Os anarquistas fardados querem expandir a terra de ninguém?, por Fábio de Oliveira Ribeiro

Os anarquistas fardados querem expandir a terra de ninguém?

por Fábio de Oliveira Ribeiro

O ataque contra Bolsonaro é um fato, a representação que está sendo criada para o episódio é outro. Sobre esse outro fato algumas coisas podem ser ditas.

É evidente que a imprensa e os apoiadores do ex-capitão do exército estão utilizando o que ocorreu tanto para aumentar a simpatia por Bolsonaro (o objetivo é reduzir sua rejeição) quanto para instigar o ódio aos candidatos petistas (para amedrontar ou encurrala-los). A Veja e o general Mourão, vice de Bolsonaro, já culparam o PT.

Não há qualquer prova concreta de que o PT é responsável pelo que ocorreu. Mas isso não importa. Uma vez feita, a acusação baseada em convicção funciona como um soco na cara, obrigando o adversário a reagir. Além disso, a imprensa pró-bolsonaro ou anti-petista poderá convenientemente esquecer que Jair Bolsonaro foi filmado prometendo fuzilar petistas.

A vitimização daquele que incita o ódio não é uma coisa nova na política brasileira. José Serra utilizou essa tática (episódio da Bolinha de Papel). Antes dele a mesma tática foi empregada por Carlos Lacerda (atentado da rua Tonelero).

O crescimento eleitoral de Fernando Haddad pode ser contido? Aqueles que estão utilizando eleitoralmente o ataque a Bolsonaro acreditam que sim. Mas isso somente poderá ser adequadamente medido daqui a algum tempo. O PT já foi vítima de ataques semelhantes no passado e conseguiu usar o ataque para reforçar a rejeição do adversário (José Serra que o diga).

Mourão aproveitou a hospitalização de Bolsonaro para fazer sua primeira aparição como político. Seu desempenho não poderia ser mais desastroso. Ele acusou o PT sem provas e disse que somente os militares são profissionais da violência. Duas coisas podem ser ditas sobre a performance dele.

A primeira é que ele parece não entender que assumiu um novo papel. O militar só é profissional da violência quando está na ativa. Na política o homem deve ser um profissional da negociação sincera e cordial, da construção de consensos possíveis e, principalmente, da pacificação do campo político. Ele enfatizou a violência e, portanto, se colocou fora do campo político sem pertencer mais ao campo militar.

A segunda coisa que pode ser dita é ainda mais perturbadora. Ao dizer que o PT é responsável pelo ataque a Bolsonaro, Mourão utilizou a jurisprudência de Deltan Dellagnol (que acusou Lula sem provas e com base em suas convicções). Ironicamente, os profissionais do Direito não deveriam ser profissionais da violência e sim do Direito. Portanto, ao se manifestar Mourão aprofundou a confusão entre barbárie e civilização e o resultado disso certamente não será bom para ninguém.

Ao invés de desarmar a bomba que foi acionada por Bolsonaro ao prometer fuzilar os petistas os agentes da barbárie estão usando o ataque contra ele para armar uma bomba ainda maior. Quando ela inevitavelmente explodir todos irão receber os estilhaços, inclusive os Juízes que não interromperam a carreira política de Bolsonaro. Há décadas ele começou prometer matar milhares de pessoas e isso já deveria ter sido considerado incompatível com o Estado de Direito.

Em sua primeira aparição política Mourão demonstrou que pretende seguir o caminho do seu mestre e subalterno. A forma como o general se manifestou indica que o espaço para a política será definitivamente substituído por uma terra de ninguém entre inimigos irreconciliáveis. Portanto, o vice de Bolsonaro pode se tornar um elemento ainda mais perigoso para a tranquilidade política do que o próprio candidato protegido e acariciado pela mídia anti-petista.

Mourão tem mais contatos militares que Bolsonaro. E isso não é nada bom para um país condenado à instabilidade política por causa dos anarquistas de farda infernais. De tempos em tempos eles saem dos Quartéis para garantir que nosso país continue sendo economicamente pobre, politicamente atrasado, militarmente irrelevante e tecnologicamente medíocre.

 

Obs: Ilustra esta matéria a foto um quadro de Meg Sorick https://megsorick.com/2017/11/09/no-mans-land/amp.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

11 comentários

  1. Mais uma prova de que cada um

    Mais uma prova de que cada um deveria ficar no seu quadrado…….

     

    Se são profissionais da violencia, que fiquem com a violencia e deixem o povo em paz….só queremos trabalho para pagar nossas contas e se possivel bebericar uma gelada no fim de semana, de preferencia SEM violencia…..

  2. Interpretação de mundo

    Por que um tipo como Bolsonaro é tolerado no meio politico ? Porque ele faz parte dessa parte do Brasil conservador, que passa pelo reacionarismo e chega ao fascismo, que tem muita dificuldade de compreensão do mundo em que vive e que mensura tudo que vê e ouve pelo pouco que conhecimento que tem. 

    O General Mourão é um desastre toda vez que abre a boca. Mas pode ter certeza que muita gente se identifica com esse pensamento reacionario do mundo e de que tudo de ruim que existe no Brasil é por causa dos comunistas, logo petistas.

    Se a imprensa não fosse isso ai que temos, esses personagens não estariam na cena politica nacional, fazendo apologia à violência e dizendo tanta barbaridade.

  3. O fato é que o país vive uma

    O fato é que o país vive uma guerra civil não declarada. De um lado a casa grande cuja fachada agora é de uma instituição financeira e de outro a senzala, que agora reune todos os descendentes dos africanos, um exército de reserva industrial e um depósito de desempregados. Enquanto essa guerra não for declarada, um lado continuará massacrando o outro. 

  4. Uso infeliz da expressão “anarquista”

    O autor parece tentar fazer uma analise critica da realidade, mas é tão pequenino que já começa usando um termo totalmente equivocada para analisar a realidade dos fatos. Não tem nada de anarquismo no que ocorreu e nenhum dos sujeitos envolvidos  se identifca como anarquistas.

    Ou o autor do texto realmente desconhece na historia quem eram/são os anarquistas e como se posicionam frente ao processo eleitoral, ou ele sabe e preferiu usar por desonestidade e seu baixo caratér mesmo. Nos dois casos, ele só atesta sua incapacidade de contribuir para compreessão dos movimentos e os desdobramentos dos fatos que estamos assistindo.

    Péssima publicação de um jornal tão bom.

    • não são anarquistas, são fascistas.

      concordo com o mau uso do termo anarquista. O nome desses senhores, incluido o Sr. Mourão é fascista. Isso tem que ser repetido e não pode ser confundido com outras denominações, isso é fazer o jogo deles de forma inconsciente e quiça até por desconhecimento.

      • Os fascistas eram

        Os fascistas eram disiciplinados e cumpriam ordens.

        Os militares brasileiros derrubaram um imperador e vários presidentes. Nos últimos tempos eles tem tentado invadir o espaço político democrático ao invez de cumprir sua verdadeira missão (que é defender o país de seus adversáros, inimigos em potencial e, principalmente, dos agentes do mercado que querem saquear nossas riquezas naturais). Portanto, sempre existiram e ainda existem militares que são incapazes de manter a disciplina e de cumprir o regime constitucionala em vigor.

        Esses militares são anarquistas. Mais alguma dúvida?

          • Realmente já percebi que você

            Realmente já percebi que você é um chato. Vá produzir e nomear seus próprios textos. E fique certo de uma coisa: não vou perder meu tempo comentando-os.

            Mais alguma coisa senhor censor?

        • Nenhuma dúvida, realmente é

          Nenhuma dúvida, realmente é um completo desconhecimento do que seja o fascismo:ele chega ao poder provocando o caos. Enfim, stalinistas tem um flerte histórico com o fascismo – deve ser por causa da ‘disciplina’-  e uma implicancia com o anarquismo

  5. Uso infeliz da expressão “anarquista”

    O autor parece tentar fazer uma analise critica da realidade, mas é tão pequenino que já começa usando um termo totalmente equivocada para analisar a realidade dos fatos. Não tem nada de anarquismo no que ocorreu e nenhum dos sujeitos envolvidos  se identifca como anarquistas.

    Ou o autor do texto realmente desconhece na historia quem eram/são os anarquistas e como se posicionam frente ao processo eleitoral, ou ele sabe e preferiu usar por desonestidade e seu baixo caratér mesmo. Nos dois casos, ele só atesta sua incapacidade de contribuir para compreessão dos movimentos e os desdobramentos dos fatos que estamos assistindo.

    Péssima publicação de um jornal tão bom.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome