Quem ganha e quem perde com a “neutralidade” do PSB

 
Jornal GGN – A decisão do PT em apoiar o PSB em 4 estados – rifando a candidatura de Marília Arraes em Pernambuco, o que irritou boa parte da militância – foi um golpe em Ciro Gomes (PDT), que saiu ainda mais isolado, enfraquecedo o campo da esquerda em benefício da direita e da extrema-direita, segundo avaliação de 2 cientistas políticos ouvidos pelo Estadão nesta quinta (2).
 
Já o Painel da Folha expôs outro lado da moeda: que, para uma ala do PT, o isolamento de Ciro poderia servir de gatilho a uma aliança entre as esquerdas, por mais difícil que isso possa parecer agora. Inclusive, segundo o jornal – e confirmação da Revista Fórum – o PT já ofereceu a vaga de vice de Lula a Ciro, que teria declinado por meio do presidente nacional do PDT.
 
Marco Antonio Carvalho Teixeira defendeu no Estadão que o “arranjo entre petistas e socialistas não foi simplesmente uma derrota para Ciro, mas pode se transformar numa importante vitória para Geraldo Alckmin. O tucano assiste tranquilamente seus principais rivais à esquerda se digladiarem e perderem força num processo eleitoral em que a unidade é crucial para a viabilização de qualquer candidatura.”
 
Já o professor Roberto Romano, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), disse que além de prejudicar Ciro, o acordo entre PT e PSB não é “correto”. “Essas ações dos partidos são desastradas. Com o enfraquecimento da candidatura de Ciro, também perdem força os programas e candidatos da centro-esquerda brasileira, que é quem mais perde nesse jogo”. 
 
CIRO, O VICE DE LULA?
 
Painel da Folha divulgou nesta quinta (2) que antes de anunciar a jogada com o PSB, a presidente do PT Gleisi Hoffmann ofereceu a Carlos Lupi, presidente do PDT, a vaga de vice-presidente na chapa de Lula para Ciro Gomes. Lupi respondeu que o convite chegou muito atrasado: deveria ter sido feito duas semanas atrás, antes de o PDT confirmar o lançamento da pré-candidatura de Ciro.
 
Na mesma coluna, o jornal expõe a outra faceta da estratégia do PT em ajudar no isolamento de Ciro: uma parte consideraria que, sem muitas opções de alianças, Ciro não teria escolha a não ser concordar com a frente de esquerda em torno de Lula – pelo menos até onde a candidatura sobreviver. “Os petistas admitem que a operação não será fácil, mas dizem acreditar que o isolamento de Ciro na disputa pode acabar na formação de uma aliança da esquerda.”
 
E A MILITÂNCIA?
 
Mais do que ajuda Alckmin e prejudicar a candidatura de Ciro no campo de centro-esquerda, a jogada do PT com o PSB desagradou a militância e colocou a sobrevivência do partido em xeque, escreveu o jornalista Ricardo Kotscho.
 
“Não tenho a menor ideia dos motivos que levaram a direção do partido a fazer este acordo para o PSB ficar neutro nestas eleições e se afastar de Ciro Gomes – este sim, um antigo e fiel aliado do PT. Quem ganha com isso? Com a desmobilização da militância petista, a justa ira e o isolamento de Ciro, fragmentando ainda mais o campo da esquerda, e a insistência em levar a candidatura de Lula até o fim, a ferro e fogo, pagando qualquer preço, quem ganha é a direita, que se uniu em torno de Geraldo Alckmin, e o candidato das trevas, Jair Bolsonaro”, avaliou.
 
Para Kotscho, “corremos agora o risco de repetir a França e promover um inédito embate entre direita e extrema-direita no segundo turno.”
 
“O que está em jogo neste momento não é só o destino do PT, mas do próprio país, em que o partido ainda joga um papel fundamental. (…) O fato é que o PT envelheceu muito cedo e já não empolga a juventude, boa parte dela hoje encantada com o troglodita Jair Bolsonaro, transformado no tal “fato novo” desta eleição.” 
 
Leia a coluna completa aqui.
 
O QUE O PT TIROU DE CIRO
 
Sem a aliança com o PSB, Ciro perde “tempo de propaganda de rádio e TV, o número de parlamentares que fariam campanha para ele, assim como o recurso partidário que poderia ser investido em sua campanha – os 47 segundos de tempo que o PSB tem no horário eleitoral e os 118 milhões de reais do fundo eleitoral do partido não serão recebidos por nenhum presidenciável. Sem essa estrutura, a tendência é que o PDT lance chapa pura, na qual teria aproximadamente 30 segundos de tempo de exposição e 61,4 milhões de reais de fundo eleitoral – valor esse a ser dividido com concorrentes a todos os cargos, não apenas para presidente e vice”, anotou o El País.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

21 comentários

  1. O PT quer unir a esquerda?

    O PT quer unir a esquerda? Olha…parabéns aos envolvidos…continuem com o bom trabalho…SQN

  2. Não sou contra acordos mas esse é uma m….

    Não sou contra acordos pragmáticos. Detesto oportunistas que vem surfar na irritação da militância, como é o caso de Tarso Genro.

    Entretanto, esse acordo não é apenas ruim, é péssimo.

    O PT entrega filé mignon, uma candidatura competitiva num estado relevante.

    O PSB, em troca, entrega migalhas de pão que catou na mesa.

    “Ah, mas o PSB ia coligar com o Ciro”

    Deixa ele se coligar com o Ciro! Na melhor das hipóteses temos mais uma candidatura nacionalista com força. Na pior, ele morre pela boca com o tempo a mais.

  3. Sem Lula ou seu indicado, nenhum governador do PT terá condição

    de governar seu Estado. Vejam o que acontece com Pimentel em Minas com o Temer no poder…

     

    Nas discussões internas em defesa da aliança com o PSB, a direção petista argumenta sete pontos para a união informal das legendas; “Não vamos perder o foco do nosso enfrentamento. Estamos numa batalha pela devolução dos empregos, dos direitos dos trabalhadores e do povo, da nossa democracia e da nossa soberania”, diz o PT

     

    2 DE AGOSTO DE 2018 ÀS 14:32 // INSCREVA-SE NA TV 247 

     

     

    247 – A direção nacional do PT defendeu a aliança com o PSB anunciada nessa quinta-feira, 2, pela qual o PT retira a candidatura da vereadora Marília Arraes a governadora em Pernambuco, enquanto o PSB retira a candidatura de Márcio Lacerda a governador em Minas. 

    Nas discussões internas da sigla, a direção petista argumenta sete pontos que advogam pela aliança com o PSB. “Nunca escondemos do PT de Pernambuco, dos movimentos sociais e de Marília, nossas conversas e nossos movimentos. Lutamos por uma coligação formal, mas não foi possível. Esse movimento é o recomeço da frente de esquerda no país, buscando resgatar um partido q historicamente esteve do nosso lado”, diz o partido. 

    Leia, abaixo os argumentos em defesa da aliança com o PT:

    Sobre PSB e PT

    1. É uma estrategia nacional resgatar aliança com o PSB, um partido em disputa. No Nordeste e Norte apoiarão Lula ou quem Lula Indicar.

    2. Essa ala do PSB (Ricardo Coutinho, Paulo Câmara, Capiberibe) tirou a direita do partido, e colocou o PSB contra a reforma trabalhista, a EC 95, a entrega da Petrobras e a privatização da Eletrobras.

    3. Recompor uma frente política de esquerda no país é condição para o enfrentamento ao golpe e para tirar o Brasil da crise com uma política econômica inclusiva

    4. O PCdoB, um dos partidos que compõe essa frente, via o entendimento com o PSB como condição para construirmos uma unidade do campo

    5. Desde o ano passado temos reforçado que nossas alianças ou acordos eleitorais se dariam no campo da centro esquerda. E listamos, e APROVAMOS, em resolução do PT que os partidos para construirmos isso eram PCdoB, PSB e PDT

    6. Nunca escondemos do PT de Pernambuco, dos movimentos sociais e de Marília, nossas conversas e nossos movimentos. Lutamos por uma coligação formal, mas não foi possível. Esse movimento é o recomeço da frente de esquerda no país, buscando resgatar um partido que historicamente esteve do nosso lado

    7. Sem a eleição de Lula e a construção de um campo político NACIONAL progressista e popular não recuperaremos o país. Não vamos perder o foco do nosso enfrentamento. Estamos numa batalha pela devolução dos empregos, dos direitos dos trabalhadores e do povo, da nossa democracia e da nossa soberania.

    https://jornalggn.com.br/noticia/quem-ganha-e-quem-perde-com-a-neutralidade-do-psb-um-xeque-mate-do-pt-em-ciro

     

  4. Ciro vice de Lula é  um

    Ciro vice de Lula é  um delírio ainda maior que achar  que a justiça vai permitir a candidatura de Lula.

  5. bom post.

    Definitivamente a direção do PT não entende nada de politica. Erro atrás de erro!

    Será que essa gente nunca leu um livro de História?

    Será que não parenderam nada com os erros?

    Já é hora de aparecerem novas lideranças populares no partido. Burocratas demais, lideres populares de menos!

    Já é hora a militancia exiguir renovação!

  6. Quem fica indignado ou

    Quem fica indignado ou surpreso com esses movimentos é porque anda lendo o Príncipe errado rs. Não existe na política essa coisa de uma ideia para a qual os partidos de um mesmo espectro vão se juntar para derrotar o campo adversário oposto. Cada candidato quer chegar ao poder e fará de tudo para isso – nem que tenha que entregar cabeças de aliados fieis. Leiam Maquiavel – atualíssimo depois de 500 anos de sua publicação. E essa eleição, com a tirada de Lula pelo judiciário, é muito pulverizada. Logo, cada palmo de território ganho pode ser a diferença entre ir e não ir ao segundo turno. Além do mais, só lá pro meio de setembro é que a última peça do tabuleiro entrará em cena = o candidato do PT que vai concorrer no caso de Lula ser impedido de ter seu nome na urna.  E assim, todas as possibilidades de segundo turno estão em aberto – desde dois candidatos de esquerda até dois de direita e até mesmo, o que muitos achavam quase impossível, se repetir pela sétima vez  disputa PT x PSDB. 

  7. Há um ganhador nessa questão: Geraldo Alckmin

    Há um ganhador nessa questão: Geraldo Alckmin. O acordo, como não vincula o apoio a Lula pelo PSB, libera as seções regionais do PSB para apoiarem qualquer candidato. Com isso, em São Paulo, Márcio França fica liberado, completamente, para apoiar Geraldo. O mesmo ocorrerá em outros estados nos quais o PSB é linha auxiliar do PSDB-MDB. Salvar Pimentel não passa pelo sacrifício do próprio PT. 

  8. CIRO E PDT NÃO ENTENDE…

    Se o Ciro não tivesse SAÍDO FORA ESTRADA, se não tivesse ido PELO CAMINHO DE ATACAR O LULA E O PT, se não tivesse se AGARRADO EM FAZER ALIANÇA COM A DIREITA, se não tivesse SIDO TÃO ARROGANTE E MESQUINHO E TÃO BURRO hoje ele não estaria sozinho. Ele jamais pensou QUE A PARCERIA ELE E LULA iriam ser uma FORÇA QUE JAMAIS NENHUM OUTRO PARTIDO SERIA.  LULA SOZINHO JÁ É FORTE COM CIRO IRIAM ESTOURAR A BANCA POLÍTICA E NÃO IRIA TER PRA MAIS NINGUÉM.

                                                        

    Ciro não entende que por mais EXPERIÊNCIA QUE ELE TENHA COMO POLÍTICO ELE NÃO É LULA, MAS PODERIA VIR A SER.  Ele não avaliou QUE SENDO VICE DO LULA, CASO O LULA FOSSE OU VENHA SER IMPEDIDO DE GOVERNAR ELE SERIA O SEU HERDEIRO E PODER ESCOLHER UM VICE DO PT PARA ACOMPANHÁ-LO. Mas A CABEÇA QUE NÃO PENSOU FAZ A PRÓPRIA CANDIDATURA PADECER.

     

    Sinceramente não sei QUEM ACONSELHOU O CIRO FAZER O QUE FEZ, MAS QUEM O ACONSELHOU, FOI UM MAU CONSELHEIRO. ALCKMIN É UM BOSTA, MARINA UMA IMBECIL e o BOLSONARO UM FASCISTA. ESSES TRÊS JUNTOS NÃO VALEM UM PALITO DE FÓSFORO USADO. Precisa ser MUITO TAPADO, MUITO DEMENTE  pra votar em um desses três. Eu não sei SE A TEMPO DO CIRO REVERTER  A SUA CANDIDATURA, EU ACHO QUE NEM CIRO E PDT NÃO ENTENDE QUE ESTÃO JOGANDO UMA BOA OPORTUNIDADE PELA JANELA, se O CIRO NÃO SE UNIR AO PT ELE NÃO IRÁ AVANÇAR SUA PONTUAÇÃO NA PESQUISAS.

     

  9. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome