo nestas eleições, com 57,62% sobre 42,38% de Carlos Eduardo (PDT).
 
Amapá trouxe vitória a Waldez Góes (PDT) como o novo governador do estado, somando 52,38% dos votos válidos, por pequena diferença de João Capiberibe (PSB), que obteve 47,62%.
 
No Pará, com a totalidade das urnas apuradas, Helder Barbalho (MDB) foi eleito com 55,37% dos votos válidos contra 44,63% de Marcio Miranda (DEM).
 
Rondônia garantiu vitória ao candidato do PSL, Coronel Marcos Rocha, com 66,14% dos votos sobre 33,86% de Expedito Junior (PSDB). 
 
O PSL também garantiu a vitória em Roraima, com 53,63% dos votos a Antonio Denarium (PSL), contra 46,37% de Anchieta (PSDB), após 80% das urnas apuradas.
 
No Amazonas, após Wilson Lima (PSC) declarar o apoio a Bolsonaro, obteve 59,43% dos votos, contra 40,57% de Amazonino Mendes (PDT), com 91% da apuração.
 
E o Mato Grosso do Sul elegeu Reinaldo Azambuja (PSDB), com 52,35% dos votos, contra o Juiz Odilon (PDT), que alcançou 47,65% dos votos.
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

11 comentários

    • Ué…

      Pra vc ver, não são só os translatores que não são reliáveis.

      Mas isso é até o de menos. A matéria é um primor de confusão. Não consegue sequer esclarecer quais seriam os três governadores que não apoiaram Bolsonaro.

  1. Sugiro uma oposição propositiva para o Haddad

    Nada melhor do que perder com elegância e altivez. 

    Haddad, faça uma oposição qualificada, com idéias propositivas.

    Não é porque não ganhaste que têm de abandonar seus ideais. Consulte o Lula, veja o que ele tem para lhe acrescentar e vamos a luta por um país mais justo e igualitário, onde este povo laborioso possa dar o melhor de si para o progresso de nossa amada Nação.

  2. Como assim, “Nordeste foi o

    Como assim, “Nordeste foi o único estado que manteve as preferências aos não apoiadores do agora eleito novo presidente do país”?

    O Nordeste não é um estado, o Nordeste é um país, com alguns estados! Um país que bem faria se se separasse definitivamente do Brazil. Pronto: os estados nordestinos se chamariam “Brasil”. E os bolsonaristas, “Brazil”.

    E falando em nordestino, bem fez Ciro Gomes em não “barbosar”, não “janotizar”. Esses que esperaram amoitados a canditura do Bolsonaro se consolidar para na última hora posarem de irresponsáveis pelo golpe que acabou parindo o ex-soldado.

    Barbosão e Janot, assim como muitos outros promotores do MPF e juízes do STF têm, sim, enorme responsabilidade pelo que está acontecendo, podendo inclusive cobrar da turma que vai se instalar no Alvorada algum carguinho. O que seria do Brazil sem que Barbosão, em contradição a todas as normas que regem a escrita jurídica – estrangeiriosmos só quando tiverem a ver com a matéria e forem imprescindíveis – preferisse “bribery” em lugar de “corrupção”? E agora vem posar de democrata, de patriota…

  3. O povo é doido!
    O camarada

    O povo é doido!

    O camarada não consegue manter um discurso coerente durante um periodo mínimo de tempo!

    Tem atitudes que se opõem entre si!

    Os discursos são de Deus, as ações são diabôlicas…

    O que ele é verdadeiramente?

    Não dá para confiar!

     

  4. Torcida
    A esquerda tem de torcer para a direita realizar um governo que mantenha ou faça crescer nossa nação. Se assim não for não sobrará nada daqui a 4 anos.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome