O nó na cabeça da mídia: Haddad, o radical ou o moderado?, por Luis Nassif

O Valor Econômico tem feito a cobertura mais equilibrada das eleições. Mas, frequentemente, há reportagens mostrando o nível de confusão que se instalou na cabeça dos repórteres, entre o discurso terrorista que vem da cúpula da Globo, e as conversas realistas com mercado.

Exemplo interessante é a matéria, da qual extraímos alguns trechos (não vai nem link nem autoria, porque o repórter é mais vítima que autor da confusão):

 

Falta pouco menos de um mês para a eleição e, aos poucos, o cenário mais temido pelo mercado financeiro vai ganhando força. Geraldo Alckmin (PSDB), o preferido dos investidores por seu discurso reformista, continua patinando, enquanto os candidatos de perfil esquerdista Ciro Gomes (PDT) e Fernando Haddad (PT) avançam.

(…) Fernando Haddad ainda é o que mais assusta o mercado, ao ser considerado um nome cada vez mais forte na disputa de segundo turno com Bolsonaro, que lidera o pleito com 24% das intenções de voto.

(…) Com um programa econômico heterodoxo, que relativiza a necessidade de reformas, se o candidato do PT continuar mostrando avanço nas pesquisas também a temperatura nos mercados deve subir, trazendo ainda mais volatilidade aos preços.

Mas, porém, contudo, todavia, entretanto…

Mas, à boca miúda, o que alguns experientes analistas dizem é que há chance de o petista ajustar o discurso após o primeiro turno. Leitura que gestores e economistas passaram a fazer após encontros privados com o candidato – chamado de “o mais tucano dos petistas” -, e é endossada por declarações do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, de que, num eventual confronto contra Bolsonaro, o PSDB apoiaria Haddad.

Hoje o que se tem de concreto é um discurso que vai na contramão de tudo o que o mercado considera fundamental para a economia voltar aos trilhos. (…) Mas, para participantes do mercado, não se pode descartar a possibilidade de Haddad moderar o discurso ainda antes de um eventual segundo turno. “Ele sabe que precisa ter um compromisso fiscal e mostrar ideias muito mais equilibradas”, relata um economista que participou de um encontro com o petista. “Eu tenho convicção de que ele vai mudar o discurso logo depois do primeiro turno”.

(…) Ele afirma que não seria fácil encontrar nomes de mercado dispostos a trabalhar num governo do PT. Mas acho que a surpresa positiva pode vir de Haddad, não de Bolsonaro.”

Por outro lado, é comovente a solidariedade do Estadão com Bolsonaro.

 
Leia também:  Dodge recebe relatório sobre morte de Marielle Franco

20 comentários

  1. O PSDB vai querer indicar Meirelles pra fazenda?

    Plebiscito revogatorio de todos os atos desde a posse de Temer e por coleira na orda golpista do judiciario e na midia. Se haddad nao fizer isso, nao governa!

  2. ver pra crer

    |PSDB apoiar Haddad?????? Só acredito vendo. Ainda estou indeciso (Ciro ou Haddad), mas acho q vou de 13. O q me preocupa é esse apoio de neoliberal. Eles são mestres em puxar tapete (vide Dilma). E o PT parece ter uma santa inocência com tapetes….Mas se o Ciro estiver no segundo turno contra as ffaa, não penso duas vezes. 

  3. Danem-se!

    Após a vitória. A esquerda tem o dever de fazer o que deve ser feito objetivando o crescimento/desenvolvimento e o mercado que se adapte!

  4. Haddad é muito capacitado
    Haddad provou isto na entrevista na Globo News, por varias vezes colocou o jornalistas numa sai justa, uma delas emblemática por sinal foi quando Merval, o questionou sobre as denúncias do Ministério Público de improbidade administrativa, a sua resposta calou a boca do jornalista, a lhe questionar se ele sabia de quantas denúncias o este órgão conseguiu provar a existência de irregularidades, e ele não soube responder.

  5. Não sou fã de Haddad pq ele
    Não sou fã de Haddad pq ele entregou de mão beijada a prefeitura p o Dória q dizia “Vou privatizar os corredores de ônibus,os parques públicos”aí ogentleman Haddad não denunciava e nem criticava isto para alertar o povão e ainda ficava dizendo”Sou amigo do Dória,ganhei ou dei (?)uma gravata a ele!”,já a Globo é melhor já fechar com o Ciro iôiô(é direita,esquerda,contra o PT,a favor do PT e etc…)pq Bolsonaro nazista já era,nem segundo turno,só com muita fraude mesmo !!!!

  6. O Estadão passa de conservador para o fascismo

    O Estadão preocupado, ja quase no desespero de ver seu querido PSDB de fora do primeiro turno não hesita em dar os braços  a extrema direita.  E o rude do Mourão quer dar um golpe no proprio candidato. Nem tem paciência de esperar a eleiçéao. So rolando de rir. E o Estadão se atrelando à isso ai. Decadência total.

    Essa matéria do Valor lembra em outra escala as matérias que sairam na época da primeira eleição de Lula. Foram muitas as ameaças veladas e mal veladas ao PT, a Lula e Dirceu; queria que, se Lula ganhasse, Lula governasse segundo a cartilha do mercado. Como dizia minha voh que vão para os quintos dos infernos.

  7. Três questões que não querem calar

    Três questões da fala do(s) experiente(s) analista(s):

    1 – “… a economia voltar aos trilhos.” O que é voltar aos trilhos?

    Combinar crescimento, distrubição de renda, responsabilidade fiscal e preocupação com o meio ambiente? Ora, isso são os pilares dos governos PT, justamente o contrário do que o PSDB/PMDB FHC/Temer, mui amigos do mercado fizeram.

    2 – “Ele sabe que precisa ter um compromisso fiscal …” E desde quando os governos do PT (Lula/Dilma) não tiveram responsabilidade fiscal?

    Pois, mesmo com os erros dos últimos anos do governo Dilma, bombardeado por chantagens de todos os lados, da oposição/Congresso, mídia, MPF/PF/Judiciário e mercado, seu governo foi imensamente mais responsável do ponto de vista fiscal do que FHC/Temer. Basta olhar dos dados da dívida pública e superávit fiscal, sem falar no emprego e PIB na outra ponta.

    3 – “…ele [Haddad] vai mudar o discurso logo depois do primeiro turno”. Mudar o que, se o discurso sempre foi esse, de responsabilidade fiscal e crescimento economico, com distruição de renda, geração de empregos e cuidado ambiental?

    Quem tem que mudar de discurso é o mercado, ou melhor, os analistas de mercado que operam para os grandes capitalistas.

    Ou eles assumem que querem assaltar o Brasil e os brasileiros, produzindo a maior concentração de renda do mundo, associado a maior venda de ativos desse imenso país continental a preço de xepa, ou, então, eles dizem que os governos petistas representam a melhor síntese de desenvolvimento socioeconômico e equilíbrio ambiental. Ou será que o mercado é contra o Brasil se tornar um país desenvolvido?

    E, por fim, o Haddad, ressalvando a genealidade e o peso político nacional e internacional do Lula, é a maior expressão desse novo Brasil – rico, includente, plural e que sabe, melhor do que os outros, preservar sua natureza.

    Pois, se não for isso, como será?

    O mercado vai querer nos convencer que é possível: cada vez menos pessoas, produzirem cada vez menos (e mais caros) bens, para, cada vez menos pessoas (mais ricas) comprarem?

    É isso???

    Eles pensam que a gente é idiota? Eles acham que a gente não sabe que essa conta não fecha?

    Ora, sem o Estado, para regular a vontade infinita de ganho, o sistema capitalista e seu mercado, particularmente na sua forma financeira, se auto destroem.

    Esse pessoal precisa cair na real. São como crianças que se enchem de doce e depois morrem de dor de barriga. Eles precisam do papai e da mamãe Estado para puxarem sua orelha e obrigarem eles a pararem de comer o doce: moeda virtual. Ou alguém acha que é normal pagar 288,74% ao ano de “crédito rotativo” no cartão?

    Ah, e como o Estado também é formado por pessoas, precisamos avisar a elas, principalmente dos altos escalões e das forças judiciárias, policiais e militares, que eles não são donos do Brasil. Tem mais gente vivendo nessa pátria amada.

    • bom post

      PLenamente de acordo com o que escreveu!

      Esse povo que fala em nome do “mercado” nada entendem de coisa nenhuma… Geralmente são parasitas!

      Nada produzem, nada contribuem com a riqueza do pais!.

      O que lhes interessa é ganhar dinheiro sem risco e fácil  à custa do povo, à custa do orçamento da nação!

  8. Marcos Lisboa vem aí

    Para quem já esqueceu 2015, a vaca tussindo, Levy,…

    Depois de 13 anos no poder, qualquer partido perde força, capacidade de liderança e de união, ainda mais no pais do presidencialismno de coalisão. Se nesse periodo ainda sofre duas mega-campanhas anti-corrupção, tem uma presidente da republica derrubada por pressão popular, tem seu lider maior preso e toda sua cupula na mira da lava-jato, essa perda só pode ser ignorada por efeito do apego doentio ao poder.

    Só governará se fizer um mega-acordo com os neo-liberais e trair, mais uma vez, o eleitorado que insiste em tentar reviver o passado, ignorar o drama do presente e desprezar qualquer possibilidade de futuro.

     

    • SIm, qualquer partido se

      SIm, qualquer partido se desgasta, erra, faz besteira, em treze anos de Poder num sistema político cuja arquitetura e funcionalidade dão seus contributos. Também é óbvio que se esse partido governou contra interesses que há séculos ditavam o compasso, todos seus percalços serão potencializados e minimizados, ou mesmo ignorados, seus acertos. 

      Quanto ao apego ao Poder: ô xente! Desde quando a práxis política deixou de ser a busca pelo Poder? Os partidos se transformaram em aglomerados de cidadãos e cidadãs para fazerem…..o que quê mesmo? Tricô, jogar damas..?

      Qualquer a novidade, então, nessas tuas observações?

      O problema nas crítica de vocês é que ela é ou docemente ingênua ou afrontosamente desonesta. O PT, pelos alegados ou verdadeiros erros, perdeu o direito de existir. 

      E ai, se insistir! Só lhe restou ou trair seu eleitorado ou ser golpeado.Tudo à vistas de um eleitorado saudosista e sem nenhum senso crítico. 

      • Apego ao poder

        É normal em politicos e militantes profissionais. Só não é nenhum pouco normal que eleitores e cidadãos que estão vendo seu pais ser destruido escolham um partido que coloca esse objetivo à frente dos interesses nacionais.

        Aí o fenômeno tem outra denominação, Síndrome de Estocolmo.

        • Prezado,
          Vamos deixar a

          Prezado,

          Vamos deixar a hipocrisia de lado. O Poder, unicamente o Poder, é a meta da Política como Política. Eleitores e cidadãos, é raso insistir, tem o livre arbitrio para fazerem suas escolhas. Aliás, mais que isso: o direito. Assim como tu tens o direito de criticá-los como é o presente caso com esse juízo, a meu ver tolo, porque não conexo, avaliando-os como vítimas da chamada Síndrome de Estocolmo. 

          A propósito, quem tem o monopólio para definir ou decidir quais são os interesses nacionais? 

    • “Só governará se fizer um

      “Só governará se fizer um mega-acordo com os neo-liberais e trair, mais uma vez, o eleitorado que insiste em tentar reviver o passado, ignorar o drama do presente e desprezar qualquer possibilidade de futuro.”

      Perfeito. Incrível como tem gente aqui mesmo no GGN que se nega a ver aquilo que está nú na frente de todos.

  9. Dane-se!

    Após a vitória, a esquerda tem o dever de aplicar as  medidas direcionadas ao crescimento/dessenvolvimento. O “mercado” que se adapte!

  10. Que feio moderação,represam
    Que feio moderação,represam direto o comentário de um assíduo colaborador,ok,se esse é o problema navegarei por outros mares!!

  11. O antipetismo radical no seu

    O antipetismo radical no seu nível máximo tem na burrice o seu efeito mais deletério. Majoritário, essa verdadeira praga que empesta os diversos nichos da sociedade, tem, sobremaneira, desvirtuado e rebaixado o debate político no país. De uns tempos para cá se torna uma espécie de “abra alas”, quando não uma conditio sine qua non, para quem pretende fazer análise política nas diversas mídias, a começar pelas controladas pelas corporações. 

    Claro que estamos falando de algo não natural, espontâneo e sincero. O antipetismo se transformou numa IDEOLOGIA em qualquer das suas concepções: ampla, crítica, marxista etc. Sem esquecermos o lado, digamos, “comercial”, da práxis. Muita gente ganha dinheiro hoje com a exploração desse vezo.

     

     

    • Verdade, JB

      Temos um robozinho aqui com fortes evidências de ganhos financeiros. Em TODOS seus comentários, inicia com um discurso de esquerda e depois desce o pau no PT. Sempre assim. Nunca foge do script. 

       

       

  12. O nó na cabeça da mídia: Haddad, o radical ou o moderado?

    vídeo: Momentos antes do ATENTADO, Bolsonaro SURPREENDE

    [video: https://www.youtube.com/watch?v=i5fDNciU31s%5D

    “Eu não vou mudar. Não estou preocupado em ser eleito. Eu tôu botando o meu na reta por vocês, porra. Querem alguém diferente. Votem em outro. Não tem problema nenhum”.

    Bolsonaro – no vídeo acima

    antes tarde do que ainda mais tarde, “Andrade” está precisando “tomar um banho de povo”. muito embora sua capacidade de empatia com os pobres seja tão insossa quanto o gélido picolé de chuchu Alckmin.

    se fosse num baile à fantasia, quem venceria a eleição como o personagem mais fake: Alckmin fantasiado de sertanejo ou Haddad travestido de Lampião?

    o mais autêntico finda sendo BolsoNazi, primeiro com sua cola de Lula rabiscada na própria mão, depois alvo da mesma violência que pregou com tanta agressividade, por fim…

    com os dois candidatos (Lula e Bolsonaro) preferidos pelo eleitor, e melhor colocados nas pesquisas, removidos da disputa direta, o que mais falta para compreendermos definitivamente: “Eleição é farsa!”.

    se através da Democracia Liberal Representativa fosse possível promover transformações sociais para superar a desigualdade, com certeza ela seria considerada “subversiva” ou “terrorismo”.

    o voto não substitui a luta.

    e foi também sob esta palavra de ordem que se deu a criação do PT.

    faço delas abaixo as minhas palavras:

    “Para o bem ou para o mal, o mito Lula preveleceu. Tudo isso me faz chorar. Tanto capital político desperdiçado. Um enorme contingente de pessoas que têm resistido ao assédio da mídia e do ódio, mas que tem sua percepção de realidade limitada por um sonho de volta de um inclusivismo capenga e sujeito a outros tantos golpes.”

    Telegrama recebido de Pasárgada – 11/09/2018

    .

  13. Os abutres, a quem se aplica

    Os abutres, a quem se aplica o eufemismo “mercado” querem que o povo morra de fome e escravizado enquanto levam metade do orçamento para suas contas no exterior…….

     

    O povo um dia terá que acordar e retribuir a mesma receita aos abutres, desculpe, ao “mercado”……

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome