Quem já tem um candidato a prefeito? Por Pedro Cardoso

Melhorar a administração das prefeituras é o que podemos fazer por agora. Então, alguém ai já tem tem um candidato?

Foto: REUTERS/Sergio Moraes

Por Pedro Cardoso

Em seu Instagram

Bom dia, embora…

Acho que falaremos por muito tempo da famigerada reunião ministerial do dia 22. São tantos os pontos que merecem a nossa atenção que vai nos tomar enorme tempo observá-los todos. Mas antecipo a sensação que, acredito, nos ficará; e ela não é novidade para mim: os nascidos nesse chão sem pátria encontram-se em meio a uma guerra de gangues pela posse do milionário Estado brasileiro.

Mas a reunião traz uma novidade: a crença dos mentirosos em sua mentira salvadora é sincera. Eles de fato se creem vítimas de um comunismo ameaçador desde de 64; e justificam armar-se para se defenderem dele. Qualquer pessoa que viva na realidade sabe que essa ameaça é uma mentira que eles mesmo inventaram mas na qual parecem mesmo acreditar.

São eles que ameaçam a liberdade, foram eles que decretaram o AI-5, torturaram e mataram opositores nos porões dos quartéis e, no entanto, eles se dizem ameaçados e em defesa da liberdade. Toda vez que as regras – já tão precárias – da democracia os impõe limites, eles as entendem como uma restrição a liberdade deles! Eles odeiam o Congresso e o STF, não pelos defeitos que têm, mas justamente pelas acidentais qualidades que ainda têm.

A administração messiânica julga ter eleito um ditador; e os militares, como sempre, veem a democracia como um constrangimento a vontade deles de moldar o país ao desejo deles; constrangimento que eles se impõe tolerar para desculparem depois a sua ação autoritária como tendo sido necessária para manter a ordem que eles mesmos destruíram com a sua administração irresponsável. Um momento sinistro.

Leia também:  Acompanhe o segundo turno das eleições 2020 no mapa interativo do GGN

Do outro lado, são também poucas as vozes confiáveis, e menos ainda as vozes lúcidas, e, ainda menos, as vozes novas. O que fazer para escapar à guerra civil na qual só está armado a lado dos nazifascistas?, estamos todos nos perguntando.

Cuidarmos das eleições municipais, é o que devemos fazer, na minha opinião. Contra armas, o voto. Quem são os candidatos confiáveis? Melhorar a administração das prefeituras é o que podemos fazer por agora. Então, alguém ai já tem tem um candidato?

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

7 comentários

  1. Sim. Aqui em Aracaju, Sergipe, votarei para reeleger Edvaldo Nogueira.
    Será a continuidade de uma administração honesta e competente, voltada para o bem-estar de todos nós.
    Será que não está na hora de acabar com a obrigatoriedade do voto ? Na última eleição, 29% votaram Nulo, em Branco, ou simplesmente não foram votar. São 30 milhões de pessoas indiferentes ao destino do Brasil. Por que obrigá-los a ser um cidadão que não querem ser ?

  2. Bem, eu tenho um ParTido que escolheu um candidato com o qual não tenho nenhuma afinidade.
    Nunca neguei meu voto a esse ParTido, mesmo quando na eleição para governador Zé Dirceu, contrariando a orientação do Diretório Paulista , recomendou o voto nulo entre Covas e Maluf. Meu entendimento a época era que o Zé estava certo mas eu segui o diretório, mesmo sem jamis ter me filiado ao ParTido.
    Dessa vez estou com uma imensa dúvida se vou manter a fidelidade do voto, espero que muita agua ainda corra embaixo dessa ponte e possamos compor uma frente ampla contra o fascismo que não passe obrigatoriamente pela cabeça de chapa para o meu Partido.

  3. Primeiramente, deixe-me discordar do Pedro Cardoso. O “mentiroso não acredita em sua própria mentira”. Na verdade eles mentes compulsivamente, com o intuito de fazer desta mentira uma verdade. Além disso, o tal armamento, não seria para se “defender” de um comunismo inexistente. E sim, para que suas milícias, ora bem armadas, sejam convocadas em momento oportuno, para finalizar o golpe, fechando o regime, ao menor sinal de ação, ou reação, das demais instituições. Leia-se Congresso e STF.
    Quanto à pergunta final, minha resposta é: eu tinha, sim, um candidato. Mas, ele desistiu da disputa. Então, voltei à estaca zero.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome