Senhor, senhor…, por Jorge Alexandre Neves

Senhor, senhor…

por Jorge Alexandre Neves

Em 2015, houve uma reportagem da TV Anhanguera sobre funcionários públicos da Assembleia Legislativa de Goiás que batiam ponto e se ausentavam do local de trabalho. Parte dessa reportagem fez grande sucesso, por seu lado inusitadamente cômico. Uma servidora que havia batido o ponto e ido embora foge da repórter que a estava questionando sobre o ocorrido, que sai correndo e dizendo “senhora, senhora…”. 

A campanha do segundo turno, até aqui, me faz lembrar muito daquele ocorrido. Assim como aquela servidora pública de Goiás, o deputado Jair Bolsonaro está fugindo de dar explicações à opinião pública. O que ele teme tanto?

Não é difícil imaginar as razões para o acovardamento do deputado. Primeiramente, há sua biografia. O Sr. Jair Messias Bolsonaro sempre teve desempenhos vergonhosos em tudo que fez na vida como servidor público, militar ou civil. 

No exército, sua carreira foi abaixo da crítica! Um dos ditadores militares que tanto admira foi taxativo ao dizer que “não foi um bom militar”. Refiro-me ao general Geisel, em trecho publicado em sua biografia. O deputado Jair Bolsonaro largou o exército com a patente de capitão (uma das mais baixas entre oficiais) e, pouco depois, entrou na vida parlamentar.

Sua carreira política também não consegue encher ninguém de orgulho. Tem sido, sem dúvida, um deputado de baixíssima produtividade legislativa. Em quase três décadas como parlamentar no Congresso Nacional teria, segundo dados publicados pela grande mídia, conseguido aprovar apenas dois Projetos de Lei. 

É muito pouco para alguém que recebe uma remuneração tão elevada, aceitou auxílio moradia mesmo tendo imóvel em Brasília e ainda manteve por longo período uma funcionária fantasma no seu gabinete, que, na verdade, prestava serviço em sua casa de praia. 

Leia também:  UNICEF pede prioridade às crianças e adolescentes na agenda eleitoral 2020

Se seu “posto Ipiranga”, o economista Paulo Guedes, fizesse uma simples análise de custo-benefício da vida parlamentar do deputado Jair Bolsonaro concluiria que a mesma foi um completo desperdício de dinheiro público.

Em segundo lugar, o deputado Jair Bolsonaro teme ter que dar maiores explicações sobre o que planeja fazer depois de eleito. Primeiramente, porque seu plano de governo é totalmente genérico e superficial. Adicionalmente, ele tem enormes dificuldades de explicar a grande maioria dos temas de um plano presidencial de governo. Pelo simples fato de que é alguém totalmente despreparado para a função que deseja ocupar.

Pelo andar da carruagem, vamos chegar ao dia da eleição de segundo turno sem poder assistir um único debate entre os candidatos finalistas à Presidência da República. Algo inédito, desde a redemocratização, quando esses debates se tornaram fundamentais. Até lá, vamos continuar a correr e gritar: senhor, senhor…

Jorge Alexandre Neves – Ph.D. em Sociologia pela Universidade de Wisconsin-Madison (EUA), Professor Titular do Departamento de Sociologia da UFMG, Professor Visitante da Universidade do Texas-Austin (EUA) e da Universidad del Norte (Baranquilla, Colômbia), pesquisador do CNPq e articulista do jornal Hoje em Dia. Especialista em desigualdades socioeconômicas, análise organizacional, políticas públicas e métodos quantitativos.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Dick fazendo a corrida da sua vida

    Parte das pessoas que vai votar no dick vigarista sabe que ele não fez nada na Câmara, que é analfabeto funcional, que enriqueceu ilicitamente, que colocou os filhos para mamar no Estado, que é violento, obtuso etc etc. Sabendo disso tudo vão votar nele porque apostam no candidato que seria o tal anti-sistema, anti-PT e que mata bandido. Para essa gente, as “qualidades” do dick vigarista falam mais alto que sua folha corrida. 

  2. Senhor, senhor…,
     

    “Pelo andar da carruagem, vamos chegar ao dia da eleição de segundo turno sem poder assistir um único debate entre os candidatos finalistas à Presidência da República. Algo inédito, desde a redemocratização, quando esses debates se tornaram fundamentais. Até lá, vamos continuar a correr e gritar: senhor, senhor…”

    E se ele for eleito vamos continuar a correr e gritar:

    Senhor, Senhor… por que nos desamparastes?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome