TSE proíbe Bolsonaro de disseminar “kit gay” por fake news

‘Informação equivocada de que o livro teria sido distribuído pelo MEC… gera desinformação no período eleitoral, com prejuízo ao debate político’, conclui ministro
 
Reprodução: Imagem Jornal Nacional
 
Jornal GGN – O ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Carlos Horbach mandou remover links de redes sociais e sites com a expressão “kit gay” propagada pela campanha de Jair Bolsonaro (PSL) para atacar Fernando Haddad, candidato pelo PT.
 
O pedido para barrar a notícia falsa foi feito pela defesa da coligação “Povo Feliz de Novo”, de Haddad dirigida contra o candidato do PSL e seus fillhos Carlos Bolsonaro (PSL), vereador do Rio e Flávio Bolsonaro (PSL), eleito senador também pelo Rio. Segundo eles, o livro Aparelho Sexual e Cia tinha sido distribuído para escolas públicas na época em que Fernando Haddad era ministro da Educação.
 
“Nesse quadro, entendem comprovada a difusão de fato sabidamente inverídico, pelo candidato representado e por seus apoiadores, em diversas postagens efetuadas em redes sociais, requerendo liminarmente a remoção de conteúdo. Assim, a difusão da informação equivocada de que o livro em questão teria sido distribuído pelo MEC… gera desinformação no período eleitoral, com prejuízo ao debate político”, pondera o ministro do TSE dando o prazo de 48 horas para que Facebook e Google identifiquem o número de IP dos perfis responsáveis pelas postagens.  
 
Horbach detacou, ainda, que o projeto “Escola sem Homofobia” nem sequer chegou a ser executado pelo Ministério da Educação logo, “não ensejou, de fato, a distribuição do material didático a ele relacionado”.
 
“Assim, a difusão da informação equivocada de que o livro em questão teria sido distribuído pelo MEC (…) gera desinformação no período eleitoral, com prejuízo ao debate político, o que recomenda a remoção dos conteúdos com tal teor”, assinalou o ministro. 
 
Segundo informações do Congresso em Foco, o vídeo de Bolsonaro afirmando que o livro foi distribuído durante a gestão Haddad no Ministério da Educação teve cerca de 500 mil visualizações. O presidenciável do PLS apresentou o mesmo livro e discurso durante uma entrevista que deu ao Jornal Nacional em 28 de agosto. 
 
Segundo a defesa da coligação petista, até o momento conseguiram derrubar 100 links originais e mais de 146 mil compartilhamentos com alcance estimado de 20 milhões de visualizações. 
 
“Para além dos prejuízos nesta eleição, temos claramente acompanhado a escalada de notícias falsas com uma disseminação que só pode ser explicada através de um trabalho de inteligência articulado e financiado com robustos recursos. Este é um instrumento perigoso para a consolidação de notícias que podem comprometer a própria segurança nacional do Brasil”, disse o advogado Angelo Ferraro, da coligação “Povo Feliz de Novo”. 
 

Redação

7 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Retirar não adianta
    Precisa obrigar o candidato a gravar um video desmentindo e divulgar o video

    Algo assim “venho a público informar que o que eu chamei de kit gay é mentira, invenção da minha cabeça, nunca existiu é o objetivo era unica e exclusivamente denegrir a imagem do meu oponente fernando haddad”

  2. TSE faz politicagem

    E O DIREITO DE RESPOSTA???

     

    O candidato fascista, estúpido, sem escrúpulos Bolsonaro e sua campanha utilizam métodos sujos e criminosos, atuam na surdina. Pegou vários vídeos, inclusive do exterior, com sexo infantil, desrespeito a religiões, entre outros, e atribuiu ao governo de seu adversário. Esse mentiroso comete diversos crimes com essa prática. #elenão 

     

  3. Se não houver uma púnição ou multa para cada fake news…

    Se não houver uma punição, uma multa ou um direito de resposta para cada fake news disseminada; se o T$E ficar sempre correndo atrás do próprio rabo, eles não vão coibir as fake news.

    Acho que na verdade eles não querem acabar com as fake news, pois isso deixaria de prejudicar o PT e o judiciário não é neutro. Vide a postura qudrúpede do Moro, que publicou a delação premiada do Palocci, sem qualquer prova das suas alegações.

    Mas os Fascistas já estão ameaçando a Ro$a Weber. Tomara que cumpram suas ameaças.

    Agora só falta me processarem por entenderem que, ao torcer para que as Otoridades de bosta desse país colham os frutos do que plantaram, eu as estou ameaçando.

    Enquanto isso, o novo Brasil do Barro$o está para ser refundado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador