Vice de Bolsonaro, General Mourão diz que regime militar não foi ditadura


Foto: Divulgação
 
Jornal GGN – Depois do episódio público do deputado e hoje presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) de defender o torturador da ditadura do regime militar, coronel Carlos Brilhante Ustra, chamando-o de “herói brasileiro”, foi a vez de seu vice, o General Mourão, afirmar que o período do regime não foi ditadura.
 
“Considero pessoas que chamam período de presidentes militares de ditadura, não reconhecem o que era realmente”, disse, durante uma entrevista à rádio Jovem Pan, na manhã desta segunda-feira (10).
 
Que o coronel apontado como um dos principais torturados da ditadura do regime militar no Brasil, Ustra, é valorizado por Bolsonaro, não havia dúvidas. Em episódio escancarado, na votação do impeachment contra Dilma Rousseff no Conselho de Ética da Câmara, em novembro de 2016, o deputado da extrema direita disse que Brilhante Ustra é um “herói brasileiro”.
 
Em programa do Roda Viva, da TV Cultura, Bolsonaro também disse que o livro “A verdade sufocada – a história que a esquerda não quer que o Brasil conheça”, de autoria de Ustra, era seu livro de cabeceira. 
 
O General Mourão também já havia homenageado o torturador, chamando-o também de “herói” durante seu discurso de despedida do Exército, justificando depois que Ustra “combateu o terrorismo e a guerrilha, por isso ele é um herói”.
 
Agora, em entrevista à Jovem Pan, o General que é vice de Bolsonaro na chapa a candidato a Presidência 2018, falou abertamente que o período do regime militar no país não foi ditadura. E chegou a amenizar, inclusive, o instrumento para o estado de exceção no país:
 
“Era autoritário? Era. Ela teve instrumento de exceção que foi AI5 que não foi usado tantas vezes assim e tínhamos Guerra Fria. E aqui grupos armados buscaram atacar o Estado e não para derrubar a ‘tal ditadura’, mas queriam implantar a ditadura do proletariado”, disse, em defesa do regime.
 
Também amenizou que as torturas teriam sido “excessos” quase que naturais: “O Estado se defendeu. Houve excessos, mas na guerra excessos acontecem”, afirmou.
 
Questionado sobre o teor não ditador do Ato Institucional 5, que cassou mandatos, fechou o Congresso e cassou prerrogativas de resquícios da democracia no período ditatorial, Mourão disse apenas que era “um instrumento forte e potente na mão do presidente” e se negou a reconhecer como ditadura, apenas como “momentos tensos e difíceis que a história vai julgar”.
 
Acompanhe aqui a entrevista:
 
https://www.youtube.com/watch?v=EvEmpzQXDqY
 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

8 comentários

  1. Esse conceito depende do

    Esse conceito depende do lado…

    Você pode estar do lado do soco ou do lado da cara…

    Do lado do revolver ou do lado da bala…

    O chato da vida é isso, quem bate esquece…

  2. Não houve ditadura, o cunha é

    Não houve ditadura, o cunha é honesto, o aécio não é irrespons´vel, não houve golpe, a lava jato é imprcial, o judiciário age sempre dentro da constituiçaõ, o moro não é show man, a globo só faz jornalismo e nunca politicalha……

  3. Hildebrando Pascoal diz q serrava suas vítimas em legítima defes

    Pois é. O Hidelbrando Paschoal afirma que serrava suas vítimas com uma serra elétrica em legítima defesa.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome